segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

“SQUEEZE PLAY”

“Squeeze Play” é aquela jogada em que a equipe na ofensiva, com corredor na 3ª base, tenta anotar ponto por meio de um “bunt”.  (No beisebol, o corredor arranca para "home" tão logo o arremessador inicia o arremesso, e no softbol, no momento em que a bola arremessada legalmente deixa a mão do arremessador.)   Se for bem executada, é grande a probabilidade de a tática ter bom êxito. Entretanto, se o batedor não conseguir tocar a bola, o corredor dificilmente conseguirá evitar ser eliminado.
 
Raramente uma equipe utiliza esse recurso quando há dois “outs”, já que se o batedor-corredor for eliminado na 1ª base, não será anotado ponto [Regra  4.09 (a) – EXCEÇÃO (1)]; e também quando o batedor está com dois “strikes”, porque, se o “bunt” resultar em “foul ball”, será declarado o terceiro “strike” [Regra 2.00 “STRIKE” (d)].


Nessa jogada  –segunda metade do nono "inning", placar empatado (3 x 3), bases cheias, um "out", contagem de arremessos: 1 - 1–,  Milwaukee Brewers anotou o ponto da vitória.  

domingo, 28 de fevereiro de 2016

CBBS – COMUNICADO

Regulamentação Bolsa Atleta

26 Fevereiro 2016

REGULAMENTAÇÃO BOLSA ATLETA

A Secretaria Nacional de Esporte de Alto Rendimento (SNEAR) do Ministério do Esporte mantém desde 2005, o programa denominado Programa Bolsa Atleta, tendo como público alvo os atletas e para-atletas de alto rendimento para obterem bons resultados em competições nacionais e internacionais na sua modalidade. O programa garante condições para que se dediquem com exclusividade e tranquilidade ao treinamento e competições Nacionais, Sul Americanas, Pan Americanas, Mundiais, Olímpicas e Para-Olímpicas.

A Confederação Brasileira de Beisebol e Softbol (CBBS) participa deste programa com o intuito de aumentar o nível técnico dos atletas das modalidades Beisebol e Softbol tanto a nível nacional quanto a nível internacional, emitindo declarações e autorizando a inscrição dos atletas no programa.

Para a emissão dessas declarações pela CBBS com o objetivo de inscrever ao programa bem como para respectiva prestação de contas, o atleta deve:

  • Estar devidamente regularizado junto às Federações e CBBS, através do pagamento da taxa de inscrição ou renovação e apresentação do atestado de Exame Médico de liberação para a prática de esportes;
  • Participar de todos os eventos oficiais promovidas pelas Federações e CBBS em sua categoria;
  • Participar de seletivas em suas categorias para a formação da Seleção Brasileira e atender a convocação caso seja chamado;
  • Idade mínima de 14 anos completos na data da inscrição e máxima de 35 anos completos na data da inscrição;
  • Para atletas contemplados com a bolsa internacional não há limite de idade máxima;
  • Apresentar relatórios mensais emitidos e assinados pelo atleta e Diretor responsável do clube (cadastrado junto à CBBS), evidenciando a participação do mesmo em seus treinamentos programados;
  • Efetuar a prestação de contas após o recebimento da bolsa
Lembrando que o atleta que não apresentar os documentos necessários para a prestação de contas até 30 dias após o recebimento da última parcela, fica sob a pena de incorrer nas hipóteses previstas no art. 8º, § 2° e art. 9º do Decreto nº 5.342 de 14 de janeiro de 2005:
Art. 8o  O atleta beneficiado deverá apresentar ao Ministério do Esporte prestação de contas no prazo de trinta dias após o recebimento da última parcela.
§ 2o  Caso a prestação de contas não seja apresentada no prazo ou não tenha sido aprovada, o benefício não será renovado até que seja regularizada a pendência.  (Redação dada pelo Decreto nº 7.802, de 2012)
Art. 9o  A não-aprovação da prestação de contas obrigará o atleta ou seu responsável a restituir os valores recebidos indevidamente, na forma do § 2odo art. 7o.
Confederação Brasileira de Beisebol e Softbol  

sábado, 27 de fevereiro de 2016

“BAT BOY” (RECOLHEDOR DE “BAT”) CHUTA ACIDENTALMENTE UMA BOLA LANÇADA

Rebatida “ground” forte para o espaço entre os defensores da 1ª base e 2ª base. O defensor da 2ª base efetuou a defesa com dificuldade e fez um mau lançamento à 1ª base –a bola foi na direção da cerca lateral.  O “bat boy”, que se encontrava nas proximidades do “bench”, ao tentar se esquivar da bola chutou-a acidentalmente; o batedor-corredor avançou à 2ª base.   

O ato de o "bat boy" chutar a bola é interpretado como uma Interferência intencional, sem levar em consideração qual teria sido sua intenção. A bola fica morta, e o árbitro deve impor as penalidades que, na sua opinião, anularão o ato da Interferência.
 
(Regra 3.15, Comentário – Regra 3.15)

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

QUEM DETERMINA SE O SEGUNDO JOGO DE UMA RODADA DUPLA DEVE OU NÃO SER INICIADO?

Terminado o primeiro jogo de uma Rodada Dupla*, começou a chover forte. Funcionários do estádio esforçaram-se para deixar o campo de jogo em condições adequadas para a partida seguinte, mas não conseguiram resultado satisfatório.  Quem determina se o segundo jogo deve ser iniciado? 
 
O árbitro principal do primeiro jogo. 

Regra 3.10 (b): O árbitro principal do primeiro jogo é o único que tem o direito de decidir se o segundo jogo de uma rodada dupla deve ou não ser iniciado, por causa de mau tempo ou condições inadequadas do campo de jogo.  

*Rodada Dupla (“Double-Header"): É uma programação em que dois jogos regularmente marcados ou remarcados são realizados em imediata sucessão. (Vide Regra 4.13.)

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

REGRA DE “INFIELD FLY”

Corredor na 1ª e 2ª base, nenhum eliminado, “fly” para o campo interno. A bola caiu atrás do interbases, sobre o gramado. Os corredores permaneceram nas suas bases. O interbases apanhou a bola, pisou a 3ª base e lançou à 2ª base. Jogada Dupla (“double play”). O batedor-corredor chegou à 1ª base. O técnico da equipe na ofensiva reclamou, alegando que os árbitros deveriam ter aplicado a Regra 6.05 (e) –nesse caso somente o batedor-corredor seria eliminado. 

Os árbitros devem ter julgado que o interbases não conseguiria apanhar a bola no ar mediante um esforço normal.  

Comentário - Regra 2.00 (“INFIELD FLY”): Para aplicar a regra de “Infield Fly”, o árbitro deve julgar se a bola pode ser agarrada normalmente por um defensor do campo interno. Não deve se basear em algumas limitações arbitrárias, tais como o gramado ou as linhas de base. ...

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

“BUNT” RESULTA EM “FOUL FLY”

Nenhum eliminado, corredor na 1ª base, “ball count” (contagem de bolas arremessadas): dois “strikes”. Tentativa de “sacrifice bunt” (“bunt” de sacrifício) resulta em “foul fly”. O receptor levanta-se rapidamente e apanha a bola no ar. “Strike Out” ou “Fly Out”? 

É “Fly Out”.  

Regra 2.00 “STRIKE” (d) – NOTA: Após contados dois “strikes”, rebatidas “foul” subsequentes não são levadas em consideração. Num “bunt”, porém, uma bola “foul” depois de dois “strikes” é contada normalmente como “strike”, e o batedor é eliminado, automaticamente, por três “strikes” (“strike out”).  Entretanto, se esse “bunt” resulta em “fly” e um defensor apanha a bola legalmente, o árbitro deve declarar um “fly out” (eliminação por “fly”).

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

DEFENSOR ESTENDE O BRAÇO PARA DENTRO DO “DUGOUT” E TENTA APANHAR UM “FOUL FLY”

O defensor da 1ª base chegou à beira do “dugout” da equipe na ofensiva, estendeu o braço para dentro dele e tentou apanhar um “foul  fly” (bola “fly” em território “foul”); e teria efetuado a defesa não fosse a ação de um jogador, que deu um tapa na sua luva. O batedor deve ser declarado eliminado?
 
Sim. Deve ser declarada uma Interferência da Ofensiva. Os membros da equipe na ofensiva devem deixar o espaço livre a um defensor que está tentando apanhar uma bola rebatida ou lançada.
 
[Regras: 2.00 “INTERFERENCE” (a), 7.11, Comentário – 6.05 (a)]

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

BOLA REBATIDA ATINGE O “BAT” CAÍDO NA FRENTE DO “HOME PLATE”

A bola rebatida voltou em direção ao “home plate” após atingir o “pitcher’s plate” e desviou ao ter contato com o “bat” largado pelo batedor, em território “fair”; o receptor apanhou-a antes de ela passar a linha de “foul” e lançou à 1ª base –o batedor-corredor foi declarado “out”. Jogada válida? 

Sim. Se uma bola rebatida atinge qualquer coisa além do terreno natural, por exemplo, um “bat” abandonado pelo batedor, a máscara que o receptor deixa caído no solo etc., em território “fair”, a bola continua em jogo.  

[Regra 2.00 “FAIR BALL” (REBATIDA VÁLIDA) – NOTA]

domingo, 21 de fevereiro de 2016

TERMOS USADOS NUM JOGO DE BEISEBOL

Jogo da Categoria Veteranos. Segunda metade do 7º “inning” (último “inning”), equipe local em desvantagem no placar (6 – 5). Nenhum eliminado, bases cheias, quarto batedor no “batter’s box”, contagem de bolas arremessadas: 0 – 0. Diante da chance de empatar ou ‘virar o jogo’, o “coach” da 3ª base animou-se e gritou ao batedor: “Noo dan – man rui ; tchansu!".

*Noo Dan: Vem de “no down” (nou daun) = nenhum “out”, nenhuma eliminação.

*Man Rui: É um termo japonês. Significa bases cheias. [Man = cheia; Rui (o R não tem o som áspero) = base].

*Tchansu: Vem de “chance” (tchaens), que significa chance, oportunidade, possibilidade etc. O pessoal usa esse termo quando surge uma situação em que há possibilidade de anotar ponto.

sábado, 20 de fevereiro de 2016

ARREMESSADOR SUBSTITUTO ENTRA NO JOGO SEM SER ANUNCIADO

Técnico da equipe na defensiva manda ao montículo o arremessador  destro que está se aquecendo no "bullpen"*,  sem comunicar a mudança ao árbitro de “home”; e quando  o novo arremessador se posiciona sobre o “pitcher’s plate” para efetuar os arremessos preparatórios, muda de ideia e resolve trocá-lo por um arremessador canhoto.  O árbitro deve permitir essa alteração?
 
Não. O novo arremessador deve enfrentar um batedor até que ele seja eliminado ou alcance a 1ª base, ou até que a equipe na ofensiva sofra a terceira eliminação, a menos que se machuque ou adoeça e o árbitro principal o considere incapacitado para continuar atuando como arremessador.  (Um arremessador substituto é considerado legalmente dentro do jogo no momento em que ocupa sua posição sobre o "pitcher's plate".) 

[Regras:  3.05 (b), 3.08 (1) – vide Regra 3.08 (b)]
 
*"Bullpen" é a área onde arremessador faz aquecimento antes de entrar no jogo.

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

DEFENSOR SUBSTITUTO ENTRA NO JOGO SEM SER ANUNCIADO

Num determinado "inning", o jardineiro central ("centerfielder") “A” foi substituído pelo jogador “B”, mas a alteração não foi comunicada ao árbitro de “home”. Como o primeiro batedor desse “inning” acertou um “fly” (bola rebatida para o ar) e foi eliminado pelo substituto não anunciado, a equipe na ofensiva reclamou e queria que a jogada fosse anulada.  Reclamou com razão? 

Não. A substituição foi legalizada no momento em que o árbitro de "home" declarou “PLAY” depois que o jogador “B” alcançou a posição que o jardineiro central “A” estava ocupando. A jogada realizada pelo novo jardineiro central foi, portanto, legal.  

[Regra: 3.08 (a) (3)  – vide Regra 3.08 (b)] 

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

'PINTIHITTA'* ENTRA NO JOGO SEM SER ANUNCIADO

Um 'pintihitta' acertou um “three-base hit”*.  O técnico da equipe na defensiva reclamou, alegando que a rebatida deveria ser anulada, uma vez que a substituição de batedor fora feita ilegalmente, ou seja, sem ser anunciada ao árbitro de “home”. Reclamou com razão?


Não. Um 'pintihitta' é considerado legalmente dentro do jogo quando ocupa sua posição no “batter’s box”.


[Regras: 3.08 (a) (2) – vide 3.08 (b)]

*‘Pintihitta’ vem de “pinch hitter” (pintch hitar), termo usado para designar um batedor que entra no jogo numa situação de emergência.

*“Three-base hit” = Rebatida indefensável por meio da qual o batedor-corredor avança três bases.

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

‘PINTIRANNA’* ENTRA NO JOGO SEM SER ANUNCIADO

‘Hitto’* ao espaço entre os jardins central e direito –“three-base hit” (rebatida de três bases). Como o batedor-corredor estava visivelmente cansado, o “coach” da 3ª base utilizou um ‘pintiranna’, mas sem comunicar a substituição ao árbitro. Há alguma penalidade? 

Não. Um ‘pintiranna’ é considerado dentro do jogo no momento em que ele chega à base que o corredor substituído ocupava.   

[Regra: 3.08 (4) – vide Regra 3.08 (b)] 

*‘Pintiranna’ vem de “pinch runner” (pintch rânar), termo usado para designar um corredor que entra no jogo numa situação de emergência. 

*‘Hitto’ vem de “hit”, do termo “base hit” (béis hit). Significa rebatida indefensável –aquela por meio da qual o batedor alcança a 1ª base, ou qualquer base subsequente, com segurança ("safe"), sem que tenha ocorrido erro na ação defensiva.

terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

CASOS CURIOSOS QUE OCORRERAM NO IV CAMPEONATO BRASILEIRO DE BEISEBOL INTERCLUBE –CATEGORIA SETENTÃO– REALIZADO NOS DIAS 13 E 14/02/2016

1) ANOTADORA OFICIAL FEZ UM REGISTRO EQUIVOCADO

Jogada: Dois eliminados, corredor na 3ª base. A bola rebatida tocou o solo atrás do interbases e foi na direção do jardineiro esquerdo. Este avançou rapidamente, efetuou a defesa e fez um lançamento perfeito à 1ª base. O batedor-corredor foi declarado “out”. (Bem antes de o batedor-corredor ser eliminado o corredor já havia pisado o “home base”.)  A anotadora oficial registrou um “base hit”* e um ponto (???) –talvez ela tenha achado que o batedor-corredor fora eliminado após ter alcançado a base.  Logo em seguida, porém,  o equívoco foi corrigido.

*“Base Hit” = Rebatida Indefensável –aquela por meio da qual o batedor alcança a 1ª base, ou qualquer base subsequente, com segurança ("safe"), sem que tenha ocorrido erro na ação defensiva.

Regra 4.09 (a) – EXCEÇÃO (1): Não deve ser anotado um ponto se o corredor avança ao “home base” durante uma jogada em que a terceira eliminação é feita sobre o batedor-corredor antes que ele toque a 1ª base.

2) BATEDOR FORA DE ORDEM
 
O oitavo batedor entrou no “batter’s box” no turno do sexto batedor. Quando o arremessador fez o primeiro arremesso –foi declarado “strike”–, o técnico da equipe na defensiva apelou sobre o erro na ordem de batedores e queria que os batedores que deixaram passar a vez de bater (o 6º e o 7º batedores) fossem eliminados.

A apelação na hora indevida acabou beneficiando a equipe contrária –o sexto batedor foi autorizado a ocupar o “batter’s box”, assumindo o “ball count”.  Se o técnico  tivesse apelado depois de o batedor incorreto se tornar um corredor ou ser eliminado, e antes do primeiro arremesso ao batedor seguinte, ou antes de qualquer jogada ou tentativa de jogada, o 6º batedor seria eliminado. 

[Regra 6.07 (a) (1) (2)]
 
3) SUBSTITUIÇÃO DE ARREMESSADOR
 
O arremessador que abriu o jogo se descontrolou. O interbases foi chamado ao montículo para substituí-lo. Como, porém, ele efetuou três arremessos de aquecimento totalmente fora da zona de “strike”, o técnico mudou de ideia e anunciou o defensor da 3ª base como o novo arremessador. O árbitro permitiu a troca.
 
O interbases havia se tornado um arremessador substituto no momento em que se posicionou sobre o “pitcher’s plate” [Regra 3.08 (a) (1)]; portanto, ele teria que ter enfrentado pelo menos um batedor [Regra 3.05 (b)].   

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

RECICLAGEM 2016 EM PRESIDENTE PRUDENTE

Presidente Prudente foi o local da 2a. etapa da Reciclagem para Árbitros de Beisebol 2016.
Estiveram presentes 17 árbitros, sendo 4 da cidade de Bastos.


Agradecemos aos srs. Yoshimi Yamazaki e Yoshinori Yassuda, pela organização do evento.


Responsáveis pelo evento (da esquerda para direita): Eiki Uehara (AAA), Naoyoshi Goto (P.Prudente), Alberto Iwano (AAA), Everaldo Medeiros (presidente da AAA), Yoshinori Yassuda (P.Prudente), Yoshimi Yamazaki (P.Prudente) e Akira Kiyuna (AAA).

Próximos locais de Reciclagem:
1. São Paulo (Gecebs) – 20 e 21 de fevereiro
2. Maringá – 27 e 28 de fevereiro
3. São Paulo (Nippon) – 05 e 06 de março
4. Mirandópolis – 12 e 13 de março

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

DEFENSOR APANHA UM “FLY” E AO CHOCAR-SE COM O MURO SOLTA A BOLA

Corredor na 1ª base, um eliminado, 'gaiya furai'*. O jardineiro central afastou-se rapidamente até as proximidades do muro, deu um salto e agarrou a bola que passava sobre a sua cabeça (“over-the-head catch”) –foi uma defesa espetacular. Ocorre que, após efetuar a defesa, foi de encontro ao muro e soltou a bola. (A bola  foi para fora do campo passando sobre o muro.) O batedor é “out”?

Não, porque não houve pegada legal. É um “home run”. Nessa jogada foram anotados dois pontos.

[Beisebol – Regras: 2.00 “CATCH”, 7.05 (a)]
 
(Softbol – Regras: 1 – Seção 15-D, 8 – Seção 7g-2, 8 – EFEITO – Seção 7g)

*‘Gaiya FuraiI’ = Rebatida “fly” para o campo externo.