terça-feira, 18 de dezembro de 2018

“BASE ON BALLS” INTENCIONAL

Aconteceu num jogo de beisebol (categoria ADULTOS). Corredor na 2ª e 3ª base, um eliminado. Quarto batedor no “batter’s box”. Quando foi efetuado o primeiro arremesso a ele –foi declarado “BALL”– o técnico da equipe na defensiva comunicou sua intenção de deixar o batedor andar (“walk”). O árbitro de “home”, porém, mandou o arremessador continuar arremessando até completar quatro “BALLS”. Isso porque a  informação sobre a intenção de deixar o batedor andar deve ser dada antes de o arremessador efetuar um arremesso.

[CT – 02 – 1 (i)]

A Regra 5.05 (b) (1) não determina o momento em que a comunicação sobre a intenção de deixar o batedor andar deve ser feita. 

[Comentário – Regra 5.05 (b) (1), DEFINIÇÃO DE TERMOS / “BASE ON BALLS” (BASE POR “BALLS” (b)]

A bola permanece em jogo. No beisebol japonês, a bola torna-se morta.

No softbol, a comunicação da intenção de deixar o batedor andar pode ser feita pelo arremessador, receptor ou “coach” a qualquer momento antes de o batedor iniciar e completar a sua vez de bater, independentemente da contagem de arremessos.

Se tal concessão for feita a dois batedores, o segundo batedor não poderá ser autorizado a ir à 1ª base enquanto o primeiro batedor não a tiver alcançado. Se o árbitro, equivocadamente, permite que dois batedores “andem” ao mesmo tempo, e o primeiro batedor deixa de tocar a 1ª base, nenhuma apelação por omissão de base deve ser aceita sobre o primeiro batedor.

A bola torna-se morta e os corredores não podem avançar, a menos que sejam forçados.

[Regras: 5.1.28,  5.5.1 (c) (ii) (1) a (3)]  

Sem comentários:

Enviar um comentário