quinta-feira, 31 de outubro de 2013

DEFENSOR ATIRA A LUVA E ATINGE UMA BOLA REBATIDA AINDA NÃO DECLARADA “FOUL”

Softbol

A bola rebatida por meio de “bunt” estava rolando aproximadamente 5 cm. fora da linha de “foul” da 3ª base. Como havia possibilidade de ela entrar no território “fair”, o defensor da 3ª base atirou a luva e conseguiu pará-la. Há alguma penalidade?
 
Não. Deve ser declarado um “foul ball”. Se, porém, a luva atingisse a bola após ela ter entrado no território “fair”, o batedor-corredor seria autorizado a avançar três bases.

(Regra 8 – Seção 7e, Regra 8 – EFEITO – Seção 7e-1)

Fonte: Fonte: Official Softball Rule Case Book, editado pela JSA – Japan Softball Association

ARREMESSADOR SUBSTITUTO

Antes de o arremessador substituto fazer um arremesso ao batedor, a chuva que caía começou a apertar repentinamente, razão porque o jogo foi interrompido. Quando o tempo melhorou e o jogo foi reiniciado, outro arremessador foi ao montículo. Que decisão deve ser tomada?
 
O arremessador substituto, que não havia cumprido sua obrigação conforme determina a Regra 3.05 (b), terá de fazê-lo no reinício da partida. Assim sendo, o árbitro de "home" deve ordenar o retorno do arremessador correto ao montículo até que sejam cumpridas  as disposições desta regra. Se for permitido que o arremessador incorreto arremesse, qualquer jogada resultante será legal. O arremessador incorreto torna-se o arremessador correto tão logo efetue o primeiro arremesso ao batedor, ou tão logo qualquer corredor seja eliminado.

[Regra 3.05 (c)]

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

TERCEIRO “STRIKE” NÃO AGARRADO RESULTA EM “HOME RUN”

Corredor na 1ª e 3ª base, dois outs, ball count: 2 – 2.  O batedor iniciou o swing e interrompeu-o; o arremesso foi declarado BALL.  O receptor não concordou com a decisão e reclamou. O árbitro de home, então, solicitou o auxílio do árbitro da 1ª base. No momento em que o árbitro consultado fez o gesto de strike indicando que houve half swing, o árbitro de home levantou o braço direito, com o punho cerrado. Interpretando esse gesto como de eliminação do batedor (terceiro out), os defensores deixaram suas posições e foram caminhando em direção ao dugout. Como a bola tocou o solo antes de ser apanhada pelo receptor, o batedor saiu correndo e deu a volta no quadrilátero, pisando todas as bases; os corredores da 1ª e 3ª também pisaram o home plate. 

O árbitro de home reuniu-se com seus companheiros. Depois de conversar com eles por algum tempo, pegou o microfone e deu a explicação sobre o ocorrido. Disse ele: "O batedor interrompeu o swing; eu consultei o árbitro da 1ª base, e minha decisão BALL foi mudada para STRIKE; foi o terceiro strike, mas não um strikeout; o gesto que fiz foi para avisar o batedor sobre a mudança de decisão; e como o batedor não foi eliminado, foram anotados três pontos”.

A equipe contrária não questionou a explicação dada pelo árbitro. O placar passou de 3 – 0 para 6 – 0.

Essa confusão foi causada por um gesto desnecessário feito pelo árbitro de home (ele não precisava fazer aquele gesto para sinalizar que a decisão sobre o arremesso fora mudada).
 
 
[Comentário - Regra 9.02 (c)]
 

BATEDOR-CORREDOR ULTRAPASSA A 1ª BASE

Nenhum corredor em base, um eliminado, “ball count” (contagem de bolas arremessadas) em 2 – 2 (dois “balls” – dois “strikes”). O batedor tentou rebater o arremesso seguinte –um “slider”*–, mas não conseguiu; a bola fez um efeito grande e, sem ter contato com o “bat”, foi parar no “backstop” (barreira situada atrás do “home plate”).  O batedor-corredor alcançou a 1ª base, tranquilamente, e ultrapassou-a. Vendo isso, o receptor, que já havia recuperado a bola, lançou rapidamente ao defensor da 1ª base. Se o batedor-corredor for tocado antes de retornar à base, será declarado eliminado?
 
Não. Um batedor-corredor não poderá ser eliminado por toque depois de ultrapassar a 1ª base –correndo ou deslizando– se retornar imediatamente à base. Se, porém, tentar correr para a 2ª base, poderá ser eliminado.

[Regras: 7.08 (c) – EXCEÇÃO (vide NOTA 1), 7.08 (j)]

*“Slider” é um arremesso intermediário entre uma bola curva –“curve ball” –e  uma bola rápida –“fast ball”; produz menos efeito, porém mais velocidade do que uma bola curva; cai menos do que uma bola curva e tende a desviar em direção ao  batedor ou afastar-se dele. 
 
No softbol também o batedor-corredor que ultrapassa a 1ª base não pode ser eliminado por toque, desde que retorne diretamente à base.  
 
(Regra 8 – Seção 10i)

terça-feira, 29 de outubro de 2013

"SLIDING" INFELIZ

É azar demais! Além de ser eliminado, teve que “beijar” o bumbum do defensor!!!

ARREMESSADOR EFETUA O ARREMESSO SEM DAR UMA PARADA COMPLETA

Corredor na 1ª e 2ª base. O arremessador posicionado sobre o "pitcher's plate" segurando a bola com ambas as mãos à frente do seu corpo (Posição “Set”) executou o arremesso sem ter ficado completamente parado. O batedor não tentou rebatê-lo.
 
É  "balk". A bola torna-se morta e cada corredor pode avançar uma base, sem o risco de ser eliminado. O arremesso não é contado, a menos que seja o quarto "ball" ou a bola atinja o batedor.

[Regras: 5.09 (c), 8.05 (m), 8.05 – PENALIDADE]

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

“BAT” TEM CONTATO COM A BOLA REBATIDA

O “bat” que o batedor-corredor soltou das mãos ao iniciar a corrida atingiu a bola rebatida. 
 
Se isso acontecer com uma bola “fair”, em território “fair”, será declarada uma Interferência. A bola ficará morta e o batedor-corredor será eliminado. Cada corredor terá de retornar à base que estava ocupando no momento do arremesso.
 
Se, entretanto, o batedor-corredor deixa o “bat” caído no solo, em território “fair”, e a bola rola contra esse “bat”, ele não deve ser eliminado, a menos que, na opinião do árbitro, tenha havido intenção de interferir no curso da bola. A bola permanece viva e em jogo.

[Beisebol – Regra 6.05 (h)]
 
(Softbol – Regras: 8 – Seção 2g-7, 9 – Seção 2u)

domingo, 27 de outubro de 2013

“INSIDE-THE-PARK HOME RUNS”*

Inside-the-park home run” é aquela rebatida por meio da qual o batedor-corredor pisa todas as bases e anota um ponto enquanto a bola está dentro do campo de jogo.  "Inside-the-park home run" = 'raningu' (como costumamos dizer).

Para visualizar clique aqui.

sábado, 26 de outubro de 2013

FOI “HOME RUN” MESMO!!!

Rebatida “fly” para o jardim direito. O jardineiro direito saltou para efetuar a defesa, mas a bola passou sobre a cerca e, após ser tocada por um espectador, caiu dentro do campo. O árbitro da 1ª base sinalizou um “home run”, que, posteriormente, foi confirmado por outros árbitros após uma reunião.
 

“HOME RUN” OU REBATIDA DE DUAS BASES?

“Fly” ao jardim central. A bola passou sobre o jardineiro central e, após tocar o topo do muro, saiu do campo de jogo. É “home run” ou rebatida de duas bases?  
 
É “home run”.
 
[Beisebol – Regra 7.05 (a)]
 
(Softbol – Regra 8 – Seção 7g-2)

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

“TAG-UP” NUM “INFIELD FLY”???!!!

É incrível, mas aconteceu. Bases cheias, um “out”, rebatida “fly” para trás do interbases. Foi declarado um “Infield Fly”. No momento em que o interbases apanhou a bola –e se distraiu um pouco–, o corredor da 3ª, que estava em contato com a base, arrancou para “home” e anotou um ponto. 
 

 

"INFIELD FLY"

Com um out e as bases cheias, a rebatida resultou em fly para as proximidades da 1ª base. O árbitro de home declarou “INFIELD FLY SE FOR FAIR!”. A bola rebatida caiu em território foul, sem ser tocada; em seguida, rolou para o território fair antes de passar a 1ª base e parou. O corredor da 3ª base correu para home e foi tocado pelo receptor, que estava com a bola que lhe foi lançada pelo defensor da 1ª base. Como deve ser decidido este lance?
 
Como a rebatida foi fair, o batedor é out pela regra de Infield Fly (2ª eliminação). Com a jogada no home sobre o corredor da 3ª base foi completada a 3ª eliminação.
 
Quando é aplicada a Regra de Infield Fly, a bola permanece viva e em jogo; os corredores podem avançar a seu próprio risco.

[Beisebol – Regras: 2.00 “INFIELD FLY”, 6.05 (e), 7.08 (c)]

(Softbol – Regras: 1 – Seção 56, 8 – Seção 2e, 8 – EFEITO – Seção 2a-e, 8 – Seção 9b, 9 – Seção 2b)

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

ARREMESSADOR E TÉCNICO EXPULSOS POR CONTESTAREM UMA DECISÃO DO “ÁRBITRO DE “HOME”

Jogo  Philadelphia Phillies x Toronto Blue Jays. Corredor na 1ª e 2ª base, dois “outs”, “ball count”: 0 – 0. Rebatida indefensável para “leftfield” (jardim esquerdo). O receptor recebe a bola lançada pelo jardineiro esquerdo e tenta eliminar o corredor da 2ª base, mas este consegue passar sobre o “home plate” deslizando, sem ser tocado. O árbitro declara "SAFE". O arremessador reclama sobre a decisão dada pelo árbitro e é expulso do jogo. Confusão generalizada. Após controlado o tumulto, o técnico continua reclamando; o árbitro expulsa-o também.


[Regra 9.02 (a)]

OBSTRUÇÃO ENQUANTO A BOLA LANÇADA ESTÁ EM VOO

Durante uma Jogada de Perseguição entre a 1ª e 2ª base, houve um mau lançamento; a bola caiu dentro do "dugout". Enquanto a bola lançada estava em voo, ocorreu uma Obstrução. O corredor pode avançar quantas bases?
 
A Obstrução não é levada em consideração; o corredor pode avançar duas bases. 

[Regra 7.05 (g), Comentário – Regra 7.06 (a)]

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

REGULAMENTO DA TAÇA BRASIL ADULTO 2013

Clique aqui.

EXPULSÕES MERECIDAS?

Jogador expulso ao contestar uma decisão “fair” – “foul”


Jogador expulso ao contestar uma decisão “strike” – “ball”
Jogador e técnico expulsos ao contestarem uma decisão “safe” – “out”
Uma decisão do árbitro que envolva julgamento, tais como: se uma rebatida é “fair” ou “foul”, se um arremesso é “strike” ou “ball”, se um corredor é “safe” ou “out” etc. é definitiva. Não pode ser cotestada.
[Regra 9.02 (a)]

JOGADOR EXPULSO FAZ JOGADA E ELIMINA UM CORREDOR

Corredor na 2ª base, um eliminado, rebatida “line drive” para “center field” (jardim central). O corredor é declarado “safe” num lance apertado no “home”. O receptor não aceita a decisão e discute violentamente com o árbitro de “home”, sendo por isso expulso do jogo. Enquanto isso, o batedor-corredor tenta chegar à 2ª base, mas é eliminado –o receptor faz um lançamento perfeito àquela base e é bem-sucedido na jogada. Uma vez que o receptor tinha sido expulso antes da jogada, essa eliminação é válida?
 
É válida. Como a expulsão ocorreu enquanto uma jogada estava em andamento, a penalidade tem efeito somente depois de concluída essa jogada.
 
[Regras: 9.01 (d), 9.02 (a)]

Fonte: DIAMOND CHALLENGE, de Jim Evans           

terça-feira, 22 de outubro de 2013

INTERFERÊNCIA DO ESPECTADOR

Corredor na 1ª base, rebatida “fly” para “right-field” (jardim direito). Quando o “right-fielder” (jardineiro direito) deu um salto para efetuar a defesa nas proximidades da cerca, dois espectadores o atrapalharam –um deles tocou a bola com a mão e a desviou em direção à cerca lateral.  O corredor da 1ª base chegou à 3ª base, e o batedor-corredor, à 2ª base. Diante da reclamação da equipe na defensiva, e confirmada a Interferência, os árbitros eliminaram o batedor-corredor e retornaram o corredor à 1ª base.  (Nessa jogada, o técnico da equipe na ofensiva foi expulso do jogo por ter contestado a decisão final dada pelos árbitros.)


[Regras: 2.00 INTERFERENCE" (d), 3.16]

“THREE-BASE HIT”?

Rebatida “fly” para o campo externo (“outfield”). O jardineiro esquerdo (“left-fielder”) corre até as proximidades da cerca do fundo e se prepara para efetuar a defesa. Nesse momento, um torcedor derruba seu copo com bebida no rosto do defensor. A bola bate na luva e vai ao solo. Enquanto isso, o batedor-corredor chega à 3ª base. Rebatida de três bases (“three-base hit”)?  
 
Não. O batedor é “out” em razão da Interferência cometida pelo espectador.

[Regras: 2.00 “INTERFERENCE” (d), 3.16]

Regra 3.16 – REGRA APROVADA: Se a Interferência do espectador impedir, claramente, que um defensor apanhe uma bola “fly”, o batedor será declarado eliminado.
 
Fonte: DIAMOND CHALLENGE, de Jim Evans           

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

TÉCNICO EXPULSO DO JOGO AO CONTESTAR UMA DECISÃO SOBRE “HALF SWING”

“Ball count”: 3 – 1. O batedor (canhoto) inicia o “swing” e para. A pedido do receptor, o árbitro de “home” consulta o companheiro da 3ª base, e este sinaliza que não houve “half swing”; o batedor vai à 1ª base por “ball four”. O técnico da equipe na defensiva reclama sobre a decisão dada e é expulso do jogo.


[Comentário – Regra 9.02 (c)]

CONSULTA SOBRE “HALF SWING”

Corredor na 1ª base, ball count (contagem de bolas arremessadas): 3 – 2 (três balls – dois strikes). O batedor iniciou o swing, mas interrompeu-o repentinamente. O árbitro de home declarou “BALL FOUR!” (quatro balls); o receptor não concordou com a decisão e pediu-lhe que consultasse um árbitro de base. O árbitro de base consultado mudou a decisão dada por seu companheiro para strike (terceiro strike). O batedor foi declarado eliminado. Entrementes ... o corredor da 1ª base, que caminhava tranquilamente em direção à 2ª base, foi tocado pelo interbases, que havia recebido a bola lançada pelo receptor. O corredor é out?
 
Sim. Os corredores têm de estar atentos para a possibilidade de o árbitro de base consultado mudar a decisão do árbitro de home –de ball para strike–, porque, nesse caso, correm o risco de serem eliminados pelo lançamento do receptor, já que a bola permanece em jogo.
 
[Regra 9.02 (c)]
 
Fonte: DIAMOND CHALLENGE, de Jim Evans           

domingo, 20 de outubro de 2013

STRIKEOUT – VOZ E GESTO

O árbitro de home declara um strike usando voz e gesto. Quando o batedor gira o bat, a voz deve ser moderada, e o gesto, simples, inclusive num strikeout.  Se o batedor deixa passar um strike sem girar o bat, o árbitro deve dar a decisão com energia na voz e no gesto. Em strikeout sem swing, os árbitros costumam fazer um gesto diferente (é aconselhável que o façam sem movimentos exagerados, para evitar o que ocorreu com um antigo companheiro nosso –esse árbitro, imitando um colega que conhecera num campeonato internacional de que participou, rodopiou antes de fazer o gesto de strikeout e ...  puf no chão).

Lembrem-se:
 
“Strikeout” com “swing” – voz moderada e gesto simples.
 
“Strikeout” sem “swing” – voz e gesto com vigor (evitem gestos exagerados em jogos de crianças).  

VISITA DO TÉCNICO OU “COACH” AO ARREMESSADOR

Depois que o arremessador concedeu dois “walks”* consecutivos, o técnico entrou no campo e foi acalmá-lo. Enquanto isso, a equipe na ofensiva anunciou a entrada de um batedor de emergência (“pinch-hitter”). O técnico, então, foi novamente ao montículo (“mound”) para passar instruções ao arremessador. Isso é permitido?
 
Nessa situação, o técnico pode fazer uma segunda visita ao montículo, porém terá de remover o arremessador.
[Regra 8.06 (c) (d)]

*“Walk” = “Base on Balls” = “Ball Four”:  É a concessão da 1ª base garantida a um batedor que, durante a sua vez de bater, recebe quatro arremessos fora da zona de “strike”.
(Regra 2.00 "BASE ON BALLS”)

sábado, 19 de outubro de 2013

BANZAI*

Jogo de beisebol da Categoria Pré-Júnior. Rebatida fly para leftfield (jardim esquerdo). O jardineiro esquerdo afastou-se um pouco, parou, levantou os braços e se preparou para efetuar a defesa.  A bola, porém, passou sobre a sua cabeça e foi parar na cerca do fundo. Aí uma pessoa que estava ao lado da anotadora oficial comentou: “Que banzai hem?!”.
 
No beisebol e softbol, quando ocorre um lance assim, costuma-se dizer que fulano fez banzai.  Isso porque, quando o defensor levanta os braços para tentar apanhar a bola,  lembra aquele gesto que os japoneses fazem para aplaudir ou aprovar algo, saudar alguém etc. –erguem os braços e bradam “BANZAI!”.  
*Banzai = Viva!.  

BATEDOR-CORREDOR TEM CONTATO ACIDENTAL COM A BOLA REBATIDA

O batedor executou um “bunt” e, enquanto avançava à 1ª base, tocou acidentalmente a bola rebatida . Que decisão deve ser tomada nas seguintes situações?
 
(1) A bola rebatida estava na área “fair” no momento em que teve contato com o batedor-corredor.
 
(2) A bola rebatida estava na área “foul” no momento em que teve contato com o batedor-corredor.
 
Decisão:
 
(1) O batedor-corredor é “out” em razão da falta cometida (Interferência).
 
(2) É “foul ball”.
 
[Beisebol – Regras: 2.00 “FOUL BALL”, 6.05 (g)]
 
(Softbol – Regras: 1 – Seção 37, 8 – Seção 2g-5)

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

A BOLA ESCAPA DA MÃO DO ARREMESSADOR

 
 
 

Se a bola ultrapassar a linha de "foul", será declarado um “ball”. A bola estará em jogo  e os corredores poderão avançar a seu próprio risco.
 
Se a bola não cruzar a linha de “foul”:
 
a)      quando não há corredor(es) em base, nada será declarado –deve-se considerar que não houve arremesso; a bola estará em jogo.

b)      quando há corredor(es) em base, será declarado um “balk”; a bola estará fora de jogo (bola morta) e cada corredor deverá  avançar uma base, sem o risco de ser eliminado, a menos que o batedor alcance a 1ª base através de uma rebatida indefensável (“base hit”), um erro, uma base por “balls” (“base on balls”), por ter sido atingido por um arremesso (“hit by pitch”), ou de outra maneira, e todos os outros corredores avancem pelo menos uma base, caso em que a jogada continuará normalmente, sem levar em consideração a falta cometida pelo arremessador.

[Comentário – Regra 8.01 (d), Regra 8.05 – PENALIDADE]

ARREMESSO ILEGAL QUANDO HÁ CORREDOR(ES) EM BASE

O arremessador fez um arremesso ilegal quando havia corredor(es) em base. Qual é a penalidade?
 
O árbitro deve declarar um “balk” e conceder uma base a cada corredor. A bola torna-se morta. Entretanto, se o batedor chegar à 1ª base através de uma rebatida indefensável (“base hit”), um erro, uma base por “balls” (“base on balls”) , por ter sido atingido pela bola arremessada (“hit by pitch”), ou de outra maneira, e todos os corredores avançarem pelo menos uma base, a jogada prosseguirá sem levar em conta a falta cometida pelo arremessador.
 
[Regras: 2.00 "ILLEGAL PITCH" - vide NOTA, 5.09 (c), 8.05 (e), 8.05 – PENALIDADE]

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

DEFENSOR ATIRA A LUVA E PARA UMA BOLA LANÇADA

Softbol

Corredor na 1ª e na 2ª bases. Rebatida “ground” para o campo interno. O interbases efetuou a defesa, pisou a 2ª base e lançou à 1ª base para tentar uma jogada dupla. Como o lançamento –mal executado– desviou muito, o defensor da 1ª base atirou a luva e conseguiu parar a bola. 
 
O corredor da 1ª base é “out” (eliminação forçada). O corredor da 2ª base adquire o direito de ir para “home”, e o batedor-corredor, à 2ª base. (Os corredores podem avançar duas bases a partir de onde estavam no momento do lançamento.) 

(Regra 8 – Seção 7e, Regra 8 – EFEITO  – Seção 7e-2, Regra 8 – Seção 9c )
 
Fonte: Official Softball Rule Case Book, editado pela JSA – Japan Softball Association

No beisebol, o ponto de partida para concessão de bases é a posição que o corredor ocupava no momento em que a luva atirada pelo defensor teve contato com a bola.

[NOTA - Regra 7.05 (b) a (e)]

ARREMESSO ILEGAL QUANDO NÃO HÁ CORREDOR(ES) EM BASE

O arremessador fez um arremesso ilegal quando não havia corredor(es) em base. Qual é a penalidade? 
 
Deve ser declarado um "ball", a menos que o batedor chegue à 1ª base através de uma rebatida indefensável (“base hit”), um erro, uma base por “balls” (“base on balls”), por ter sido atingido pela bola arremessada (“hit by pitch”), ou de outra maneira.  O árbitro de "home" deve apontar a falta de maneira clara, para que o arremessador possa tomar conhecimento.

[Regras: 2.00 “ILLEGAL PITCH” – vide NOTA,  8.01 (d) – vide NOTA]

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

HOUVE PEGADA LEGAL ("CATCH")?

Rebatida “fly” para o jardim central. O jardineiro central tentou efetuar a defesa, mas não conseguiu; a bola “pipocou” várias vezes batendo na sua luva e, ao ser desviada com a mão, teve contato com a cerca; o jardineiro direito, que também havia corrido em direção à bola, apanhou-a antes de ela tocar o solo.
 
 
 Nesse lance não houve pegada legal porque a bola tocou a cerca antes de ser apanhada pelo jardineiro direito. Uma bola rebatida que, enquanto em voo, tem contato com qualquer coisa, exceto um jogador da defensiva, é tratada da mesma forma como se ela tivesse tocado o solo.

[Regrta 2.00 “CATCH” (PEGADA LEGAL)] 

BATEDOR-CORREDOR DÁ UM PASSO PARA TRÁS NA DIREÇÃO DO “HOME PLATE” PARA EVITAR OU RETARDAR UM TOQUE DE UM DEFENSOR

Nenhum eliminado, corredor na 2ª base. O batedor fez “bunt” e mandou a bola em direção à linha da 1ª base.  Como o defensor da 1ª base efetuou a defesa e, com a bola na mão, estava à sua espera, o batedor-corredor recuou em direção ao “home plate”, para evitar ou retardar o toque. Enquanto isso, o corredor chegou à 3ª base.

Beisebol

O avanço do corredor foi legal, já que a bola permanece em jogo.  O batedor-corredor pode parar ou recuar para evitar ou retardar um toque de um defensor, desde que não desvie para os lados; mas se ele chegar ao “home plate”, será eliminado.

[Regra 7.08 (i) – NOTA]

Softbol

O batedor-corredor é “out” quando dá um passo para trás na direção do “home plate” para evitar ou retardar um toque de um defensor. A bola torna-se morta e todos os corredores têm de retornar à última base tocada legalmente no momento do arremesso.

(Regra 8 – Seção 2i, Regra 8 – EFEITO – Seção 2g-k, Regra 9 – Seção 1ab)

terça-feira, 15 de outubro de 2013

RECEPTOR BLOQUEIA O CAMINHO DA BASE NO MOMENTO EM QUE RECEBE A BOLA LANÇADA

Softbol

Um eliminado, corredor na 2ª base. Rebatida indefensável (“base hit”) ao jardim esquerdo.  O corredor pisou a 3ª base e disparou para “home”. O lançamento para “home” efetuado pelo jardineiro esquerdo resultou em “close play” (jogada apertada). No momento em que recebeu a bola lançada, o receptor estava bloqueando o caminho da base; e por isso acabou se chocando com o corredor. Devido a essa colisão, o receptor derrubou a bola; como, porém, o corredor não havia pisado o “home plate”, apanhou a bola do chão e eliminou-o com um toque (“tag out”) . O técnico da equipe na ofensiva reclamou, alegando que o corredor não conseguiu alcançar a base porque fora obstruído pelo receptor. Reclamou com razão?
 
Não. A reclamação é improcedente. Seria Obstrução se o receptor estivesse bloqueando o caminho da base sem estar de posse da bola ou sem estar em ação para apanhar a bola lançada. Neste caso, como o bloqueio foi feito ao mesmo tempo em que recebia a bola lançada, não deve ser aplicada a regra 8 – Seção 7b. 

Fonte: Official Softball Rule Case Book, editado pela JSA – Japan Softball Association

BATEDOR IMPEDE QUE O RECEPTOR EXECUTE UMA JOGADA

Corredor na 3ª base, nenhum eliminado, contagem de bolas arremessadas: 0 – 0 . Quando o arremessador inicia o arremesso, o corredor tenta um “home steal” (roubo de “home”). O arremesso é declarado “ball”. No momento em que o corredor se aproxima do “home plate”, deslizando, o batedor atrapalha o receptor e impede que ele execute a jogada.  Dê a sua decisão.
 
O corredor é “out” devido à Interferência cometida pelo batedor.  O jogo prossegue com um “out” e um “ball” sobre o batedor.
 [Regras: 6.06 (c), 7.08 (g), 7.09 (c)]

 Fonte: DIAMOND CHALLENGE, de Jim Evans           

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

ÁRBITROS MUDAM DECISÃO "SAFE" PARA "OUT"

Jogo Houston Astros vs. Los Angeles Angels. Astros no ataque. Rebatida indefensável (base hit) para o jardim direito. O batedor-corredor passou pela 1ª base e continuou avançando; o defensor da 2ª base, que havia recebido a bola lançada pelo jardineiro direito, tocou-o pouco antes da 2ª base. O árbitro da 2ª base declarou “SAFE!”.  O defensor reclamou; o técnico do Angels entrou no campo e também reclamou. Os árbitros, então, se reuniram e, após conversarem por algum tempo, mudaram a decisão –o batedor-corredor foi declarado out. ... ????? ...   (Os outros árbitros devem ter visto que a luva do defensor tocou, claramente, a camisa do batedor-corredor.)

Para visualizar o vídeo, clique aqui.  

ÁRBITRO DE BASE CONSULTADO SOBRE “HALF SWING” MUDA A DECISÃO DADA PELO ÁRBITRO DE “HOME”

Aconteceu num jogo de beisebol da categoria Pré-Júnior. Dois “outs”, nenhum corredor em base. Quando o “ball count” estava em 3 – 2,  o batedor iniciou oswing” e parou. Como o arremesso foi declarado “BALL”, o batedor foi andando tranquilamente em direção à 1ª base. Ocorre que o árbitro da 1ª base, consultado pelo árbitro de “home” sobre o “swing” não completado, respondeu que houve “half swing” e fez o gesto de “STRIKE”. O batedor, então, saiu correndo –ele sabia que o receptor havia derrubado a bola– e chegou “safe” à 1ª base.  
 
Na situação como a apresentada acima, a bola está em jogo. Portanto, os corredores de base (incluindo o batedor-corredor) têm de prestar atenção para a possibilidade de o árbitro de base, ao ser consultado, mudar a decisão do árbitro de “home” –de “BALL” para “STRIKE”–,  porque, nesse caso, correm o risco de serem eliminados pelo lançamento do receptor. O receptor também tem de estar atento se, numa situação de roubo de base, a decisão do árbitro de “home” for mudada pelo árbitro de base consultado –de “BALL” para “STRIKE”.

[Comentário – Regra 9.02 (c)]

domingo, 13 de outubro de 2013

COLISÃO ENTRE DOIS DEFENSORES

O jardineiro esquerdo (“leftfielder”) e o jardineiro central (“centerfielder”) estão correndo para apanhar um “line drive” (bola rebatida que vai em linha reta, com força, sem tocar o solo) que está voando em direção ao espaço entre eles. O jardineiro esquerdo faz uma defesa espetacular, mas, em seguida, ao chocar-se com seu companheiro, derruba a bola.  Houve pegada legal?

Não. A bola apanhada tem de ser mantida firmemente segura na mão ou na luva do defensor. Para a pegada ser legal, o defensor deve segurar a bola por algum tempo e provar que teve controle absoluto dela. A bola permanece em jogo.
 (Regra 2.00 “CATCH”)
BIG LEAGUE Baseball PUZZLERS, de Dom Forker

sábado, 12 de outubro de 2013

DEFENSOR APANHA UMA BOLA “FLY” E DERRUBA-A AO COLIDIR COM UM COMPANHEIRO

Rebatida “fly” em direção ao jardim esquerdo. O defensor da 3ª base afastou-se rapidamente e conseguiu apanhar a bola, que estava caindo nas proximidades da linha de “foul”, porém, ao chocar-se com o interbases –que também estava tentando efetuar a defesa– derrubou-a (não houve pegada legal). O árbitro da 3ª base levantou os braços imediatamente e declarou que a rebatida foi “foul”.  

 
Não é uma pegada legal se um defensor –enquanto está tentando controlar a bola– colide com outro jogador, árbitro ou uma cerca, ou cai ao solo, e devido a esse incidente derruba a bola.
 
(Regra 2.00 “CATCH”)
 
Uma rebatida “fly” deve ser julgada –se é “fair” ou “foul”– de acordo com a posição da bola em relação à linha de “foul”, incluindo o poste de “foul”, e não pela posição do defensor –se ele está em território “fair” ou “foul” – no momento em que toca a bola.

(Regras: 2.00 “FAIR BALL”, 2.00 “FOUL BALL”)

ÁRBITROS SE REÚNEM E MUDAM DECISÃO “FOUL BALL” PARA “FAIR BALL”

Nenhum out, bases cheias, line drive na direção da 1ª base. O árbitro da 1ª base declarou “FOUL BALL!”. Diante da reclamação da equipe na ofensiva, os árbitros se reuniram e mudaram a decisão; consideraram que a rebatida foi fair e concederam duas bases a cada corredor. Resultado: foram anotados dois pontos.  (O árbitro da 1ª base deve ter ficado em dúvida, pois deu a decisão após ter saído de sua posição para evitar ser atingido pela bola rebatida; já o árbitro de home deve ter visto que a bola caiu sobre a linha de foul atrás da ‘almofada’. )

 

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

CONCESSÃO DE BASES

Softbol
 
Nenhum eliminado, corredor na 1ª e 3ª base. Apesar de ter sido obstruído pelo receptor, o batedor acertou um ‘hitto’* curto ao jardim direito.  O corredor da 1ª base, ao passar pela 2ª base, esbarrou no interbases que estava sobre a “almofada”, mas mesmo assim correu em direção à 3ª base. O árbitro da 2ª base fez o gesto de Bola Morta Demorada (“Delayed Dead Ball”). O receptor, que havia acabado de receber o lançamento feito pelo jardineiro direito, chocou-se com o corredor da 3ª base –perto do “home plate”– ao tentar tocá-lo; a bola foi ao solo e rolou para dentro do “bench”.
 
A bola fica fora de jogo (bola morta). Cada corredor tem o direito de avançar uma base, sem o risco de ser eliminado, a partir da última base tocada no momento em que a bola entrou no “bench”.

(Regra 8 – EFEITO – Seção 7f – EXCEÇÃO 1)
 
Fonte: Fonte: Official Softball Rule Case Book, editado pela JSA – Japan Softball Association
 
*‘Hitto’ vem de “hit”, do termo “base hit”; significa rebatida indefensável –aquela por meio da qual o batedor alcança a 1ª base –ou qualquer base subsequente– com  segurança ("safe"), sem que a defensiva tenha cometido erro.  

ARREMESSADOR SUBSTITUTO ELIMINA UM CORREDOR ANTES DE FAZER UM ARREMESSO E COMPLETA O TERCEIRO "OUT” DO “INNING”

Dois "outs", bases cheias. Arremessador substituto lança  à 1ª base antes de efetuar um arremesso e elimina o corredor da 1ª base. Esse arremessador tem de continuar arremessando no "inning" seguinte?
 
Não. Nada, porém, impede que ele o faça. Embora não tenha feito um arremesso sequer ao batedor, a obrigação de arremessar a um batedor até que ele seja eliminado ou alcance a 1ª base deixou de existir, já que, com a eliminação do corredor da 1ª base, foi completada a terceira eliminação do “inning”. 

[Regra 3.05 (b)]

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

CORREDOR FUJÃO

Corredor apanhado em “run-down play” entre 2ª e 3ª base foge em direção ao “left field” (jardim esquerdo) para evitar o toque do interbases e é declarado “out”.


[Regra 7.08 (a) (1)]
Observem o gesto do árbitro para indicar a falta cometida pelo corredor.

CORREDOR DESVIA DA LINHA ENTRE AS BASES

O corredor ficou "prensado" entre a 2ª base e a 3ª base. O defensor da 3ª base, que estava de posse da bola, foi atrás do corredor, mas como este afastou-se da linha entre as bases, nem tentou tocá-lo; apenas  reivindicou ao árbitro a eliminação do corredor  por ele ter desviado da linha.  Que decisão deve ser tomada?
 
O corredor deve ser eliminado somente quando desvia mais de três pés do caminho da base para fugir do toque de um defensor. O caminho da base de um corredor é estabelecido quando ocorre a tentativa de toque, e é uma linha reta entre o corredor e a base para a qual ele está tentando chegar a salvo (“safe”).  

[Beisebol – Regra 7.08 (a) (1) – vide NOTA 1]
 
(Softbol – Regra 8 – Seção 9a)