quarta-feira, 5 de outubro de 2022

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE BEISEBOL E SOFTBOL - NOTÍCIA

Brasil perde para o Panamá e agora volta a enfrentar a Nicarágua por uma vaga na chave principal do World Baseball Classic

 by 

Acesse: cbbs.com.br

terça-feira, 4 de outubro de 2022

 MANUAL DE ARBITRAGEM - SISTEMA DE 4 ÁRBITROS (IBAF - INTERNATIONAL BASEBALL FEDERATION)

ROTAÇÃO DE ÁRBITROS

ROTAÇÃO 7 (CORREDOR NA 2ª BASE - PELO MENOS) 

Com pelo menos um corredor na 2ª nbase (e o árbitro da 2ª base “dentro”, posição “B profunda”, o batedor rebate a bola arremessada (“foul fly”) ao espaço entre  o “home plate” e o “backstop”.

Aplica-se a seguinte rotação de árbitros:

1. O árbitro de “home” observa a bola rebatida e, imediatamente, afasta-se do receptor. O árbitro de “home” mantém os olhos fixos no receptor (não deve olhar a bola) e vai decididamente na direção de uma posição que lhe ofereça um bom ângulo para ver o receptor tentando apanhar a bola no ar. Pouco antes de o receptor chegar ao “backstop”, o árbitro de “home” tem de olhar a bola, para verificar se ela toca a cerca.

2. O árbitro da 1ª base observa a bola rebatida e dá alguns passos em direção à 1ª base. Caso haja um corredor sobre a 3ª base, pronto para iniciar a corrida (“tag-up”), o árbitro da 1ª base deve ir decididamente na cobertura do “home plate” se o corredor da 3ª base tentar anotar ponto. O árbitro da 1ª base, então, deve posicionar-se para a jogada, parar e observar o lance. Se não há nenhum corredor sobre a 3ª base, pronto para iniciar a corrida, o árbitro da 1ª base pode, em princípio, ficar descontraído.

3. O árbitro da 2ª base observa a reação do árbitro da 1ª base. Com menos de duas eliminações, o árbitro da 2ª base observa a jogada no território  “foul” e a saída do corredor da 2ª base. Com um corredor na 1ª base, o árbitro de “home” se afastando do “home plate” e o árbitro da 1ª base cobrindo o “home plate”, o árbitro da 2ª base é responsável por todas as jogadas na 1ª base e 2ª base, tão logo o árbitro da 1ª base vai ao “home plate”. O árbitro da 2ª base tem de dar alguns passos, virar-se,  fixar os olhos na bola e, em seguida, determinar onde uma jogada poderá acontecer. O árbitro da 2ª base tem de mover-se, sem precipitação, em direção à 1ª base ou 2ª base se julgar que uma jogada poderá ocorrer numa das bases. Se não for possível prever uma jogada, o árbitro da 2ª base permanece onde está e espera a evolução do lance para decidir-se por uma ou outra posição.

4. O árbitro da 3ª base observa a reação do árbitro da 1ª base e dá alguns passos em direção à 3ª base. Se há um corredor sobre a 3ª base, pronto para iniciar a corrida, o árbitro da 3ª base é responsável pela saída desse corredor. Se o corredor da 2ª base deixa a sua base corretamente e avança em direção à 3ª base, o árbitro da 3ª base tem de posicionar-se para a jogada, parar e observar o lance. Em todas as outras situações, o árbitro da 3ª base pode, em princípio, ficar descontraído.

segunda-feira, 3 de outubro de 2022

ÁRBITROS DE BEISEBOL - MECÂNICAS

COBERTURAS

Bolas "fly" para o campo interno

1. Quando o árbitro da 2ª base está “fora”, ele determina qual árbitro deve deixar a base em bolas “fly”. Qualquer bola “fly” ou “line drive” rebatida diretamente aos defensores do campo externo, ou para o espaço entre os defensores do campo externo, pertence ao árbitro da 2ª base.

2. Quando o árbitro da 2ª base está “fora”, o árbitro da 1ª base deve observá-lo em todas as bolas “fly” e cobrir as bolas rebatidas para o lado esquerdo do jardineiro direito.

3. Quando o árbitro da 2ª base está “fora”, o árbitro da 3ª base deve observá-lo em todas as bolas “fly” e cobrir as bolas rebatidas para o lado direito do jardineiro esquerdo.

4. Quando o árbitro da 2ª base está “dentro”, o árbitro da 3ª base determina qual árbitro deve deixar a base em bolas “fly”, a menos que a situação seja muito clara. O árbitro da 3ª base é responsável por todas as bolas rebatidas na direção do jardineiro central que está vindo à frente ou indo para trás ou se movendo para a sua direita.

Sempre que um dos árbitros de base deixa a base, ele não retorna para cobrir alguma jogada no campo interno.

domingo, 2 de outubro de 2022

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE BEISEBOL E SOFTBOL - NOTÍCIA

Brasil vence a Nicarágua e fica a uma vitória da chave principal do World Baseball Classic

by: 

Acesse: cbbs.com.br


MANUAL DE ARBITRAGEM - SISTEMA DE 4 ÁRBITROS (IBAF - INTERNATIONAL BASEBALL FEDERATION)

ROTAÇÃO DE ÁRBITROS

ROTAÇÃO 6 (CORREDOR NA 2ª BASE - PELO MENOS): "O DESLOCAMENTO". 

Com pelo menos um corredor na 2ª base (e o árbitro da 2ª base “dentro”, posiçao “B profunda”), o batedor rebate a bola arremessada (“fly”) para o fundo do jardim esquerdo. Nesta situação, o árbitro da 1ª base e o árbitro da 2ª base se deslocam (se a bola permanece no campo interno, todos os quatro árbitros  cobrem suas próprias bases).  

Aplica-se a seguinte rotação de árbitros:

1. O árbitro de “home” observa a reação do árbitro da 3ª base e dá alguns passos em direção à 3ª base. Se o corredor da 2ª base avança em direção ao “home plate”, o árbitro de “home” tem de posicionar-se, para observar a jogada. Se há um corredor na 3ª base, e esse corredor  está sobre a base (menos de duas eliminações), o árbitro de “home” tem de ir para o território “foul”, a fim de observar a jogada no campo externo e o “tag-up” do corredor 3. Se o corredor 3 avança ao “home”, o árbitro de “home” tem de voltar e posicionar-se para a jogada, parar e observar o lance. Em todas as outras situações, o árbitro de “home” pode, em princípio, ficar descontraído.

2. O árbitro da 1ª base observa a bola rebatida e dá alguns passos em direção à 1ª base. Quando o árbitro da 3ª base vai atrás da bola, o árbitro da 1ª base tem de pivotar, olhar o batedor-corredor tocar a 1ª base e ir decididamente à 2ª base para cobrir todas as possíveis jogadas naquela base. Tão logo sinta que pode cobrir uma jogada que se desenvolve na 2ª base, o árbitro da 1ª base  comunica: “Deixe a 2ª base comigo”. Assim, o árbitro da 2ª base fica liberado para concentrar-se inteiramente em jogadas na 3ª base. Nesta rotação, o árbitro da 1ª base tem sempre a responsabilidade sobre as jogadas na 1ª base. Quando ele se comunica com o árbitro da 2ª base, conforme foi descrito, o árbitro da 1ª base é também o responsável por todas as jogadas na 2ª base.

3. O árbitro da 2ª base observa a reação do árbitro da 3ª base e, em seguida, procura assegurar-se de que o árbitro da 1ª base está entrando no quadrilátero. Com menos de duas eliminações, o árbitro da 2ª base observa a jogada no campo externo e a saída (“tag-up”) do corredor da 2ª base. O árbitro da 2ª base vai, sem precipitação, em direção à 3ª base, mas permanece perto da 2ª base, o suficiente para retornar e cobrir  uma jogada que lá se desenvolve, até que o árbitro da 1ª base o libere. Antes de o árbitro da 1ª base comunicar que ele está pronto para cobrir a 2ª base, o árbitro da 2ª base é responsável por todas as jogadas na 2ª base e 3ª base. Depois que o árbitro da 1ª base se responsabiliza pela 2ª base, o árbitro da 2ª base deve preocupar-se somente com as jogadas na 3ª base.

4. O árbitro da 3ª base observa a reação do árbitro da 1ª base e anuncia que está indo atrás da bola. Em seguida, vai decididamente na direção de uma posição que lhe ofereça um bom ângulo para ver o defensor tentando apanhar a bola no ar, verificar se a bola passa a cerca do campo externo, em voo oi após tocar o solo, e, se necessário, decidir se a rebatida é “fair” ou “foul”. Quando vai atrás da bola, o árbitro da 3ª base não retorna para cobrir alguma jogada no campo interno.

sábado, 1 de outubro de 2022

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE BEISEBOL E SOFTBOL - NOTÍCIA

 Brasil estreia bem no Qualificatório do World Baseball Classic, com vitória sobre a Nova Zelândia

by: 

Acesse: cbbs.com.br

ÁRBITROS DE BEISEBOL - MECÂNICAS

 MOVIMENTOS

Há oito rotações básicas para uma equipe de quatro árbitros. Quando estão se preparando para um jogo por meio de uma reunião pré-jogo, revisem as rotações básicas. Há três rotações básicas descrevendo situações de jogo em que não há corredor em base, duas descrevendo situações com um corredor na 1ª base e três descrevendo situações com pelo menos um corredor na 2ª base.

sexta-feira, 30 de setembro de 2022

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE BEISEBOL E SOFTBOL - COMUNICADO

 Circular 47-22: Atletas Convocadas – X Campeonato Panamericano de Softbol Feminino Adulto – 2022

by: 

Acesse: cbbs.com.br

MANUAL DE ARBITRAGEM - SISTEMA DE 4 ÁRBITROS (IBAF - INTERNATIONAL BASEBALL FEDERATION)

ROTAÇÃO DE ÁRBITROS

ROTAÇÃO 5 (CORREDOR NA 1ª BASE) 

Com um corredor na 1ª base (e o árbitro da 2ª base “dentro”, posição “B profunda”), o batedor rebate a bola arremessada (“fly”) para o fundo do jardim direito.

Aplica-se a seguinte rotação de árbitros:

1. O árbitro de “home” observa a reação do árbitro da 1ª base e procura assegurar-se de que o árbitro da 2ª base e o árbitro da 3ª base estão se movimentando corretamente. Em seguida, acompanha o batedor-corredor, movendo-se pelo menos 45 pés (13,716m) em direção à 1ª base. O árbitro de “home” é responsável por qualquer jogada que se desenvolve na 1ª base até o momento em que o corredor da 1ª base ultrapassa a 2ª base e dá alguns passos em direção à 3ª base. Se o corredor da 1ª base avança para a 3ª base, o árbitro de “home” retorna ao “home plate” e o árbitro da 2ª base fica com a responsabilidade por todas as jogadas na 2ª base e 1ª base. Antes de retornar ao “home plate”, o árbitro de “home” anuncia: “Estou voltando”. Se, eventualmente, o corredor da 1ª base tenta anotar ponto, o árbitro de “home” tem de estar posicionado ao longo do prolongamento da linha da 3ª base, para observar a jogada.

2. O árbitro da 1ª base observa a reação do árbitro da 3ª base e anuncia que está indo atrás da bola. Em seguida, vai decididamente na direção de uma posição que lhe ofereça um bom ângulo para ver o defensor tentando apanhar a bola no ar, verificar se a bola passa a cerca do campo externo, em voo ou após tocar o solo, e, se necessário, decidir se a rebatida é “fair” ou “foul”. Quando vai atrás da bola, o árbitro da 1ª base não retorna para cobrir alguma jogada no campo interno.

3. O árbitro da 2ª base observa a reação do árbitro da 1ª base e, em seguida,  procura assegurar-se de que o árbitro da 1ª base  está indo atrás da bola rebatida e o árbitro de “home” está cobrindo a 1ª base. O árbitro da 2ª base permanece perto da 2ª base para observar alguma jogada que se desenvolve lá. Se o corredor da 1ª base avança à 3ª base, o árbitro da 2ª base, então, se encarrega do batedor-corredor. Se o batedor-corredor apenas ameaça avançar à 2ª base, após ultrapassar a 1ª base, pode haver necessidade de o árbitro da 2ª base ir em direção à 1ª base a fim de ficar preparado para  uma jogada subsequente.

4. O árbitro da 3ª base observa a bola rebatida e dá alguns passos em direção à 3ª base. Se o corredor da 1ª base avança além da 2ª base, o árbitro da 3ª base tem de posicionar-se para uma jogada na 3ª base, parar e observar o lance. Se a jogada na 3ª base falha, o árbitro da 3ª base tem de olhar na direção do “home plate”, para assegurar-se de que o árbitro de “home” está posicionado. Em todas as outras situações, o árbitro da 3ª base pode, em princípio, ficar descontraído.

quinta-feira, 29 de setembro de 2022

“SWINGS” INTERROMPIDOS

O árbitro da 1ª base tem a responsabilidade de decidir um “swing” interrompido quando o batedor é destro; o árbitro da 3ª base, quando o batedor é canhoto.

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE BEISEBOL E SOLFTBOL - COMUNICADO

 World Baseball Classic – Qualificatório – 2022 (Tabela e Resultados)

by: 
Acesse: cbbs.com.br

REUNIÃO MENSAL DA AAABSB

 Boa Noite Srs. Associados,

Convidamos os Srs. para a Reunião Mensal da AAA, a ser realizada excepcionalmente no dia 04/10/2022 (terça-feira) às 19:00h  no Estádio Municipal do Bom Retiro, para tratarmos dos seguintes assuntos:
1. Campeonato Brasileiro Adulto - Marília;
2. Campeonato Pré Infantil - Marília;
3. Campeonato Brasileiro Amador - CBA;
4. Intermed - Ribeirão Preto;
5. Taça dos Campeões Pré Junior - CT Yakult;
6. Taça dos Campeões Junior - CT Yakult;
7. Taça dos Campeões Infantil - CT Yakult;
8. Assuntos relacionados aos associados.

Att.

Sergio Yokoya

quarta-feira, 28 de setembro de 2022

O ÁRBITRO COMO UM VOLUNTÁRIO

É altamente desejável que cada Liga desenvolva e mantenha um alto nível de eficiência do árbitro. A teoria segundo a qual os árbitros remunerados  garantem mais competência não é somente ilusória, mas contraria as políticas da Little League.

Não há nenhuma experiência para provar que os árbitros que recebem remuneração são mais competentes que seus colegas voluntários. Ao contrário, há grande evidência de que muitos árbitros pagos, não obstante seu nível de experiência, não estão inteiramente familiarizados com as Regras e com as políticas da Little League e, muitas vezes, falta-lhes capacidade de liderança que a Little League exige de adultos que lidam com crianças.

Para se inteirar realmente de todas as áreas do pessoal da Liga e estimular uma melhor liderança para a Little League, é necessário que o árbitro, assim como o técnico e “coach”, participem com a mesma intensidade do serviço voluntário. O árbitro não pode ficar indiferente a este aspecto do programa. Pagamento por tais serviços relega o árbitro a uma categoria à parte de todos os outros que trabalham voluntariamente.

Um dos procedimentos mais eficazes para estimular maior número de árbitros voluntários é aquele segmento do Plano de Organização do Distrito (District Organization Plan) que se ocupa com o treinamento e qualificação de novos árbitros.

Sob este plano, as Ligas incluem a participação de um distrito num programa de treinamento dirigido por um instrutor competente. Periodicamente são realizadas clínicas durante a época fora de temporada para todos os árbitros no distrito. Material e informe fornecidos pelo Centro de Operações da Little League e sua Consultoria para Árbitros (Umpire Consultant) suplementam a instrução. Na conclusão dessas clínicas, os árbitros podem submeter-se a exames, para avaliar suas qualificações. Aqueles que forem bem-sucedidos no cumprimento das exigências recebem certificação como árbitro-chefe, e podem atuar como tal em qualquer nível de jogo da Little League.

Administradores distritais estão fazendo uso eficiente deste programa de treinamento por toda parte dos Estados Unidos e Canadá. Se o distrito que serve sua Liga não tiver ainda um programa eficiente desse gênero, o Centro de Operações da Little League terá o prazer de iniciar um curso de treinamento de árbitros.

Um árbitro da Little League competente é uma pessoa que impõe respeito, conhece as regras do jogo e reage intuitivamente às situações de jogo que exigem uma atitude do árbitro.

Desde o advento do beisebol, os árbitros têm exercido um papel sem paralelo. Como o único juiz e jurado, a autoridade do árbitro não é questionada, mas a dignidade com que os árbitros cumprem as obrigações, o bom julgamento e o bom senso que eles utilizam na interpretação do Livro de Regras são atestados de um eficiente e bem respeitado funcionário.

Adultos que prestam serviços à Little League como voluntários experimentam dificuldades e, algumas vezes, ingrata responsabilidade. Temperamento, assim como habilidade técnica, têm de ser considerados na hora de selecionar os candidatos a árbitro. Os árbitros da Little League devem ter máximo apreço aos objetivos e princípios do programa. Eles devem compreender os jovens da faixa etária da Little League; suas habilidades, limitações e imperfeições comparadas com as de adultos.

A aparência é um atributo fundamental para uma boa arbitragem. Um funcionário bem vestido cria um ambiente de respeito e dignidade. O uniforme aprovado –camisa, boné e calças azuis– deve estar sempre limpo e passado. O equipamento padrão deve incluir sapatos especiais (para árbitro de “home”) com protetor de dorso do pé e dedos, contador de “ball” e “strike” (“counter”, “indicator”), vassoura ou escova pequena para limpar o “home plate”, protetor de tórax, protetor de genitália, caneleiras e máscara para rosto. Muitos árbitros usam também sacola para guardar várias bolas.

O sucesso do árbitro depende, até certo ponto, de sua conduta dentro do campo. Dependendo de sua atitude diante de situações difíceis, a avaliação de sua eficiência pode ser elevada ou rebaixada. Um árbitro nunca deve usar linguagem desrespeitosa ou fumar dentro do campo.

O árbitro deve ser capaz de manter o jogo sob controle. Deve movimentar-se, ter determinação e autocontrole para decidir as jogadas. Cada árbitro deve demonstrar que está se esforçando para decidir todas as jogadas com o máximo de acerto possível. Entretanto, o árbitro deve lembrar que ele está lá somente para dar decisões baseadas em regras, e não para se exibir.

terça-feira, 27 de setembro de 2022

 MANUAL DE ARBITRAGEM - SISTEMA DE 4 ÁRBITROS (IBAF - INTERNATIONAL BASEBALL FEDERATION)

ROTAÇÃO DE ÁRBITROS

ROTAÇÃO 4 (CORREDOR NA 1ª BASE) 

Com um corredor na 1ª base (e o árbitro da 2ª base “dentro”, pósição “B profunda”), o batedor rebate a bola arremessada (“fly”) para o fundo do jardim esquerdo.

Aplica-se a seguinte rotação de árbitros:

1. O árbitro de “home” observa a reação do árbitro da 3ª base e procura assegurar-se de que o árbitro da 2ª base e o árbitro da 1ª base estão se movimentando corretamente. Em seguida, o árbitro de “home” começa a se mover em direção à 3ª base, ajustando seus passos à ação do corredor da 1ª base. Se o corredor da 1ª base continua avançando, o árbitro de “home” tem de ir decididamente em direção à 3ª base; se o corredor da 1ª base permanece sobre a base (“tag-up”) ou a meio caminho da 2ª base, o árbitro de “home” parte para a 3ª base, mas não há necessidade de se apressar. Enquanto a jogada se desenvolve, o árbitro de “home” vai em direção à 3ª base. Nesse momento, ele tem de comunicar-se com seus companheiros, principalmente com o árbitro da 2ª base; deve dizer, em voz alta: “Deixe a 3ª base comigo!”. Depois, se o corredor da 1ª base avança à 3ª base,  o árbitro de “home” anuncia: “Estou na terceira base!”. O árbitro de “home” permanece em território “foul”, a aproximadamente dez metros da 3ª base, a menos que ele veja o corredor da 1ª base e a bola chegando à 3ª base. Se isso acontecer, o árbitro de “home” entra no quadrilátero, aproxima-se da base, para e observa o desenrolar da jogada.  Se a jogada na 3ª base falha, o árbitro de “home” tem de olhar na direção do “home” para assegurar-se de que o árbitro da 1ª base está devidamente posicionado. Se o árbitro da 1ª base não estiver posicionado, o árbitro de “home” retorna ao “home plate” e cobre alguma jogada que lá se desenvolve.

2. O árbitro da 1ª base observa a reação do árbitro da 3ª base. Quando o árbitro da 3ª base vai atrás da bola, o árbitro da 1ª base permanece perto da 1ª base para observar o batedor-corredor tocar a base e, se a bola é apanhada no ar, fica atento ao retorno do corredor da 1ª base. Se a bola vai ao solo, por um “hit” (ou um erro), o árbitro da 1ª base tem de preparar-se para cobrir o “hgome plate”. Isso acontece somente quando o corredor da 1ª base avança para a 3ª base. Se, eventualmente, o corredor da 1ª base tenta anotar ponto, o árbitro da 1ª base tem de estar posicionado ao longo do prolongamento da linha da 3ª base, para observar a jogada.

3. O árbitro da 2ª base observa a reação do árbitro da 3ª base e, em seguida, procura assegurar-se de que o árbitro da 1ª base está perto da 1ª base e o árbitro de “home” se movimenta em direção à 3ª base. O árbitro da 2ª base permanece próximo à 2ª base para observar alguma jogada que se desenvolve lá. Se a bola vai ao solo, por um  “hit” (ou um erro), eu corredor da 1ª base avança à 3ª base, o árbitro da 2ª base, então, se encarrega do batedor-corredor. Se o batedor-corredor apenas ameaça avançar à 2ª base, após ultrapassar a 1ª base, o árbitro da 2ª base pode ter que ir em direção à 1ª base e preparar-se para uma jogada subsequente4. O árbitro da 3ª base observa a bola rebatida e anuncia que está indo atrás da bola. Em seguida, vai decididamente na direção de uma posição que lhe ofereça um bom ângulo para ver o defensor tentando apanhar a bola no ar, verificar se a bola passa a cerca do campo externo, em voo ou após tocar o solo, e, se necessário, decidir se a rebatida é “fair” ou “foul”. Quando vai atrás da bola, o árbitro da 3ª base não retorna para cobrir alguma jogada no campo interno.

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE BEISEBOL E SOFTBOL - COMUNICADO

Roster da Seleção Brasileira para o Qualificatório do World Baseball Classic Confirmado

Acesse: cbbs.com.br





CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE BEISEBOL E SOFTBOL - NOTÍCIA

 Resultado – XII Taça dos Campeões Infantil de Beisebol – 2022 – Taça João Nakaie

 by 

Acesse: cbbs.com.br


CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE BEISEBOL E SOFTBOL - NOTÍCIA

 Resultado – X Taça dos Campeões Júnior de Beisebol – 2022 – Taça João Nakaie

 by 

Acesse: cbbs.com.br


segunda-feira, 26 de setembro de 2022

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE BEISEBOL E SOFTBOL - NOTÍCIA

 Resultado – XXXIII Campeonato Brasileiro de Softbol Feminino Sub17 – 2022

ÁRBITROS DE BEISEBOL - MECÂNICAS

 DECISÕES “FAIR / “FOUL”

1. A decisão “FAIR” / “FOUL” sobre qualquer bola rebatida para o campo interno, que é apanhada ou tocada por um defensor, antes da base, deve ser dada pelo árbitro de “home”; a decisão “FAIR” / “FOUL” sobre qualquer bola rebatida que atinge ou passa a base deve ser dada pelo árbitro da 1ª base e pelo árbitro da 3ª base. Todos os árbitros de base têm de ajudar o árbitro de “home” numa bola rebatida que vai diretamente na direção do batedor e o atinge.

2. Em caso de um dos árbitros estar com a visão encoberta por um defensor, ele tem de pedir ajuda de um companheiro.

3.Quando uma bola rebatida  em linha reta vai diretamente na direção do árbitro da 1ª base ou 3ª base e faz esse árbitro se afastar de sua posição inicial, a responsabilidade de decidir  “FAIR” ou “FOUL” passa para o árbitro de “home”.

4. Quando uma bola rebatida fortemente para o solo rola na direção do espaço entre o defensor da 1ª base e a linha de “foul” do jardim direito, ou entre o defensor da 3ª base e a linha de “foul” do jardim esquerdo , e, passando a base, vai para o campo externo (território “fair” ou “foul”), o árbitro da 1ª base ou o árbitro da 3ª base, respectivamente, têm de “perseguir” essa bola para cwe o que acontece. Isso é aplicável quando o estádio não é totalmente fechado (por exemplo, há uma abertura na cerca) ou quando há um “bullpen” em território “foul” (e talvez ocorra uma Interferência). Em ambos os casos, a presença de um árbitro perto do lance pode evitar muitos problemas e discussões.

domingo, 25 de setembro de 2022

CLASSIFICAÇÃO DAS BOLAS REBATIDAS

BOLA “FAIR”

É uma bola rebatida legalmente que:

a) Fica em território “fair”, entre o “home plate” e a 1ª base, ou entre o “home plate” e a 3ª base.

b) Passa pela 1ª ou 3ª base –rolando ou pulando – em ou sobre território “fair”.

c) Toca a 1ª base (a parte da base dupla que está em território “fair”), 2ª base ou 3ª base.

d) Enquanto está em ou sobre território “fair”, toca o corpo ou a roupa de um árbitro ou jogador.

e) Primeiro cai em território “fair” atrás da 1ª ou 3ª base.

f) Enquanto está em voo sobre o território “fair”, sai do campo de jogo, passando sobre a cerca do campo externo.

g) Atinge o poste da linha de “foul”, em voo.

Observação: As linhas de “foul” fazem parte do território “fair”.

NOTA:

1. Um “fair fly” deve ser julgado de acordo com a posição da bola em relação à linha de “foul”, incluindo o poste de “foul”, sem levar em onsideração se o defensor se encontra em território “fair” ou “foul” no momento em que ele toca a bola. Não importa saber se a bola toca primeiro o território “fair” ou “foul”, contanto que ela não toque qualquer coisa estranha ao terreno natural, em território “foul”, e obedeça a todos os outros aspectos de uma bola “fair”.

2. A posição da bola no momento da Interferência determina se a rebatida é “fair” ou “foul”. Não importa se a bola rola –sem ser tocada– para o território “foul” ou “fair”. 

sábado, 24 de setembro de 2022

MANUAL DE ARBITRAGEM - SISTEMA DE 4 ÁRBITROS (IBAF - INTERNATIONAL BASEBALL FEDERATION)

ROTAÇÃO DE ÁRBITROS

ROTAÇÃO 3 (NENHUM CORREDOR EM BASE) 

Sem corredor em base (e, portanto, o árbitro da 2ª base “fora”), o batedor rebate a bola arremessada (“fly”)  npara o jardim direito.

Aplica-se a seguinte rotação de árbitros:

1. O árbitro de ”home” tem de parar para observar a bola rebatida e a reação do árbitro da 2ª base. Em seguida, deve assegurar-se de que o árbitro da 1ª base e o árbitro da 3ª base estão se movimentando corretamente. Quando o árbitro da 1ª base vai atrás da bola, o árbitro de “home” vai em direção à 1ª base e, seguindo o batedor-corredor, observa este tocar a base e prepara-se para cobrir uma jogada que poderá ocorrer com uma bola lançada pela defesa. Se o batedor-corredor avança à 2ª base e, após ultrapassá-la, continua a corrida, o árbitro de “home” retorna ao “home plate” caso ele tente anotar ponto.

2. O árbitro da 1ª base observa a reação do árbitro da 2ª base. Quando o árbitro da 2ª base deixa a bola rebatida por conta do árbitro da 1ª base, este vai decididamente na direção de uma posição que lhe ofereça um bom ângulo para observar o defensor tentando apanhar a bola no ar; verificar se a bola passa a cerca do campo externo, em voo ou após tocar o solo, e decidir “FAIR” / “FOUL”, se necessário. Quando vai atrás da bola, o árbitro da 1ª base não retorna para cobrir alguma jogada no campo interno.

3. O árbitro da 2ª base observa a bola rebatida e anuncia que não vai atrás da bola. Em seguida, vai em direção à 2ª base. Ele tem de ajustar seus passos à velocidade do batedor-corredor. Se o batedor-corredor tenta conquistar bases extras, o árbitro da 2ª base tem de estar dentro do quadrilátero bem antes da chegada do batedor-corredor à base e da jogada.

4. O árbitro da 3ª base observa a reação do árbitro da 2ª base. Quando o árbitro da 2ª base deixa a bola rebatida por conta do árbitro da 1ª base, o árbitro da 3ª base pode permanecer perto da 3ª base e, em princípio, ficar descontraído. Se o batedor-corredor avança além da 2ª base, o árbitro da 3ª base tem de posicionar-se para uma jogada na 3ª base, parar e observar o lance.

sexta-feira, 23 de setembro de 2022

quinta-feira, 22 de setembro de 2022

ÁRBITROS DE BEISEBOL - MECÂNICAS

IR NA DIREÇÃO DA BOLA

A menos  que a bola rebatida seja um “hit” evidente e “limpo”, alguém deve ir. Quando você deixa a base, indique a seus companheiros que você está indo atrás da bola (Diga “estou indo”). “Deixar a base” significa virar as suas ‘costas. Um vez que você vira as suas costas, nunca retorne para tomar decisões sobre jogadas nas bases.


MANUAL DE ARBITRAGEM - SISTEMA DE 4 ÁRBITROS (IBAF - INTERNATIONAL BASEBALL FEDERATION)

MANUAL DE ARBITRAGEM - SISTEMA DE 4 ÁRBITROS (IBAF - INTERNATIONAL BASEBALL FEDERATION)

ROTAÇÃO DE ÁRBITROS

ROTAÇÃO 2 (NENHUM CORREDOR EM BASE) 

Sem corredor em base (e, portanto, o árbitro da 2ª base “fora”), o batedor rebate a bola arremessada (“fly”) para o jardim esquerdo, próximo à linha de “foul”.

Aplica-se a seguinte rotação de árbitros:

1. O árbitro de “home” tem de parar para observar a bola rebatida e a reação do árbitro da 2ª base. Em seguida, deve assegurar-se de que o árbitro da 1ª base e o árbitro da 3ª base estão se movimentando corretamente. Se achar que a bola rebatida vai resultar numa jogada normal, deverá deslocar-se aproximadamente 45 pés (13,716m) em direção à 3ª base. Se lhe parecer que a bola rebatida vai ser um “hit” de mais de uma base, o árbitro de “home” tem de começar a se movimentar em direção à 3ª base, regulando seus passos de acordo com a ação do batedor-corredor.  O árbitro de “home” tem de estar a uns 10 metros da 3ª base bem antes do batedor-corredor. Se o batedor-corredor avança para a 3ª base, o árbitro de “home” acompanha a jogada em andamento e, quando o corredor e a bola se aproximam da 3ª base, para perto da base para observar o lance. Se a jogada na 3ª base falha e o batedor-corredor avança em direção ao “home plate”, o árbitro da 1ª base já deve estar posicionado para apreciar o lance no “home”.

2. O árbitro da 1ª base observa a reação do árbitro da 2ª base. Quando o árbitro da 2ª base se move na direção do quadrilátero, o árbitro da 1ª base caminha em direção à 1ª base, permanecendo em território “foul”, para observar o batedor-corredor tocar a base. Se o batedor-corredor avança à 2ª base e, após ultrapassá-la, continua a corrida, o árbitro da 1ª base vai ao “home plate” caso ele tente anotar ponto.

3. O árbitro da 2ª base observa a bola rebatida e anuncia que não vai atrás da bola. Em seguida, move-se em direção à 2ª base. Ele deve ajustar seus passos à velocidade do batedor-corredor. Se o batedor-corredor tenta conquistar bases extras, o árbitro da 2ª base tem de estar dentro do quadrilátero bem antes da chegada do batedor-corredor à base e da jogada.

4. O árbitro da 3ª base observa a reação do árbitro da segunda base. Quando o árbitro da 2ª base deixa a bola rebatida por conta do árbitro da 3ª base, este vai decididamente na direção de uma posição que lhe ofereça um bom ângulo para ver o defensor tentando apanhar a bola no ar; deve parar sobre a linha de “foul” (mantendo a linha entre as pernas), porque a decisão “FAIR”/ “FOUL” será um fator. O árbitro da 3ª base tem de observar também se a bola passa a cerca do campo externo, em voo ou após tocar o solo. Quando vai atrás da bola, o árbitro da 3ª base não retorna para cobrir alguma jogada no campo interno.

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE BEISEBOL E SOFTBOL - COMUNICADO

Regulamento – XII Taça dos Campeões Infantil de Beisebol – 2022 – Taça João Nakaie

Acesse: cbbs.com.br

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE BEISEBOL E SOFTBOL - COMUNICADO

 

Regulamento – X Taça dos Campeões Júnior de Beisebol – 2022 – Taça João Nakaie

Acesse: cbbs.com.br

quarta-feira, 21 de setembro de 2022

ÁRBITROS DE BEISEBOL - MECÂNICAS

COM UM CORREDOR EM POSIÇÃO DE ANOTAR, O ÁRBITRO DE “HOME”, EM PRINCÍPIO, PERMANECE NO “HOME”

Com um corredor em posição de anotar (corredor na 2ª base ou na 2ª base e 3ª base), o árbitro de “home”, em princípio, sempre permanece no “home” e não cobre quaisquer jogadas nas bases. A única exceção é quando uma bola “fly” fácil de ser apanhada é rebatida para o campo externo. Se uma bola assim é rebatida para o jardim esquerdo, o árbitro de “home” talvez tenha que cobrir a 3ª base; se uma bola assim é rebatida para o jardim direito, o árbitro de “home” talvez tenha que cobrir a 1ª base.

Com um corredor em posição de anotar (corredor na 2ª base ou na 2ª base e 3ª base), o árbitro de “home”, em princípio, sempre permanece no “home” e não cobre quaisquer jogadas nas bases. A única exceção é quando uma bola “fly” fácil de ser apanhada é rebatida para o campo externo. Se uma bola assim é rebatida para o jardim esquerdo, o árbitro de “home” talvez tenha que cobrir a 3ª base; se uma bola assim é rebatida para o jardim direito, o árbitro de “home” talvez tenha que cobrir a 1ª base.

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE BEISEBOL E SOFTBOL - NOTÍCIA

 Resultado – XXVI Torneio Taiyo de Softbol – 2022 – Taça Luiz Takashi Mano

terça-feira, 20 de setembro de 2022

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE BEISEBOL E SOFTBOL - NOTÍCIA

 Resultado – XI Taça dos Campeões Pré-Júnior de Beisebol – 2022 – Taça João Nakaie

Acesse: cbbs.com.br

MANUAL DE ARBITRAGEM - SISTEMA DE 4 ÁRBITROS (IBAF - INTERNATIONAL BASEBALL FEDERATION)

MANUAL DE ARBITRAGEM - SISTEMA DE 4 ÁRBITROS (IBAF - INTERNATIONAL BASEBALL FEDERATION)

 

ROTAÇÃO DE ÁRBITROS


ROTAÇÃO 1 (NENHUM CORREDOR EM BASE) 

Sem corredor em base (e, portanto, o árbitro da 2ª base “fora”), o batedor rebate a bola arremessada (“fly”) para o fundo do jardim central.

Aplica-se a seguinte rotação de árbitros:

1. O árbitro de “home” tem de parar para observar a bola rebatida e a reação do árbitro da 2ª base. Em seguida, deve assegurar-se de que o árbitro da 1ª base e o árbitro da 3ª base estão se movimentando corretamente. Se achar que a bola rebatida vai resultar numa jogada normal, deverá deslocar-se aproximadamente 45 pés (13,716m) em direção à 3ª base. Se lhe parecer que a bola rebatida vai ser um “hit” de mais de uma base, terá de começar a se movimentar em direção à 3ª base, regulando seus passos de acordo com a ação do batedor-corredor. O árbitro de “home” tem de estar a uns 10 metros da 3ª base bem antes do batedor-corredor. Se o batedor-corredor vai na direção da 3ª base, o árbitro de “home” acompanha a jogada em andamento e, quando o corredor e a bola se aproximam da 3ª base, para perto da base para observar o lance. Se a jogada na 3ª base falha e o batedor-corredor avança em direção ao “home plate”, o árbitro da 1ª base já deve estar posicionado para apreciar o lance no “home”.

2. O árbitro da 1ª base observa a reação do árbitro da 2ª base. Quando o árbitro da 2ª base vai atrás da bola, o árbitro da 1ª base caminha em direção à 1ª base, permanecendo em território “foul”, para observar o batedor-corredor tocar a base. Se o batedor-corredor avança à 2ª base e, após ultrapassá-la, continua a corrida, o árbitro da 1ª base vai ao “home plate” caso ele tente anotar ponto.

3. O árbitro da 2ª base observa a bola rebatida e anuncia que está indo atrás da bola. Em seguida, vai decididamente na direção de uma posição que lhe ofereça um bom ângulo para ver o defensor tentando apanhar a bola no ar e verificar se a bola passa a cerca do campo externo, em voo ou após tocar o solo. Quando vai atrás da bola, o árbitro da 2ª base não retorna para cobrir alguma jogada no campo interno.

4. O árbitro da 3ª base observa a reação do árbitro da 2ª base. Quando o árbitro da 2ª base corre atrás da bola, o árbitro da 3ª base vai em direção à 2ª base. Ele tem de estar perto da base bem antes de o batedor-corredor chegar lá, pois sua movimentação é baseada na velocidade do batedor-corredor. Quando o batedor-corredor avança em direção à 2ª base, o árbitro da 3ª base para perto da base e aguarda o desenrolar da jogada. Se o batedor-corredor vai em direção à 2ª base e, por alguma razão, resolve retornar à 1ª base, o árbitro da 1ª base já deve estar posicionado para cobrir a jogada na 1ª base.

segunda-feira, 19 de setembro de 2022

ÁRBITROS DE BEISEBOL - MECÂNICAS

POSIÇÕES INICIAIS   

1. A posição inicial do árbitro da 1ª base é ligeiramente fora da linha de “foul” da 1ª base, um a dois metros atrás do defensor da 1ª base, mas pelo menos seis metros atrás da 1ª base.

2. Quando não há corredor em base, a posição inicial do árbitro da 2ª base é na área central, cerca de seis metros além da beira da grama do campo externo, sempre no lado para onde o batedor tende a “puxar” a bola (a menos que haja um corredor na 3ª base, com menos de duas eliminações). Em todas as situações em que há um corredor ou uma ameaça  na 2ª base, a posição inicial do árbitro da 2ª base é na beira da grama do campo interno e perto do canto cortado, no lado do defensor da 2ª base (essa posição é denominada “B profunda”).

3. A posição inicial do árbitro da 3ª base é ligeiramente fora da linha de “foul” da 3ª base, a pelo menos dois ou três passos dentro da grama do campo externo, mas sempre um a dois metros atrás do defensor da 3ª base.

domingo, 18 de setembro de 2022

ARBITRAGEM EM SOFTBOL

 APELAÇÃO COM BOLA MORTA

Uma vez que a bola tenha sido devolvida para o campo interno, e o árbitro tenha declarado “Time”, ou a bola tenha se tornado morta, qualquer defensor (ou outro membro da equipe na defensiva) que está no campo interno, com ou sem a posse da bola, pode fazer uma apelação verbal sobre um corredor que tenha omitido uma base ou tenha deixado uma base, antecipadamente, numa bola “fly” apanhada no ar. O árbitro requisitado deve acolher a apelação e, depois, dar uma decisão sobre a jogada. Nenhum corredor pode deixar a sua base durante esse período, visto que a bola permanece morta até o próximo arremesso.

EXCEÇÃO: Um corredor que tenha deixado uma base, antecipadamente, numa bola “fly” apanhada no ar, ou que tenha omitido uma base, pode tentar retornar para tal base enquanto a bola está morta.

NOTA:

(a) Se a bola sai do campo de jogo, a apelação com a bola morta não pode ser feita até que o árbitro coloque uma nova bola no jogo.

(b) Se o arremessador tem a posse da bola e está em contato com o “pitching plate” quando faz uma apelação verbal, não deve ser declarado um Arremesso Ilegal.

c) Se o arremessador faz uma apelação depois da ordem “Play Ball”, o árbitro deve declarar “Time”, outra vez, e permitir o prosseguimento da apelação.

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE BEISEBOL E SOFTBOL - NOTÍCIA

Seleção Brasileira na Copa do Mundo de Beisebol Sub18 – 2022

by: 

Acesse: cbbs.com.br

sábado, 17 de setembro de 2022

ÁRBITROS DE BEISEBOL - GENERALIDADES

REGRAS PARA ACELERAR JOGOS

Revisem as regras aplicáveis para acelerar jogos e combinem quem pode ajudar temporariamente (por exemplo, contar os arremessos de aquecimento, controlar o tempo). Sempre que o técnico vai conversar com o arremessador, um árbitro deve ir na direção do “bullpen” (normalmente, para o “bullpen” que está do seu lado). Interromper visitas ao montículo  é responsabilidade  exclusiva do árbitro de “home”.