sexta-feira, 29 de setembro de 2017

ARBITRAGEM EM BEISEBOL – MECÂNICAS PARA O SISTEMA DE QUATRO ÁRBITROS (7)

Com pelo menos um corredor na 2ª base (o árbitro da 2ª base está posicionado dentro do quadrilátero). Rebatida “foul fly” para trás do receptor (entre o “home plate” e o “backstop”).

1) O árbitro de “home” deve observar a bola rebatida e afastar-se, imediatamente, do receptor. Tem de manter os olhos fixos no receptor (não deve olhar a bola) e ir decididamente na direção de uma posição que lhe ofereça um bom ângulo para ver o receptor tentando apanhar a bola no ar. Pouco antes de o receptor chegar ao “backstop”, tem de olhar a bola, para verificar se ela toca a cerca.

2) O árbitro da 1ª base deve observar a bola rebatida e dar alguns passos em direção à 1ª base. Caso haja um corredor na 3ª base pronto para iniciar a corrida (“tag up”), tem de estar atento; e se o corredor tentar anotar ponto, deverá mover-se decididamente na direção do “home plate” e posicionar-se para observar a jogada. Se não há corredor na 3ª base, o árbitro da 1ª base pode, em princípio, ficar descontraído.

3) O árbitro da 2ª base deve observar a reação do árbitro da 1ª base. Com menos de duas eliminações, o árbitro da 2ª base deve observar  a jogada no território “foul” e o “tag up” (saída de base) do corredor da 2ª base. Se, com corredor na 1ª base, o árbitro de “home” se afastar de sua posição  e o árbitro da 1ª base for cobrir o “home plate”, o árbitro da 2ª base será o responsável por todas as jogadas na 1ª e 2ª base. O árbitro da 2ª base tem de dar alguns passos, virar-se e fixar os olhos na bola e, em seguida, verificar onde uma jogada poderá ocorrer. O árbitro da 2ª base terá de se mover, sem precipitação, em direção à 1ª ou 2ª base se achar que poderá ocorrer uma jogada numa das bases. Se não for possível prever uma jogada, o árbitro da 2ª base deverá permanecer onde está e esperar a evolução do lance para decidir-se por uma ou outra posição.

4) O árbitro da 3ª base deve observar a reação do árbitro da 1ª base e dar alguns passos em direção à 3ª base. Caso haja um corredor na 3ª base pronto para iniciar a corrida (“tag up”), deve responsabilizar-se pelo “tag up” (saída de base). Se o corredor da 2ª base deixar a base corretamente e avançar na direção da 3ª base, terá de posicionar-se para a jogada, parar e observar o lance. Em todas as outras situações, o árbitro da 3ª base pode, em princípio ficar descontraído.

Fonte: Manual de Arbitragem da Federação Internacional de Beisebol (IBAF – International BAseball Federation)

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

SUBSTITUIÇÃO NÃO ANUNCIADA

Softbol

Uma batedora de emergência (“pinch hitter”) entrou no jogo sem ser anunciada e, com uma rebatida indefensável (“base hit”), chegou à 2ª base. O técnico da equipe na ofensiva informou o árbitro de “home” sobre a falha que cometera; em seguida, mandou uma corredora de emergência (“pinch runner”) à 2ª base, após comunicar a mudança ao árbitro.

1) Como a irregularidade foi levada ao conhecimento do árbitro pela equipe na ofensiva (a) antes de a equipe contrária apelar, (b) antes de um arremesso à batedora seguinte ou antes de qualquer jogada,  não houve infração; a situação foi corrigida.

2) Se a equipe na defensiva tivesse apelado antes de a equipe na ofensiva informar a falha cometida, e antes de um arremesso à batedora seguinte ou antes de qualquer  jogada, a substituta não anunciada seria “Declarada Desqualificada” e eliminada.

3) Se a equipe na defensiva tivesse apelado antes de a equipe na ofensiva informar a falha cometida, mas depois de um arremesso à batedora seguinte ou depois de qualquer jogada, ou se a equipe na ofensiva tivesse informado a falha cometida depois de um arremesso à batedora seguinte ou depois de qualquer jogada, a substituta não anunciada não seria eliminada, porém seria “Declarada Desqualificada”, e uma substituta legal ocuparia o seu lugar.

(Regra 4 – Seção 8)

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

T-BALL FEST 2017 - BEISEBOL

Olá Amigos,
 
Como sabem, nos dias 11 e 12 de novembro/17, iremos realizar o 11º T-ballFest, evento que já podemos considerar como tradicional no Clube.
 
Pretendemos recepcionar 10 equipes de beisebol, totalizando por volta de 300 participantes, entre atletas, familiares e amigos.
 
A equipe de T-ball beisebol do ANC ainda conta com poucos pais frente ao desafio de organizar um evento tão importante e tradicional para o Clube.
 
Acredito que, investir na categoria de base é a chave para mantermos vivo o legado esportivo, o senso de respeito, de educação e de formação de bons cidadãos, que são as bandeiras do ANC. Por isso, peço o vosso apoio para concretizarmos mais essa etapa na história cinquentenária de sucesso do ANC!
 
O apoio poderá ser de diversas formas, tais como: ajuda no baiten, na preparação dos campos, no apoio aos benchs, na busca por patrocínio e doações (fundamental!), etc.
 
Tenho consciência de que esse ano está repleto de dificuldades, que de certa forma sobrecarrega nossos Apoiadores tradicionais, mas, acredito em muito na "garra" do ANC.
 
 
Agradeço antecipadamente a ajuda de todos,
 
 
Hideo (Coordenador T-ball)
cel. 11 99572 4024 - ahviana@gmail.com
 
Obs.: Por favor, peço que ajudem a divulgar esta mensagem.

ARBITRAGEM EM BEISEBOL – MECÂNICAS PARA O SISTEMA DE QUATRO ÁRBITROS (6)

Com pelo menos um corredor na 2ª base (o árbitro da 2ª base está posicionado dentro do quadrilátero). Rebatida “fly” para as proximidades da cerca do “leftfield” (jardim esquerdo).

1) O árbitro de “home” deve observar a reação do árbitro da 3ª base e dar alguns passos na direção da 3ª base. Se o corredor da 2ª base avançar em direção ao “home plate”, o árbitro de “home” terá de posicionar-se para observar a jogada. Se há um corredor na 3ª base, e esse corredor está sobre a ‘almofada’ (menos de duas eliminações), o árbitro de “home” tem de ir para o território “foul” a fim de observar a jogada no campo externo e  o “tag up” (saída de base). Se o corredor avançar para “home”, o árbitro de “home” terá de retornar à posição e posicionar-se para observar a jogada. Em todas as outras situações, o árbitro de “home” pode, em princípio, ficar descontraído.

2) O árbitro da 1ª base deve observar a bola rebatida e dar alguns passos em direção à 1ª base. Se o árbitro da 3ª base vai atrás da bola, o árbitro da 1ª base tem de entrar no quadrilátero, girar, olhar o batedor-corredor tocar a 1ª base e ir decididamente à 2ª base para cobrir todas as possíveis jogadas naquela base. Tão logo sinta que pode cobrir uma jogada na 2ª base, o árbitro da 1ª base deve dizer ao árbitro da 2ª base: “Deixe a 2ª base comigo!”. Assim, o árbitro da 2ª base fica liberado para concentrar-se inteiramente em jogadas na 3ª base. Nesta mecânica o árbitro da 1ª base tem sempre a responsabilidade sobre as jogadas na 1ª base; quando ele se comunica com  o árbitro da 2ª base, conforme foi descrito, é também o responsável por todas as jogadas na 2ª base.

3) O árbitro da 2ª base deve observar a reação do árbitro da 3ª base e, em seguida, procurar assegurar-se de que o árbitro da 1ª base está entrando no quadrilátero. Com menos de duas eliminações, o árbitro da 2ª base deve observar a jogada no campo externo e o “tag up” (saída de base) do corredor da 2ª base.  O árbitro da 2ª base deve ir, sem preocupação, em direção à 3ª base, mas tem de permanecer perto da 2ª base e estar pronto para retornar a fim de cobrir uma jogada na 2ª base até que o árbitro da 1ª base o libere. Antes de o árbitro da 1ª base comunicar que está pronto para cobrir a 2ª base, o árbitro da 2ª base é o responsável por todas as jogadas na 2ª e 3ª base. Depois que o árbitro da 1ª base se responsabiliza pela 2ª base, o árbitro da 2ª base deve preocupar-se somente com as jogadas na 3ª base.

4) O árbitro da 3ª base deve observar a reação do árbitro da 1ª base e anunciar que está indo atrás da bola. Em seguida, deve ir decididamente na direção de uma posição que lhe ofereça um bom ângulo para ver o defensor tentando apanhar a bola no ar, verificar se a bola passa a cerca do campo externo, em voo ou após tocar o solo,  e, se necessário, decidir se a rebatida é “fair” ou “foul”. Quando vai atrás da bola, o árbitro da 3ª base não deve retornar para cobrir alguma jogada no campo interno.

Fonte: Manual de Arbitragem da Federação Internacional de Beisebol (IBAF – International BAseball Federation)

terça-feira, 26 de setembro de 2017

ELIMINAÇÃO FORÇADA (“FORCE OUT”)

Corredor na 1ª base. A bola rebatida foi rolando na direção da 1ª base, em território “fair”; o defensor da 1ª base apanhou-a nas proximidades da linha de “foul”, tocou o corredor, que ficou parado sobre a base, e em seguida pisou a ‘almofada’. O corredor e o batedor-corredor foram declarados “OUT”.

Decisão correta. Foram aplicadas as Regras 6.05 (j) e 7.08 (e).

Regra 6.05 (j): Um batedor é eliminado quando, depois de um terceiro “strike”, ou após acertar uma rebatida “fair”, é tocado por um defensor antes de chegar à 1ª base, ou a 1ª base é tocada antes que ele a alcance.

Regra 7.08 (e): Um corredor é eliminado quando, após ter sido obrigado a deixar a sua base porque o batedor se tornara um corredor, é tocado, ou a base seguinte é tocada, antes de ele chegar a essa base. ...

Se nessa jogada o defensor da 1ª base tivesse pisado a base primeiro e eliminado o batedor-corredor, o corredor não seria eliminado, já que ele não teria perdido o direito de permanecer na 1ª base. [Regra 7.08 (e) – vide NOTA 1]

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

ARBITRAGEM EM BEISEBOL – MECÂNICAS PARA O SISTEMA DE QUATRO ÁRBITROS (5)

Corredor na 1ª base (o árbitro da 2ª base está posicionado dentro do quadrilátero). Rebatida “fly” para as proximidades da cerca do “rightfield” (jardim direito).

1) O árbitro de “home” deve observar a reação do árbitro da 1ª base e procurar assegurar-se de que  o árbitro da 2ª base e o da 3ª base estão se movimentando corretamente. Em seguida, deve acompanhar o batedor-corredor, movendo-se pelo menos 45 pés (13,716m) em direção à 1ª base. O árbitro de “home” deve responsabilizar-se por qualquer jogada na 1ª base até o corredor ultrapassar a 2ª base e dar alguns passos na direção da 3ª base. Se o corredor avançar à 3ª base, o árbitro de “home” deverá retornar ao “home plate”, e o árbitro da 2ª base ficará responsável por todas as jogadas na 2ª base e 1ª base. Antes de retornar ao “home plate”, o árbitro de “home” deve anunciar: “estou voltando!”. Se, eventualmente, o corredor tentar anotar ponto, o árbitro de “home” terá de estar posicionado ao longo da linha da 3ª base para observar a jogada.

2) O árbitro da 1ª base deve observar a reação do árbitro da 3ª base e anunciar que está indo atrás da bola. Em seguida, deve ir decididamente na direção de uma posição que lhe ofereça um bom ângulo para ver o defensor tentando apanhar a bola no ar, verificar se a bola passa a cerca do campo externo, em voo ou após tocar o solo, e, se necessário, decidir se a rebatida é “fair” ou “foul”. Quando vai atrás da bola, o árbitro da 1ª base não deve retornar para decidir alguma jogada no campo interno.

3) O árbitro da 2ª base deve observar a reação do árbitro da 1ª base e, em seguida, procurar assegurar-se de que ele está indo atrás da bola rebatida, e o árbitro de “home” está cobrindo a 1ª base. O árbitro da 2ª base deve permanecer perto da 2ª base para observar alguma jogada nessa base. Se o corredor avançar à 3ª base, o árbitro da 2ª base, então, deverá encarregar-se do batedor-corredor. Se o batedor-corredor apenas ameaçar ir à 2ª base, após ultrapassar a 1ª base, o árbitro da 2ª base talvez precise ir em direção à 1ª base a fim de ficar preparado para uma jogada naquela base.

4) O árbitro da 3ª base deve observar a bola rebatida e dar alguns passos na direção da 3ª base; se o corredor avançar além da 2ª base, terá de posicionar-se para uma jogada na 3ª base, parar e observar o lance. Se a jogada na 3ª base falhar, o árbitro da 3ª base terá de olhar na direção do “home plate” para assegurar-se de que o árbitro de “home” está devidamente posicionado. Em todas as outras situações, o árbitro da 3ª base pode, em princípio, ficar descontraído.

Fonte: Manual de Arbitragem da Federação Internacional de Beisebol (IBAF – International BAseball Federation)

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

ARBITRAGEM EM BEISEBOL – MECÂNICAS PARA O SISTEMA DE QUATRO ÁRBITROS (4)

Corredor na 1ª base (o árbitro da 2ª base está posicionado dentro do quadrilátero). Rebatida “fly” para as proximidades da cerca do “leftfield” (jardim esquerdo).

1) O árbitro de “home” deve observar a reação do árbitro da 3ª base e procurar assegurar-se de que o árbitro da 2ª base e o da 1ª base estão se movimentando corretamente. Em seguida, deve começar a se mover em direção à 3ª base, ajustando os passos à ação do corredor da 1ª base. Se o corredor da 1ª base continuar avançando, o árbitro de “home” terá de ir decididamente na direção da 3ª base; se o corredor permanecer sobre a 1ª base para fazer “tag-up”, ou estiver a caminho da 2ª base, o árbitro de “home” deverá ficar  preparado para cobrir a 3ª base –não há necessidade de se apressar– e, enquanto a jogada se desenvolve, ir na direção da 3ª base. Nesse momento, ele tem de se comunicar com seus companheiros, principalmente com o árbitro da 2ª base (deve dizer: “estou indo pra 3ª base!”); depois, se o corredor avançar à 3ª base, deverá anunciar: “deixe a 3ª base comigo!”. O árbitro de “home” deve permanecer em território “foul”, a aproximadamente 10 metros da base, a menos que o corredor e a bola estejam chegando à base; nesse caso, deve entrar no quadrilátero, aproximar-se da base, parar e observar a jogada. Se a jogada na 3ª base falhar, o árbitro de “home” terá de olhar na direção do “home” para assegurar-se de que o árbitro da 1ª base está devidamente posicionado. Se o árbitro da 1ª base não estiver posicionado, o árbitro de “home” deverá retornar e ficar preparado para decidir uma jogada no “home plate”.

2) O árbitro da 1ª base deve observar a reação do árbitro da 3ª base. Quando o árbitro da 3ª base vai atrás da bola, o da 1ª base deve permanecer perto da 1ª base para observar o batedor-corredor tocar a base e, se a bola for apanhada no ar, ficar atento ao retorno do corredor. Se ocorrer um erro da defensiva, ou em caso de rebatida indefensável (“base hit”), o árbitro da 1ª base terá de se preparar para cobrir o “home plate” se o corredor avançar à 3ª base. Se, eventualmente, o corredor tentar anotar ponto, o árbitro da 1ª base terá de estar posicionado ao longo do prolongamento da linha da 3ª base para observar a jogada.

3) O árbitro da 2ª base deve observar a reação do árbitro da 3ª base e, em seguida, procurar assegurar-se de que o árbitro da 1ª base está perto da 1ª base e o árbitro de “home” está se movimentando em direção à 3ª base. O árbitro da 2ª base deve permanecer próximo à 2ª base para observar alguma jogada nessa base. Se ocorrer um erro da defensiva, ou em caso  de “base hit”, e o corredor avançar à 3ª base, o árbitro da 2ª base, então, deverá encarregar-se do batedor-corredor. Se o batedor-corredor apenas ameaçar ir à 2ª base após ultrapassar a 1ª base, o árbitro da 2ª base talvez tenha que ir em direção à 1ª base e preparar-se para uma jogada naquela base.

4) O árbitro da 3ª base deve observar a bola rebatida e anunciar que está índo atrás da bola. Em seguida, deve ir decididamente na direção de uma posição que lhe ofereça um bom ângulo para ver o defensor tentando apanhar a bola no ar, verificar se a bola passa a cerca do campo externo, em voo ou após tocar o solo, e, se necessário, decidir se a rebatida é “fair” ou “foul”. Quando vai atrás da bola, o árbitro da 3ª base não deve retornar para decidir alguma jogada no campo interno.

Fonte: Manual de Arbitragem da Federação Internacional de Beisebol (IBAF – International BAseball Federation)

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

BOLA REBATIDA ATINGE O CAPACETE CAÍDO NO SOLO

Softbol

Se uma bola lançada ou rebatida atinge o capacete que está fora de seu lugar apropriado no corpo do jogador, e esse contato interfere na jogada que está sendo realizada, ou se um jogador da defensiva tem contato com o capacete que está caído no solo, e esse contato impede que ele execute uma jogada, a bola se torna morta, o jogador da ofensiva que estava usando o capacete é eliminado, mesmo que tenha pisado o “home plate”, e o ponto é anulado.

[Regra 3 – Seção 6f - EFEITO – Seção 6f (ii) – 4]

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

BOLA REBATIDA ATINGE O CAPACETE CAÍDO NO SOLO

Beisebol

Jogada combinada: “hit and run”*. O corredor da 1ª base iniciou a corrida no momento em que o arremessador direcionou o pé livre para “home”; e quando deu os primeiros passos, derrubou o capacete. A bola rebatida (“ground ball”) passou ao lado do arremessador, atingiu esse capacete e desviou. Devido a isso o defensor da 2ª base não conseguiu efetuar a defesa.  Que decisão deve ser dada a este caso?

Se, na opinião do árbitro, o corredor deixou o capacete cair, acidentalmente (ou seja, não teve a intenção de interferir numa eventual jogada do defensor da 2ª base), a bola permanece em jogo.

[Comentário – Regra 6.05 (h)]

*“Hit and Run” =  Jogada em que o batedor tem de rebater a bola arremessada, com certeza, porque o corredor já está iniciando a corrida para a base seguinte.