quarta-feira, 30 de abril de 2014

“TRIPLE PLAY” (JOGADA TRIPLA)

Raramente vemos um “triple play” como o apresentado no vídeo. 


“Triple play” é uma jogada da defensiva na qual três jogadores da ofensiva são eliminados em consequência de uma ação contínua, desde que não haja erro entre as eliminações.
[Regra 2.00 “”TRIPLE PLAY” (JOGADA TRIPLA)]

BOLA LANÇADA ATINGE, ACIDENTALMENTE, UM “BASE COACH”

Corredor na 1ª e 3ª base, um eliminado. Ao tentar surpreender o corredor da 1ª base fora da “almofada”, o arremessador fez um mau lançamento; a bola passou pelo defensor da 1ª base e atingiu o “coach” da 1ª base. O defensor da 1ª base apanhou a bola e lançou-a ao receptor; o corredor da 3ª base foi eliminado por toque. O lançamento feito em seguida à 2ª base eliminou o corredor da 1ª base. 
 
Decisão: É uma jogada dupla. Quando uma bola lançada atinge, acidentalmente, um “base coach”, a bola continua viva e em jogo.
 
[Regras: 3.15 – vide JOGADA,  5.08]

Fonte: DIAMOND CHALLENGE, de Jim Evans           

No softbol também o corredor não é eliminado quando um “coach” interfere, acidentalmente, numa bola lançada, enquanto está dentro do “coach’s box”.

(Regra 8 – Seção 10p)

terça-feira, 29 de abril de 2014

DEFENSOR NÃO CONSEGUE ENGANAR OS ÁRBITROS

Um “out”, corredor na 1ª e 2ª base, rebatida “liner” na direção do defensor da 2ª base; este poderia ter feito um “catch” (pegada legal), facilmente, porém, com o intuito de executar uma jogada dupla, deixou a bola tocar o solo antes de apanhá-la. O árbitro da 2ª base aplicou a Regra 6.05 (l); eliminou o batedor-corredor e retornou os corredores às suas bases. O técnico da equipe contrária reclamou, mas a decisão foi mantida.



segunda-feira, 28 de abril de 2014

RECEPTOR APANHA UM “FOUL FLY” APESAR DA INTERFERÊNCIA COMETIDA PELO BATEDOR

Nenhum corredor em base, “foul fly” para as proximidades do círculo do batedor seguinte (“next batter’s box”). No momento em que se levantou para ir na direção da bola rebatida, o receptor esbarrou no batedor, que continuou parado dentro do “batter’s box”. Imediatamente o árbitro de “home” apontou a Interferência. Apesar disso, o receptor conseguiu apanhar a bola no ar. (Mesmo que o receptor não apanhasse a bola, o batedor seria eliminado em razão da falta cometida.)


[Regra 6.05 (o) – vide Regra 7.11]

BATEDOR DESIGNADO ("DH")

Aconteceu num jogo do 12º Campeonato Paulista de Beisebol (categoria: adultos) – 2014. O quarto batedor alcançou a 1ª base com uma rebatida indefensável (“base hit”). Como ele torceu o pé e estava com dificuldade para correr, o técnico da equipe na ofensiva decidiu utilizar o arremessador do jogo como “pinch-runner” (corredor de emergência). O árbitro de “home” não permitiu essa substituição.
 
Decisão correta. O arremessador do jogo pode atuar como “pinch-hitter” (batedor de emergência), porém somente no lugar do Batedor Designado ("DH"); e nesse caso, termina a função do "DH" para o resto do jogo.

[Regra 6.10 (b)]

Um jogador que está no jogo não pode se tornar um corredor substituto de outro membro de sua equipe.

[Regra: 3.04]

domingo, 27 de abril de 2014

BOLADA NO ROSTO

“Fly” para as proximidades da linha de “foul” do jardim direito (“rightfield”). O jardineiro direito (“rightfielder”) tenta um “sliding catch”*,  mas não consegue;  a bola –sem ter contato com a luva– cai sobre o seu rosto. Embora seus pés e quase a metade do seu corpo inteiro tenha cruzado a linha de “foul”, a rebatida foi declarada “fair”, já que seu rosto estava em território “fair” quando foi atingido pela bola.
Uma rebatida deve ser julgada –se é “fair” ou “foul”– de acordo com a posição da bola em relação à linha de “foul” no momento em que tem contato com um defensor.

(Regra 2.00 “FAIR BALL”)

*“Sliding catch” = ato de efetuar a pegada, deslizando em direção à bola.

CORREDOR ESTORVA UM DEFENSOR QUE ESTÁ TENTANDO APANHAR UMA BOLA “FLY”

Um "out", corredor na 3ª base, "fly" (bola rebatida para o ar) para as proximidades da 3ª base. O corredor, que se encontra sobre a "almofada", empurra o defensor da 3ª base no momento em que ele se prepara para apanhar a bola no ar. Que decisão deve ser tomada?
 
O corredor e o batedor devem ser eliminados. Se um lance assim ocorrer depois de “two-out” (dois eliminados), o batedor será eliminado.

[Regra 7.08 (b), Comentário – Regra 7.08 (b)]

sábado, 26 de abril de 2014

TÉCNICO EXPULSO DO JOGO POR CONTESTAR MUDANÇA DE DECISÃO APÓS REVISÃO DA JOGADA

Jogo Seattle Mariners vs. Texas Rangers. Primeira metade do 6º “inning”, Seattle no ataque. Um “out”, bases cheias, rebatida na direção do arremessador; este efetuou a defesa e lançou para “home”. O árbitro de “home” eliminou o corredor da 3ª base. O técnico do Seattle reclamou, alegando que o receptor não estava com a bola firmemente segura em sua mão quando o corredor pisou o “home plate”.  Após a revisão da jogada, a decisão foi mudada para “safe”. O técnico do Texas  contestou essa mudança e foi expulso do jogo.


[Regra 2.00 “CATCH” (PEGADA LEGAL)]

ARREMESSADOR RECEBE AS SENHAS DO RECEPTOR ENQUANTO ESTÁ FORA DO “PITCHER’S PLATE”

No beisebol, não há penalidade especificada. No entanto, o arremessador deve ser advertido (duas ou três advertências para arremessador de categorias menores e uma advertência para arremessador adulto seria uma boa medida); se, depois disso, ele continuar infringindo a regra, poderá ser removido da posição ou do jogo.

[Regras: 8.01, 9.01 (c); vide Regra 8.02 (c) – PENALIDADE e NOTA]

No softbol, deve ser aplicada a penalidade de um Arremesso Ilegal.

(Regra 6 – Seção 1d, Regra 6 – EFEITO – Seções 1 – 7)

Esse procedimento do arremessador –receber as senhas do receptor sem estar tocando o “pitcher’s plate”–, além de retardar o jogo, é um mau costume; portanto, o técnico e os “coaches” devem instruí-lo para receber os sinais, devidamente posicionado.

sexta-feira, 25 de abril de 2014

RECONSIDERAÇÃO DE DECISÃO

Jogo New York Yankees vs. Toronto Blue Jays. Primeira metade do 3º “inning”, Yankees no ataque. Dois “outs”, corredor na 2ª base, contagem de bolas arremessadas: 3 – 2, rebatida “ground” para as proximidades da 2ª base. O defensor da 2ª base efetuou a defesa e lançou à 1ª base; o batedor-corredor foi declarado “out” em jogada apertada.  O técnico do Yankees reclamou. Os árbitros que revisaram o lance mudaram a decisão para “safe”. O jogo teve prosseguimento com corredor na 1ª e na 3ª bases. O batedor seguinte acertou um “two-base hit” (rebatida de duas bases) e empurrou os corredores para “home”.  (Yankees passou a liderar o placar: 4 – 3.)

 

INTERFERÊNCIA DA OFENSIVA

Um "out", corredor na 2ª base, rebatida "ground" na direção do interbases. Este efetuou a defesa, mas não completou a jogada porque, no momento em que se preparava para fazer o lançamento à 1ª base, o corredor deu um tapa na sua mão; a bola foi ao chão. Que decisão deve ser tomada?
 
O corredor deve ser eliminado pela falta cometida (Interferência da Ofensiva) e o batedor-corredor obtém o direito de ir à 1ª base.  

[Beisebol – Regras: 7.08 (b), (7.09 (j)]
 
(Softbol – Regra 8 – Seção 9m)

quinta-feira, 24 de abril de 2014

“HOME RUN” OU “GROUND-RULE DOUBLE”?

“Base hit” (rebatida indefensável) para o jardim direito; a bola fica presa na cerca do fundo.  Enquanto o jardineiro direito levanta os braços e sinaliza essa situação, o batedor-corredor dá a volta no campo e, após pisar o “home plate”, abre os braços e se declara “safe”.  O árbitro da 1ª base pega a bola debaixo da cerca e sinaliza um “ground-rule double” (rebatida de duas bases).  


[Regra 6.09 (f)]

CORREDOR SAI DA BASE DEPOIS QUE O ARREMESSADOR AMEAÇA LANÇAR A UMA BASE

Softbol

Corredor na 3ª base. O batedor foi autorizado a ir à 1ª base no quarto “ball” (“ball four”). A bola foi devolvida ao arremessador. Como o batedor-corredor, após pisar a 1ª base, deu alguns passos em direção à 2ª base, o arremessador ameaçou lançar à 1ª base (fez um “fake throw”). Nesse momento, o corredor da 3ª base saiu da base. Ele deve ser eliminado?
 
Não. O corredor pode deixar a base depois que a defensiva efetua uma jogada (uma simulação de lançamento é considerada uma jogada).

(Regra 8 – EFEITO – Seção 9w – EXCEÇÃO 1)

Fonte: Official Softball Rule Case Book, editado pela JSA – Japan Softball Association

quarta-feira, 23 de abril de 2014

DEFENSOR ATROPELA ÁRBITRO

Rebatida “liner”* rente à linha de “foul”. A bola bate na “almofada” da 1ª base e desvia para dentro do campo interno. O arremessador efetua a defesa, pisa a base e ultrapassa-a correndo; nesse momento, colide com o árbitro da 1ª base, que está se aproximando para observar a jogada. 
 
 
(Lances assim ocorrem, na maioria das vezes, devido ao mau posicionamento do árbitro.)
 
*“Liner” é uma bola rebatida que vai em linha reta, com força, do "bat" a um defensor, sem tocar o solo. “Liner” = “Line drive” (lain draiv).

CORREDOR CONTINUA PARADO FORA DA BASE QUANDO O ARREMESSADOR, DE POSSE DA BOLA, ESTÁ DENTRO DO CÍRCULO

Softbol

O corredor da 2ª base deixou a base legalmente e, após dar alguns passos em direção à 3ª base, ficou parado. O arremessador recebeu a bola devolvida pelo receptor e entrou no círculo. O corredor continuou parado fora da base.
 
Quando o arremessador, com a bola na mão, entra no círculo, o corredor que está fora da base tem de avançar à base seguinte ou retornar à base onde estava, imediatamente. Se não o fizer, será declarado eliminado.

(Regra 8 – Seção 9w, Regra 8 – EFEITO – Seção 9w-2)

Fonte: Official Softball Rule Case Book, editado pela JSA – Japan Softball Association

terça-feira, 22 de abril de 2014

BATEDOR-CORREDOR PENSA QUE HOUVE “CATCH” E DEIXA O CAMPO

Rebatida “liner” ao jardim esquerdo (“leftfield”). O jardineiro esquerdo (“leftfielder”) derruba a bola após tocá-la com a luva.  O batedor-corredor, pensando que o defensor efetuara uma pegada legal, deixa o campo; e no momento em que caminha em direção ao “dugout”, é declarado “out”.
 
Comentário – Regra 7.08 (a): Um corredor que, após chegar à 1ª base, deixa a linha de base e se dirige ao seu “dugout” ou à sua posição defensiva, acreditando não haver mais jogada, poderá ser eliminado se o árbitro julgar seu ato como abandono de esforço para correr as bases. Mesmo que esse corredor seja eliminado, a bola permanece em jogo em relação a qualquer outro corredor.  

BOLA LANÇADA ATINGE O BATEDOR-CORREDOR QUE ESTÁ CORRENDO DENTRO DO TERRITÓRIO “FAIR”

O batedor executou um “bunt” e empurrou a bola na direção da linha da 1ª base.   O receptor moveu-se para dentro do campo interno (“infield”), efetuou a defesa  e lançou ao defensor da 1ª base. A bola lançada, porém, atingiu o batedor-corredor –que estava correndo dentro do território “fair”–, quase  trinta pés antes de ele alcançar a base. O batedor-corredor é “out” ou “safe”?
 
Nesse caso, o batedor-corredor é “out” porque estava correndo fora da faixa do corredor (faixa de três pés) e estorvou o defensor da 1ª base que estava preparado para receber o lançamento.  

[Regra 6.05 (k)]

segunda-feira, 21 de abril de 2014

BATEDOR-CORREDOR COLIDE COM DEFENSOR DA 1ª BASE

Corredor na 3ª base, dois “outs”, contagem de bolas arremessadas: 1 – 0. “Squeeze play”. “Bunt” para as proximidades da linha da 3ª base. O receptor vai atrás da bola, apanha-a e lança à 1ª base. O batedor-corredor tromba com o defensor da 1ª base no momento em que ele está recebendo a bola. Como o árbitro deve decidir esta jogada?
 
Se o batedor-corredor estivesse correndo fora da faixa de três pés, seria aplicada a Regra 6.05 (k); ele seria declarado eliminado.

domingo, 20 de abril de 2014

INTERFERÊNCIA DO ÁRBITRO

Corredor na 1ª base, “two-out” (dois eliminados), “ball count” (contagem de bolas arremessadas): 2 – 2. No momento em que o arremessador inicia o arremesso, o corredor arranca em direção à 2ª base. O batedor acerta um “liner”*; a bola atinge o pé direito do árbitro da 2ª base, que está  posicionado dentro do quadrilátero. Devido ao impacto da “bolada”, o árbitro vai ao solo; levantando-se rapidamente, “mata” a bola e indica a 1ª base ao batedor-corredor e a 2ª base ao corredor da 1ª base.


[Regras: 2.00 “INTERFERENCE” (c) (2), 6.08 (d)]

*“Liner” = “line drive” = bola rebatida que vai em linha reta, com força, do “bat” a um defensor, sem tocar o solo.

BOLA “FAIR” PASSA UM DEFENSOR DO CAMPO INTERNO, EXCETO O ARREMESSADOR, E ATINGE UM ÁRBITRO

Bases lotadas, dois eliminados, rebatida “line drive” ao campo interno. A bola passou o defensor da 3ª base e, ao atingir o pé do árbitro da 3ª base posicionado em território “foul”, desviou na direção do interbases. O corredor da 3ª base cruzou o “home plate”; o batedor-corredor pisou a 1ª base após o defensor da 1ª base ter recebido a bola lançada pelo interbases. Foi anotado ponto?
 
Não, porque a terceira eliminação ocorreu numa jogada em que o batedor-corredor foi eliminado antes de tocar legalmente a 1ª base. (No caso apresentado acima, a bola continua viva e em jogo.)

[Beisebol – Regras: 4.09 (a) – EXCEÇÃO 1, 5.09 (f) – vide NOTA]
 
(Softbol – Regras: 5 – Seção 7b-1, 9 – Seção 2e)

sábado, 19 de abril de 2014

BATEDOR ATRAPALHA O RECEPTOR

“Foul fly” para as proximidades do “home plate”. O batedor permanece dentro do “batter’s box” e  atrapalha o receptor no momento em que este se levanta para tentar apanhar a bola. O árbitro aponta a falta cometida (Interferência da Ofensiva) e aplica a penalidade: o batedor é declarado “out”.
 

[Regra 6.05 (o) – vide Regra 7.11]

CORREDOR INTERFERE NA AÇÃO DE UM DEFENSOR QUE ESTÁ TENTANDO EFETUAR UMA DEFESA

Um "out", bases cheias, rebatida "ground" (bola rebatida que vai rolando ou pulando sobre o solo) na direção da 2ª base. No momento em que o defensor da 2ª base se preparou para apanhar a bola, o corredor da 1ª base, que estava avançando à 2ª base, chocou-se com ele e atrapalhou a jogada. O corredor da 3ª base pisou o "home plate", e o da 2ª base chegou à 3ª base. Que decisão deve ser tomada?

A bola torna-se morta. O corredor da 1ª base deve ser eliminado pela falta cometida  (Interferência da Ofensiva); os demais corredores devem retornar às bases que ocupavam no momento da Interferência; e o batedor-corredor obtém o direito de ir à 1ª base.

[Regras: 708 (b), 7.09 (j)]

sexta-feira, 18 de abril de 2014

BATEDOR DISTRAÍDO

Contagem de bolas arremessadas: 3 – 0. O arremesso seguinte é declarado ball. O batedor sai do batter’s box e fica parado dentro da área de terra que circunda o home plate.  Ao perceber a situação –ball four –, vai tranquilamente à 1ª base.
 
 
Um árbitro internacional que esteve aqui a convite da AAABSB orientou-nos como proceder se, em caso como esse,  o batedor não perceber a situação e continuar parado.
 
(1) Declarar “BALL!”, com voz alta, para alertá-lo (não deve indicar a 1ª base).
 
(2) Se ele ainda continuar parado, limpar o home plate.
 
(3) Se mesmo assim não perceber a situação, declará-lo eliminado, considerando sua atitude como desistência do direito de ir à 1ª base. 
 
(OBSERVAÇÃO: Nas categorias menores o árbitro deve avisar o batedor e mandá-lo à 1ª base.)

CORREDOR ELIMINADO POR ABANDONO DE BASE

Quando o corredor da 2ª base tentava um “steal” (roubo de base), o receptor fez um lançamento perfeito à 3ª base. Acreditando ter sido eliminado por toque, o corredor nem se preocupou com a decisão do árbitro e foi correndo em direção ao "dugout".  Como deve ser decidido este lance?
 
O corredor deve ser eliminado por abandono de base quando avança uma distância razoável em direção ao “dugout”. A bola permanece em jogo. 
 
[Beisebol: Regra 7.08 (a) (2) - vide JOGADA]
 
(Softbol: Regras: 8 - Seção 9x, 8 - EFEITO - Seção 9x-y, 9 - Seção 2ae)

quinta-feira, 17 de abril de 2014

BOA ARBITRAGEM

Boa arbitragem implica um profundo conhecimento das regras, o uso de bom senso e uma permanente revisão das Regras Oficiais de Beisebol. Os árbitros devem ler alguma parte do Livro de Regras todos os dias.
 
Fonte: Manual do Árbitro da N.A.P.B.L. – National Association of Professional Baseball Leagues

BOLA REBATIDA FICA PRESA NA CERCA DO FUNDO

Jogo Atlanta Braves vs. Washington Nationals. Segunda metade do 5º “inning”, Nationals na ofensiva. “No out”, nenhum corredor em base, rebatida indefensável (“base hit”) para o jardim esquerdo. O jardineiro esquerdo levantou os braços e sinalizou que a bola ficara presa na cerca; como, porém, o batedor-corredor continuou avançando, tirou-a debaixo da cerca e despachou-a para o campo interno. Enquanto isso, o batedor-corredor deu a volta no campo e pisou o “home plate”. O técnico do Braves reclamou. Os árbitros, então, se reuniram e, após conversarem por algum tempo, recorreram ao “replay”; confirmado o que o defensor sinalizou –bola presa na cerca –ordenaram o retorno do batedor-corredor á 2ª base.
 
 
Quando uma bola “fair” fica presa numa cerca, a bola torna-se morta; o batedor e os corredores devem ser autorizados a avançar duas bases.

[Regras: 6.09 (f), 7.05 (f)]
 
 
 

quarta-feira, 16 de abril de 2014

BATEDOR INTERFERE NA AÇÃO DO RECEPTOR

Um “out”, corredor na 1ª base. No momento em que o arremessador iniciou o arremesso, o corredor arrancou em direção à 2ª base.  O lançamento feito pelo receptor ao defensor da 2ª base não conseguiu eliminá-lo; o árbitro da 2ª base declarou-o “safe”. Ocorre que o árbitro de “home” havia apontado uma Interferência da Ofensiva; ele julgou que a ação do batedor –fez  um “swing” grande e se ajoelhou na frente do receptor– estorvou o receptor.  Após sinalizar ao árbitro da 2ª base sobre o ocorrido, eliminou o batedor; o corredor retornou à 1ª base.   O batedor e o técnico reclamaram, porém a decisão foi mantida.
  

[Regras: 2.00 “INTERFERENCE” (a), 6.06 (c)] 

MÚLTIPLAS SUBSTITUIÇÕES

Quando dois ou mais jogadores substitutos da equipe na defensiva entram no jogo ao mesmo tempo, o técnico deve –imediatamente antes que eles ocupem suas posições como defensores– designar ao árbitro-chefe as posições desses jogadores na ordem de batedores da equipe, e o árbitro-chefe deve, então, notificar o anotador oficial. Se essa informação não for dada imediatamente ao árbitro-chefe, este terá autoridade para designar os lugares dos substitutos na ordem de batedores.
 
Ao fazer duas ou mais substituições defensivas ao mesmo tempo, o técnico tem de mencionar, na mesma hora, ao árbitro-chefe os nomes dos substitutos, suas posições defensivas, e em que lugar cada um baterá na ordem de batedores. Caso o técnico deixe de comunicar, ou se recuse a comunicar, as posições dos substitutos na ordem de batedores, o árbitro-chefe é autorizado a designar essas posições, e sua decisão é final. Logo que as substituições são legalizadas, essa informação tem de ser passada à sala da imprensa, anúncios devem ser feitos pelo sistema de alto-falante, e o técnico oponente deve ser informado.

(Regra 3.03)

Fonte: Manual do Árbitro da N.A.P.B.L. – National Association of Professional Baseball Leagues

terça-feira, 15 de abril de 2014

O TÉCNICO RECLAMOU COM RAZÃO?

Um “out”, corredor na 1ª base.  O defensor da 2ª base apanhou a bola “ground” rebatida em sua direção e eliminou o batedor-corredor na 1ª base. O corredor da 1ª base foi apanhado em “run-down play” entre a 1ª e a 2ª bases. Enquanto ocorria essa jogada, o corredor esbarrou (ou empurrou???) num defensor que não estava de posse da bola, e, em seguida, foi tocado por outro defensor. O árbitro da 1ª base apontou uma Obstrução e mandou o corredor à 2ª base. O técnico da equipe contrária reclamou veementemente e foi expulso do jogo.


 [Regra 7.06 (a)]

INTERFERÊNCIA DA OFENSIVA OU OBSTRUÇÃO?

Corredor na 1ª base, nenhum eliminado. Para proteger-se de um “line drive” forte rebatido em sua direção, o arremessador levou a luva à frente do rosto; a bola bateu na ponta da luva e caiu nas proximidades do “pitcher’s plate”. (O arremessador foi ao solo.) O defensor da 2ª base tentou avançar para apanhar a bola, mas não conseguiu; quando deu alguns passos para a frente, colidiu com o corredor da 1ª base. O corredor deve ser eliminado por ter estorvado o defensor da 2ª base? 
 
Muito pelo contrário. Como o defensor da 2ª base não tinha chance alguma de eliminar um corredor, ele deve ser penalizado pela falta cometida (Obstrução). Ao corredor da 1ª base deve ser concedida a 2ª base, e ao batedor-corredor, a 1ª base.

[Regras: 7.06 (a), 7.09 (j)/Interpretação do beisebol profissional]

Fonte: DIAMOND CHALLENGE, de Jim Evans           

segunda-feira, 14 de abril de 2014

NÃO HOUVE “CATCH”

Nenhum "out", corredor na 1ª base, rebatida “fly” para o jardim central. O jardineiro central apanhou a bola e derrubou-a ao encostar a mão na luva. O árbitro da 3ª base sinalizou que houve “catch”. O técnico da equipe na ofensiva reclamou.  Os árbitros que revisaram a jogada decidiram que não houve pegada legal. O jogo teve prosseguimento com corredor na 1ª e na 2ª bases.

Para ver o vídeo, clique aqui

[Regra 2.00 “CATCH” (PEGADA LEGAL)]

 

BOLA LANÇADA ATINGE UM ÁRBITRO

Corredor na 1ª base. O batedor deu uma tacada para o espaço entre o jardim esquerdo e o jardim central. No momento em que o jardineiro central fez o lançamento para o campo interno, o corredor da 1ª base estava avançando à 3ª base. A bola lançada tocou o solo, passou pelo defensor da 3ª base,  e ao atingir o árbitro da 3ª base, que estava se preparando para observar a jogada, desviou em direção ao “dugout”. Enquanto isso, o batedor-corredor chegou à 2ª base. Como fica a situação dos corredores?
 
Devem permanecer nas bases que alcançaram (o corredor da 1ª base, na 3ª base, e o batedor-corredor, na 2ª base). Bola lançada que atinge um árbitro continua viva e em jogo. Os corredores podem avançar, correndo o risco de serem eliminados.

(Beisebol – Regra 5.08)
 
(Softbol – Regras: 8 – Seção 5d, 9 – Seção 2v)

domingo, 13 de abril de 2014

NÃO HOUVE "CATCH"

“No out”, corredor na 1ª base, rebatida “ground” em direção ao defensor da 2ª base. Este efetuou a defesa e tentou uma jogada dupla. O interbases recebeu a bola e, quando a retirou da luva para lançar à 1ª base, deixou-a escapar da mão. O árbitro da 2ª base declarou “SAFE”. O técnico da equipe na defensiva reclamou. Após recorrerem ao “replay”, os árbitros mantiveram a decisão.

 [Regra 2.00 “CATCH” (PEGADA LEGAL)]

INSTRUÇÕES AOS ÁRBITROS

Os seguintes princípios têm sido aplicados com sucesso por muitos anos e são considerados perfeitos. Procurem usá-los em sua arbitragem:
 
1. Cooperem com seus companheiros. Ajudem-se um ao outro. Não hesitem em solicitar auxílio se estão em dúvida sobre uma jogada. O objetivo principal é finalmente  ter todas as decisões tomadas corretamente. 
 
2. Não façam comentários desairosos enquanto em serviço. Vocês têm de ser capazes de perdoar e esquecer. Todo jogo é um novo jogo. 
 
3. Evitem comentários sarcásticos. Não sejam insistentes ao admoestarem um jogador. Se, após uma discussão, um jogador está se afastando, deixem-no ir.
 
4. Nunca avancem na direção de (ou persigam) um jogador se ele está se afastando; e não apontem o dedo nem usem gestos violentos durante uma discussão.
 
5. Mantenham sua calma. Uma decisão tomada ou um ato praticado quando estão irritados nunca dão bons resultados.
 
6. Observem sua linguagem! Ao se dirigirem a um jogador, “coach” ou técnico, nunca usem linguagem que, se dirigida ao árbitro por um jogador, “coach” ou técnico resultaria numa punição.
 
7. Se o técnico tem um assunto para discutir de acordo com as regras, é obrigação dos árbitros ouvi-lo. Um árbitro pode fazer isso com dignidade e sem perder o respeito. Sejam compreensíveis –lembrem-se, os jogadores estão empenhados numa competição acalorada. Vocês são árbitros imparciais, e devem manter a autoridade que têm com calma e dignidade. Sejam bons ouvintes.
 
8. Mantenham sempre seus uniformes em boa condição.
 
9. Mantenham-se ativos e alertas no campo o tempo todo.
 
10. Mantenham o jogo em andamento. Um jogo de beisebol é sempre beneficiado por um trabalho enérgico e sério dos árbitros.
 
11. Sejam corteses, imparciais e firmes, e assim obterão o respeito de todos.
 
12. Lembrem-se de que vocês são os representantes oficiais do beisebol dentro e fora do campo. Ajam adequadamente.
 
13. Estejam sempre vestidos apropriadamente para entrar no/sair do estádio e quando estão em locais públicos.
 
14. Lembrem-se de que, mesmo quando estão fora do campo, vocês continuam sendo os representantes do beisebol de sua Liga. Nunca façam coisas que possam trazer prejuízo à sua profissão ou ao beisebol.  Ajam, vistam-se e trabalhem –sempre– de  maneira adequada à sua profissão.
 
Fonte: Manual do Árbitro da N.A.P.B.L. – National Association of Professional Baseball Leagues

sábado, 12 de abril de 2014

BATEDOR INTERFERE NA AÇÃO DO RECEPTOR

“No out” (nenhum eliminado), corredor na 2ª base. No momento em que o arremessador iniciou o arremesso, o corredor disparou em direção à 3ª base. O receptor tentou eliminá-lo, porém, como o batedor saiu do “batter’s box” e interferiu na sua ação, o lançamento saiu descontrolado –a bola rolou para o território “foul” do jardim esquerdo. Quando o corredor estava a caminho do “home plate”, o árbitro de “home” sinalizou a falta cometida pelo batedor (Interferência da Ofensiva). (O batedor foi declarado “out” e o corredor retornou à 2ª base.)


[Regras: 2.00 “INTERFERENCE (a), 6.06 (c)]

BATEDOR SAI DO "BATTER'S BOX" E ESTORVA O RECEPTOR

Um eliminado. O corredor da 2ª base arrancou em direção à 3ª base quando o arremessador iniciou os movimentos de arremesso. O batedor deu um passo para fora do “batter’s box”, para tentar não estorvar a jogada sobre o corredor. Esse movimento, porém, acabou atrapalhando o lançamento do receptor. O corredor chegou “safe” à 3ª base. Como deve ser decidido este lance?
 
Embora o batedor não tenha tido a intenção de estorvar o receptor, ele é “out” (Interferência da Ofensiva). A bola torna-se morta e o corredor tem de retornar à 2ª base.
 
[Regras: 2.00 “INTERFERENCE (a), 6.06 (c)]

Fonte: DIAMOND CHALLENGE, de Jim Evans     

sexta-feira, 11 de abril de 2014

RECICLAGEM PARA ÁRBITROS DE BEISEBOL DA AAABSB

Árbitros que participaram da Reciclagem 2014


Alberto Iwano
Coordenador de Árbitros AAA
Tel.: (11) 98145.3599

HOUVE "CATCH" (PEGADA LEGAL)?

Bill Doran da equipe visitante Astros levantou um “foul fly” para as proximidades do “dugout” da equipe local. O defensor da 1ª base do Cincinnati Reds, Todd Benzinger, fez um “one-hand catch” (apanhou a bola com a luva, sem o auxílio da outra mão); depois, para evitar uma queda, estendeu os braços e apoiou-se na parede do “dugout”. Ao fazer isso, a bola pulou para fora da luva e caiu dentro das arquibancadas. Houve pegada legal?
 
Não. Se um defensor derruba a bola ao ter contato com uma parede, a pegada não é legal.  

[Regra 2.00 “CATCH” (PEGADA LEGAL)]

Fonte: BIG LEAGUE Baseball PUZZLERS, de Dom Forker            

quinta-feira, 10 de abril de 2014

BOLA DERRUBADA INTENCIONALMENTE

Mets tem um corredor na 1ª base num jogo contra Cubs. Um “out”. Tim Teufel acerta um “line drive” na direção da 3ª base.  O defensor da 3ª base do Cubs derruba, intencionalmente, a bola. Em seguida, apanha-a rapidamente e lança ao defensor da 2ª base Ryne Sandberg; este pisa a base e, com um lançamento perfeito ao defensor da 1ª base Mark Grace, completa a jogada dupla. A jogada é válida?
 
Não. O batedor é “out”, a bola torna-se morta e o corredor não pode avançar. A Regra 6.05 (l) protege o corredor nessa situação.
 
Fonte: BIG LEAGUE Baseball PUZZLERS, de Dom Forker           

DR. REIMEI YOSHIOKA RECEBE TÍTULO DE CIDADÃO PAULISTANO

Dr. Reimei Yoshioka recebeu o Título de Cidadão Paulistano, por iniciativa do Vereador Aurélio Nomura, em Sessão Solene realizada na Câmara Municipal de São Paulo, no dia 07 de abril de 2014.
 
Parabéns!
 



Reimei Yoshioka presidiu a Federação Paulista de Beisebol e Softbol  e a Associação de Árbitros e Anotadores de Beisebol e Softbol do Brasil.

quarta-feira, 9 de abril de 2014

DISPUTA POR UM “FOUL FLY”

“Foul Fly” em direção ao território “foul” do jardim direito. O defensor da 1ª base afastou-se rapidamente, e quando saltou sobre lonas –que estavam encostadas na cerca– e  estendeu o corpo e o  braço para efetuar a defesa,  um torcedor apanhou a bola. O árbitro da 1ª base fez o gesto de “safe” e sinalizou que não houve “catch” (pegada legal).
 
 
Nesse caso, não deve ser declarada uma Interferência.

Comentário – Regra 2.00 “CATCH”: Uma pegada é legal ... Um defensor pode esticar-se sobre uma cerca, grade, corda ou outra linha demarcatória para efetuar uma pegada. Ele pode saltar sobre o topo de uma cerca, ou sobre lonas que podem estar em território “foul”. Não deve ser declarada uma Interferência quando um defensor se estica sobre uma cerca, grade, corda ou para dentro das arquibancadas para apanhar uma bola e o público estorva a sua ação, impossibilitando a pegada. Ele faz isso a seu próprio risco.

PEDAÇO DE “BAT” QUEBRADO ATRAPALHA UM DEFENSOR

No momento em que o batedor rebateu o arremesso, o "bat" partiu-se –um pedaço ficou nas suas mãos e o outro voou na direção do defensor da 2ª base, que estava se preparando para apanhar a bola rebatida; devido a esse incidente, não lhe foi possível efetuar a defesa.
 
Decisão: Quando um pedaço de "bat" cai em território "fair" e estorva um defensor que está tentando apanhar a bola rebatida, a jogada deve continuar normalmente (a bola permanece em jogo). 

[Comentário – Regra 6.05 (h)]

terça-feira, 8 de abril de 2014

ESFORÇO INÚTIL

A jogada não é válida. A bola estava morta devido ao 'detto booru'*.  

 
*‘DETTO BOORU’ (o termo, “importado” do Japão como ‘DEDDO BOORU’, virou ‘DETTO BOORU’ para nós). Vem de “DEAD BALL” (déd ból), que quer dizer bola morta. É uma bola que está fora de jogo em razão de uma paralisação temporária da partida determinada legalmente. No beisebol brasileiro, o termo ‘DETTO BOORU’ é usado para designar aquele lance em que o batedor atingido por um arremesso adquire o direito de ir à 1ª base.
 
Temos observado que muitos, inclusive alguns árbitros, dizem ‘GUETTO BOORU’ em vez de ‘DETTO BOORU’. ‘GUETTO BOORU’ é outra coisa; é aquele jogo praticado principalmente por pessoas da terceira idade.
 
Quando um batedor leva um ‘DETTO BOORU’, o árbitro de “home” deve sinalizar a ocorrência –bater o antebraço esquerdo com a mão direita aberta—e indicar a 1ª base com a mão esquerda.
 
'DETTO BOORU' = "HIT BY PITCH"

BATEDOR É ATINGIDO PELA BOLA ARREMESSADA QUANDO TENTA REBATÊ-LA

Contagem de bolas arremessadas: 1 – 1 (um “ball” – um “strike”). O batedor prepara-se para executar um “bunt” num arremesso ‘auto koona’*; ele estica os braços, num esforço para efetuar o toque, mas a bola atinge a mão direita que está empunhando  o “bat” e rola lentamente na direção do “pitcher’s plate”. O arremessador pode apanhar essa bola e eliminar o batedor na 1ª base?

Não. É uma bola morta. Como o batedor foi atingido pela bola arremessada quando tentava rebatê-la, deve ser declarado um “strike”.

(Regra 2.00 “STRIKE”)

Fonte: DIAMOND CHALLENGE, de Jim Evans           
 
*‘Auto koona’ = Arremesso direcionado ao canto (lado) externo da zona de “strike” do batedor.

segunda-feira, 7 de abril de 2014

OBSTRUÇÃO EM “PICKOFF PLAY”*

Jogo San Diego Padres (SD) vs. Cincinnati Reds (CIN). Primeira metade do 7º “inning”, SD no ataque. Um eliminado, corredor na 2ª base, contagem de bolas arremessadas: 0 – 1. “Pickoff play”. O interbases deixou a bola passar para trás, mas continuou sobre a base; e acabou esbarrando no corredor no momento em que este se preparava para avançar à 3ª base. O árbitro julgou que esse incidente retardou a corrida; apontou a falta cometida pelo defensor (Obstrução) e concedeu a 3ª base ao corredor. O técnico do CIN reclamou, porém a decisão foi mantida.


(Comentário – Regra 2.00 “OBSTRUCTION”)

*“Pickoff Play” = Jogada para segurar um corredor na base, ou “pegar” um corredor fora da base. “Pickoff Play” = ‘Kensei’.

“BAT” QUE ESCAPA DAS MÃOS DO BATEDOR ATRAPALHA UM DEFENSOR

“Ground ball” (bola rebatida que vai rolando ou dando saltos baixos sobre o solo)   em direção à 3ª base.  No momento em que o batedor rebateu a bola, o “bat” escapou de suas mãos e caiu na frente do defensor da 3ª base, que estava se preparando para efetuar a defesa. Devido a esse incidente, o defensor deixou a bola passar para trás. Que decisão deve ser tomada?
 
O batedor deve ser eliminado por Interferência, independente de seu ato –soltar o “bat”– ter sido intencional ou não.  

[Comentário – Regra 6.05 (h)]

domingo, 6 de abril de 2014

JOGADA DUPLA (“DOUBLE PLAY”)?

Jogada 1: Nenhum “out”, corredor na 1ª base, rebatida “ground” na direção da 3ª base. O defensor da 3ª base efetuou a defesa e eliminou o corredor da 1ª base em jogada forçada na 2ª base. No momento em que o defensor da 2ª base estava lançando à 1ª base para tentar uma jogada dupla, o corredor eliminado chegou deslizando à base e colidiu com ele –o joelho do defensor atingiu seu pescoço– e ambos foram ao solo; o lançamento foi mal executado –a bola bateu na cerca e voltou em direção ao defensor da 1ª base–, e o batedor-corredor chegou “safe” à 1ª base.
 
 
Não é um “double play”. O corredor da 1ª base colidiu com o defensor da 2ª base, porém não cometeu Interferência, já que ele deslizou em direção à base.

[Regra 7.08 (e)]
Jogada 2: Um “out”, bases lotadas, rebatida “ground” na direção da 2ª base. O defensor da 2ª base efetuou a defesa e eliminou o corredor da 1ª base em jogada forçada na 2ª base. O corredor eliminado deslizou para fora da linha de base e colidiu com o interbases no momento em que ele estava se preparando para lançar à 1ª base. O batedor-corredor foi declarado “safe” na 1ª base; o árbitro da 2ª base, porém, apontou a Interferência e eliminou-o (terceiro “out”).
É um “double play”. O batedor-corredor é “out” em razão da infração (Interferência) cometida por seu companheiro de equipe.
[Regras: 6.05 (m), 7.08 (e), 7.09 (e)]
NOTA: O corredor deve ser capaz de alcançar a base com a mão ou pé em caso de estar tentando atrapalhar uma jogada dupla.