sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

BATEDOR MUDA DE UM "BATTER'S BOX" PARA OUTRO

O arremessador está sobre o “pitcher’s plate”, na posição “Windup”. No momento em que ele levanta o pé livre, o batedor (destro) passa para o “batter’s box” destinado a batedor canhoto. Assim mesmo o arremesso é completado. O batedo faz “swing”, mas seu “bat” não tem contato com a bola. 
 
Decisão: O arremesso não é levado em consideração. A bola torna-se morta e o batedor é eliminado por ação ilegal.

[Regra 6.06 (b) – vide NOTA]

Fonte: DIAMOND CHALLENGE, de Jim Evans           
 
No softbol, se o batedor muda de um “batter’s box” para outro, passando na frente do receptor, enquanto o arremessador está recebendo a senha ou aparenta estar recebendo uma senha, com os pés em contato com o “pitcher’s plate”, ele deve ser declarado eliminado.  A bola torna-se morta.
 
(Regra 7 – Seção 6j, Regra 7 – EFEITO – Seção 6a-j)

DEFENSOR TROMBA COM COMPANHEIRO AO TENTAR APANHAR UMA BOLA “FLY” DESVIADA POR ELE

Jogo Cincinnati Reds vs. Chicago Cubs. Segunda metade do 5º “inning”, corredor na 1ª e na 2ª bases, dois “outs”, “ball count”: 1 – 2. Cubs no ataque. Rebatida “fly” ao espaço entre a 2ª base e o jardim central. O defensor da 2ª base afastou-se e fez um esforço para efetuar a defesa, mas não conseguiu –a bola bateu na sua luva e desviou. O jardineiro central, que também estava na jogada, deslizou em direção ao companheiro para tentar apanhar a bola desviada, mas acabou trombando com ele por trás e derrubou-o; a bola tocou o solo e rolou na direção do interbases.  Enquanto isso, os corredores pisaram o “home plate” e o batedor-corredor chegou à 2ª base. 
Se o jardineiro central tivesse apanhado a bola desviada antes que ela tocasse o solo, a pegada seria válida; o batedor-corredor seria “out” e nenhum ponto seria anotado.

Comentário – Regra 2.00 (“CATCH”):  ... uma pegada é legal se uma bola que desvia após ter contato com um defensor é agarrada por outro defensor antes que ela toque o solo.

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

INTERFERÊNCIA DA OFENSIVA – FOI ANOTADO PONTO?

Dois “outs”, corredor na 1ª e 3ª base. Rebatida “ground” para as proximidades da “almofada” da 2ª base. O interbases efetuou a defesa com dificuldade e fez um lançamento perfeito para “home”, mas não conseguiu eliminar o corredor da 3ª base. Continuando a jogada, o receptor lançou à 1ª base, porém a bola atingiu as costas do batedor-corredor; e como este estava fora da faixa de três, o árbitro declarou-o eliminado por Interferência. Foi anotado ponto?
 
Como a terceira eliminação ocorreu antes de o batedor-corredor tocar a 1ª base, não foi anotado ponto.  (Se o lance acima tivesse acontecido com menos de dois “outs”, seria contado um ponto, já que a Interferência ocorreu depois que o corredor da 3ª base pisou o “home plate” –a jogada anterior é válida.)  

[Regras: 2.00 “INTERFERENCE” (a) – vide NOTA, 4.09 (a) – vide EXCEÇÃO (1), 6.05 (k)]

Comentário – Regra 2.00 [“INTERFERENCE” (a)]

Nova redação (alteração feita em 2013): Caso o batedor-corredor não tenha tocado a primeira base, todos os corredores devem retornar à última base que estavam ocupando no momento do arremesso; se, entretanto, durante uma jogada intermediária –com menos de duas eliminações– um corredor anota ponto, e depois o batedor-corredor é declarado “out” por Interferência fora da faixa de três pés, o corredor que pisou o “home plate” é “safe” e deve ser contado um ponto.

ATITUDE DO ARREMESSADOR NUM LANCE NORMAL CAUSA CONFUSÃO

Quando o batedor do New York Mets (Piazza) rebateu o arremesso, o “bat” partiu-se e um pedaço grande voou na direção do arremessador do New York Yankees (Clemens) e quase o atingiu. Clemens pegou esse pedaço e atirou-o contra Piazza. Este não gostou da atitude do arremessador e ameaçou avançar em sua direção, mas foi contido pelo árbitro de “home”. Por causa desse incidente, teve início uma grande confusão dentro do campo. Findo o conflito, o jogo prosseguiu. No arremesso seguinte, Piazza acertou um “ground” e foi eliminado na 1ª base.
 
 
Mesmo que o pedaço do “bat” quebrado tivesse atingido o arremessador, o lance seria normal.
 
Comentário – Regra 6.05 (h): Um “bat” se quebra e parte dele cai em território “fair”. Se essa parte for atingida por uma bola rebatida, ou tiver contato com um corredor ou defensor, a jogada continuará; não será declarada uma Interferência. Se a bola rebatida atingir parte do “bat” quebrado, em território “foul”, será um “foul ball”.

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

“FAIR BALL” OU “FOUL BALL”?

Jogo Texas Rangers vs. Cleveland Indians. Segunda metade do 6º “inning”, Indians no ataque. Corredor na 1ª e na 3ª bases, dois “outs”, contagem de bolas arremessadas: 2 – 1. Yan Gomes acertou um “fly” para as proximidades da linha de “foul” atrás da 3ª base. O defensor da 3ª base e o interbases correram na direção da bola. No momento em que o defensor da 3ª base tocou a bola com a luva, o interbases –ele chegou deslizando na direção da bola– trombou com ele por trás e derrubou-o. A bola rolou para o território “fair”. O árbitro da 3ª base declarou “FOUL BALL”.
 
 
A bola estava sobre o território “foul” quando teve contato com a luva do defensor da 3ª base.
 
Regra 2.00 “FOUL BALL” (REBATIDA NULA):  ... Um “foul fly” deve ser julgado de acordo com a posição da bola em relação à linha de “foul”, incluindo o poste de “foul”, e não pela posição do defensor –se ele está em território “foul” ou “fair”– no momento em que toca a bola.

INTERFERÊNCIA DA OFENSIVA – FOI ANOTADO PONTO?

Corredor na 1ª e 3ª base. O corredor da 1ª base foi apanhado em “run-down play” (jogada de perseguição) entre a 1ª e a 2ª bases num “pick-off play”*. Enquanto ocorria a jogada de perseguição, o corredor da 3ª base pisou o “home plate”. Logo em seguida, o corredor da 1ª base cometeu Interferência –trombou com o interbases, que estava prestes a receber a bola lançada pelo defensor da 1ª base– e foi declarado “out”. Foi anotado ponto?
 
Como a Interferência ocorreu depois de concluída uma jogada sobre outro corredor, a jogada anterior tem validade –deve ser contado um ponto (o corredor da 3ª base tocou o “home plate” antes da terceira eliminação do “inning”).

[Regras: 2.00 “INTERFERENCE” (a) – vide NOTA, 4.09 (a)]

*“Pick-off play” é aquela jogada em que o arremessador tenta segurar o corredor na base, ou eliminar o corredor que está fora da base. “Pick-off play " = ‘Kensei’.

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

LANCES OCORRIDOS EM JOGOS DO VIII CAMPEONATO BRASILEIRO DE BEISEBOL INTERCLUBE – CATEGORIA 30 ANOS (TRINTÃO)– REALIZADOS NO ESTÁDIO MIE NISHI NOS DIAS 22 e 23/02/2014

1) ARREMESSADOR SIMULA UM LANÇAMENTO À 2ª BASE
 
Corredor na 1ª e 2ª base. O arremessador deu um passo diretamente na direção da 2ª base e simulou um ‘kensei’*. O “coach” da equipe na ofensiva reclamou, alegando que o arremessador cometera “balk”. (Argumentou que a regra foi alterada, e que o arremessador é obrigado a lançar cada vez que dá um passo em direção a uma base.)  Os árbitros, corretamente, não aceitaram a reclamação.
 
Alteração na Regra 8.05 (c)

Nova redação do Comentário – Regra 8.05 (c): Enquanto está em contato com o “pitcher’s plate”, o arremessador deve dar um passo diretamente em direção a uma base antes de lançar a essa base. Se um arremessador muda a direção do pé livre, ou gira sobre esse pé sem realmente dar um passo, ou vira o seu corpo, e lança antes de dar o passo, o árbitro deve declarar um “balk”.
 
Um arremessador deve dar um passo diretamente em direção a uma base antes de lançar a essa base; ele é obrigado a lançar cada vez que dá o passo (exceto para a 2ª base). É um “balk” se, com corredor na 1ª e 3ª base, o arremessador dá um passo em direção à 3ª base só para blefar (fazer o corredor voltar à base) e não lança; em seguida, vendo o corredor da 1ª base partir em direção à 2ª base, vira, dá um passo em direção à 1ª base e lança a essa base. É legal o arremessador simular um lançamento à 2ª base.
 
*’Kensei’ é um termo japonês. Fazer ‘kensei’ significa reprimir, sustar a ação ou movimento de, conter, reter, segurar etc. No beisebol, esse termo é usado para designar aquela jogada em que o arremessador tenta segurar o corredor na base, ou eliminar o corredor que está fora da base.
 
2) BATEDOR MOVE  O “BAT” ATÉ A FRENTE DO CORPO PARA TENTAR FUGIR DE UM ARREMESSO
 
No momento em que se afastou para fugir de um arremesso ‘in koona’*, o batedor moveu o “bat” até a frente do seu corpo. O árbitro de “home” declarou “BALL”. A pedido do receptor –que interpretou esse movimento do “bat” como meio-“swing”–, o árbitro de “home” consultou seu companheiro da 1ª base, e este fez o gesto de “strike”, confirmando que houve meio-“swing”. A equipe na ofensiva reclamou, mas a decisão foi mantida.
 
Decisão equivocada. Não houve meio-“swing”; o batedor movimentou o “bat”, involuntariamente, quando se afastou para evitar ser atingido pelo arremesso.
 
*'In koona’ vem do inglês “in corner” (in k’órna ), que significa canto interno. Arremesso ‘in koona’ é aquele direcionado ao canto (lado) interno da zona de “strike” do batedor. 
 
3) DECISÃO PRECIPITADA DO ÁRBITRO DE “HOME”
 
O batedor fez “swing”. A bola triscou o “bat” e foi diretamente ao “mitt” do receptor. Como isso ocorreu quando havia dois “strikes” sobre o batedor, o árbitro de “home”, precipitadamente, declarou o terceiro “strike” –achou que foi “foul tip”*– e eliminou o batedor. Ocorre que a bola bateu no “mitt” e foi ao solo. O batedor ficou parado perto do “batter’s box”. Houve reclamação da equipe na ofensiva. O árbitro da 1ª base, consultado sobre o lance, corrigiu o equívoco (sinalizou um “foul ball”).  
 
*“Foul Tip” é uma bola rebatida que vai brusca e diretamente do “bat” às mãos do receptor e é agarrada legalmente. Para ser um “foul tip”, portanto, a bola tem de ser agarrada legalmente pelo receptor.

RECEPTOR BLOQUEANDO O CAMINHO DA BASE

JOGADA 1


JOGADA 2

 
Apesar de os receptores terem se machucado devido à violência da colisão, os lances foram normais.
 
Na jogada 1, o receptor já estava de posse da bola, e na jogada 2, estava “em ação para apanhar a bola lançada”. Nessas situações, o receptor tem o direito de bloquear o caminho do corredor, porém corre o risco de sofrer acidente.
 
Regra 7.06 – NOTA: O receptor, sem estar de posse da bola, não tem o direito de bloquear o caminho do corredor que está tentando anotar ponto. A linha de base pertence ao corredor, e o receptor deve estar lá somente quando está apanhando uma bola ou quando já tem a bola em sua mão.
 
Na jogada 1, o corredor foi eliminado, e na jogada 2, foi anotado ponto.

Reparem que o árbitro deu a decisão no momento certo: na jogada 1, somente depois de certificar-se de que o receptor não havia derrubado a bola; na jogada 2, imediatamente após a conclusão da jogada.

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

ARREMESSO APRESSADO

Corredor na 3ª base. Enquanto o batedor não estava ainda devidamente posicionado no “batter’s box”, o arremessador efetuou um arremesso rápido na zona de “strike”. O batedor, apanhado de surpresa, afastou-se para se recompor.  Que atitude deve tomar o árbitro?
 
Beisebol
 
Deve declarar um “balk”. O arremessador fez um arremesso apressado (“quick pitch”),  ou seja, um arremesso ilegal, quando havia corredor em base. Arremesso apressado é perigoso e não deve ser permitido.

[Regras: 2.00 “QUICK RETURN PITCH”, 8.05 (e)]

Softbol
 
O arremesso deve ser anulado. A bola torna-se morta e todas as ações subsequentes a esse arremesso são canceladas.

(Regras: 1 – Seção 84, 6 – Seção 10b, 9 – Seção 1c)

domingo, 23 de fevereiro de 2014

ÁRBITROS – MANIFESTAÇÃO SOBRE AS DECISÕES TOMADAS

Os árbitros manifestam-se sobre as decisões tomadas, utilizando voz e gesto, que devem ser regulados de acordo com o lance (em jogadas “fáceis”, voz e gesto moderados, normais; em jogadas “apertadas”, voz forte e gesto grande). O posicionamento, a postura, a voz e o gesto do árbitro na hora de dar uma decisão são muito importantes. Mesmo que a decisão de um árbitro esteja correta, um mau posicionamento, uma postura inadequada ou qualquer hesitação na hora do “call” (voz) e/ou gesto podem suscitar dúvidas sobre sua atuação. 

INTERFERÊNCIA DA DEFENSIVA

Um "out", corredor na 2ª e 3ª base, "squeeze play". O batedor preparou-se para fazer “bunt”, mas não conseguiu completar a jogada porque o “mitt” do receptor teve contato com o “bat”. Nesse momento, o corredor da 3ª base estava avançando para "home" e o da 2ª base apenas havia saído um pouco da base.  Que decisão deve ser tomada?
 
O corredor da 3ª base anota ponto; ao batedor deve ser concedida a 1ª base devido à Interferência cometida pelo receptor. O corredor da 2ª base deve permanecer na sua base –ele não tinha a intenção de avançar à base seguinte.

[Regras: 6.08 (c), 7.04 (d) – vide NOTA]

sábado, 22 de fevereiro de 2014

ÁRBITRO DE BASE – MOVIMENTAÇÃO, POSICIONAMENTO E TOMADA DE DECISÃO QUANDO UM CORREDOR PASSA POR UMA BASE

a) O árbitro deve dar alguns passos à frente e observar se o corredor toca a base. Deve tomar cuidado para não estorvar a ação do corredor e prestar atenção à posição e à movimentação de defensores e “coaches”.
 
b) A menos que ocorra alguma jogada nessa base, o árbitro não deve se manifestar, nem verbalmente, nem através de gesto.

INTERFERÊNCIA DA DEFENSIVA

Mark McGwire do Oakland A’s é o batedor. Rick Cerone é o receptor do Red Sox, que gosta de se posicionar perto do batedor.  McGwire rebateu forte um arremesso rápido efetuado por Dennis Boyd –a bola passou por cima da cerca do jardim esquerdo. Mas o árbitro de “home” viu que o “bat” de McGwire teve contato com o “mitt” de Cerone  quando fez “swing”.
 
Decisão: É “home run”.
 
Quando o receptor ou qualquer defensor interfere na ação do batedor, este torna-se um corredor e adquire o direito de ir à 1ª base, sem o risco de ser eliminado. Se ocorrer uma jogada a despeito da falta cometida pela defensiva, o técnico da equipe na ofensiva poderá avisar o árbitro de “home” sobre sua decisão de renunciar à penalidade da Interferência e aceitar a jogada. Tal escolha deve ser feita imediatamente depois de concluída a jogada.

[Regras: 2.00 “INTERFERENCE” (b), 6.08 (c)]

Fonte: BIG LEAGUE Baseball PUZZLERS, de Dom Forker           

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

COLISÃO ENTRE DEFENSORES

Rebatida “fly” ao espaço entre “centerfield” (jardim central) e “leftfield” (jardim esquerdo). O jardineiro central e o jardineiro esquerdo correm na direção da bola. No momento em que o jardineiro central apanha a bola em voo, o jardineiro esquerdo colide com o companheiro; os dois vão ao solo. (O jardineiro central mantém a bola firmemente segura em sua luva.)
 
Se, em razão desse incidente, o defensor tivesse derrubado a bola, não teria havido “catch” (pegada legal).  
[Regra 2.00 “CATCH” (PEGADA LEGAL)]

CORREDOR SAI DA BASE ANTES DE O ARREMESSADOR COMPLETAR O ARREMESSO

Softbol

Nenhum “out”, corredor na 1ª e 3ª base. “Squeeze Play”*. O corredor da 3ª base arranca em direção ao “home plate” saindo legalmente da base. O batedor toca a bola colocando um dos pés fora do “batter’s box”. Ocorre que, antes da execução do “bunt”, o corredor da 1ª base havia sido declarado eliminado por ter deixado a base ilegalmente (antes de o arremessador soltar a bola do arremesso).
 
Decisão: A bola torna-se morta, o arremesso é anulado (é declarado "no pitch"), e o corredor da 3ª base tem de retornar à sua base.

(Regras: 6 – Seção 10c,  8 – Seção 9v, 8 – EFEITO – Seção 9u-v)

Fonte: Official Softball Rule Case Book, editado pela JSA – Japan Softball Association
 
*“Squeeze Play” = Jogada em que uma equipe, com corredor na 3ª base, tenta anotar ponto por meio de "bunt".

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

MOVIMENTAÇÃO, POSICIONAMENTO E TOMADA DE DECISÃO NUM “TAG-UP” (ATO DE UM CORREDOR DEIXAR A BASE DEPOIS QUE UM DEFENSOR TOCA OU APANHA UMA BOLA “FLY”)

Para observar o “tag-up”, o árbitro deve deslocar-se para uma posição de onde possa ver o pé do corredor tocando a base e a pegada da bola “fly” (ou o primeiro contato da bola com o defensor), simultaneamente. O árbitro deve dar a decisão –se o corredor saiu legalmente da base ou não– somente quando há apelação da equipe na defensiva.

ÁRBITRO DE BASE – ITENS BÁSICOS QUE DEVEM SER OBSERVADOS

a) Posicionamento e postura a ser adotada dentro do campo quando não há corredor(es) em base.

b) Posicionamento e postura a ser adotada dentro do campo quando há corredor(es) em base.

c) Movimentação, posicionamento e tomada de decisões.

d) Momento oportuno para declarar “Time”.

e) Gestos e “call”.

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

DEFENSOR APANHA UM “FLY” E CAI PARA OUTRO LADO DO MURO

Um eliminado, corredor na 2ª base, “fly” longo na direção do “leftfield” (jardim esquerdo). A bola iria passar por cima da cerca do fundo, mas o “leftfielder” (jardineiro esquerdo) deu um salto e conseguiu realizar uma espetacular pegada; após efetuar a defesa, porém, ele caiu para outro lado do muro.  Que decisão deve ser dada a esta jogada?

O batedor será declarado “out” se o defensor mantiver a bola firmemente segura na sua mão ou luva,  por algum tempo, depois de cair para fora do campo e provar que teve controle absoluto dela; o corredor da 2ª base será autorizado a avançar uma base. Se o defensor derrubar a bola em razão da queda, será declarado um “home run” –desde que o batedor-corredor toque  todas as bases legalmente.

[Beisebol – Regras: 2.00 “CATCH”, 6.05 (a), 6.09 (d), 7.04 (c), Comentário – Regra 7.04 (c), 7.05 (a)]

(Softbol – Regras: 1 – Seção 15, 8 – Seção 2b, 8 – Seção 7g - 2, 8 – EFEITO – Seção 7g, 8 – Seção 7i, 8 – EFEITO – Seção 7i)
 
 

ÁRBITRO DE BASE - MOVIMENTAÇÃO, POSICIONAMENTO E TOMADA DE DECISÃO NUMA BOLA REBATIDA

a) Num “hit” (rebatida indefensável) ou num “easy fly” (bola “fly” facilmente defensável), ou quando um “ground ball” (bola rebatida para o solo) resvala para o campo externo, o árbitro não precisa correr atrás da bola, a menos que as condições do campo exijam essa movimentação. Nesses casos, deve posicionar-se adequadamente para observar o defensor apanhando a bola e o corredor avançando a uma base.
 
b) O árbitro deve ir atrás da bola rebatida nos seguintes casos:
 
1) Num “fly” para o campo externo, cuja defesa seja considerada difícil.
 
2) Quando um defensor do campo interno vai no encalço de uma bola “fly” e tenta apanhá-la virado de costas para o campo interno.
 
3) Quando vai atrás de uma bola rebatida para o campo externo, o árbitro não deve se preocupar em retornar. A responsabilidade de decidir uma eventual jogada na sua base deve ser transferida a um de seus companheiros. Evitar-se-á, dessa forma, que tal jogada seja julgada por mais de um árbitro.
 
c) Nas rebatidas “fly” para o campo externo, a responsabilidade dos árbitros de base é determinada de acordo com a trajetória da bola. Basicamente, os árbitros devem movimentar-se da seguinte forma:
 
1) Se a bola voar para a área entre o jardineiro direito e a cerca do campo à sua esquerda, a responsabilidade será do árbitro da 1ª base.
 
2) Se a bola for na direção do espaço entre o jardineiro direito e o jardineiro esquerdo, a responsabilidade será do árbitro da 2ª base.
 
3) Se a bola subir para a área entre o jardineiro esquerdo e a cerca do campo à sua direita, a responsabilidade será do árbitro da 3ª base.
 
d) Os árbitros não devem tirar os olhos da bola até que a jogada seguinte seja completada.
 
e) A decisão sobre uma bola “fly” rebatida para o campo externo deve ser dada pelo árbitro que observou o lance. Se a bola não for apanhada no ar, deve fazer o gesto de “Safe”. Se a bola for apanhada no ar, deve fazer o gesto de “Out” –se essa jogada ocorrer nas proximidades das linhas de “foul”, deve indicar primeiro se a rebatida é “fair” ou “foul” e, em seguida, declarar “OUT!”, fazendo o gesto correspondente. Para decidir se uma bola rebatida para as proximidades das linhas de “foul” é “fair” ou “foul”, o árbitro deve movimentar-se rapidamente e parar, sempre que possível, sobre a linha de “foul” (deve ter a linha entre as pernas).  

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

CORREDOR EVITA O TOQUE DO RECEPTOR E CHEGA DESLIZANDO AO “HOME PLATE”

Jogo Cleveland Indians vs. Kansas City Royals. Segunda metade do 5º “inning”, corredor na 1ª e 3ª base, um “out”.   Royals no ataque. O corredor da 1ª base tenta roubar a 2ª base, mas o receptor lança rapidamente à 2ª base e provoca um “run-down play”. Enquanto ocorre a jogada de perseguição, o corredor da 3ª base distancia-se da base e prepara-se para arrancar para “home”. Vendo isso, o defensor da 1ª base despacha a bola à 3ª base, e aí tem início nova jogada de perseguição. O corredor da 3ª base, porém, consegue evitar o toque do receptor –agacha-se no momento em que ele tenta tocá-lo– e chega deslizando ao “home plate”. O árbitro declara-o “safe”.
 

O movimento feito pelo corredor para evitar ser tocado é legal. Se ele tivesse desviado mais de três pés (91,44 cm) do caminho da base, para fugir do toque, seria declarado eliminado.  
Regra 7.08 (a) (1): Um corredor é eliminado quando desvia mais de três pés (91,44 cm) do caminho da base, para fugir do toque de um defensor, a menos que sua ação seja para evitar interferir na jogada de um defensor que está apanhando uma bola rebatida. O caminho da base de um corredor é estabelecido quando ocorre a tentativa de toque, e é uma linha reta entre o corredor e a base para a qual ele está tentando chegar a salvo.

INFRAÇÃO COM DUAS PENALIDADES

Um "out", corredor na 3ª base, "squeeze play" (jogada de pressão para anotar ponto). Quando o batedor estava preparado para fazer "bunt", o receptor tocou o "bat" e impediu a concretização da jogada.  Que decisão deve ser tomada?
 
Deve ser imputado um “balk” ao arremessador –o corredor da 3ª base anota ponto– e ao  batedor deve ser concedida a 1ª base devido à falta cometida pelo receptor (Interferência Defensiva). A bola torna-se morta.

[Regra 7.07]

ÁRBITRO DE BASE - MOVIMENTAÇÃO, POSICIONAMENTO E TOMADA DE DECISÃO NUMA JOGADA DE TOQUE (“TAG PLAY”)

Numa jogada de toque (“tag play”), o árbitro deve estar perto do lance no momento de dar a decisão. 
 
Enquanto uma jogada está em andamento, o árbitro deve movimentar-se, sem desviar os olhos do corredor, da bola e do defensor que está se preparando para recebê-la.
 
Quando a bola e o corredor se aproximarem desse defensor, deverá posicionar-se adequadamente para observar o lance e dar a sua decisão. “Posicionar-se adequadamente”, neste caso, significa colocar-se numa posição que lhe permita ter uma visão perfeita do toque no corredor. O árbitro deve tomar cuidado para não assumir uma posição em que a visão do toque possa ser prejudicada por um defensor ou corredor.  Por exemplo, quando um corredor desliza para uma base (“sliding”), deve colocar-se numa posição de onde possa ver o(s) pé(s) do corredor se aproximando da base e o defensor executando o toque; deve observar se o toque acontece antes ou depois que o(s) pé(s) do corredor toca(m) a base. Quando um corredor ultrapassa a base, deslizando (“oversliding”), a decisão (“out” ou “safe”) deve ser dada depois de completada a jogada. Quando ocorre um choque entre o corredor e o defensor, num lance de “sliding”, o árbitro não deve decidir, precipitadamente, logo após o toque no corredor. Se a decisão for “Out”, deverá assegurar-se de que a bola se encontra na mão ou dentro da luva do defensor (poderá, inclusive, mandar o defensor mostrar a bola –poderá dizer: “MOSTRE A BOLA!” ou “ONDE ESTÁ A BOLA?”). Numa jogada em que o toque é feito antes de o corredor chegar a uma base, o árbitro deve dar a decisão somente após ter certeza de que o defensor não derrubou a bola (apontar com a mão esquerda e declarar “OUT!”, fazendo o gesto correspondente).
 
Os árbitros de base devem movimentar-se dentro do campo de tal forma que possam ter condições de acompanhar a jogada em determinada base, ou fora da base, e observar ocorrências como Interferência, Obstrução, “Line Out” etc.
 
a) MECÂNICA NA 1ª BASE
 
1) O árbitro deve aproximar-se da jogada. Quando o defensor sai da base para apanhar a bola lançada e tentar um toque no batedor-corredor, o árbitro deve ir rapidamente na direção da linha de “foul” (não deve ultrapassá-la, para evitar um choque com o batedor-corredor) a fim de observar a jogada e dar a sua decisão.
 
2) Se houver toque, deverá apontar com a mão esquerda e declarar “OUT!”, fazendo o gesto correspondente. Antes de declarar “OUT!”, poderá dizer: “TOCOU!” (ou "TATTI!"*).

3) Se não houver toque, deverá dizer: “NÃO TOCOU!” (ou “NO TOUCH!”) e, em seguida, declarar “SAFE!”, fazendo o gesto correspondente.
 
4) O árbitro deve declarar “SAFE!” somente depois que o batedor-corredor pisa a base (se esse batedor-corredor não tiver desviado mais de três pés (91,44 cm) do caminho da base, para fugir do toque de um defensor).
 
b) MECÂNICA NA 2ª BASE E 3ª BASE
 
1) O árbitro deve movimentar-se rapidamente para chegar a uma posição que lhe permita ter um bom ângulo para observar o defensor apanhando a bola e, em seguida, o toque no corredor.
 
2) Deve tomar cuidado com a movimentação de outros defensores e com o curso da bola lançada.
 
*TATTI vem de “TOUCH” (tâtch), que quer dizer toque, contato etc. Dar TATTI, como costumamos dizer, é tocar o corredor (ou batedor-corredor) com a bola firmemente segura na mão ou luva.

RECICLAGEM PARA ÁRBITROS DE BEISEBOL

Última oportunidade aos que não participaram da reciclagem nos dias 08 e 09/02/2014 ou 15/02/2014. O treinamento será realizado nos dias 22 e 23/02/2014, no GECEBS.  
 
Início das atividades:  07:00 hs.
 
Os árbitros devem apresentar-se uniformizados e levar o equipamento completo.   
 
A inscrição/participação é gratuita.
 
Todo o material que será usado na Reciclagem está disponível para download aqui.
 
Caso o árbitro não tenha acesso à Internet, o material será entregue pelos instrutores e será cobrada uma taxa (R$ 15,00).


MILSON AOKI

Secretário  Geral de Beisebol AAA

Tel.: (11) 981693266

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

BATEDOR ELIMINADO COMETE INTERFERÊNCIA

Nenhum eliminado, corredor na 1ª e na 3ª  bases. Quando o batedor foi eliminado por três “strikes” (“strikeout”), o corredor da 1ª base tentou um “steal” (roubo de base). Como, no momento em que o receptor se levantou para lançar à 2ª base, o batedor saiu à sua frente e atrapalhou a jogada, o corredor chegou “safe” à 2ª base.
 
Beisebol
 
O corredor da 1ª base (alvo da jogada) deve ser declarado eliminado em razão da Interferência cometida por seu companheiro de equipe. O corredor da 3ª base tem de retornar.

[Regra 7.09 (e) – vide NOTA]

Softbol
 
O corredor da 3ª base (aquele que está mais perto do “home plate” no momento da Interferência) deve ser declarado eliminado em razão da falta cometida por seu companheiro de equipe. O corredor da 1ª base tem de retornar.

(Regra 8 – Seção 9o – NOTA, Regra 8 – EFEITO – Seção 9k-s)

ARREMESSADOR É ATINGIDO NA CABEÇA PELA BOLA REBATIDA

Jogo Los Angeles Angels vs. Oakland Athletics. Angels no ataque na primeira metade do 4º “inning”. A bola rebatida (um “line drive” forte) atingiu o lado direito da cabeça do arremessador e derrubou-o; enquanto ele estava estendido no chão contorcendo-se de dor, o jogo prosseguiu normalmente. O defensor da 3ª base apanhou a bola desviada e lançou à 1ª base; o batedor-corredor foi declarado “out”. Apesar da gravidade do acidente, o jogo foi paralisado para atender ao jogador ferido somente depois de concluída a jogada.
 

 
Exceto nos casos mencionados nos parágrafos (b) e (c) (1) da Regra 5.10, nenhum árbitro deve declarar “TIME” enquanto uma jogada está em andamento.
[Regra 5.10 (h)]

domingo, 16 de fevereiro de 2014

FOI ANOTADO PONTO?

Softbol
 
Na segunda metade do sétimo “inning” o jogo estava empatado. Com dois “outs” e as bases cheias, o batedor obteve “ball four” (quatro “balls”). Que decisão deve dar o árbitro nas seguintes situações?
 
(1)   O batedor-corredor entrou no “bench” em vez de ir à 1ª base; os corredores avançaram uma base.
 
(2)   O corredor da 1ª base foi na direção do “home plate” para juntar-se ao grupo que estava comemorando a vitória, ao invés de ir à 2ª base; os demais corredores avançaram uma base e o batedor-corredor pisou a 1ª base.
 
Decisão:
 
(1)   O batedor-corredor é “out”. Como a terceira eliminação foi o resultado de uma jogada em que o batedor-corredor foi declarado “out” antes de tocar legalmente a 1ª base, não foi anotado ponto.
 
(2)   O corredor da 1ª base é “out” por ter abandonado o esforço de ir à 2ª base. Como a terceira eliminação foi um “force out” (eliminação forçada), não foi anotado ponto.

(Regra 5 – Seção 7b-1 e 2)

Fonte: Official Softball Rule Case Book, editado pela JSA – Japan Softball Association
 
Se essa jogada tivesse ocorrido no beisebol, seria dada a mesma decisão.

[Regra 4.09 (a) – EXCEÇÃO: (1) e (2)]

O ÁRBITRO DE “HOME” DEVE ATENTAR ATÉ PARA PEQUENAS COISAS

a) O árbitro de “home” deve atentar até para pequenas coisas, como, por exemplo, conferir se o “home plate” está limpo ou sujo. Contudo, não deve declarar “Time” para limpá-lo cada vez que fica sujo, a menos que haja corredor na 3ª base. A limpeza deve ser feita rapidamente, aproveitando os intervalos entre jogadas.
 
b) Exceto quando está posicionado atrás do receptor para julgar e contar os arremessos, o árbitro de “home” deve tirar a máscara do rosto (por exemplo, para acompanhar um lance e dar a decisão, para conversar com um técnico, “coach”, jogador ou anotador etc.).
 
c) Além de decisões sobre jogadas, o árbitro de “home” deve preocupar-se com outras coisas que ocorrem dentro do campo. Deve conferir se os “coaches” estão nos “coach’s boxes”, se o batedor seguinte está esperando dentro do círculo, se há jogadores ou outros membros da equipe fora do “dugout”, se há algum material de jogo abandonado no campo etc., e alertar a equipe infratora.

sábado, 15 de fevereiro de 2014

CORREDOR ATINGIDO POR BOLA LANÇADA

Corredor na 1ª base, rebatida indefensável (“base hit”) ao jardim direito (“rightfield”). A bola lançada pelo jardineiro direito (“rightfielder”) atingiu a cabeça do corredor no momento em que ele passou pela 2ª base e deu alguns passos em direção à 3ª base. (O corredor estatelou-se no chão.) Foi solicitado “TIME”, mas os árbitros não atenderam ao pedido. O interbases apanhou a bola que estava rolando à sua frente e tocou o corredor; o árbitro da 2ª base declarou-o eliminado. Decisão correta?
 
Sim. Embora o corredor tenha se ferido, nenhum árbitro deve declarar “TIME” enquanto uma jogada está em andamento.
 
[Regra 5.10 (h)]

DEFENSOR MACHUCA O BRAÇO AO TOCAR O CORREDOR E DEIXA O JOGO

Jogo Atlanta Braves vs. Cincinnati Reds. Braves no ataque na primeira metade do 4º “inning”. Corredor na 1ª base. “Bunt” na direção da 1ª base. O defensor da 1ª base efetuou a defesa e lançou à 2ª base. O interbases recebeu a bola e, ao tocar o corredor –que chegou deslizando à base–, contundiu o braço esquerda e caiu contorcendo-se de dor. (A luva e a bola foram ao solo.) Enquanto isso, o batedor-corredor chegou à 1ª base. Terminada a jogada, o árbitro da 2ª base declarou "TIME" e permitiu que o jogador machucado fosse atendido.

 
Embora o defensor tenha se ferido, nenhum árbitro deve declarar "TIME" enquanto uma jogada está em andamento.

[Regra 5.10 (h)]

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

CORREDOR FERIDO

O batedor acertou um quadrangular (“home run”) sobre a cerca do jardim central (“centerfield”). Quando ele pisou a “almofada” da 2ª base, torceu o tornozelo e foi ao solo. Por essa razão, ficou incapacitado para continuar avançando para “home”.
 
O árbitro deve declarar “TIME” e permitir que um corredor substituto complete a jogada.
 
Regra 5.10 (c) (1): Se um acidente com um corredor for tão grave a ponto de impedi-lo de continuar avançando a uma base que lhe fora concedida, como num “home run” rebatido para fora do campo de jogo, ou numa concessão de uma ou mais bases, um corredor substituto poderá completar a jogada.
Fonte: EL BEISBOL – Arbitros en el Terreno, de Humberto Vázquez

BOLA REBATIDA ATINGE O ROSTO DO DEFENSOR DA 1ª BASE

Jogo Boston Red Sox vs. Seattle Mariners. Red Sox na ofensiva. Corredor na 2ª base, rebatida forte na direção do defensor da 1ª base. Quando este se prepara para efetuar a defesa, a bola pula ao tocar o solo e atinge o seu rosto. (O defensor cai e fica estendido no chão.) Enquanto isso, o batedor-corredor chega à 1ª base e o corredor da 2ª base alcança a 3ª base. O árbitro paralisa o jogo e permite que o jogador machucado seja atendido somente depois de concluída a jogada na 3ª base.

 
Regra 5.10 (h): Exceto nos casos mencionados nos parágrafos (b) e (c) (1) desta regra, nenhum árbitro deve declarar “TIME” enquanto uma jogada está em andamento.  

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

“HOME RUN” – BATEDOR-CORREDOR SE MACHUCA E FICA IMPOSSIBILITADO DE TOCAR TODAS AS BASES

O batedor acertou um “home run”, que garante a vitória de sua equipe –a bola passou sobre o muro do jardim central. Ao passar pela 1ª base, ele tropeçou na “almofada” e estatelou-se. O “coach” da 1ª base apressou-se em atendê-lo, mas nada pôde fazer; sua perna estava quebrada.  O quadrangular é válido? Ou deve ser anulado porque o batedor-corredor ficou impossibilitado de tocar todas as bases?
 
A rebatida é válida; deve ser contado um ponto. Nessa situação a bola fica morta e a equipe na ofensiva pode substituir o corredor machucado.

[Regra 5.10 (c) (1)]
 
Fonte: DIAMOND CHALLENGE, de Jim Evans           

AJUDA FÍSICA A UM CORREDOR FERIDO

Embora a Regra 5.10 (c) permita que o jogo seja paralisado quando um acidente incapacita um jogador ou um árbitro, um árbitro raramente ‘matará’ uma jogada apenas porque um jogador se machuca. Corredores têm sido eliminados após terem caído inconscientes ao serem atingidos por lançamentos mal executados ou em razão de colisões no caminho da base, muitas vezes justamente na frente de um “base coach”, mas este não está autorizado a lhe dar assistência até que a jogada esteja concluída.
 
Mas, embora um “base coach” não possa ajudar fisicamente um corredor ferido, um companheiro de equipe –também corredor– pode ajudá-lo. Muitos anos atrás, num jogo amistoso em New Jersey, um jogador anotou ponto após ter caído desacordado na 3ª base e morrido de ataque cardíaco –o corredor que vinha logo atrás dele levantou-o, e arrastando-o até “home”, encostou um pé do falecido no “home plate” antes de ele próprio anotar ponto.
 
Um dos casos mais famosos em que companheiros de equipe deixaram de se reunir para socorrer um jogador ferido ocorreu no Jogo 4 da World Series de 1939 entre New York Yankees e Cincinnati Reds. O jogo estava empatado na primeira metade do décimo “inning” quando Joe DiMaggio acertou um “single” (rebatida indefensável de uma base) e empurrou Frank Crosetti para “home”.
 
Charlie Keller também tentou anotar ponto, mas aparentemente seria tocado pelo receptor do Reds, Ernie Lombardi, que estava de posse da bola. Ao invés de parar, Keller foi de encontro com o receptor –a trombada foi tão violenta que a bola foi ao solo. Enquanto Lombardi estava no chão ao lado do “home plate” –atordoado e quase inconsciente–, com a bola alguns centímetros longe dele, seus companheiros de equipe, como se estivessem esperando os árbitros declararem “Time”, ficaram estáticos e permitiram que DiMaggio circulasse as bases e anotasse o terceiro ponto de sua equipe na jogada. Os árbitros, porém, não declararam “Time” até que o arremessador do Reds, Bucky Walters, se posicionasse sobre o “pitcher’s plate”, com a bola na mão.

Fonte: The Rules of Baseball, de David Nemec