quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

“BALK” (1), “BALK” (2)

(1) O arremessador (destro) estava completamente parado após alongar os braços para cima (“stretch”). Tão logo o seu pé livre se levantou, o corredor da 1ª base arrancou em direção à 2ª base. Alertado pelo receptor sobre o que estava ocorrendo, o arremessador deu um passo em direção à 1ª base e parou. Os árbitros, corretamente, declararam um “balk” e mandaram o corredor à 2ª base.
 
Nessa jogada, se o arremessador tivesse feito um giro completo, sem hesitar, em direção à 1ª base e lançado à 2ª base, não seria “balk”. (Esse movimento não é interpretado como um lançamento a uma base desocupada.)

[Comentário – Regra 8.05 (b)]

(2) Para tentar surpreender o corredor da 1ª base fora da “almofada”, o arremessador (destro) mudou a posição do pé de apoio sobre o “pitcher’s plate” e, em seguida,  lançou ao defensor da 1ª base direcionando o pé livre à base. Há algum problema?
Para lançar à 1ª base sem sair do “pitcher’s plate”, o arremessador pode mudar a posição do pé de apoio sobre a placa, desde que o faça ao mesmo tempo que direciona o pé livre à base. Se fizer o lançamento direcionando o pé livre à base após ter mudado a posição do pé de apoio sobre o “pitcher’s plate”, será “balk”.
 [Regra 8.01 (c) – NOTA]

Sem comentários:

Enviar um comentário