quarta-feira, 23 de julho de 2014

DEFENSOR ESCONDE A BOLA

No jogo de beisebol, a artimanha de esconder a bola é uma jogada legal da defensiva.


 
Um defensor pode esconder a bola com o intuito de enganar um corredor. Há várias maneiras de fazer isso: todas elas envolvem um defensor que fica com a bola, sem que o corredor perceba, esperando que ele saia da base, para, então, tocá-lo.
 
No beisebol colegial e universitário, o arremessador tem de permanecer completamente fora e longe do “pither’s plate”. É “balk” se, com corredor(es) em base, o arremessador que está fora do “pitcher’s plate” faz qualquer movimento natural relacionado com seu arremesso ao batedor, ou coloca os pés sobre a placa, ou fica com a placa entre as pernas, ou se posiciona a, aproximadamente, cinco pés da placa,  sem estar de posse da bola. No beisebol profissional, de acordo com a Regra 8.05 (i), ocorre um “balk” se o arremessador fica sobre a placa ou com ela entre suas pernas, sem estar com a bola. Como a partida não pode ser reiniciada após um “foul ball”, “hit batsman” (‘detto booru’) ou uma paralisação até que o arremessador esteja sobre o “pitcher’s plate”, o defensor não pode receber a bola enquanto a bola está fora de jogo (morta). 
 
Para a jogada dar certo, o defensor –geralmente um “infielder” (defensor do campo interno)– tem de receber a bola enquanto ela está em jogo (viva), e sem que o corredor perceba isso.
 
Uma das maneiras de enganar o corredor é um defensor que está com a bola fingir um lançamento ao arremessador e esperar que o corredor saia da base. O defensor pode esconder a bola na luva ou em outro lugar.  Uma jogada que pode dar certo: num “pickoff play (‘kensei’), o defensor finge devolver a bola ao arremessador e toca, rapidamente, o corredor que solta a mão ou o pé da base depois de chegar deslizando a essa base.
 

Sem comentários:

Enviar um comentário