segunda-feira, 31 de março de 2014

WORKSHOP SOBRE BALK

Será realizado no dia 09/04/2014, às 19:30, na Associação Miyagui Kenjinkai do Brasil, localizado na Rua Fagundes, 152 – Liberdade, mais uma novidade da nova gestão da AAA.
 
Um workshop sobre balk com uso de vídeos. Um assunto delicado, dominado por poucos árbitros, jogadores e técnicos de baseball.
 
Ministrado por:
·         Francisco Gentil (AAA);
 
Moderadores
·         Eiki Uehara (Diretor Técnico da AAA);
·         Alberto Iwano (Coordenador Geral da AAA).
 
Aberto ao publico em geral.
 
Favor confirmar presença até o dia 01/04/2014.
 
Estacionamento na Rua Fagundes, 121 e 176, com o custo de R$ 10,00 com o carimbo.
 
MILSON AOKI
 
Secretário  Geral de Beisebol AAA
Tel.: (11) 981693266
 
email: drmilson@ig.com.br
 

OBSTRUÇÃO - CONCESSÃO DE BASES

Há corredor na 2ª base quando o batedor-corredor é obstruído depois de chegar à 1ª base. O árbitro pretende conceder a 2ª base ao batedor-corredor, devido à falta cometida pelo defensor. O que acontece ao corredor da 2ª base?
 
É autorizado a ir à 3ª base. Os corredores precedentes que forem forçados a deixar suas bases em razão da concessão de bases por Obstrução poderão avançar, sem o risco de serem eliminados.

[Regra 7.06 (a)]

Fonte: Manual do Árbitro da N.A.P.B.L. – National Association of Professional Baseball Leagues

domingo, 30 de março de 2014

BATEDOR-CORREDOR OBSTRUÍDO ANTES DE ALCANÇAR A 1ª BASE

O batedor-corredor é obstruído antes de alcançar a 1ª base quando nenhuma jogada está sendo feita sobre ele, por exemplo, em uma bola “fly” rebatida para o campo externo.
 
O árbitro deve sinalizar a falta, apontando para o infrator –a bola permanece em jogo; concluída a jogada, deve paralisar o jogo e impor as penalidades –se houver– que anularão o ato da Obstrução. Se a bola for apanhada no ar, nesta situação, o batedor-corredor será eliminado.

[Regra 7.06 (b)]
 
Fonte: Manual do Árbitro da N.A.P.B.L. – National Association of Professional Baseball Leagues

RECONSIDERAÇÃO DE DECISÃO

Jogo New York Mets vs. Washinton Nationals. Mets na ofensiva. Primeira metade do 8º “inning”, corredor na 1ª base, dois eliminados, contagem de bolas arremessadas: 0 – 2. Rebatida “fly” para o jardim central. O jardineiro central apanhou a bola pouco antes de ela tocar o solo e caiu. O árbitro da 1ª base fez o gesto de “safe”; o árbitro da 2ª base –posicionado no campo interno– nada decidiu. Enquanto isso, o corredor avançou à 3ª base. O técnico do Nationals reclamou. Através do "replay", os árbitros constataram  que houve pegada legal e eliminaram  o batedor-corredor.  

Para ver o vídeo, clique aqui.

sábado, 29 de março de 2014

INTERFERÊNCIA DA DEFENSIVA

Interferência da Defensiva é um ato mediante o qual um defensor estorva um batedor ou impede que ele rebata um arremesso. Isso ocorre na maioria das vezes quando o receptor se posiciona muito perto do “home plate” –por exemplo: na ânsia de apanhar a bola arremessada o mais rápido possível, numa tentativa de roubo de base ("steal"), ele move o corpo inteiro ou a luva (“mitt”) na direção do “bat”– e, no momento em que o batedor faz “swing”, o “mitt” tem contato com o “bat”. A bola fica morta, o batedor adquire o direito de ir à 1ª base, sem o risco de ser eliminado, e os corredores podem avançar se forem forçados ou estiverem tentando roubar uma base.  

Jogada: O batedor acerta um “fly” e é declarado "out". O árbitro autoriza-o a ir à 1ª base


Quando ocorre uma jogada apesar da Interferência, o árbitro deve permitir que ela continue, porque o técnico da equipe na ofensiva poderá preferir aceitar o resultado da jogada. (Tal escolha deve ser feita imediatamente após concluído o lance.) Entretanto, caso o resultado da rebatida seja mais vantajoso à equipe na ofensiva do que a penalidade da infração cometida pelo receptor, a jogada deve continuar, como num “balk”; se não é o caso, o árbitro deve declarar a Interferência e anular o resultado da jogada.

Jogada: Corredor na 2ª base. O defensor da 2ª base apanha a bola rebatida em sua direção e elimina o batedor-corredor na 1ª base. O corredor alcança a 3ª base. Nesta jogada, o técnico da equipe na ofensiva pode optar ou pela penalidade da falta cometida pelo receptor –o batedor vai à 1ª base e o corredor retorna à 2ª base– ou pelo resultado da jogada –com um “out” a mais, o corredor permanece na 3ª base.


Jogada: Corredor na 1ª base. O batedor acerta um “single” ('hitto'* de uma base) e empurra o corredor à 3ª base. A jogada deve continuar sem levar em consideração a infração cometida pelo receptor.


Se, no momento em que o corredor da 3ª base está tentando anotar ponto por meio de um “squeeze play” ou “steal”, o receptor comete Interferência –sem estar de posse da bola, sai à frente do “home base” ou fica sobre essa base, ou tem contato com o batedor ou o seu “bat”–, o árbitro deve imputar um “balk” ao arremessador.
Jogada: Corredor na 3ª base, “squeeze play”. O receptor sai à frente do “home base”, apanha a bola arremessada e toca o corredor. O árbitro deve imputar um “balk” ao arremessador –o corredor anota ponto– e conceder a 1ª base ao batedor em razão da infração cometida pelo receptor. A bola torna-se morta.
 
Se o receptor tem contato com o batedor antes que o arremessador solte a bola, o árbitro deve declarar “TIME” e ordenar que o arremessador e o batedor recomecem desde o início .
[Regras: 2.00 “INTERFERENCE” (b), 6.08 (c) – vide NOTAS 1 e 2, 7.04 (b), 7.04 (d) – vide NOTA, 7.07 – vide NOTAS 1 a 4]
 
*‘Hitto’  vem de “hit”, do termo “base hit” (béis hit). Significa rebatida indefensável –aquela por meio da qual o batedor alcança a 1ª base, ou qualquer base subsequente, com segurança ("safe"), sem que tenha ocorrido erro na ação defensiva.
 
Observação: Muitos dizem ‘kyatti booku’ quando querem se referir à falta cometida pelo receptor. ‘Kyatti booku’ = “catcher’s balk” = “balk” cometido pelo receptor.
 
No softbol, essa ação do receptor –estorvar o batedor ou impedir que ele rebata um arremesso– é tratada como uma OBSTRUÇÃO.

[Regra 1 – Seção 66. “OBSTRUCTION” (OBSTRUÇÃO”) (a)]

sexta-feira, 28 de março de 2014

CORREDOR ANOTA PONTO NUMA JOGADA INTERMEDIÁRIA

Corredor na 3ª base, um eliminado. O batedor executou um “bunt” e mandou a bola na direção da 3ª base. O defensor da 3ª base efetuou a defesa e tentou eliminar o corredor da 3ª base no “home”, mas não teve bom êxito. Rapidamente, o receptor lançou à 1ª base. A bola lançada, porém, atingiu o batedor-corredor, que estava se aproximando da 1ª base correndo fora da faixa de três pés.   
 
Interpretação do beisebol profissional: o lance no “home” é considerado uma jogada intermediária. O ponto é contado. O batedor-corredor é “out” [Regra 6.05 (k)].

Fonte: DIAMOND CHALLENGE, de Jim Evans           

BOLA LANÇADA ATINGE UM CAPACETE OU “BAT”

Se uma bola lançada atinge acidentalmente um capacete ou “bat” (o corredor não tinha nenhuma intenção de interferir), em território “fair” ou “foul”, a bola permanece em jogo como se nada tivesse acontecido.
 
Se, na opinião do árbitro, um corredor de bases derruba o capacete (ou “bat”), ou atira esse equipamento contra a bola, com intenção de interferir numa bola lançada, tal corredor deve ser eliminado; a bola torna-se morta e os corredores devem retornar à base que estavam ocupando no momento da Interferência.

[Regra 6.05 (h) – vide Nota]

Fonte: Manual do Árbitro da N.A.P.B.L. – National Association of Professional Baseball Leagues

quinta-feira, 27 de março de 2014

BOLA REBATIDA ATINGE UM CAPACETE OU “BAT”

Se uma bola rebatida atinge acidentalmente um capacete (o corredor não tinha nenhuma intenção de interferir), em território “fair”, a bola permanece em jogo como se nada tivesse acontecido.
 
Se uma bola rebatida atinge acidentalmente um capacete (o corredor não tinha nenhuma intenção de interferir), em território “foul”, é um “foul ball”.
 
Se uma bola rebatida atinge acidentalmente um “bat” ou parte de um “bat” (o corredor não tinha nenhuma intenção de interferir), em território “foul”, é um “foul ball”.
 
O batedor-corredor derruba o “bat” e a bola rola contra esse “bat”, em território “fair”; se, na opinião do árbitro, o batedor-corredor não teve nenhuma intenção de interferir no curso da bola rebatida, a bola permanece viva e em jogo.
 
Se após rebater um “ground” (inclusive por meio de “bunt”) para o território “fair” o “bat” atingir a bola pela segunda vez, em território “fair”, o batedor será eliminado e a bola ficará morta.
 
Se, na opinião do árbitro, um corredor de bases derruba o capacete (ou “bat”), ou atira esse equipamento contra a bola, com intenção de interferir numa bola rebatida (“fair” ou “foul”), tal corredor deve ser eliminado; a bola torna-se morta e os corredores devem retornar à última base legalmente tocada.
 
[Regras: 6.05 (h), 6.05 (i), 7.09 (b)]
 
Fonte: Manual do Árbitro da N.A.P.B.L. – National Association of Professional Baseball Leagues

CORREDOR ATIRA O CAPACETE CONTRA UMA BOLA REBATIDA E DESVIA O SEU CURSO

Bases cheias, nenhum eliminado. A bola rebatida na direção do interbases é propícia para um “double play”. Percebendo isso, o corredor da 2ª base atira o capacete contra ela e desvia o seu curso. A despeito desse ato antiesportivo, o interbases efetua a defesa e completa a jogada dupla com sucesso. Essa jogada é válida?
 
Não. Porém, como o corredor desviou, intencional e deliberadamente, o curso de uma bola rebatida, com o evidente propósito de evitar uma jogada dupla, o árbitro deve declarar “TIME” e eliminar o corredor pela falta cometida (Interferência da Ofensiva), e deve eliminar também o batedor-corredor em razão da ação de seu companheiro de equipe. Os outros corredores têm de retornar às suas bases.
 
[Regra 7.09 (f)]
 
Fonte: DIAMOND CHALLENGE, de Jim Evans           

quarta-feira, 26 de março de 2014

ARREMESSADOR ATINGIDO NO ROSTO POR UM "LINE DRIVE"

O arremessador foi atingido no rosto por um “line drive” e, após deixar o campo em maca, foi levado a um hospital.  Os técnicos das duas equipes decidiram cancelar o jogo.  
 
 
A despeito da Regra 5.10 (h), num caso como esse, o árbitro deve declarar “TIME” imediatamente para que o jogador ferido possa ser socorrido com rapidez.

NO “BACKSWING” O “BAT” ATINGE O RECEPTOR

Um batedor tenta rebater a bola e erra. Ele faz um “swing” tão forte que o “bat” dá um giro completo e, no “backswing” (movimento para trás), toca o receptor ou a bola atrás dele. Se, na opinião do árbitro, o contato do “bat” com o receptor ou a bola foi involuntário, deve ser declarado um “strike” somente (e não uma Interferência). A bola, porém, torna-se morta e nenhum corredor deve avançar nessa jogada. Se este incidente ocorre numa situação em que o lançamento do receptor elimina um corredor, a jogada deve continuar como se nenhuma infração tivesse sido cometida. Se este incidente ocorre numa situação em que o batedor normalmente se torna um corredor devido a um terceiro “strike” não agarrado, a bola torna-se morta e o batedor deve ser declarado eliminado. 
 
A mecânica correta, neste caso, é a seguinte: O árbitro de “home” deve indicar que o “bat” atingiu o receptor quando o batedor o movimentou para trás (declarar: “backswing atingiu o receptor!”, no momento em que ocorre o incidente). Em seguida, deve declarar “Time” e paralisar o jogo.
 
Depois que a jogada termina, o árbitro deve então virar-se para a sala da imprensa e anunciar, bem como sinalizar que tal infração ocorreu –da mesma forma que ele deve fazer com qualquer jogada fora do normal– para que a aplicação da regra seja tão clara quanto possível.

[Comentário – Regra 6.06 (c) – vide OBSERVAÇÃO]

Fonte: Manual do Árbitro da N.A.P.B.L. – National Association of Professional Baseball Leagues

terça-feira, 25 de março de 2014

RECLAMAÇÃO SOBRE "STRIKEOUT"

Jogo Atlanta Braves vs. Philadelphia Phillies. Segunda metade do 9º “inning”, Phillies na ofensiva. Nenhum corredor em base, “no out” (nenhum eliminado), “ball count” (contagem de bolas arremessadas): 0 – 2. O batedor fez “swing”, mas não conseguiu rebater o arremesso seguinte; o árbitro de “home” sinalizou um “foul tip” (???) e declarou-o eliminado.  O técnico do Phillies reclamou; o árbitro de “home”, então, solicitou o auxílio do árbitro da 1ª base, e este confirmou o "strikeout" (???). Como, mesmo assim, o técnico continuou contestando a decisão, o árbitro expulsou-o.  Um jogador do “bench” que estava reclamando também foi expulso.  
 

[Regras: 2.00 “FOUL TIP”, 6.05 (b)]

CORREDOR ESTORVA UM DEFENSOR ENQUANTO ESTÁ EM CONTATO COM UMA BASE

Se um corredor está em contato com uma base legalmente ocupada quando estorva um defensor que está tentando fazer uma jogada sobre uma bola rebatida, ele não deve ser declarado eliminado, a não ser que, na opinião do árbitro, tal estorvo –independente de ter ocorrido em território “fair” ou “foul”– tenha sido intencional. Se o árbitro declarar que o estorvo foi intencional, deve aplicar a seguinte penalidade: com menos de dois “outs”, deve eliminar o corredor e o batedor; com dois “outs”, deve eliminar o batedor.

[Comentário – Regra 7.08 (b)]

Fonte: Manual do Árbitro da N.A.P.B.L. – National Association of Professional Baseball Leagues

segunda-feira, 24 de março de 2014

BATEDOR-CORREDOR FORA DA FAIXA DE TRÊS PÉS ESTORVA O DEFENSOR DA 1ª BASE

Jogo Cincinnati Reds vs. Houston Astros. Primeira metade do 9º “inning”, Cincinnati  na ofensiva. Corredor na 1ª e 2ª base, nenhum “out”, “ball count”: 1 – 0. Rebatida por meio de “bunt”. O defensor da 1ª base efetuou a defesa e lançou à 1ª base; o defensor da 2ª base (estava cobrindo a 1ª base) não conseguiu apanhar a bola porque esta bateu na cabeça do batedor-corredor, que estava correndo dentro do território “fair” (fora da faixa de três pés), e desviou para o jardim direito. O árbitro de “home” e o da 1ª base apontaram a Interferência, eliminaram o batedor-corredor e retornaram o corredor da 2ª base –que pisara o “home plate” depois que o batedor-corredor cometeu a falta– à 3ª base.


[Regras: 2.00 “INTERFERENCE (a), 6.05 (k)]

BATEDOR DESIGNADO (“DH”)

Aconteceu no jogo Nittaidai vs. ANC – Anhanguera Nikkei Clube, realizado no Estádio Mie Nishi (Bom Retiro) no dia 22/03/2014. ANC estava na ofensiva. Após o jogador que substituiu o "DH" completar a sua vez de bater, o arremessador foi ao “batter’s box” para bater no turno do 7º batedor. O árbitro de “home” não permitiu essa alteração. Isso porque o arremessador do jogo pode atuar como “pinch hitter” somente no lugar do Batedor Designado.

Quando ANC foi para a defensiva, entrou um novo arremessador; o arremessador substituído foi ocupar a 3ª base –com essa alteração terminou a função do Batedor Designado– e o jogador que bateu no lugar do "DH" foi defender a 1ª base. Como foram feitas várias substituições, o técnico designou o lugar do arremessador substituído e do novo arremessador na ordem de batedores, conforme determina a regra.

[Regra 6.10 (b)]

domingo, 23 de março de 2014

FOI "HOME RUN" MESMO!!!

Jogo Texas Rangers vs. Milwaukee Brewers. Segunda metade do 6º “inning”, Brewers na ofensiva. Um “out”, bases cheias, “ball count”: 1 – 0. Rebatida “fly” grande para o jardim central. A bola caiu atrás do muro e voltou ao campo; o jardineiro central apanhou-a. O árbitro da 2ª base sinalizou um “home run” e o árbitro de “home” acompanhou-o fazendo o mesmo gesto. O técnico do Texas Rangers reclamou e solicitou ao árbitro que reconsiderasse a decisão.  
 
Após uma revisão da jogada, o grande feito (“grand slam”) foi confirmado.

BOLA REBATIDA ATINGE O CORREDOR

O corredor atingido por uma bola rebatida, após esta ter passado um defensor do campo interno, corre o risco de ser eliminado se isso ocorre numa situação em que outro defensor do campo interno tem chance de fazer uma jogada sobre essa bola.  Aplica-se este conceito SOMENTE quando a bola PASSA o primeiro defensor do campo interno, sem ser tocada ou desviada por ele. NÃO SE APLICA este conceito se a bola é tocada ou desviada pelo primeiro defensor do campo interno, ainda que outro defensor do campo interno tenha chance de fazer uma jogada sobre ela.
 
O raciocínio com respeito ao conceito acima é que não se pode esperar que um corredor evite uma bola desviada enquanto ele está correndo; e por essa razão, não deve correr o risco de ser declarado eliminado por ter sido atingido por essa bola desviada. Naturalmente, um corredor pode ser eliminado se chutar, deliberada e intencionalmente, uma bola desviada por um defensor do campo interno, ou permitir que ela o atinja, quando poderia, tranquilamente, ter se esquivado dela. O fato de a bola ter sido desviada por um defensor do campo interno não é motivo para que um corredor tenha a liberdade de cometer uma Interferência intencional. [Vide Regras Oficiais 7.09 (f) e (g).]
 
Fonte: Manual do Árbitro da N.A.P.B.L. – National Association of Professional Baseball Leagues

sábado, 22 de março de 2014

FOI “SAFE” MESMO!!!

Jogo Texas Rangers vs. Milwaukee Brewers. Primeira metade do 2º “inning”, Texas Rangers na ofensiva. Um “out”, nenhum corredor em base.  Rebatida por meio de “bunt". O defensor da 3ª base efetuou a defesa –sem utilizar a luva– e lançou à 1ª base. No momento em que o defensor da 1ª base apanhou a bola, esticando o corpo, o pé soltou-se da base;  o árbitro declarou “SAFE” e sinalizou a situação. O técnico do Brewers reclamou e solicitou ao árbitro que reconsiderasse a decisão. 
 
Após uma revisão da jogada, a decisão dada pelo árbitro da 1ª base foi mantida.

Num lance como esse, para deixar bem caracterizada a sua decisão (“SAFE”), o árbitro, além do gesto indicando a falha do defensor, pode dizer com voz alta: “FORA DA BASE!”, “SAIU DA BASE!”, “TIROU O PÉ DA BASE!” ou “NÃO TOCOU A BASE!”.
 
 

INTERFERÊNCIA INTENCIONAL E DELIBERADA

As Regras 7.09 (f) e 7.09 (g) foram inseridas nas Regras Oficiais de Beisebol para acrescentar uma penalidade adicional quando um corredor de bases, incluindo o batedor-corredor, interfere, deliberada e intencionalmente, numa bola rebatida ou na ação de um defensor que está apanhando uma bola rebatida, para impedir que a equipe na defensiva tenha oportunidade de completar uma possível jogada dupla. Lembre-se: as regras estabelecem que é necessário que o corredor ou batedor-corredor interfira com clara intenção de atrapalhar uma jogada dupla. Um corredor que vem da 3ª base colide, propositadamente, com o receptor que está apanhando uma bola “fly”, ou um corredor da 2ª base toca uma bola “ground”, deliberadamente, ou permite que ela o atinja, para impedir uma jogada dupla; são exemplos de jogadas que devem ser punidas de acordo com estas regras.
 
A Regra 6.05 (m) foi inserida nas Regras Oficiais de Beisebol “para penalizar a equipe na ofensiva por ação deliberada, injustificada e antidesportiva de um corredor que, ao invés de tentar alcançar a base, deixa a linha de base com clara intenção de colidir com o defensor que está intermediando uma jogada dupla”. Observe a seguinte interpretação oficial:
 
Se, na opinião do árbitro, um corredor interfere, propositalmente e de forma deliberada, na ação de um defensor que está tentando apanhar uma bola lançada, ou está tentando lançar uma bola, com clara intenção de impedir que a defensiva tenha oportunidade de fazer uma jogada dupla, ele deve ser declarado eliminado por Interferência, e o batedor-corredor também deve ser eliminado em razão da falta cometida por seu companheiro de equipe.
 
Ao deslizar para uma base, o corredor deve ser capaz de alcançá-la com a mão ou pé.
 
Fonte: Manual do Árbitro da N.A.P.B.L. – National Association of Professional Baseball Leagues

sexta-feira, 21 de março de 2014

CBBS - COMUNICADO

Transmissão dos jogos do NittaidaiPublicado em 21 de Março de 2014, às 21h52
Neste fim de semana será possível acompanhar os jogos do Nittaidai  através  do
mais novo canal de transmissão de beisebol pela internet, b-live.

Para assistir, acesse o seguinte link:
http://b-live.net.br/

ARREMESSO DE AQUECIMENTO ATINGE ALVO ERRADO

Péssima pontaria, hem? É falta de aquecimento!!!

CORREDOR TENTA RETORNAR –POR ENGANO– À BASE QUE ESTAVA OCUPANDO ANTERIORMENTE

No momento em que o arremessador iniciou os movimentos de arremesso, o corredor da 1ª base deixou a “almofada” e saiu correndo. A bola arremessada foi declarada “BALL” –terceiro “ball”. Percebendo que não havia chance de eliminar o veloz corredor, o receptor lançou a bola para o ar, na direção do interbases. O corredor chegou à 2ª base deslizando, mas, ao ver a bola em voo –achou que o batedor havia rebatido um “fly”–, levantou-se rapidamente e retornou à 1ª base.  Antes de conseguir pisar a base, porém, foi eliminado por toque. Essa jogada é válida?
 
O corredor retornou à 1ª base por engano. A jogada é válida e o corredor é “out” no momento em que é tocado.

[Comentário – Regra 7.08 (i)]

Fonte: DIAMOND CHALLENGE, de Jim Evans           

quinta-feira, 20 de março de 2014

INTERFERÊNCIA DA OFENSIVA

Interferência da Ofensiva é um ato praticado pela equipe no ataque, que interfere, obstrui, impede, estorva ou confunde qualquer defensor que está tentando fazer uma jogada. Mais especificamente, se um corredor não se esquiva de um defensor que está tentando apanhar uma bola rebatida, ou estorva um defensor que está tentando fazer uma jogada sobre uma bola rebatida, ele deve ser declarado eliminado por Interferência.
 
Observe que, de acordo com as Regras Oficiais, um defensor está protegido enquanto ele está no ato de apanhar uma bola rebatida. Além disso, observe que um defensor está também protegido enquanto ele está no ato de fazer uma jogada depois de ter apanhado uma bola rebatida. Se um corredor estorva ou impede uma jogada do defensor que, depois de apanhar a bola rebatida tenta fazer um lançamento, ele deve ser declarado eliminado por Interferência. Ademais, um corredor que é julgado ter estorvado um defensor que está tentando fazer uma jogada sobre uma bola rebatida é “out”, independente de o ato ter sido intencional ou não.
 
Se o árbitro declara eliminado por Interferência o batedor, batedor-corredor ou um corredor, todos os outros corredores devem retornar à última base que, na opinião do árbitro, havia sido tocada legalmente no momento da Interferência, a menos que alguma coisa diferente esteja prevista nas Regras Oficiais.

[Regras: 2.00 “INTERFERENCE (a), 7.09]

Fonte: Manual do Árbitro da N.A.P.B.L. – National Association of Professional Baseball Leagues

quarta-feira, 19 de março de 2014

ABANDONO DO CAMINHO DA BASE

Qualquer corredor que, após alcançar a 1ª base, deixa a linha de base e vai em direção ao “dugout” ou na direção de sua posição, acreditando não haver mais jogada, poderá ser declarado eliminado se o árbitro julgar seu ato como abandono de esforço para correr as bases. Mesmo que esse corredor seja eliminado, a bola permanece em jogo em relação a qualquer outro corredor.
 
Esta regra cobre também as seguintes jogadas similares:
 
Jogada: Menos de dois “outs”, placar empatado na segunda metade do nono “inning”, corredor na 1ª base. O batedor rebate a bola para fora do campo, e com isso anotaria os pontos da vitória; o corredor da 1ª base passa a 2ª base e, achando que o quadrangular (“home run”) garante automaticamente a vitória, atravessa o quadrilátero (“diamond”) e vai em direção ao “bench”. Enquanto isso, o batedor-corredor toca todas as bases legalmente. 
 
Decisão: Neste caso, o corredor da 1ª base deve ser declarado eliminado “por ter abandonado seu esforço para tocar a base seguinte”; o batedor-corredor deve ser autorizado a continuar avançando para “home” e anotar o ponto da vitória. Se houvesse duas eliminações, a rebatida “home run” não seria válida. (Vide Regra Oficial 7.12.) Esta não é uma Jogada de Apelação (“Appeal Play”).
 
Jogada: Bases lotadas, dois eliminados, placar empatado na segunda metade do nono “inning”. O batedor rebate forte e manda a bola para fora do campo (“home run”). O corredor da 1ª base, achando que essa rebatida garante automaticamente a vitória, deixa a linha de base e vai em direção ao “dugout”. Ele é declarado eliminado antes de o corredor da 3ª base alcançar o “home plate”. Os outros corredores continuam correndo as bases e, finalmente, tocam o “home plate”.
 
Decisão: Nenhum ponto é anotado; esta é uma jogada conhecida por “time play”, isto é, o ponto é válido somente quando o corredor toca o “home plate” antes da terceira eliminação. O jogo continua na primeira metade do décimo “inning” com o placar ainda empatado.

Fonte: Manual do Árbitro da N.A.P.B.L. – National Association of Professional Baseball Leagues

JOGADOR EXPULSO POR TER USADO UM “BAT” RECHEADO COM CORTIÇA

Corredor na 2ª e 3ª base. O batedor acertou um “ground” na direção da 2ª base e foi eliminado na 1ª base; o corredor da 3ª base pisou o “home plate” e o da 2ª base chegou à 3ª base.  Ocorre que, no momento da rebatida, o “bat” partiu-se e um pedaço voou em direção ao arremessador; o árbitro de “home” apanhou a outra parte e, ao notar que o batedor usara um “bat” recheado com cortiça, expulsou-o e retornou os corredores às suas bases.  
 
Regra 6.06 (d): Um batedor é eliminado por ação ilegal quando usa ou tenta usar um “bat” que, na opinião do árbitro, tenha sido alterado ou manipulado ilegalmente com o propósito de melhorar o fator distância ou causar uma reação anormal na bola. Isso inclui “bats” que tenham sido recheados, de superfície plana, pregados, tornados ocos, com ranhuras, ou cobertos com uma substância, como parafina, cera etc.
Não será permitido nenhum avanço nas bases, e qualquer eliminação feita na jogada será mantida.
Além de ser declarado eliminado, o jogador será expulso do jogo e poderá estar sujeito a penalidades adicionais determinadas pelo Presidente da Liga.
Comentário – Regra 6.06 (d): Um batedor será julgado como se tivesse usado ou tentado usar um “bat” alterado ou manipulado ilegalmente se ele levar tal “bat” para dentro do “batter’s box”. 

terça-feira, 18 de março de 2014

BOBEADA DO CORREDOR

'Malandragem' do defensor ainda funciona.

FOI "OUT" MESMO!!!



Rebatida por meio de “bunt”. O arremessador efetuou a defesa e lançou à 1ª base. O batedor-corredor foi declarado “SAFE”. Houve reclamação da equipe na defensiva.

Após uma revisão da jogada, a decisão foi mudada para “OUT”.  

Clique aqui para ver o vídeo.




CORREDOR FORÇADO A IR PARA “HOME” É AUTORIZADO A ANOTAR PONTO DEPOIS DA TERCEIRA ELIMINAÇÃO

Um corredor forçado a avançar sem o risco de ser eliminado pode ultrapassar a base que lhe fora concedida, somente a seu próprio risco. Se tal corredor forçado a avançar for eliminado e completar a terceira eliminação antes que um corredor precedente, também obrigado a avançar, toque o “home plate”, o ponto será contado.
 
Jogada: Dois eliminados, bases cheias. O batedor “anda” (“ball four”), mas o corredor da 2ª base, superentusiasmado, ultrapassa a 3ª base e vai em direção ao “home plate”; e é eliminado por toque pelo defensor da 3ª base, que recebera a bola lançada pelo receptor. Embora esse lance tenha ocorrido depois de dois “outs”, o ponto deve ser contado porque o corredor da 3ª base já havia sido forçado a ir para “home”, por “ball four”, e o que todos os corredores precisavam fazer era avançar e tocar a base seguinte.

[Comentário – Regra 7.04 (b)]

Fonte: Manual do Árbitro da N.A.P.B.L. – National Association of Professional Baseball Leagues

segunda-feira, 17 de março de 2014

BOLAS DESVIADAS PARA ÁREA FORA DE JOGO (2)

Se uma bola lançada desvia de um defensor e vai diretamente para uma área fora de jogo, a concessão é de duas bases a partir da posição que os corredores ocupavam no momento do arremesso se for a primeira jogada de um defensor do campo interno; do contrário, a concessão é de duas bases a partir da posição dos corredores no momento do lançamento.
 
Se uma bola lançada passa através ou ao lado de um defensor e, subsequentemente, enquanto permanece no campo de jogo é chutada ou desviada para uma área fora de jogo, a concessão é de duas bases a partir da posição dos corredores no momento do lançamento.
 
Se uma bola “fair fly” (bola “fly” em área “fair”) é desviada por um defensor e depois vai para fora do campo de jogo, em voo, passando sobre a cerca em território “fair”, é um “home run”. 
 
Se uma bola “fair fly” é desviada por um defensor e depois sai do campo de jogo, em voo, passando sobre a cerca em território “foul”, os corredores podem avançar duas bases a partir da posição que ocupavam no momento do arremesso.
 
Se uma bola “fair” que não está em voo é desviada por um defensor e depois vai para uma área fora de jogo, a concessão é de duas bases a partir da posição dos corredores (incluindo o batedor-corredor) no momento do arremesso.
 
Se um defensor tem a posse definitiva de uma bola rebatida ou lançada e, subsequentemente, desvia ou chuta essa bola para uma área fora de jogo, a concessão é de duas bases a partir da posição dos corredores no momento em que a bola foi desviada ou chutada.
 
Se um defensor tem a posse definitiva de uma bola rebatida ou lançada e derruba-a enquanto está em área fora de jogo, ou ele derruba tal bola e ela depois sai do campo de jogo, a concessão é de duas bases a partir da posição dos corredores no momento em que a bola foi derrubada.
 
Se, na opinião dos árbitros, um defensor chuta ou desvia intencionalmente uma bola rebatida ou lançada para uma área fora de jogo, a concessão é de duas bases a partir do momento em que a bola foi chutada ou desviada.
 
Fonte: Manual do Árbitro da N.A.P.B.L. – National Association of Professional Baseball Leagues

LANCES OCORRIDOS EM JOGOS DO V CAMPEONATO BRASILEIRO DE BEISEBOL INTERCLUBE – CATEGORIA 60 ANOS (SESSENTÃO)– REALIZADOS NO COOPER NOS DIAS 15 e 16/03/2014

1) JOGADA FORÇADA NA 3ª BASE
 
Um “out”, corredor na 1ª e 2ª base. A bola rebatida –um “ground” forte– bateu na perna direita do arremessador e desviou em direção à 3ª base. O defensor da 3ª base apanhou a bola e pisou a base.
 
2) JOGADA ANULADA
 
O arremessador efetuou o arremesso quando o árbitro de “home” não estava ainda posicionado atrás do receptor. O batedor acertou um ‘hitto’ (rebatida indefensável) ao jardim central e chegou à 3ª base. O árbitro declarou “TIME” e anulou a jogada.
 
3) JOGADA CONSIDERADA VÁLIDA
O corredor da 1ª base foi eliminado na 2ª base ao tentar um ‘toorui’ (roubo de base). Enquanto ele deixava o campo, o arremessador efetuou o arremesso. O batedor acertou um “ground” na direção da 2ª base e foi eliminado na 1ª base. O técnico da equipe na ofensiva reclamou e queria que a jogada fosse anulada. Os árbitros mantiveram a decisão “OUT”.
 
4) FORAM COMETIDOS DOIS “BALKS”
(1) Corredor na 1ª base. O arremessador em contato com o “pitcher’s plate” deu um passo em direção à base, mas não completou o lançamento.
(2) Corredor na 2ª base. O arremessador iniciou o movimento de arremesso e parou.  

domingo, 16 de março de 2014

BOLAS DESVIADAS PARA ÁREA FORA DE JOGO (1)

Se uma bola arremessada desvia do receptor e vai diretamente para uma área fora de jogo, a concessão é de uma base a partir da posição que o corredor ocupava no momento do arremesso.
 
Se uma bola lançada pelo arremessador enquanto ele está em contato com o “plate” desvia de um defensor e vai diretamente a uma área fora de jogo, a concessão é de uma base a partir da posição que o corredor ocupava no momento do lançamento. 
 
Se uma bola arremessada passa através ou ao lado do receptor e, subsequentemente, enquanto permanece no campo de jogo é chutada ou desviada para uma área fora de jogo (involuntariamente, tanto num caso como no outro), a concessão é de duas bases a partir da posição dos corredores no momento do arremesso. Se uma bola lançada pelo arremessador enquanto ele está em contato com o “plate” passa através ou ao lado de um defensor e, subsequentemente, enquanto permanece no campo de jogo é chutada ou desviada para uma área fora de jogo, a concessão é de duas bases a partir da posição dos corredores no momento do lançamento.
 
Interpretação da frase “e, subsequentemente, enquanto permanece no campo de jogo é chutada ou desviada para uma área fora de jogo”: significa que o defensor, ao ter contato com a bola, causa a sua saída para uma área fora de jogo (por exemplo, a bola para e depois é desviada para uma área fora de jogo; ou a bola não está rolando em direção a uma área fora de jogo, mas, ao ser desviada, sai para tal área). Se, na opinião do árbitro, a bola desviada teria ido, inevitavelmente, para uma área fora de jogo, a concessão em tais situações é de uma base. Por outro lado, se o árbitro julgar que o desvio, de fato, causou a saída da bola para uma área fora de jogo (e ela não teria ido para tal área se o defensor não a tivesse tocado), a concessão então é de duas bases.
 
Fonte: Manual do Árbitro da N.A.P.B.L. – National  Association of Professional Baseball Leagues

PEDAÇO DE “BAT” QUEBRADO ATINGE O ARREMESSADOR

O batedor quebra o “bat” ao rebater o arremesso; uma parte voa em direção ao arremessador e atinge-o.  A bola torna-se morta?
  
Não; ela permanece em jogo.



   
Quando um pedaço de "bat" quebrado tem contato com uma bola rebatida, em território "fair", ou atinge um corredor ou defensor, a jogada deve continuar normalmente (não deve ser anotada uma Interferência).

Se um “bat” inteiro é atirado para o território “fair” e interfere na ação de um defensor que está tentando fazer uma jogada, deve ser declarada uma Interferência, sem levar em conta se o ato foi intencional ou não. O batedor é “out”, a bola torna-se morta e todos os corredores retornam.
[Comentário – Regra 6.05 (h)]

sábado, 15 de março de 2014

JOGADA LEGAL

O arremessador apanha um “ground” rebatido na sua direção e, para ganhar tempo, tira a luva (com a bola dentro dela) da mão e joga-a para o defensor da 1ª base, que está posicionado sobre a “almofada”; o batedor-corredor pisa a base depois que o defensor  agarra a luva.
 
 
Como a ação do arremessador –jogar a luva ao defensor da 1ª base– não infringiu nenhuma regra,  o batedor-corredor é “out”.

[Regra 6.05 (j)]

Se essa jogada tivesse acontecido no softbol, seria aplicada a Regra 8 – Seção 2c.

BOLA LANÇADA ATINGE UM ÁRBITRO

O corredor da 1ª base está roubando a 2ª base. A bola lançada pelo receptor para tentar eliminá-lo atinge o árbitro, que está posicionado dentro do quadrilátero, e desvia. Enquanto isso, o corredor chega à base facilmente. O corredor tem de retornar à 1ª base?
 
Não. O corredor permanece na 2ª base. Uma bola lançada que toca um árbitro continua viva e em jogo.

(Regra 5.08)

Fonte: DIAMOND CHALLENGE, de Jim Evans           
 
No softbol também uma bola lançada que atinge um árbitro continua viva e em jogo.

(Regra 9 – Seção 2v)

sexta-feira, 14 de março de 2014

EXPULSÃO POR CONDUTA ANTIDESPORTIVA

Rebatida por meio de “bunt”. O arremessador apanhou a bola e atirou-a, intencionalmente, no corpo do batedor-corredor, que estava correndo dentro da faixa de três pés. (Por essa conduta antidesportiva, o arremessador foi expulso do jogo.)


[Regra 9.01 (c)]
 
Atirar a bola, intencionalmente, no corpo de um batedor, batedor-corredor ou corredor é extremamente perigoso; deve ser –e é– condenado por todos.

BATEDOR-CORREDOR OBSTRUÍDO ANTES DE CHEGAR À 1ª BASE (3)

O batedor-corredor é obstruído antes de chegar à 1ª base numa bola rebatida para o campo externo.
 
O árbitro deve sinalizar a falta, apontando para o infrator, e declarar: “OBSTRUÇÃO!”. A jogada, entretanto, deve prosseguir até que toda a ação tenha cessado. Em seguida, o árbitro deve declarar “Time” e impor as penalidades –se houver– que anularão a Obstrução. Se uma bola “fly” é apanhada no ar, nesta situação, o batedor-corredor é eliminado. Se a bola rebatida for “fair” e ela não for apanhada no ar, o batedor-corredor estará sempre “protegido” pelo menos até a 1ª base.
 
Fonte: Manual do Árbitro da N.A.P.B.L. – National Association of Professional Baseball Leagues

quinta-feira, 13 de março de 2014

CBBS - COMUNICADO

Nittaidai - Brazil Tour 2014Publicado em 13 de Março de 2014, às 17h51
A Nippon Sports Science University – Nittaidai – está no Brasil representada
por sua equipe de beisebol e vem travando duelos com clubes brasileiros pelo
Brazil Tour 2014 – evento organizado pela Confederação Brasileira de Beisebol
e Softbol.

O calendário dos jogos, que ocorrem todos em março, é:

07 a 09 – Cuiabá e Vargem Grande, MT
10 e 11 – Cárceres, MT
12 e 13 – Rondonópolis, MT
15 – Campo Grande, MS
16 a 18 – Dourados, MS
19 e 20 – Naviraí, MS
22 e 23 – São Paulo, SP
24 – Campinas, SP
25 a 27 – Ibiúna, SP

A equipe japonesa vem demonstrando grande habilidade, proporcionando jogos
de extrema qualidade. A entrada no evento é gratuita e, em São Paulo, os
jogos serão realizados no estádio do Bom Retiro dias 22 e 23 de março. Compareça!

BATEDOR-CORREDOR OBSTRUÍDO ANTES DE CHEGAR À 1ª BASE (2)

O batedor-corredor é obstruído antes de alcançar a 1ª base num “fly ball” ou “line drive” rebatido para um defensor do campo interno.
 
O árbitro deve sinalizar a falta, apontando para o infrator, e declarar: “OBSTRUÇÃO!”. A jogada, entretanto, deve prosseguir. Se a bola é apanhada no ar, o batedor-corredor é eliminado. Entretanto, se a bola é derrubada (e é uma bola “fair”), e se o batedor-corredor não tiver ainda chegado à 1ª base quando a bola vai ao solo, deve ser declarado “Time”; e o batedor-corredor deve ser autorizado a ir à 1ª base de acordo com a Regra Oficial 7.06 (a). Para outros corredores devem ser concedidas as bases que eles teriam alcançado se não tivesse ocorrido a Obstrução. Por outro lado, se o batedor-corredor tiver realmente alcançado a 1ª base (ou feito a curva após tocar a base) quando a bola é derrubada, deve-se permitir que a jogada continue até que nenhuma outra ação seja possível, e o árbitro então deve fazer as concessões –se houver– que anularão a Obstrução.

Fonte: Manual do Árbitro da N.A.P.B.L. – National Association of Professional Baseball Leagues