sexta-feira, 30 de outubro de 2020

FOI ANOTADO PONTO?

Corredor na 1ª e na 3ª bases, dois eliminados. O defensor da 2ª base apanhou a bola rebatida (“ground ball”) e tentou tocar o corredor da 1ª base, que estava avançando à 2ª base, mas não conseguiu na primeira tentativa –o corredor parou e deu alguns passos para trás; e quando finalmente conseguiu eliminá-lo, o corredor da 3ª base já havia pisado o “home plate”.

Nessa jogada não foi anotado ponto, porque a terceira eliminação ocorreu em Jogada Forçada.

[Regra 5.08 (a) – EXCEÇÃO (2)]

quarta-feira, 28 de outubro de 2020

FOI ANOTADO PONTO?

Bases cheias, dois eliminados. “Inside-the-park home run” (quadrangular em que a bola permanece dentro do campo). Os corredores e o batedor-corredor pisaram o “home plate”. O batedor-corredor, porém, foi eliminado em apelação por ter omitido a 1ª base.

Nessa jogada não foi anotado ponto, porque a terceira eliminação ocorreu sobre o batedor-corredor antes de ele tocar a 1ª base.

[Regra 5.08 (a) – EXCEÇÃO (1)]

segunda-feira, 26 de outubro de 2020

SUBSTITUIÇÃO DE ARREMESSADOR

Primeira metade do primeiro “inning”. O arremessador abridor fez dois arremessos descontrolados (“wild pitch”) ao primeiro batedor do jogo. O técnico, então, resolveu substituí-lo. O árbitro deve permitir tal alteração?

Não.

O arremessador abridor deve arremessar ao primeiro batedor, ou ao seu substituto, até que ele seja eliminado ou alcance a 1ª base, a menos que se machuque ou adoeça e o árbitro principal o considere incapacitado para continuar arressando.

[Regra 5.10 (f)]

sexta-feira, 23 de outubro de 2020

BATEDOR É “OUT”

Rebatida “line drive”*. A bola atingiu o pé do arremessador e, sem tocar o solo, desviou; o defensor da 1ª base apanhou-a no ar. O batedor-corredor deve ser declarado “OUT”?

Sim, porque houve pegada legal (“catch”).

[Comentário - (“CATCH”)]

quarta-feira, 21 de outubro de 2020

DEFENSOR DA 1ª BASE APANHA UM “FLY” COLOCANDO UM PÉ DENTRO DO “DUGOUT”

O defensor da 1ª base estava com um pé sobre o solo dentro do “dugout” quando apanhou um “fly”. A pegada é válida?

Não.

Para apanhar um “fly” nas proximidades de um “dugout”, o defensor tem de estar com um ou ambos os pés na/sobre a superfície do campo de jogo, incluindo a beira do “dugout” (nenhum dos pés pode estar sobre o solo dentro do “dugout”).

Se um defensor cai para dentro do “dugout” após apanhar uma bola “fly”, a bola fica morta; e se isso acontecer quando há corredor(es) em base, cada um será autorizado a avançar uma base, sem o risco de ser eliminado.

[Comentário – Regra 5.09 (a) (1), Regra 5.06 (b) (3) (C), Comentário – Regra 5.06 (b) (3) (C)]

segunda-feira, 19 de outubro de 2020

ARREMESSADOR REMOVIDO PARA OUTRA POSIÇÃO

O arremessador que havia sido removido para a 2ª base, no quinto “inning”, retornou à posição no mesmo “inning”. Como seu desempenho não estava satisfatório, o técnico mandou-o de volta para a 2ª base. Isso é legal?

Não.

Comentário – Regra 5.10 (d): Um arremessador pode mudar para outra posição somente uma vez durante o mesmo “inning”; por exemplo: o arremessador não será autorizado a assumir outra posição que não seja a de arremessador mais de uma vez no mesmo “inning”.

sábado, 17 de outubro de 2020

BATEDOR ENTRA NO “BATTER’S BOX” LEVANDO UM “BAT” ALTERADO

Um batedor não deve ser eliminado só pelo fato de ter entrado no “batter’s box” levando um “bat” alterado. Correto?

Não. Além de ser declarado “out”, deve ser expulso do jogo e poderá estar sujeito a penalidades adicionais determinadas pelo Presidente da Liga. Isso porque ele é considerado como se tivesse infringido a Regra 6.03 (a) (5), ou seja, usado ou tentado usar esse “bat” ilegal.

[Comentário – Regra 6.03 (a) (5)]

quinta-feira, 15 de outubro de 2020

REGRA DE “INFIELD FLY”

Softbol

Corredor na 1ª e na 2ª bases. “Fly” em direção ao defensor da 1ª base. Quando ele se preparou para apanhar a bola, o sol atrapalhou sua visão; a bola foi ao solo e rolou para as proximidades da linha de “foul”. Vendo isso, os corredores iniciaram a corrida simultaneamente e avançaram uma base. O técnico da equipe na defensiva reclamou ao árbitro da 1ª base, alegando que ele deveria ter aplicado a regra de “Infield Fly”. A reclamação foi aceita; o batedor foi declarado “OUT”.

(Regra 5.1.26 “INFIELD FLY”)

No softbol, a orientação é no sentido de aplicar a regra, mesmo que os árbitros não se manifestem sobre o lance, desde que a jogada preencha todas as condições de um “Infield Fly”.

No beisebol, a regra de "Infield Fly" deve ser aplicada somente quando os árbitros se manifestam sobre o lance.


[DEFINIÇÕES DE TERMOS: “INFIELD FLY” - vide NOTA]

terça-feira, 13 de outubro de 2020

OBSTRUÇÃO

A bola rebatida (“ground ball”) foi rolando na direção da 1ª base. O arremessador ‘mergulhou’ para tentar efetuar a defesa –não conseguiu– e continuou deitado no chão; o batedor-corredor trombou com ele e caiu; enquanto ele estava se levantando, o ‘fasto’* apanhou a bola e pisou a base.

Deve ser declarada uma Obstrução (o arremessador, sem estar de posse da bola e sem estar em ação para apanhar a bola, impediu o avanço do batedor-corredor). A bola fica morta e o batedor-corredor deve ser autorizado a ocupar a 1ª base.

[Regra 6.01 (h), Comentário – Regra 6.01 (h), DEFINIÇÕES DE TERMOS: “OBSTRUCTION” (OBSTRUÇÃO)]

*‘Fastovem de “first” (farst), que quer dizer primeiro(a). Usamos esse termo para designar tanto o defensor da 1ª base –“first baseman” (farst béismaen)—como o local onde está colocada a ‘almofada’ da 1ª base –“first base” (farst béis).

sexta-feira, 9 de outubro de 2020

É FOUL BALL

Bases cheias, nenhum eliminado. Fly entre o home plate e a 3ª base. O receptor e o defensor da 3ª base tentaram efetuar a defesa; a bola caiu –sem ter contato com eles– em território fair e foi para o território foul, antes de passar a 3ª base. Deve ser aplicada a regra de Indield Fly?

Não. Se uma bola fly vai ao chão, sem ser tocada por um defensor, e rola ou salta para o território foul, antes de passar a 1ª ou 3ª base, é um FOUL BALL.

(DEFINIÇÕES DE TERMOS: INFIELD FLY)

quinta-feira, 8 de outubro de 2020

ALTERAÇÕES NAS REGRAS DA MLB – 2020

1) Comentário – Regra 3.02 (c)

Foi suprimido: e protestos sobre tal jogada não serão permitidos.

Nova redação: Se a substância (alcatrão de pinho) for aplicada sobre uma extensão maior do que 18 polegadas (45,72 cm), o árbitro, por sua iniciativa própria ou mediante reclamação da equipe adversária, deverá mandar o batedor usar outro “bat”. O batedor poderá usar o “bat” rejeitado, posteriormente no jogo, somente se o excesso de substância for removido. Se não houver contestação antes de o “bat” ser usado, a transgressão da Regra 3.02 (c) não anulará qualquer ação ou jogada no campo.

2) Regra 3.03 (e)

Foi acrescentado:e nenhum arremessador deve usar camiseta com mangas de cor branca, cinza, ou de uma cor que, na opinião do árbitro, possa distrair o batedor de alguma forma.

Nova redação: O comprimento das mangas pode variar para cada jogador, mas as mangas de cada jogador devem ter, aproximadamente, o mesmo comprimento. Nenhum jogador deve usar uniforme com mangas desgastadas, desfiadas ou rasgadas; e nenhum arremessador deve usar camiseta com mangas de cor branca, cinza, ou de uma cor que, na opinião do árbitro, possa distrair o batedor de alguma forma.

3) Regra 4.03 (c)

Foi acrescentado:

De acordo com a Regra 2(b) (2) da Major League, cada Clube da Major League tem de designar, antes do início de um jogo, no seu “lineup card” (formulário de escalação da equipe), cada jogador qualificado para entrar nesse jogo como um arremessador, um defensor, ou um “Two-Way Player” (“Jogador de Mão Dupla”: que joga como defensor e arremessador), como segue:

(1) Do Dia da Abertura até 31 de agosto da temporada de campeonato e durante jogos pós-temporada, Clubes da Major League podem designar no máximo 13 arremessadores para um jogo.

(2) De 1 de setembro até o fim da temporada de campeonato –incluindo tiebreaker games” (jogos de desempate)– Clubes da Major League podem designar no máximo 14 arremessadores para um jogo.

(3) Jogadores classificados como “Two-Way Player” sob a Regra 2(b) (2) da Major League podem atuar como arremessadores durante um jogo, sem serem considerados na contagem do limite de arremessadores do Clube.

(4) Nenhum jogador no “lineup card” (formulário de escalação da equipe), a não ser os designados pelo Clube como “Two-Way Playersou arremessadores, pode atuar como arremessador em um jogo de temporada regular ou pós-temporada, exceto nos casos em que o jogador entra como arremessador após o nono “inning” em um jogo de “innings” extras, ou em um jogo em que sua equipe está perdendo ou ganhando com diferença de 6 pontos ou mais quando o jogador entra para arremessar; considerando, contudo, que qualquer jogador adicionado na Lista de Ativos como 27º jogador antes de 1 de setembro não deve contar para o limite de 13 arremessadores.

4) Comentário – Regra 5.07 (a)

Nova redação: Os arremessadores podem tirar o pé de apoio para trás da placa de borracha (“pitcher’s plate”) depois de receberem os sinais, mas não podem, em seguida, dar um passo rápido sobre essa placa e arremessar. Isso pode ser interpretado como um arremesso apressado (“quick pitch”) pelo árbitro. Quando o arremessador sai do “pitcher’s plate”, tem de abaixar suas mãos para os lados do corpo.

Não será permitido que arremessadores saiam do “pitcher’s plate” cada vez que recebem as senhas.

O arremessador não pode dar um segundo passo em direção ao “home plate” com um ou outro pé, ou recolocar seu pé de apoio para efetuar o arremesso. Se houver corredor, ou corredores, em base, será declarado um “balk”, de acordo com a Regra 6.02 (a); se as bases estiverem desocupadas, a falta cometida deve ser tratada como um arremesso ilegal, de acordo com a Regra 6.02 (b).

5) Comentário – Regra 5.09 (a) (2)

Nova redação: “Agarrado legalmente” significa que a bola entrou na luva (“mitt”) do receptor, sem tocar o solo. Não é legal se a bola se aloja em sua roupa ou equipamento; ou se ela toca o árbitro e, em seguida, é apanhada pelo receptor, no rebote.

Se um “foul tip” atinge primeiro qualquer parte do corpo do receptor ou equipamento e é apanhado com a mão ou luva contra seu corpo ou protetor, antes que a bola toque o solo, é um “strike”, e se for o terceiro “strike”, o batedor é “out”.

6) Regra 5.10 (g)

Nova redação: O arremessador abridor ou qualquer arremessador substituto tem de arremessar para, no mínimo, três batedores consecutivos, incluindo o batedor que naquele momento está no “batter’s box” (ou um batedor substituto), até que esses batedores sejam eliminados ou alcancem a primeira base, ou até que a equipe na ofensiva seja eliminada, a menos que o arremessador (abridor ou seu substituto) se machuque ou adoeça, e, na opinião do árbitro principal, fique incapacitado para continuar atuando como um arremessador.

Foi acrescentado um Comentário.

Comentário – Regra 5.10 (g): Para ser classificado como um dos três batedores consecutivos, o batedor tem de completar a sua vez de bater, ou seja, deve ser eliminado ou se tornar um corredor. Se a equipe na ofensiva sofre a terceira eliminação antes de um arremessador substituto enfrentar seus primeiros três batedores consecutivos, esse arremessador pode ser removido do jogo, entre “innings”; mas caso ele retorne no “inning” seguinte, tem de arremessar a tantos batedores quantos forem necessários, para satisfazer a exigência da obrigatoriedade de arremessar para três batedores consecutivos. Nesse caso, devem ser incluídos batedores que completaram a vez de bater com esse arremessador no “inning” anterior (isto é, caso ele não tenha enfrentado um batedor no “inning” 1, tem de arremessar para três batedores no “inning” 2; se ele tiver enfrentado um batedor no “inning” 1, te de arremessar para dois batedores no “inning” 2; e se tiver enfrentado dois batedores no “inning” 1, terá de arremessar para um batedor no “inning” 2. Um “walk” (base por “balls”) intencional é contado para satisfazer a quantidade de batedores exigida. A eliminação de um corredor fora da base não satisfaz a exigência da quantidade mínima de batedores, mas permitiria a remoção antecipada do arremessador se a eliminação feita fora da base termina o “inning”.

7) Regra 5.10 (i)

Foi acrescentada uma NOTA.

NOTA: A exclusão do batedor substituto à exigência de que um arremessador que já está no jogo tem de enfrentar o primeiro batedor para iniciar um “inning”, de acordo com a Regra 5.10 (i), não se aplica a um arremessador substituto que retorna para atuar num “inning” subsequente, sem ter satisfeito a exigência de arremessar a três batedores, contida na Regra 5.10 (g). Assim, se um arremessador que não tenha cumprido a exigência de enfrentar três batedores no fim de um “inning” retorna para o “inning” subsequente, a obrigação de satisfazer essa exigência deve continuar, mesmo que a equipe oponente resolva substituir o primeiro batedor para iniciar um “inning” subsequente.

8) Regra 5.10 (m) (4)

Nova redação: Aplicação de limites de visita ao montículo. Um técnico ou “coach” que cruza a linha de “foul”, a caminho do montículo, depois que sua equipe tiver esgotado o limite de visitas ao montículo, tem de fazer uma mudança de arremessador, a não ser que esse arremessador não tenha arremessado para um mínimo de três batedores consecutivos, de acordo com a Regra 5.10 (g), caso em que ele deve continuar arremessando somente para cumprir a obrigação de enfrentar seus primeiros três batedores consecutivos (ou até o fim do “inning”, o que vier primeiro), de acordo com a Regra 5.10 (g). Se um técnico ou “coach” acredita que pode ser aplicada uma exceção à regra sobre visita ao montículo, ele tem de consultar o árbitro antes de cruzar a linha de “foul”. Em situações em que uma equipe é forçada a fazer uma mudança não intencional de arremessador com a aplicação desta Regra, e nenhum arremessador substituto está fazendo aquecimento no “bullpen”, o técnico ou “coach” que infringir a Regra, excedendo a quantidade permitida de visitas, estará sujeito a ser expulso do jogo. O árbitro pode conceder ao arremessador substituto tempo adicional para se preparar para entrar no jogo.

Se um defensor faz uma visita após sua equipe ter esgotado seu limite de visitas ao montículo, ele pode estar sujeito a ser expulso se não retornar para sua posição quando ordenado pelo árbitro; contudo, o arremessador não será removido do jogo em razão de uma visita não permissível feita por um defensor.

9) Regra 6.01 (a) (10)

Nova redação: O corredor não desvia de um defensor que está tentando apanhar uma bola rebatida, ou interfere, intencionalmente, numa bola lançada. Entretanto, se dois ou mais defensores tentam apanhar uma bola rebatida, e o corredor tem contato com um ou mais deles, o árbitro deve determinar qual defensor tem direito ao benefício desta regra. O corredor não deve ser eliminado só pelo fato de ter colidido com um defensor, e sim quando tem contato com o defensor que teria, realmente, a oportunidade de apanhar a bola. O árbitro deve eliminar o corredor, de acordo com a Regra 5.09 (b) (3). Se a terceira eliminação ocorre porque um corredor é declarado eliminado por interferência numa bola rebatida “foul”, o batedor-corredor é considerado ter completado a sua vez de bater, e o primeiro batedor do “inning” seguinte será o jogador que o segue na ordem de batedores (se há menos de duas eliminações, o batedor completará a sua vez de bater). Se o batedor-corredor for julgado não ter atrapalhado um defensor tentando fazer uma jogada sobre uma bola rebatida, e se a Interferência do corredor for considerada não intencional, a ele (batedor-corredor) será concedida a primeira base.

10) Comentário – Regra 6.01 (d)

Nova redação: Quando membros da equipe na ofensiva ou “base coaches” excetuados na Regra 6.01 (d) interferem na ação de um defensor que está tentando apanhar uma bola rebatida ou lançada, vide Regra 6.01 (b). Vide também Regras 5.06 (c) (2), 5.06 (c) (6) e 5.05 (b) (4), que tratam de Interferência cometida por um árbitro, e 5.09 (b) (3), que cobre a Interferência cometida por um corredor.

Para decidir se uma interferência é intencional ou não, o árbitro deve basear-se na ação da pessoa. Por exemplo: um gandula (recolhedor de “bat” ou catador de bola), policial, etc. faz um esforço para não ser atingido por uma bola lançada ou rebatida, mas, mesmo assim, não consegue evitar o incidente. Nesse caso, ele estaria envolvido numa interferência não intencional. Se, porém, ele pegar, segurar, tocar a bola ou empurrá-la/chutá-la, intencionalmente, tal ato será interpretado como uma interferência intencional.

JOGADA: O batedor rebateu o arremesso em direção ao interbases (“shortstop”). Este apanhou a bola, mas fez um mau lançamento à primeira base. O “coach” da primeira base, para evitar ser atingido pela bola, jogou-se ao chão, e o defensor da primeira base, ao tentar interceptar o lançamento descontrolado, tropeçou nele; o batedor-corredor conseguiu chegar à terceira base. A decisão sobre esse lance –se deve ou não ser declarada uma Interferência do “coach”– fica a critério do árbitro; se, na sua opinião, o “coach” fez todo o possível para evitar interferir na jogada, não deve declarar uma Interferência. Se, porém, ele julgar que o “coach” estava apenas fingindo não estorvar a jogada, decidirá que houve Interferência.

11) Regra 6.02 (d) PENALIDADE

(4) Se o técnico da equipe na ofensiva não decidir aceitar a jogada, o árbitro principal deverá declarar um “ball” automático, e se houver algum corredor em base, um “balk” (alterado para: ou, se houver algum corredor em base, um “balk”).

12) Comentário – Regra 6.04 (d)

Nova redação: Um técnico, “coach” ou jogador que está suspenso pode estar de uniforme e pode participar de atividades pré-jogo normais do Clube. Durante o jogo, porém, pessoas que estão suspensas têm de estar sem uniforme, não podem permanecer no “dugout”, e têm de estar longe de áreas onde jogadores costumam ficar. Pessoas suspensas não têm permissão também para permanecer na sala da imprensa ou em qualquer parte de áreas de transmissão durante o andamento de um jogo, mas podem assistir ao jogo das arquibancadas ou de um local adequado.

13) Comentário – Regra 7.02 (c)

Nova redação: Se, imediatamente antes de ser declarado um Jogo Suspenso, um arremessador não tiver arremessado a um mínimo de três batedores consecutivos, de acordo com a Regra 5.10 (g), tal arremessador pode –mas não é necessário– continuar arremessando quando o Jogo Suspenso é retomado posteriormente. Porém, se ele continuar arremessando, terá de cumprir a exigência de enfrentar seus primeiros três batedores consecutivos, de acordo com a Regra 5.10 (g); e se ele não começar arremessando no reinício do jogo, será considerado como tendo sido substituído e não poderá ser usado outra vez nesse jogo.

14) Regra 7.04

Nova redação: Jamais deve ser permitido protestar um jogo, independentemente de a reclamação ser baseada em decisões que impliquem um julgamento do árbitro, ou em uma alegação de que um árbitro aplicou de forma errada estas regras, ou deu uma decisão violando estas regras.

15) INSTRUÇÕES GERAIS AOS ÁRBITROS

Quinto parágrafo.

Nova redação: Não permita que as críticas o impeçam de estudar cuidadosamente as situações difíceis. (Foi suprimido: que possam motivar uma equipe a protestar um jogo) Tenha sempre o Livro de Regras à sua disposição. É melhor consultar as regras e paralisar o jogo por dez minutos para solucionar um problema difícil do que, inadvertidamente, aplicar mal estas regras.

16) Regra 9.01(b) (3)

Nova redação: Se o jogo for suspenso, o Anotador Oficial deverá registrar a situação exata do jogo no momento da suspensão, incluindo o placar, a quantidade de eliminações, a posição dos corredores, a contagem de “balls” e “strikes” ao batedor, as escalações (“lineups”) de ambas as equipes e os jogadores de cada equipe que tenham sido removidos do jogo.

17) Comentário – Regra 9.01 (b) (3)

Foi suprimido: Se for ordenado que um jogo protestado seja jogado novamente do ponto em que se encontrava no momento do protesto, tal jogo será reiniciado exatamente com a situação que existia antes da jogada protestada.

Nova redação: É importante que um jogo suspenso seja reiniciado exatamente com a mesma situação que existia no momento da suspensão.

18) DEFINIÇÕES DE TERMOS: “FOUL TIP”

Nova redação: Foul Tip” é uma bola rebatida que vai brusca e diretamente do “bat” ao receptor e é agarrada legalmente. Não é um “foul tip”, a menos que seja agarrado, e um “foul tip” que é agarrado é um “strike”; a bola permanece em jogo.

quarta-feira, 7 de outubro de 2020

“DOUBLE PLAY”*

Corredor na 1ª e 2ª base, um eliminado. “Fly” curto ao espaço entre os defensores da 2ª base e 1ª base. Os corredores, achando que seria declarado um “Infield Fly”, permaneceram sobre as bases; os árbitros, porém, não se manifestaram sobre o lance. O defensor da 2ª base, apesar do esforço, não conseguiu efetuar a defesa –a bola tocou o solo e desviou; o defensor da 1ª base apanhou-a e lançou ao defensor da 3ª base, e este, após pisar a base, lançou rapidamente ao interbases, que estava cobrindo a 2ª base.

Os árbitros julgaram que o defensor da 2ª base não conseguiria agarrar a bola mediante um esforço normal.

regra de “Infield Fly” deve ser aplicada quando o batedor acerta um “fair fly” –exceto um “line drive” ou um “fly” resultante de “bunt”– que pode ser agarrado por um defensor do campo interno mediante um esforço normal, na seguinte situação: a primeira e segunda base, ou a primeira, segunda e terceira base estão ocupadas e há menos de duas eliminações. O arremessador, o receptor e qualquer defensor do campo externo posicionado no campo interno, na jogada, devem ser considerados defensores do campo interno para os propósitos desta regra.

Deve-se aplicar a regra de “Infield Fly” somente quando os árbitros se manifestam sobre o lance.

[DEFINIÇÕES DE TERMOS: “INFIELD FLY” – vide NOTA]

*“Double Play” é uma jogada da defensiva na qual dois jogadores da ofensiva são eliminados em consequência de uma ação contínua, desde que não haja erro entre as eliminações.

[DEFINIÇÕES DE TERMOS: “DOUBLE PLAY” (JOGADA DUPLA)]