quinta-feira, 7 de agosto de 2014

NORMAS PARA REMOVER QUALQUER PARTICIPANTE DE UM JOGO

Cada árbitro tem autoridade para remover qualquer participante de um jogo. Essa autoridade nunca deve ser exercida levianamente.

Causas que motivam a expulsão de um jogador, “coach”, técnico ou outra pessoa:
 
a) Ofender um árbitro, dirigir insultos à pessoa do árbitro ou usar linguagem que possa, de alguma forma, referir-se negativamente sobre um árbitro.
 
b) Ter contato físico com um árbitro.
 
c) Negar-se a parar uma discussão e retardar o jogo, depois que o árbitro tenha proporcionado a um jogador ou técnico uma oportunidade para defender um ponto de vista. O árbitro deve advertir o jogador (ou técnico) e mandá-lo de volta à sua posição ou expulsá-lo. A advertência deve ser feita com firmeza. Deve-se evitar uma advertência precipitada.
 
d) Nenhum jogador, “coach” ou técnico pode deixar a sua posição para questionar sobre “ball”, “strike” ou “half swing”. O árbitro deve mandar o reclamante regressar imediatamente, e se a ordem não for cumprida, ele será automaticamente expulso.
 
e) Tomar atitudes desrespeitosas (dar pulos, fazer gestos violentos com os braços etc.) enquanto discute com um árbitro, ou sair do “dugout” direcionando gestos a um árbitro. Atirar qualquer coisa para fora do “dugout” (toalha, equipamento etc.) é motivo para expulsão automática.
 
f) Atirar equipamento para demonstrar contrariedade sobre uma decisão dada por um árbitro pode ser motivo para expulsão. Em algumas situações o árbitro pode advertir o jogador por esse comportamento. Mas se o árbitro considerar tal ato muito provocativo, poderá expulsar o jogador indisciplinado. Situações de expulsões imediatas ou automáticas incluem: o arremessador tem substância estranha em seu poder; o batedor, com ou sem “bat” na(s) mão(s), avança na direção do arremessador, com a intenção de brigar com ele por ter sido atingido pelo arremesso etc.
 
Fonte: Manual do Árbitro da Confederação Panamericana de Beisebol – COPABE

Sem comentários:

Enviar um comentário