terça-feira, 31 de março de 2015

DEFENSOR COMETE UM EQUÍVOCO MENTAL

Segunda metade do nono “inning”, bases cheias, um “out”. O batedor acertou um “fly” e mandou a bola para o fundo do jardim direito. Todos os corredores retocaram suas bases e iniciaram a corrida depois que a bola teve contato com a luva do jardineiro direito. Quando o batedor-corredor –ele havia dado alguns passos na direção da 2ª base após pisar a 1ª base– estava se dirigindo ao “dugout” depois que o defensor apanhou a bola, o lançamento que o defensor da 2ª base fez à 1ª base atingiu as suas costas e desviou. O corredor da 2ª base pisou o “home plate” antes de o defensor da 1ª base recuperar a bola. Deve ser declarada uma Interferência da Ofensiva?
 
Não. A bola permanece em jogo. Foram anotados dois pontos nessa jogada. O defensor da 2ª base cometeu um equívoco mental, lançando a bola à 1ª base para fazer uma jogada sobre um jogador que já estava eliminado.
 
Comentário – Regra 7.09 (e): Se o batedor ou um corredor continua avançando depois de ter sido eliminado, ele não deve, só por esse ato, ser julgado como se estivesse confundindo, estorvando ou dificultando as ações de defensores. 

Fonte: DIAMOND CHALLENGE, de Jim Evans           

segunda-feira, 30 de março de 2015

RECICLAGEM PARA ÁRBITROS DE BEISEBOL 2015

Completamos mais uma etapa da Reciclagem 2015. Desta vez foi em Londrina, nos dias 28 e 29 de março, com a presença de 12 árbitros.


 
Agradecemos o apoio de Cristina Kosu na organização desse evento.

Próximas etapas da Reciclagem 2015:

• 18 e 19/ABR em Dourados
• 25 e 26/ABR em Mirandópolis

LANCES OCORRIDOS EM JOGOS DO IV CAMPEONATO BRASILEIRO DE BEISEBOL INTERCLUBE –CATEGORIA (45 ANOS)– REALIZADOS NO DIA 29/03/2015 NO ESTÁDIO MIE NISHI

1) Corredor na 2ª e 3ª base. O arremessador tentou eliminar o corredor da 2ª, que estava afastado da base; o lançamento, porém, foi mal executado –a bola foi parar no jardim central. O corredor da 3ª base pisou o “home plate”. O da 2ª base retornou, mas em seguida foi caminhando em direção à 3ª base; e ao ser tocado pelo   interbases, que havia recebido a bola devolvida pelo jardineiro central, foi declarado “out”. O corredor reclamou –alegou que fora obstruído (agarrado) pelo defensor da 2ª base–, mas a decisão foi mantida. (Na opinião do árbitro da 2ª base, o defensor não cometeu tal infração.)  
 
2) Nenhum eliminado. Os corredores (da 1ª e 2ª base) arrancaram em direção às bases seguintes no momento em que o arremessador iniciou o arremesso. O batedor acertou um “liner”*. O interbases apanhou a bola em voo, quase no chão, e concretizou um “triple play”* (jogada tripla).
 
*“Liner” = “Line Drive”: É uma bola rebatida que vai em linha reta, com força, do "bat" a um defensor, sem tocar o solo.

(Regra 2.00 “LINE DRIVE”)
 
*“Triple Play”: É uma jogada da defensiva na qual três jogadores da ofensiva são eliminados em consequência de uma ação contínua, desde que não haja erro entre as eliminações.  

(Regra 2.00 “TRIPLE PLAY”)

domingo, 29 de março de 2015

SELEÇÃO BRASILEIRA DE BEISEBOL

Participou do XII Campeonato Sul-Americano - Categoria Adulto - Chile 2013
 
 
Participou  do XIII Campeonato Sul-Americano - Categoria Adulto - Cuiabá (MT) - 2015

 

sexta-feira, 27 de março de 2015

GANDULA COMETE INTERFERÊNCIA

Corredor na 1ª base. “Base Hit” na direção da 1ª base –a bola  foi em direção à cerca lateral. A gandula apanhou-a e, em seguida, jogou-a ao chão.  O corredor foi mandado à 2ª base, e o batedor-corredor, à 1ª base.    

 
O ato de um(a) gandula (“ballboy” ou “ballgirl”) apanhar uma bola em jogo é interpretado como uma interferência intencional, sem levar em consideração qual teria sido sua intenção. A bola fica morta e o árbitro deve impor as penalidades que, na sua opinião, anularão o ato da Interferência.

(Regra 3.15)
 
*“Base Hit” = Rebatida indefensável: aquela por meio da qual o batedor alcança a 1ª base, ou qualquer base subsequente, com segurança ("safe"), sem que tenha ocorrido erro na ação defensiva.

quinta-feira, 26 de março de 2015

FOI ANOTADO PONTO - INTERFERÊNCIA COMETIDA PELO ÁRBITRO DE “HOME” FOI DESCONSIDERADA

Corredor na 3ª base, um eliminado, contagem de bolas arremessadas: dois “strikes”. O batedor tentou rebater o arremesso seguinte, mas errou; a bola –não teve contato com o “bat”– bateu na luva do receptor e caiu. Vendo isso, o batedor correu para a 1ª base. O receptor recuperou a bola rapidamente, e quando levantou o braço para lançar ao defensor da 1ª base, sua mão esbarrou na máscara do árbitro (a bola foi ao solo novamente); mesmo assim, conseguiu eliminar o batedor-corredor.  Enquanto isso, o corredor da 3ª base pisou o “home plate”. Foi anotado ponto?
 
Sim, porque a jogada foi legal. (Como o receptor conseguiu eliminar o batedor-corredor, a Interferência do Árbitro foi desconsiderada.)

[Regras: 2.00 “INTERFERENCE” (c) (1), 5.09 (b) – vide NOTAS]

Fonte: DIAMOND CHALLENGE, de Jim Evans            
 
No softbol, quando o árbitro de “home” interfere na ação do receptor que está tentando eliminar um corredor, deve ser sinalizada uma Bola Morta Demorada (“Delayed Dead Ball”). A bola permanece viva até a conclusão da jogada. Se o corredor sobre o qual está sendo executada a jogada for declarado “out”, a eliminação será mantida, e a bola continuará viva; se for declarado “safe”, a bola ficará morta, e todos os corredores terão de retornar à última base que estavam ocupando no momento do lançamento.

(Regras: 1 – Seção 60b, 8 – Seção 8i, 8 – EFEITO – Seção 8i)

quarta-feira, 25 de março de 2015

ÁRBITRO DE “HOME” – EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO

Atenção árbitros! Acidente como o mostrado no vídeo pode acontecer com qualquer um de vocês. Tomem muito cuidado, portanto. Além de máscara, protetor de tórax e caneleiras, não deixem de usar o protetor de genitália.

BOLADA NA CABEÇA

Arremessar na cabeça de um batedor é antidesportivo e extremamente perigoso.

 
Se o árbitro julgar que o arremessador jogou a bola, intencionalmente, na cabeça do batedor, poderá tomar qualquer das seguintes medidas:
 
(1) expulsar o arremessador, ou o técnico e o arremessador, do jogo, ou
 
(2) advertir o arremessador e o técnico de ambas as equipes de que outro arremesso dessa natureza resultará na expulsão imediata desse arremessador (ou um substituto) e do técnico.
 
Se, na opinião do árbitro, as circunstâncias justificam, ambas as equipes podem ser “advertidas” oficialmente antes do jogo ou a qualquer momento durante o jogo.

[Regra 8.02 (d)]

terça-feira, 24 de março de 2015

JOGADA DE APELAÇÃO

Nenhum “out”, bases cheias, “inside-the-park home run” (quadrangular em que a bola permanece dentro do campo). Os corredores da 2ª e 1ª base passaram pela 3ª base, sem pisá-la. Como deve proceder o defensor para apelar sobre a falha dos dois corredores?
 
Deve apontar para os corredores sobre os quais está apelando, ou seja, deve indicar claramente que os alvos da apelação são os corredores da 2ª e 1ª base.  

[Regra 7.10 (b), Comentário - Regra 7.10 – vide NOTA 3]

segunda-feira, 23 de março de 2015

RECICLAGEM PARA ÁRBITROS DE BEISEBOL 2015

Nos dias 21 e 22 de março, estivemos em Maringá, para mais uma Reciclagem (etapa 6 de 8). Participaram da Reciclagem 11 árbitros.


Agradecemos o apoio dos Srs. Dirceu Sato, Haruo Kanawa, Haroldo Sato e Luiz Itikawa.

Próximas etapas da Reciclagem 2015:

• 28 e 29/MAR em Londrina
• 18 e 19/ABR em Dourados

CORREDOR DISTRAÍDO

Corredor na 1ª e 2ª base; o da 1ª base arrancou em direção à 2ª base. Ao perceber a distração que cometera, tentou retornar, mas como o receptor –este havia acabado de receber a bola arremessada– correu atrás dele, ficou parado e foi eliminado por toque.

 
 
[Regra 7.08 (c)]
 
Suponhamos que no lance apresentado acima o corredor distraído tenha chegado à 2ª base. Quem deve ser declarado "out"?
 
O corredor da 1ª base, desde que seja tocado pelo receptor ou outro defensor.

[Regra 7.03 (a)]

domingo, 22 de março de 2015

BATEDOR REBATE UM ARREMESSO QUE TOCA O SOLO

Batedor rebate um arremesso que toca o solo –acerta um “liner” na direção do interbases– e é eliminado.  
 
 
Comentário – Regra 2.00 (“BALL”): Se o arremesso tocar o solo e pular através da zona de “strike”, será um “ball”.  ... Se o batedor rebater esse arremesso, a ação seguinte será a mesma de quando ele rebate uma bola arremessada em voo.

sábado, 21 de março de 2015

BOLA REBATIDA FICA PRESA NA CAMISA DO ARREMESSADOR

A bola rebatida ("ground ball") pulou para dentro da camisa do arremessador. O árbitro 'matou' a bola e concedeu a 1ª base ao batedor.


Se uma bola rebatida em voo  ("fly" ou "line drive") fica presa na camisa de um defensor, o batedor deve ser declarado "out" no momento em que ele (defensor) retira a bola de dentro da camisa e mostra ao árbitro, ou seja, depois de concluída a pegada (“catch”).
Uma pegada é legal quando um defensor apanha uma bola em voo e consegue mantê-la firmemente segura em sua mão ou luva. Se a bola estiver apenas sustentada no(s) braço(s) do defensor, ou se a sua queda ao solo for evitada por alguma parte do seu corpo, equipamento ou roupa, a pegada não estará concluída até que ela seja agarrada com a mão ou luva. [Regra 2.00 "CATCH" (PEGADA LEGAL)].

sexta-feira, 20 de março de 2015

ARREMESSADOR PODE MUDAR PARA OUTRA POSIÇÃO SOMENTE UMA VEZ DURANTE O MESMO “INNING”

Um arremessador pode mudar para outra posição somente uma vez durante o mesmo "ïnning"; por exemplo: o arremessador não será autorizado a assumir uma posição que não seja a de arremessador mais de um vez no mesmo "inning".
 
Esse comentário foi acrescentado à Regra 3.03 principalmente para impedir que os técnicos ocasionem demoras com suas manobras e retardem o jogo, como fazia Paul Richards. Num jogo em 1953, quando um batedor destro ocupava o "batter's box" em uma situação apertada, Richards, então no comando do Chicago White Sox, substituiu o canhoto Billy Pierce pelo destro Harry Dorish; mas em vez de retirar Pierce do jogo, colocou-o na 1ª base enquanto Dorish enfrentava o batedor destro. Como o batedor seguinte era canhoto, Pierce retornou ao "mound" (montículo). Richards havia usado essa manobra dois anos antes com Dorish, mandando-o à 3ª base, enquanto Pierce ocupava o "mound" para enfrentar Ted Williams. Após Pierce eliminar Williams, Dorish assumiu outra vez as funções de arremessador, e um novo defensor da 3ª base entrou no seu lugar.
 
Richards serviu-se dessa manobra duas vezes também em 1954, uma vez com Sandy Consuegra e, finalmente, com o canhoteiro Harshman.  
 
Se não houvesse essa regra, um técnico com a mesma mente de Richards poderia realizar uma mudança canhoteiro-destro várias vezes durante um "inning". Imaginem quanto tempo duraria um jogo.
 
Fonte: Rules of Baseball, de David Nemec

ARREMESSADOR – RETORNO AO MONTÍCULO APÓS TER OCUPADO OUTRA POSIÇÃO

Arremessador substituído num “inning” pode voltar a arremessar nesse “inning” após ter ocupado outra posição defensiva? 
 
Pode, mas somente uma vez. Ou seja, um arremessador que volta ao montículo após ter atuado como defensor não pode ir novamente para outra posição nesse “inning”; ele tem de atuar até o fim do “inning” ou –se for substituído outra vez– deixar o jogo.
 
Comentário – Regra 3.03: Um arremessador pode mudar para outra posição somente uma vez durante o mesmo “inning”; por exemplo: o arremessador não será autorizado a assumir uma posição que não seja a de arremessador mais de uma vez no mesmo “inning”.

quinta-feira, 19 de março de 2015

“BAT” ATIRADO PARA O TERRITÓRIO “FAIR” ESTORVA UM DEFENSOR QUE ESTÁ TENTANDO FAZER UMA JOGADA

Quando o corredor da 2ª base estava tentando um “steal” (roubo de base), o “bat” escapou das mãos do batedor, voou em direção ao defensor da 3ª base e estorvou-o no momento em que ele estava prestes a receber o lançamento do receptor para fazer a jogada.

 
Deve ser declarada uma Interferência da Ofensiva. O batedor é “out” e o corredor tem de retornar à 2ª base.  
 
[Regra 6.05 (h)]

quarta-feira, 18 de março de 2015

DEVE SER CONTADO UM PONTO?

Um eliminado, corredor na 1ª e 3ª base, “fly” para as proximidades da cerca do jardim central. O corredor da 1ª base , achando que seria uma rebatida indefensável, correu para a 2ª base; e após  pisar a ‘almofada’, deu alguns passos em direção à 3ª base. Como, porém, o jardineiro central apanhou a bola no ar, voltou à 1ª base. Ocorre que, no retorno, deixou de tocar novamente a 2ª base. O corredor da 3ª base fez “tag-up” (retocou legalmente a base) e pisou o “home base”. A equipe na defensiva apelou sobre a infração cometida pelo corredor da 1ª base, e este foi declarado “out”.  Como deve ser resolvido este caso?
 
Se o corredor da 3ª base tiver tocado o “home base” antes da eliminação do corredor da 1ª base (terceira eliminação), será contado um ponto.

[Beisebol – Regra 4.09 (a)]
 
(Softbol – Regra 5 – Seção 7a)

terça-feira, 17 de março de 2015

INTERFERÊNCIA DO ÁRBITRO

1) Corredor na 1ª base, nenhum “out”, "ball count" (contagem de arremessos): 2 – 2 (dois “balls” – dois “strikes”). O batedor fez “swing” para tentar rebater o arremesso seguinte, mas o “bat” nem sequer tocou a bola (“strikeout”). Nesse momento o corredor arrancou em direção à 2ª base. O receptor levantou-se, e quando se preparou para fazer o lançamento, seu braço teve contato com a máscara do árbitro; apesar disso, conseguiu jogar a bola. O corredor foi declarado “safe”. Após se reunir com seus companheiros, o árbitro de “home” admitiu ter estorvado a jogada do receptor e mandou o corredor retornar à 1ª base. O jogo foi reiniciado com corredor na 1ª base, um “out”.
 
 
 
2) Corredor na 1ª base, dois eliminados, contagem de arremessos: 1 – 0 (um “ball” – nenhum “strike”). O corredor disparou em direção à 2ª base. No momento em que o receptor se preparou para lançar,  o árbitro estorvou-o; em razão disso o lançamento saiu descontrolado  –a bola foi rolando na direção do interbases. O árbitro de “home” levantou os braços e ‘matou’ a bola; o corredor foi mandado de volta à 1ª base. O jogo teve prosseguimento com corredor na 1ª base, contagem de arremessos: 2 – 0 (dois "balls" - nenhum "strike"). 
 

 Se o lançamento do receptor tivesse eliminado o corredor, a Interferência seria desconsiderada, e se tivesse provocado um princípio de “run-down play” (jogada de perseguição), seria declarado “TIME”, imediatamente, e o corredor, mandado de volta à 1ª base.

[Regras: 2.00 “INTERFERENCE” (INTERFERÊNCIA) (c), 5.09 (b) – vide NOTAS]

XIII CAMPEONATO SUL-AMERICANO DE BEISEBOL ADULTO 2015

A AAABSB agradece aos árbitros que participaram do XIII CAMPEONATO SUL-AMERICANO ADULTO 2015, em Cuiabá, de 28 de fevereiro a 08 de março de 2015. Foram 9 dias de muito trabalho, jogos de alto nível e muito disputados.  Felizmente nenhum incidente e nenhuma reclamação quanto a atuação dos árbitros.

Akira Kiyuna (Coordenador dos Árbitros)

Everaldo Medeiros Marcos 
Paulo Yamada
Eiki Uehara
Chunyti Moritaca
Francisco Gentil Espildora
Alberto Iwano
Jorge Higaki
Milson Aoki
Leonardo Silva
Jorge Shinohara
Wanderley Saijo
William Cogollo (Colombia)
Victor Donaire (Bolivia)
Erick Requejo (Peru)

RECICLAGEM PARA ÁRBITROS DE BEISEBOL 2015

Completamos mais uma Reciclagem (etapa 5 de 8), nos dias 14 e 15 de março, em Curitiba, com a participação de 21 árbitros.


Agradecemos o apoio dos Srs. Ossami Fukuda, Carlos Yamakawa e Tatsuo Yamaguchi.

Próximas etapas da Reciclagem 2015:

• 21 e 22/MAR em Maringá
• 28 e 29/MAR em Londrina
• 18 e 19/ABR em Dourados

segunda-feira, 16 de março de 2015

CORREDOR DA 1ª BASE DESLIZA PARA FORA DA LINHA DE BASE E TROMBA COM O DEFENSOR DA 2ª BASE

Corredor na 1ª base, nenhum “out”, rebatida “ground” ao campo interno. O interbases deslocou-se rapidamente na direção da 3ª base e efetuou a defesa, mas fez um mau lançamento à 2ª base. O defensor da 2ª base apanhou a bola –nesse momento ele estava fora da base– e se preparou para lançar à 1ª base.  O corredor, então, deslizou para fora da linha de base, visando trombar com o defensor e impedir a jogada seguinte sobre o batedor-corredor; e conseguiu (o defensor não completou a jogada).  Como o árbitro deve decidir essa jogada?
 
Deve eliminar ambos; o corredor, em razão da falta cometida (Interferência da Ofensiva), e o batedor-corredor, devido à ação de seu companheiro. (O corredor teria chegado “safe” à 2ª base, mas foi eliminado porque sua intenção de impedir o lançamento à 1ª base foi evidente).  

[Regra 6.05 (m)/Interpretação do beisebol profissional]

Fonte: DIAMOND CHALLENGE, de Jim Evans                
 

domingo, 15 de março de 2015

DEFENSORES DISTRAÍDOS – CORREDOR ESPERTO

Corredor na 2ª base. O defensor da 3ª base apanhou um “ground ball” e eliminou o batedor-corredor na 1ª base. Ao ver o corredor avançando à 3ª base, o defensor da 1ª base tentou sem sucesso eliminá-lo. No momento em que o defensor da 3ª base devolveu a bola ao arremessador, o corredor, notando que o receptor tinha deixado a sua posição e estava perto da 3ª base, arrancou para “home”. O receptor –que recebera a bola lançada pelo arremessador– não conseguiu tocá-lo (foi anotado ponto).  

sexta-feira, 13 de março de 2015

JOGADA DE APELAÇÃO

Segunda metade do último “inning”, jogo empatado, corredor na 2ª base, dois eliminados. Rebatida indefensável na direção do jardim central. O corredor passou pela 3ª base, sem pisá-la, e cruzou o “home plate”. No momento em que as equipes estavam perfiladas para o enceramento do jogo, o defensor da 3ª base (da equipe que estava na defensiva), alertado por um torcedor sobre a omissão de base, pegou a bola da mão do árbitro de “home” e, após tocar a base (omitida), apelou ao árbitro da 3ª base.
 
Essa apelação não tem validade. Quando o arremessador e os defensores deixaram o campo, a defensiva perdeu o direito de apelar.
 
Uma apelação sobre omissão de base deve ser feita antes do arremesso seguinte ou de qualquer jogada ou tentativa de jogada. Se a infração ocorrer durante uma jogada que encerra um meio-“inning”, a apelação terá de ser feita antes que a equipe na defensiva deixe o campo. (A equipe na defensiva terá “deixado o campo” quando o arremessador e todos os defensores do campo interno tiverem saído do território “fair”.)
 
(Regra 7.10) 

quinta-feira, 12 de março de 2015

CORREDOR DEVE SER AUTORIZADO A AVANÇAR UMA BASE?

Jogada (1): Defensor apanhou um “foul fly” e ficou “pendurado” na cerca lateral do campo.
 

Jogada (2):  Defensor apanhou um “foul fly” e caiu além da cerca lateral, no meio do público.

 
Suponhamos que esses lances tenham ocorrido quando havia corredor(es) em base.

Em ambos os casos deve ser concedida uma base a cada corredor, aplicando a Regra 7.04 (c)?

Na jogada (1) a resposta é NÃO, porque o defensor permaneceu dentro do campo de jogo após efetuar um “catch” (pegada legal). A bola permanece viva.

Na jogada (2) a resposta é SIM, porque o defensor saiu do campo de jogo após efetuar uma pegada legal. A bola torna-se morta.

Regra 7.04 (c): Cada corredor, com exceção do batedor, pode avançar uma base, sem o risco de ser eliminado, quando um defensor, após apanhar uma bola “fly”, cai para dentro do “bench” ou das arquibancadas, ou cai além das cordas, no meio do público, quando há espectadores no campo.

quarta-feira, 11 de março de 2015

CORREDOR DA 3ª BASE ANOTA PONTO DEPOIS DA TERCEIRA ELIMINAÇÃO DO “INNING”

Bases cheias, dois eliminados, contagem de bolas arremessadas: 3 – 2 (três “balls” – dois “strikes”). O arremesso seguinte foi declarado “BALL”, e por isso os corredores avançaram. O corredor da 1ª base, porém, sem pisar a 2ª base, deu alguns passos em direção à 3ª base. O arremessador, que estava atento, jogou a bola ao defensor da 2ª base, e este tocou o desleixado jogador antes de o corredor da 3ª base chegar ao “home base”. Essa eliminação é válida? Foi anotado ponto?
 
A eliminação é válida e foi anotado ponto.
 
Comentário – Regra 7.04 (b): Um corredor que tenha sido forçado a avançar, sem o risco de se eliminado, pode ultrapassar a base que lhe fora concedida, mas a seu próprio risco. Mesmo que tal corredor forçado a avançar seja eliminado após ultrapassar a base e complete a terceira eliminação antes que um corredor precedente, também forçado a avançar, toque o “home plate”, o direito desse corredor precedente avançar não é afetado; ele pode anotar ponto.
 
Fonte: DIAMOND CHALLENGE, de Jim Evans           

terça-feira, 10 de março de 2015

'KENSEI'* DA POSIÇÃO "WINDUP"

Arremessador na Posição "Windup" pode lançar a uma base para tentar surpreender um corredor?  
 
Pode, desde que: (1) não tenha feito qualquer movimento natural relacionado com o arremesso ao batedor; (2) dê um passo em direção à base.

Quando um arremessador fica de frente para o batedor e segura a bola com ambas as mãos à frente do seu corpo, com seu pé de apoio em contato com o “pitcher’s plate” e seu outro pé livre, ele é considerado na Posição “Windup”.
 
Alguns arremessadores assumem a Posição “Windup” com as mãos separadas (mantendo-as nos lados do corpo) e vão diretamente ao arremesso para o batedor; outros o fazem com as mãos separadas e, após juntá-las, dão uma parada antes de iniciar o arremesso para “home”.

Independente do estilo adotado, o arremessador pode:

1. Arremessar ao batedor, ou
 
2. Dar um passo e lançar a uma base para tentar surpreender um corredor, ou
 
3. Sair da placa, dando um passo para trás com o pé de apoio primeiro. [Se sair da placa dando um passo para trás com o pé livre primeiro quando há corredor(es) em base, será um “balk”.]
1) Arremessando da Posição "Windup"
 
2) Lançando à 1ª base da Posição "Windup: (a) após segurar a bola com ambas as mãos na frente do corpo; (b) enquanto está com as mãos separadas.
 
 
 [Regra 8.01 (a), Comentário – Regra 8.01 (a)]

*‘Kensei = Jogada em que o arremessador tenta segurar o corredor na base, ou eliminar o corredor que está fora da base.

segunda-feira, 9 de março de 2015

CBBS - NOTÍCIA SOBRE XIII CAMPEONATO SUL-AMERICANO DE BEISEBOL ADULTO 2015

Campeonato Sul Americano de Beisebol Adulto: BRASIL TERMINA EM 2º LUGAR
 
Publicado em 09 de Março de 2015, às 13h44
 
O Campeonato Sul Americano de Beisebol Adulto terminou no sábado e o Brasil ficou em 2º lugar na competição.

A seleção disputou a semi final contra a Argentina e ganhou pelo placar de 4x2. Na final, enfrentamos a seleção da Colômbia e perdemos pelo placar de 6x4.

Com o resultado, os colombianos conquistaram a última vaga para os Jogos Panamericanos que acontecerão em Toronto 2015.

A Confederação agradece e parabeniza os guerreiros que vestiram o uniforme da seleção pelos belíssimos jogos, mostrando um alto nível técnico e garra até a última entrada. Se o título não veio, temos a certeza que o desempenho de vocês ajudará o beisebol brasileiro a crescer cada vez mais.

Agradecemos também a toda a equipe de retaguarda, aos amantes do beisebol que decidiram tirar férias para ir ajudar ou torcer pela seleção, e principalmente à Federação Matogrossense de Beisebol e Softbol pela coragem e determinação em realizar este evento.

Agora é torcer pela nossa Seleção Brasileira de Softbol que representará o país nos Jogos Panamericanos 2015. Vai Brasil!

XIII CAMPEONATO SUL-AMERICANO DE BEISEBOL ADULTO 2015

Resultado do jogo final: Colômbia 6 x 4 Brasil.

Árbitros da final:
Home - Everaldo Medeiros
1ª base - Eiki Uehara
2ª base - William Cogollo (Colômbia)
3ª base - Paulo Yamada
Linha left - Erick Requejo (Peru)
Linha right - Leonardo Silva

Classificação geral: 
1º lugar - Colômbia
2º lugar - Brasil
3º lugar - Peru
4º lugar - Argentina
5º lugar - Bolivia

PREMIAÇÃO INDIVIDUAL

Melhor Batedor: (0.643)        CARLOS WILLOUGHBY KELLY (COL)
Maior número de carreiras
impulsionadas: (12)            MAURO SEBASTIAN SCHIAVONI (ARG)
Maior número de homerun:(5HR)  STEVE WENDEL BROWN REYES (COL)
Melhor arremessador:           MIGUEL CONSUEGRA RANDY (COL)
Melhor receptor:               LUIS RICARDO CAMARGO (BRA)
Melhor primeira base:          HECTOR ACUNA VERGARA (COL)
Melhor segunda base:           LUCAS ROJO OLLER (BRA)
Melhor terceira base:          CARLOS WILLOUGHBY KELLY (COL)
Melhor interbase:              CHARLIE MIRABAL LEON (COL)
Melhores jardineiros externos: STEVE BROWN REYES (COL)
                               EFRAIN CONTRERAS ELZAU (COL)
                               TIAGO MAGALHÃES (BRA)
Melhor batedor designado:      MAURO SEBASTIAN SCHIAVONI (ARG)
Premio especial: jogo perfeito KEN ISHIHARA TSUKAZAN (PER)
Jogador mais valioso:          EFRAIN CONTRERAS ELZAU (COL)

XIII CAMPEONATO SUL-AMERICANO DE BEISEBOL ADULTO 2015 - ARBITRAGEM E ANOTAÇÃO

Akira Kiyuna: Coordenador de Arbitragem


Márcia Ito: Anotadora Oficial

 

JOGADA DE APELAÇÃO

Corredor na 1ª base, “hit” simples (rebatida indefensável de uma base) na direção do jardim direito. O corredor conseguiu alcançar a 3ª base ... entretanto ...  omitiu a 2ª base. Quando o arremessador, de posse da bola, estava no montículo, o defensor da 2ª base solicitou “TIME”; e seu pedido foi atendido pelo árbitro. Enquanto o jogo estava paralisado, o arremessador jogou a bola ao defensor da 2ª base, e este, após tocar a base, apelou sobre a falta cometida pelo corredor (omissão de base). O corredor deve ser eliminado?
 
O corredor não deve ser eliminado nesse momento, e sim quando a defensiva apelar corretamente, ou seja, depois que o árbitro declarar “PLAY” e colocar a bola em jogo.
 
(Uma apelação pode ser feita somente enquanto a bola está viva e em jogo.)

[Regras: 5.10, 7.10 (b)]

Fonte: DIAMOND CHALLENGE, de Jim Evans           

No softbol, uma apelação pode ser feita enquanto a bola está morta.

(Regra 8 – EFEITO – Seção 9g-j/1 – 3)

domingo, 8 de março de 2015

"BAT" QUEBRA COM O IMPACTO DA REBATIDA

Mesmo que um pedaço do “bat” quebrado tivesse tido contato com a bola rebatida, em território “fair”, ou atingido um corredor ou defensor,  a jogada continuaria normalmente.

 
Comentário – Regra 6.05 (h): Um “bat” se quebra e parte dele cai em território “fair”. Se essa parte for atingida por uma bola rebatida, ou tiver contato com um corredor ou defensor, a jogada continuará; não será declarada uma Interferência. Se a bola rebatida atingir parte do “bat” quebrado, em território “foul”, será um “foul ball”.  

sábado, 7 de março de 2015

XIII CAMPEONATO SUL-AMERICANO DE BEISEBOL ADULTO 2015

A decisão do 3o lugar do campeonato ocorreu nesta sexta-feira, dia 06/03/2015, entre as equipes de Argentina e Peru. 

No tempo normal o resultado do jogo foi empate (Peru 1 x 1 Argentina). Na penalidade, a equipe de Peru anotou 5 pontos e a equipe da Argentina anotou apenas 1 ponto.

Resultado final: Peru 1  (5)  x  (1)  1 Argentina.



Os árbitros do jogo foram:
Home - Francisco Gentil (Brasil)
1a base - Jorge Higaki (Brasil)
2a base - Leonardo Silva (Brasil)
3a base - Jorge Shinohara (Brasil)
Linha left - Milson Aoki (Brasil)
Linha right - Wanderley Saijo (Brasil)
Reserva - Paulo Yamada (Brasil)

BATEDOR-CORREDOR RECUA EM DIREÇÃO AO “HOME PLATE”

Corredor na 1ª base, um eliminado, contagem de arremessos: 1 – 1. Batedor executa “bunt”. No momento em que o defensor da 1ª base efetua a defesa, o batedor-corredor recua em direção ao “home plate” para evitar ou retardar o toque.


Esse procedimento é permitido, desde que ele não desvie para os lados; mas se chegar ao “home plate”, será eliminado.

[Regra 7.08 (i) – NOTA]

sexta-feira, 6 de março de 2015

XIII CAMPEONATO SUL-AMERICANO DE BEISEBOL ADULTO 2015

Pela fase semifinal ocorreram 2 jogos no dia 05/03/2015:

Peru 1 x 16 Colombia (called game na 6a entrada)

Árbitros desse jogo: home- Eiki Uehara, 1a base- Everaldo Medeiros, 2a base- Milson Aoki, 3a base- Jorge Higaki, linha left- Leonardo Silva, linha right- Erick Requejo (Peru).


Argentina 2 x 4 Brasil
 
Árbitros desse jogo: home- William Cogollo (Colombia), 1a base- Paulo Yamada, 2a base- Erick Requejo (Peru), 3a base- Francisco Gentil, linha left- Victor Donaire (Bolivia), linha right- Wanderley Saijo.

'DEDDO BOORU'* INTENCIONAL?

Clique aqui para ver o lance.

Regra 8.02 (d): O arremessador não deve arremessar, intencionalmente, no corpo do batedor.

Se o árbitro julgar que o arremessador cometeu tal infração, poderá tomar qualquer das seguintes medidas:

(1)   expulsar o arremessador, ou o técnico e o arremessador, do jogo, ou

(2)   advertir o arremessador e o técnico de ambas as equipes de que outro arremesso dessa natureza resultará na expulsão imediata desse arremessador (ou um substituto) e do técnico.

Se, na opinião do árbitro, as circunstâncias justificam, ambas as equipes podem ser “advertidas” oficialmente antes do jogo ou a qualquer momento durante o jogo.

ooo 0 ooo

*‘DEDDO BOORU’ (ou ‘DETTO BOORU’, como costumamos dizer) vem do inglês “DEAD BALL” (déd ból), que quer dizer bola morta. Usamos esse termo para  designar aquele lance em que o batedor atingido por um arremesso adquire o direito de ir à 1ª base, sem o risco de ser eliminado.  ‘DEDDO BOORU’ = “HIT BY PITCH”, “HIT BATTER”, “HIT BATSMAN”.
 
 Regras: 2.00 "DEAD BALL" (BOLA MORTA), 6.08 (b)]

quinta-feira, 5 de março de 2015

CBBS - NOTÍCIA SOBRE XIII CAMPEONATO SUL-AMERICANO DE BEISEBOL ADULTO 2015

Campeonato Sul Americano de Beisebol Adulto: BRASIL NA FINAL!

Publicado em 05 de Março de 2015, às 14h50

O Brasil está na final do Campeonato Sul Americano de Beisebol Adulto e enfrentará
a fortíssima seleção da Colômbia no sábado.

A semi final contra a Argentina foi muito disputada, fazendo jus à rivalidade entre os
dois países.

Atacando na parte baixa, o Brasil abriu o placar com seu primeiro rebatedor, Lucas
Rojo, que bateu um Home Run. A Argentina pressionou e, na 3ª entrada, empatou o
jogo.

Na 6ª entrada, Allan Fanhoni, com um corredor em base, colocou a bola para fora
e deixou o placar em 3x1. A seleção argentina não se rendeu, na 8ª entrada fizeram
mais uma corrida. Porém, na parte baixa da mesma entrada, Tiago Magalhães anotou
mais um Home Run para nossa seleção, deixando o placar em 4x2. Jean Tomé,
arremessando, fechou o jogo.

A final está programada para 9h30 de sábado horário de Brasilia. Amanhã Argentina
e Peru farão a disputa do terceiro lugar.

Acompanhe notícias e resultados pela página:

Acompanhe notícias e resultados pela página: