domingo, 29 de abril de 2012

PESSOA AUTORIZADA A PERMANECER NO CAMPO COMETE INTERFERÊNCIA

Bases cheias, “ground ball” forte rente à linha de “foul” da 3ª base. A bola tocou a “almofada” e desviou em direção ao “bullpen” da equipe na defensiva. O receptor que estava aquecendo um arremessador no “bullpen” apanhou a bola e atirou-a ao jardineiro esquerdo.  Como deve ser resolvido este caso?  

No momento em que o receptor do “bullpen” apanhou a bola, ela se tornou morta. O árbitro deve impor as penalidades que, na sua opinião, anularão o ato da Interferência, ou seja, deve conceder aos corredores e ao batedor-corredor as bases que eles teriam alcançado se não tivesse ocorrido a Interferência.

Vale lembrar que, em caso de uma Interferência não intencional cometida sobre uma jogada por qualquer pessoa autorizada a estar no campo de jogo (exceto membros da equipe na ofensiva que estão participando do jogo, ou um “base coach”, qualquer deles que interfira na ação de um defensor que está tentando apanhar uma bola rebatida ou lançada; ou um árbitro), a bola continua viva e em jogo.

(Regra 3.15)

Fonte: EL BEISBOL – Arbitros en el Terreno, de Humberto Vázquez

sábado, 28 de abril de 2012

ARREMESSOS DE AQUECIMENTO

O batedor acertou um “line drive”* na direção do arremessador (destro);  a bola atingiu o seu braço direito. O técnico examinou-o e resolveu retirá-lo do jogo. Quantos arremessos de aquecimento deve o árbitro autorizar ao novo arremessador?

Se, devido a uma repentina emergência, um arremessador é chamado para entrar no jogo sem qualquer oportunidade para se aquecer, o árbitro de “home” deve autorizar-lhe tantos arremessos quantos julgar necessários. 

(Regra 8.03)

*“Line Drive” é uma bola rebatida que vai em linha reta, com força, do “bat” a um defensor, sem tocar o solo.

sexta-feira, 27 de abril de 2012

UM PEDAÇO DE “BAT” VOA NA DIREÇÃO DE UM DEFENSOR QUE ESTÁ SE PREPARANDO PARA APANHAR A BOLA REBATIDA

Um eliminado, corredor na 1ª e 3ª base, “ground ball” para o campo interno. Com o impacto da rebatida, o “bat” partiu-se em dois e um pedaço grande voou na direção do defensor da 3ª base, que estava se preparando para apanhar a bola.  Para não ser atingido pelo “pedaço de madeira”, o defensor deu um passo para trás, e em razão disso não conseguiu efetuar a defesa.  Deve ser declarada uma Interferência?

Não. Quando um pedaço de “bat” tem contato com uma bola rebatida, em território “fair”, ou atinge um corredor ou defensor, ou estorva um defensor, a jogada deve continuar normalmente (não deve ser declarada uma Interferência). Quando um “bat” inteiro é atirado para o território “fair”, a história é diferente.

[Comentário - Regra 6.05 (h)/Regulamento do Beisebol Profissional]

Fonte: DIAMOND CHALLENGE, de Jim Evans

quarta-feira, 25 de abril de 2012

O BATEDOR-CORREDOR MUDOU DE IDEIA

Brettt Butler, batedor do Giants, obteve “ball four” (quatro “balls”). A bola passou o receptor e foi parar no “backstop” (barreira situada atrás do “home plate”). Vendo isso, Butler disparou achando que seria capaz de alcançar a 2ª base.
 
Ocorre que o receptor Sandy Alomar, do Padres, recuperou a bola em pouco tempo. Butler, então, mudou de ideia antes de alcançar a 1ª base; resolveu não tentar ir à 2ª base. Como, porém, ele estava correndo muito rapidamente, não conseguiu parar na 1ª base; ultrapassou-a, aproximadamente, três metros ao longo da linha do jardim direito. Enquanto retornava à base, foi tocado com a bola pelo defensor da 1ª base, Jack Clark. Ele deve ser declarado eliminado?
 
Não. As regras não tratam um batedor autorizado a ir à 1ª base por “ball four” diferentemente de qualquer outro batedor-corredor. Portanto, Butler não deve ser eliminado, já que voltou imediatamente à base.
 
[Regras 7.08 (c) (j), 7.10 (c)]
 
Fonte: BIG LEAGUE Baseball PUZZLERS, de Dom Forker

terça-feira, 24 de abril de 2012

O BATEDOR ATRAPALHOU O RECEPTOR NUMA JOGADA NO “HOME PLATE”

Corredor na 3ª base, um eliminado, tentativa de “home steal” (roubo de “home”).  No momento em que o receptor apanhou a bola arremessada e estava preparado para tocar o corredor que vinha deslizando em direção ao “home plate”, o batedor saiu do “batter’s box” e atrapalhou a sua jogada. Quem deve ser eliminado, o batedor ou o corredor?
 
Beisebol
 
O corredor deve ser declarado “out” em razão da Interferência cometida pelo batedor. Se houvesse duas eliminações, o batedor seria eliminado.
 
[Regras 6.06 (c) – vide EXCEÇÃO,  7.08 (g), 7.09 (c)]
 
Softbol
 
O batedor deve ser eliminado. A bola torna-se morta e o corredor tem de retornar à 3ª base.
 
(Regra 7 – Seção 6k, Regra 7 – EFEITO – Seção 6k)

segunda-feira, 23 de abril de 2012

CORREDOR EM CONTATO COM UMA BASE ESTORVA O DEFENSOR

Corredor na 2ª base, rebatida “fly” para as proximidades da 2ª base. Enquanto o interbases corria em direção à bola para efetuar a defesa, o corredor estava retornando à 2ª base. O corredor tentou evitar o defensor, mas uma colisão entre os dois foi inevitável –o choque ocorreu quando o corredor já estava sobre a base. Em razão disso, o interbases não conseguiu apanhar a bola.

Quem é “out”, o batedor, o corredor ou ambos?

Nessa jogada ninguém é “out”, já que o choque entre o interbases e o corredor da 2ª base foi acidental. O corredor deve ser declarado eliminado somente quando estorva o defensor intencionalmente.

Comentário – Regra 7.08 (b): Se o corredor está em contato com uma base conquistada legalmente quando estorva o defensor, ele não deve ser declarado eliminado, a menos que, na opinião do árbitro, tal estorvo –independente de ter ocorrido em território “fair” ou “foul”—tenha sido intencional. Se o estorvo for considerado intencional, o árbitro aplicará a seguinte penalidade: com menos de duas eliminações, eliminará ambos –o corredor e o batedor; com duas eliminações, eliminará o batedor.

Fonte: DIAMOND CHALLENGE, de Jim Evans

domingo, 22 de abril de 2012

O TÉCNICO ESTAVA INCITANDO UMA MANIFESTAÇÃO HOSTIL DE ESPECTADORES

Durante um jogo, um técnico não estava gostando da atuação do árbitro de “home”. Então, frequentemente, discordava de suas decisões sobre arremessos, por meio de palavras e gestos. O árbitro, ao perceber que esse comportamento do técnico estava provocando uma manifestação hostil de torcedores, advertiu-o de que isso deveria cessar. Se o técnico continuar reclamando, que penalidade deve ser aplicada?  

O árbitro deve removê-lo do jogo, e o infrator terá de deixar o campo de jogo.

[Regra 4.06 (a) (1)]

sábado, 21 de abril de 2012

QUANDO O JOGO ESTAVA PARALISADO, O BATEDOR DEIXOU O “BATTER’S BOX” E SAIU DO CÍRCULO QUE CIRCUNDA O “HOME PLATE”

O técnico da equipe na defensiva pediu “TIME” para substituir um jogador. Enquanto o jogo estava paralisado, o batedor deixou o “batter’s box” e saiu do círculo que circunda o “home plate”. O árbitro deve permitir isso?

Sim. De acordo com a Regra 6.02 (d) (2), o batedor pode sair do “batter’s box” e da área de terra ao redor do “home plate” (em campos que não são gramados essa área é marcada com cal, giz ou outro material branco) quando o árbitro declara “TIME” para substituição de jogador(es) ou para uma das equipes se reunir.  

sexta-feira, 20 de abril de 2012

CBBS - CALENDÁRIO 2012 - BEISEBOL E SOFTBOL - ATUALIZADO

Home > Noticias
Seu canal de contato com a equipe da CBBSCadastre-se no site da CBBS e fique sempre ligado nas últimas notícias do Beisebol brasileiroLinksEncontre matérias e fotos já publicadas no site da CBBSLeia notícias do SoftbolLeia notícias do Beisebol pelo mundoLeia as notícias do Beisebol brasileiroLeia o Editorial mensal da CBBSCircularesCalendárioSobre a CBBSRetorne à página principal do site


CALENDÁRIO DE EVENTOS NACIONAIS - 2012



MARÇO

XII Campeonato Brasileiro de Beisebol Inter Clubes Sub20 - Fase Classificatória
Data:, 07 e 08 de abril
Local: Presidente Prudente

ABRIL

Seletiva Softbol sub 19
CANADIAN OPEN 2012 - Surrey - Canadá (2 a 8 de julho de 2012)
Local:Coopercotia
Data: 15 de Abril (domingo)- 7:30h.

XII Campeonato Brasileiro de Beisebol Inter Clubes Sub 20 - Fase Final
Data: 14 e 15 de abril
Local: Londrina, PR

Seletiva da Seleção Beisebol Infantil( duas seleções)
XXX Campeonato Mundial Infantil Nanshiki(27 a 30 de julho/2012) e
XXVI Campeonato Panamericano Sub 12 na Cidade de Managuá-Nicaraguá(06 a 16 setembro/2012).
Data: 21 e 22 abril de 2012
Local: C.T. Yakult - Ibiúna- SP

VIII Taça Brasil de Beisebol Inter Clubes Júnior
VI Copa Seattle Mariners

Data: 27, 28 e 29 de abril
Local: Ibiúna (CT Yakult), SP

VII Taça Brasil de Beisebol Inter Clubes Juvenil
VI Copa Seattle Mariners

Data: 27, 28 e 29 de abril
Local: Ibiúna (CT Yakult), SP

VIII TAÇA BRASIL de SOFTBOL feminino JÚNIOR
Data: 28 e 29 abril
Local: Coopercotia - SP

MAIO


Seletiva PRÉ- JÚNIOR (uma seleção)
MCYSA World Series 2012 Under 13 (nascidos a partir de 01 de maio de 1998)-.( 01 a 05/08/2012 Local: Crystal Lake, EUA)
Data: 05 e 06 de maio de 2012
Local: C.T. Yakult - Ibiúna - SP

Seletiva JÚNIOR (duas seleções)
I Campeonato Mundial Sub 15 (13, 14 e 15 anos)-(16 a 26/08/2012 - Chihuahua, México).
Data: 05 e 06 maio 2012
Local: C.T. Yakult - Ibiúna - SP

MCYSA World Series 2012 Under 15 (nascidos a partir de 01 de maio de 1996) -( 27/07 a 05/08/2012 - Crystal Lake, EUA)
Data: 05 e 06 maio 2012
Local: C.T. Yakult - Ibiúna- SP

Seletiva PRÉ-INFANTIL (uma seleção)
XVII Campeonato Panamericano Sub 10 (8, 9 e 10 anos)( 06 a 18/09/2012 - Puerto Viejo, Equador)
Data: 12 e 13 de maio 2012
Local: C.T. Yakult - Ibiúna - SP

VIII TAÇA BRASIL de SOFTBOL feminino INFANTIL e FESTIVAL TEBOL
Data: 19 e 20 maio
Local: Acema - Maringá- PR

VII Taça Brasil de Beisebol Inter Clubes Pré-Junior
Troféu Massaichi Izumi

Data: 26 e 27 de maio
Local: Londrina, PR

JUNHO

XVI Taça Brasil de Beisebol Inter Clubes Pré-Infantil
Data: 02 e 03 de junho
Local: Maringá, PR


XIV Campeonato Brasileiro de Beisebol Inter Clubes Juvenil Aberto - Fase Classificatória
Data: 02, 03, 09 e 10 de junho
Local: vários locais

Seletivas Pré-Infantil 2012
Data: 16 e 17 de junho
Local: Ibiúna (CT Yakult), SP

VIII TAÇA BRASIL de SOFTBOLfeminino JUVENIL
Data: 16 e 17 de junho
Local: Gecebs - Arujá - SP

XIV Campeonato Brasileiro de Beisebol Inter Clubes Juvenil Aberto – Fase Final
Data: 23 e 24 de junho
Local: Londrina ou Maringá, PR


JULHO

XIII TAÇA BRASIL de SOFTBOL feminino MIRIM
Data: 30 de junho e 01 de julho
Local: Marília - SP

XX Taça Brasil de Beisebol Inter Clubes Infantil
Data: 06, 07 e 08 de julho
Local: Londrina, PR

LXVI Campeonato Brasileiro de Beisebol Inter Clubes Adulto - Fase classificatória
Data: 07, 08, 14, 15, 21 e 22 de julho
Local: vários locais

LXVI Campeonato Brasileiro de Beisebol Inter Clubes Adulto – Fase Final
Data: 28 e 29 de julho
Local: Marília, SP

AGOSTO

XXXI CAMPEONATO BRASILEIRO de SOFTBOL feminino ADULTA
Data: 04 e 05 agosto
Local: Gecebs - Arujá - SP

XII Torneio Internacional de Beisebol Inter Clubes Infantil
Taça Luis Simizi

Data: 24, 25 e 26 de agosto
Local: Ibiúna (CT Yakult), SP

XXII CAMPEONATO BRASILEIRO de SOFTBOL feminino JUVENIL
Data: 25 e 26 agosto
Local: Acema - Maringá - PR

SETEMBRO


XV Festival Primavera de Beisebol Inter Clubes Pré-Infantil
Data: 01 e 02 de setembro
Local: Marília, SP

II Taça de Clubes Campeões de Beisebol Júnior
Data: 15 e 16 de setembro
Local: Ibiúna (CT Yakult), SP

IV Taça de Clubes Campeões de Beisebol Infantil João Tadashi Nakaie
Troféu Global Service

III Taça de Clubes Campeões de Beisebol Pré-Júnior João Tadashi Nakaie
Troféu Global Service

Data: 22 e 23 de setembro
Local: Ibiúna (CT Yakult), SP

LIV Campeonato Brasileiro de Beisebol Inter Clubes Juvenil - Fase Classificatória
Data: 29 e 30 de setembro, 06 e 07 de outubro
Local: vários locais

OUTUBRO

LIV Campeonato Brasileiro de Beisebol Inter Clubes Juvenil – Fase Final
Data: 13 e 14 de outubro
Local: Marília, SP

XXII CAMPEONATO BRASILEIRO de SOFTBOL femino JÚNIOR
Data: 20 e 21 outubro
Local: Marília - SP

XL Campeonato Brasileiro de Beisebol Inter Clubes Pré-Júnior
Data: 20 e 21 de outubro (até 16 equipes)
Local: Maringá, PR

NOVEMBRO

XIX Taça Brasil de Beisebol Inter Clubes Adulto – Fase Classificatória
Data: 03, 04, 10, 11, 17, 18, 24 e 25 de novembro
Local: São Paulo (Bom Retiro), SP

LXV Campeonato Brasileiro de Beisebol Inter Clubes Júnior
Data: 10 e 11 de novembro (até 16 equipes)
Local: Marília, SP

XXI CAMPEONATO BRASILEIRO de SOFTBOL feminino INFANTIL
Data: 10 e 11 novembro
Local: Coopercotia - SP

XXIX Campeonato Brasileiro de Beisebol Inter Clubes Infantil
Data: 16, 17 e 18 de novembro (até 16 equipes será em 2 dias)
Local: Presidente Prudente, SP

DEZEMBRO

XVI CAMPEONATO BRASILEIRO de SOFTBOL feminino MIRIM
Data: 01 e 02 de dezembro
Local: Anhanguera - S. Parnaiba - SP

XVII Campeonato Brasileiro de Beisebol Inter Clubes Pré-Infantil
Data: 07, 08 e 09 de dezembro
Local: Londrina, PR

XIX Taça Brasil de Beisebol Inter Clubes Adulto – Fase Final
Data: 15 e 16 de dezembro
Local: São Paulo (Bom Retiro), SP

Assembléia e Congresso Técnico da CBBS
Data: 14 e 15 de dezembro
Local: São Paulo, SP


NOTA:
OS CLUBES NÃO PODERÃO REALIZAR TORNEIOS OU JOGOS AMISTOSOS NAS MESMAS DATAS DOS CAMPEONATOS BRASILEIROS CONSTANTES NO CALENDÁRIO NACIONAL, QUANDO FOR DA MESMA CATEGORIA, UMA CATEGORIA ABAIXO OU UMA CATEGORIA ACIMA. ESTÃO LIBERADAS A
CATEGORIA VETERANOS DE BEISEBOL E O SOFTBOL FEMININO


.................................................................................................................................

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE BEISEBOL E SOFTBOL

CALENDÁRIO DE EVENTOS INTERNACIONAIS - 2012


XVII Campeonato Panamericano de Beisebol Sub 10 (8, 9 e 10 anos)
Data: 06 a 18 setembro de 2012
Local: Puerto Viejo, Equador

XXVI Campeonato Panamericano de Beisebol Sub 12 (1l e 12 anos)
Data: 06 a 16 de setembro de 2012
Local: Manágua, Nicarágua

XXX Campeonato Mundial de Beisebol Nanshiki Infantil
Data:27 a 30 julho de 2012
Local: Edogawa (Tóquio), Japão

XX Campeonato Panamericano de Beisebol Sub 15 (13, 14 e 15 anos)
Data: setembro de 2012
Local: Cartagena, Colômbia

MCYSA World Series 13U
Data: 01 a 05 de agosto de 2012
Local: Crystal Lake (Illinois), EUA

I Campeonato Mundial de Beisebol Sub 15
Data: 16 a 26 de agosto de 2012
Local: Chihuahua, México

MCYSA World Series 15U
Data: 27 de julho a 05 de agosto de 2012
Local: Crystal Lake (Illinois), EUA

Campeonato Mundial de Beisebol Sub 18 (16, 17 e 18 anos)
Data: setembro de 2012
Local: Coréia do Sul
(O Brasil não está classificado)

I Campeonato Panamericano de Beisebol Sub 21 (19, 20 e 21 anos)
Data: novembro de 2012
Local: Panamá, Panamá

World Baseball Classic Qualifiers 2012
Data: setembro/outubro de 2012
Local:


XI Campeonato Sul Americano de Beisebol Adulto
Data: novembro de 2012
Local: Santiago, Chile

V Copa do Mundo Feminino Sênior
Data: 10 a 19 de agosto de 2012
Local: Edmonton, Canadá


.................................................................................................................................
CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE BEISEBOL E SOFTBOL

EVENTOS OFICIAIS DO SOFTBOL 2012

Fevereiro
25/fev - X Torneio Início de Softbol Fem. Mirim – TIEMI YAJIMA Yakult - Ibiúna
26/fev - X Torneio Início de Softbol Fem. Mirim – TIEMI YAJIMA Yakult - Ibiúna

Março
24/mar - IX TAÇA BRASIL DE SOFTBOL FEMININO ADULTO Marília
25/mar - IX TAÇA BRASIL DE SOFTBOL FEMININO ADULTO Marília

Abril
28/abr - IX TAÇA BRASIL DE SOFTBOL FEMININO JÚNIOR Cooper
29/abr - IX TAÇA BRASIL DE SOFTBOL FEMININO JÚNIOR Cooper

Maio
19/mai - VIII TAÇA BRASIL DE SOFTBOL FEMININO INFANTIL FESTIVAL TEBOL Maringá
20/mai - VIII TAÇA BRASIL DE SOFTBOL FEMININO INFANTIL FESTIVAL TEBOL Maringá

Junho
16/jun - VIII TAÇA BRASIL DE SOFTBOL FEMININO JUVENIL Gecebs – Arujá
17/jun - VIII TAÇA BRASIL DE SOFTBOL FEMININO JUVENIL Gecebs – Arujá

Junho/Julho
30/jun - XIII Taça Brasil de Softbol Feminino Mirim Marília
01/jul - XIII Taça Brasil de Softbol Feminino Mirim Marília

Agosto
04/ago - XXXI CAMPEONATO BRAS. SOFTBOL FEM. ADULTO Gecebs – Arujá
05/ago - XXXI CAMPEONATO BRAS. SOFTBOL FEM. ADULTO Gecebs – Arujá
25/ago - XXII CAMPEONATO BRAS. SOFTBOL FEM. JUVENIL Maringá – PR
25/ago - XXII CAMPEONATO BRAS. SOFTBOL FEM. JUVENIL Maringá – PR

Outubro
20/out - XXII CAMPEONATO BRAS. SOFTBOL FEM. JÚNIOR Mariília
21/out - XXII CAMPEONATO BRAS. SOFTBOL FEM. JÚNIOR Marília

Novembro
10/nov - XXI CAMPEONATO BRAS. SOFTBOL FEM. INFANTIL Cooper – São Paulo
11/nov - XXI CAMPEONATO BRAS. SOFTBOL FEM. INFANTIL Cooper – São Paulo

Dezembro
01/dez - XVI CAMPEONATO BRAS. SOFTBOL FEM. MIRIM Anhanguera – S. Parnaiba
02/dez - XVI CAMPEONATO BRAS. SOFTBOL FEM. MIRIM Anhanguera – S. Parnaiba

NÃO DEVERIA SER CONCEDIDA UMA BASE EXTRA AO BATEDOR?

Corredor na 2ª base, contagem de bolas (“ball count”) sobre o batedor: 3 – 1 (três “balls” – um “strike”). No momento de soltar a bola, o arremessador desequilibrou-se e fez um arremesso descontrolado (“wild pitch”) –a bola passou sobre a cabeça do receptor e foi diretamente contra a máscara do árbitro. (A bola ficou presa na máscara.) O corredor da 2ª base foi autorizado a ir à 3ª base, e o batedor, à 1ª base. Como o batedor já havia adquirido o direito de ir à 1ª base por “ball four” (quatro “balls”), o árbitro não deveria conceder-lhe uma base extra e mandá-lo à 2ª base?

Não obstante, nessa situação, a cada corredor seja concedido o direito de avançar uma base, sem o risco de ser eliminado, o batedor pode ir somente até a 1ª base, de acordo com a Regra 7.05 (i).

quinta-feira, 19 de abril de 2012

O PONTO É VÁLIDO?

O corredor está tentando um “home steal” (roubo de “home”). O batedor acerta um “fly” para o jardim esquerdo (“leftfield”). O corredor desliza sobre o “home base” no momento em que a bola vai ao solo –é um “one-base hit” (rebatida indefensável de uma base); ele, porém, achando que a bola fora apanhada no ar, levanta-se, retoca o “home base” e tenta retornar à 3ª base –antes de alcançá-la é tocado com a bola por um defensor. O ponto é válido?

Sim. Um ponto anotado legalmente não pode ser anulado por causa de uma ação subsequente do corredor, a menos que tal ação tenha o propósito de confundir a defesa ou ridicularizar o jogo.

[Regras 5.06 – vide Comentário, 7.08 (i)]

 Fonte: DIAMOND CHALLENGE, de Jim Evans

terça-feira, 17 de abril de 2012

REUNIÃO DA DEFENSIVA PARA ORIENTAR JOGADORES

Softbol

Um eliminado, corredor na 2ª e 3ª base. O técnico da equipe na defensiva solicitou TEMPO e reuniu-se com o arremessador para passar-lhe instruções. Reiniciado o jogo, o batedor obteve o direito de ir à 1ª base por “ball four” (quatro "balls"). As bases ficaram lotadas. O técnico, então, pediu TEMPO novamente e foi conversar com o defensor da 3ª base. Essa reunião deve ser permitida?
Deve ser permitida. A equipe na defensiva pode reunir-se três vezes no decorrer dos sete “innings” normais; e pode reunir-se duas vezes ou três vezes no mesmo “inning”. Se forem jogados “innings” extras, será permitida uma reunião por cada “inning” além do sétimo.

(Regra 5 – Seção 8b)
Fonte: Official  Softball Rule Case Book, editado pela JSA  - Japan Softbal l Association

VISITA AO ARREMESSADOR

O técnico da equipe na defensiva estava retornando ao "dugout" depois de conversar com o arremessador. No meio do caminho, resolveu voltar para passar-lhe novas instruções. Deve-se contar duas visitas?
 
Beisebol

Um técnico ou “coach” é considerado ter concluído sua visita ao montículo (“mound”) quando deixa o círculo de 18 pés que circunda o “pitcher’s plate”. Portanto, se ele  voltar para conversar novamente com o arremessador, após sair do círculo, serão contadas duas visitas.
[Regra 8.06 (d)]
Softbol
A visita ao arremessador é considerada encerrada no momento em que o técnico cruza a linha de "foul", a caminho do "dugout".  
 
(Regra 5 - Seção 8b-3)

segunda-feira, 16 de abril de 2012

CORREDOR ATINGIDO POR UMA BOLA REBATIDA “FAIR” ENQUANTO ESTÁ SOBRE UMA BASE

O corredor da 1ª base iniciou a corrida para tentar um “steal” (roubo de base) no momento em que o arremessador levantou o pé livre e o direcionou ao “home plate”.  O batedor acertou uma potente rebatida “ground”. A bola passou ao lado do arremessador e atingiu o corredor que acabara de chegar deslizando à 2ª base. (O corredor foi declarado “safe” e estava sobre a base quando a bola o atingiu.) Como deve ser decidido este lance?

De acordo com a Regra 7.08 (f), o corredor é “out” --ainda que esteja em contato com sua base--, exceto quando é atingido por um “Infield Fly”.

Regra 7.08 (f): Um corredor é eliminado quando é atingido, em território “fair”, por uma bola “fair” que não tenha tido contato com um defensor do campo interno, incluindo o arremessador, ou não tenha passado um defensor do campo interno, com exceção do arremessador. A bola torna-se morta e nenhum corredor pode anotar ponto, nem avançar, exceto aqueles que estejam forçados a fazê-lo. Vide Regras 5.09 (f) e 7.09 (k). EXCEÇÃO: Se um corredor que está tocando sua base for atingido por um “infield Fly”, ele não será eliminado, embora o batedor o seja.

Fonte: “DIAMOND CHALLENGE”, de Jim Evans

No softbol, o corredor não é eliminado quando é atingido por uma bola rebatida “fair” não tocada, enquanto está em contato com sua base, a menos que interfira, intencionalmente, no curso da bola, ou na ação de um defensor que está fazendo uma jogada. A bola torna-se morta ou permanece viva, dependendo da posição do defensor que está mais perto da base. (Regra 8 – Seção 10m – vide NOTA)

domingo, 15 de abril de 2012

COMPORTAMENTO INADEQUADO DE JOGADORES REMOVIDOS DO JOGO

Jogadores removidos do jogo e autorizados a permanecer no “bench” estavam se comportando de maneira inadequada, dirigindo palavras desairosas a jogadores e técnico da equipe adversária.  Que providência deve tomar o árbitro?

O árbitro deve, inicialmente, adverti-los de que tal comportamento deve cessar. Se eles continuarem procedendo dessa forma antidesportiva, estarão sujeitos a uma penalidade, que será estabelecida a critério do árbitro.

[Comentário – Regra 3.06, Regra 9.01 (c)]

sábado, 14 de abril de 2012

INDICAÇÃO DA QUANTIDADE DE ELIMINAÇÕES (“OUT COUNT”)

Os árbitros devem indicar a quantidade de eliminações somente quando há corredor(es) em base. A indicação deve ser feita da seguinte maneira:

1) “No out” (nenhuma eliminação): com as mãos fechadas.

2) “One out” (uma eliminação): com o dedo indicador das duas mãos.

3) “Two out” (duas eliminações): com os dedos indicador e médio das duas mãos.

Os braços devem ser estendidos para os lados do corpo.

sexta-feira, 13 de abril de 2012

QUADRO DE ATUAÇÕES

Pedimos a todos os árbitros que preencham o Quadro de Atuações. Ele é um resumo de todas as suas atuações durante o ano. Podem incluir quaisquer jogos, seja de torneios oficiais, não oficiais (de clubes) ou amistosos.

Este Quadro de Atuações deverá ser entregue no final do ano aos coordenadores ou ao Diretor Técnico da AAABSB e será usado como base para a reciclagem que pretendemos fazer no início do próximo ano.

Baixe e imprima o Quadro de Atuações aqui.


Alberto Iwano
Secretário de Beisebol AAA
Tel.: (11) 8145-3599

ERRO DE UM NOVATO

Com um “out”, a equipe de Dodgers tem Eddie Murray na 3ª base e um novato na 1ª base. Kirk Gibson, com sua tacada, manda a bola na direção do muro do jardim central (“center field”), mas Dale Murphy faz uma defesa sensacional, “pescando” a bola com sua luva estendida acima da cerca. Murray anota ponto facilmente no “fly de sacrifício”. Mas o corredor da 1ª base, achando que seria uma rebatida indefensável (“hit”), e que poderia avançar pelo menos duas bases, esboça correr para a 3ª base fazendo uma curva após ultrapassar a 2ª base. Percebendo que o jardineiro central (“center fielder”) apanhara a bola, tenta voltar à 1ª base. No seu retorno à 1ª base, porém, ele omite a 2ª base, e, por essa razão, é eliminado em apelação – terceira eliminação.

O ponto é válido? Deve ser atribuído um “run batted in” (ponto empurrado) a Gibson?
Sim, o ponto é válido porque a terceira eliminação não ocorreu em jogada forçada.

Regra 4.09 (a) - Não será anotado um ponto se o corredor avançar ao “home base” durante uma jogada em que a terceira eliminação é feita: (1) sobre o batedor-corredor, antes que ele toque a 1ª base; (2) sobre qualquer corredor, em jogada forçada; ou (3) sobre um corredor precedente, que é eliminado por ter deixado de tocar uma das bases.
A Gibson deve ser atribuído um “run batted in” e um “fly” de sacrifício.

Fonte: BIG LEAGUE Baseball PUZZLERS, de Dom Forker

quinta-feira, 12 de abril de 2012

BOLA LANÇADA ATINGE O CAPACETE CAÍDO NO SOLO

O batedor acertou um “hit” (rebatida indefensável) em direção ao jardim direito (“rightfield”) e, quando corria entre a 1ª e a 2ª bases, deixou seu capacete cair. A bola lançada pelo jardineiro direito (“rightfielder”) atingiu esse capacete e desviou. Aproveitando-se disso, o batedor-corredor conseguiu chegar à 3ª base. Como deve ser decidido este lance?

Beisebol

Desde que o batedor-corredor não tenha derrubado o capacete, intencionalmente, o jogo deve prosseguir normalmente.

Se, na opinião do árbitro, um corredor derruba o capacete, ou atira-o contra uma bola rebatida ou lançada, com a intenção de interferir numa eventual jogada, esse corredor deve ser declarado “out”. A bola torna-se morta e cada corredor tem de retornar à última base tocada legalmente (no caso de bola rebatida, à base que estava ocupando no momento do arremesso, e no caso de bola lançada, à base que estava ocupando no momento da Interferência).

 [Comentário – Regra 6.05 (h)]

 Softbol

Se um jogador da defensiva tiver contato com o capacete caído no solo, e esse contato impedi-lo de executar uma jogada, a bola ficará morta, o jogador da ofensiva que estava usando o capacete será eliminado, mesmo que tenha pisado o “home plate”, e o ponto será anulado.

[Regra 3 – Seção 6f - EFEITO – Seção 6f (ii)-4]

quarta-feira, 11 de abril de 2012

UM ‘TIPPU’* BATE NA MÁSCARA DO ÁRBITRO E O RECEPTOR APANHA A BOLA NO REBOTE

Corredor na 1ª base, um eliminado, contagem de bolas (“ball count”) sobre o batedor: 1 – 2 (um “ball” – dois “strikes”). O batedor girou o “bat” com vontade para tentar rebater o arremesso seguinte. A bola triscou o “bat” –foi para trás—e, sem ter contato com a luva do receptor, bateu na máscara do árbitro; o receptor levantou-se rapidamente e apanhou-a no rebote. O batedor é “out”? O corredor pode avançar?

Não. É um “foul ball”. A contagem de bolas continua inalterada –um “ball” e dois “strikes”—e o corredor permanece na 1ª base.

[Comentário – Regra 5.09 (g)]

*‘TIPPU’ vem de “TIP”, que quer dizer parte mais alta, extremidade etc. É aquela bola arremessada que roça levemente (trisca) a parte mais alta do cilindro do "bat" e voa para trás.

terça-feira, 10 de abril de 2012

INTERFERÊNCIA DO RECEPTOR

Corredor na 1ª e 3ª base, um eliminado. Com um “hit simples”* –a bola passou sobre a “almofada” da 2ª base e foi parar no jardim central—o batedor chegou a salvo à 1ª base. O corredor da 1ª base, porém, foi eliminado na 2ª base em jogada forçada. Enquanto isso, o corredor da 3ª base pisou o “home base”.   Ocorre que, no momento em que o batedor fez “swing”*, o “mitt”* do receptor teve contato com o “bat”. Como deve ser decidido este lance? 

(A bola permanece viva até a conclusão da jogada.) O técnico da equipe na ofensiva poderá optar pela aplicação da regra de Interferência da Defensiva –o batedor será mandado à 1ª base,  o corredor da 1ª base ocupará a 2ª base, e o corredor que pisou o “home base” retornará à 3ª base; o jogo prosseguirá com as bases cheias e um eliminado—ou pelo resultado da jogada –será anotado um ponto; o jogo prosseguirá com corredor na 1ª base e dois eliminados. 

Se nessa jogada o corredor da 1ª base tivesse chegado “safe” à 2ª base, a falta cometida pelo receptor não seria levada em consideração. 

[Beisebol - Regra 6.08 (c), Comentário – Regra 6.08 (c)]

 (Softbol – Regra 8 – Seção 1d, Regra 8 – EFEITO – Seção 1d)

*“Hit simples” é uma rebatida indefensável por meio da qual o batedor alcança a 1ª base com segurança.

*“Swing” quer dizer balançar, girar, rodar etc. Fazer “swing” significa girar (rodar) o "bat" para tentar rebater a bola arremessada.

*“Mitt” é um tipo especial de luva que oferece maior proteção à mão de uma pessoa. No beisebol e no softbol, há luva especial para receptor (“catcher’s mitt” = ‘kyatti mitto’) e também para defensor da 1ª base (“first baseman’s mitt” ou “first mitt” = ‘fasto mitto’).

segunda-feira, 9 de abril de 2012

BATEDOR ATINGIDO POR UM ARREMESSO

Contagem de bolas (“ball count”) sobre o batedor: 2 “strikes”.

1)      O batedor gira o “bat” para tentar rebater o arremesso seguinte; a bola bate na sua mão e cai em território “foul”.

2)      O batedor não tenta rebater o arremesso; a bola toca qualquer parte do seu corpo.  

No primeiro caso, o batedor é “out”. 

No segundo caso, o batedor será eliminado se isso ocorrer na zona de “strike”; do contrário, será autorizado a ir à 1ª base –se tiver tentado se esquivar da bola—ou será declarado um “ball” –se não tiver tentado se esquivar da bola.

Sempre que o batedor é atingido por um arremesso, a bola torna-se morta e nenhum corredor pode avançar.

domingo, 8 de abril de 2012

INDICAÇÃO DA CONTAGEM DE BOLAS ARREMESSADAS (“BALL COUNT”)

O árbitro de “home” não precisa mostrar a quantidade de “ball” e “strike” após cada arremesso.

De acordo com a orientação que recebemos de um instrutor internacional que ministrou um curso a nossos árbitros, anos atrás, o árbitro deve indicar o “ball count” a cada três arremessos; após declarar o segundo “strike”; após declarar o terceiro “ball”; quando a contagem chega a 3 – 2 (três “balls” – dois “strikes”); ou quando há solicitação de arremessador, receptor, batedor, técnico etc.

Quando a contagem chega a 3 - 2, a quantidade de “ball” deve ser indicada  com três dedos (de preferência com os dedos médio, anular e mindinho) da mão esquerda, e a de “strike”, com dois dedos (indicador e médio) da mão direita; nunca com as duas mãos fechadas.

Quando vai informar verbalmente a contagem de bolas, deve falar primeiro a quantidade de “ball”. Por exemplo: 1 – 2 (um “ball” – dois “strikes”).

Não há necessidade de indicar “no ball” (nenhum “ball”), com a mão esquerda fechada,  ou “no strike” (nenhum “strike”), com a mão direita fechada.

Para conferir a contagem de bolas com seus companheiros, os árbitros devem comunicar-se verbalmente ou através de gesto.

sábado, 7 de abril de 2012

TÉCNICO OFENDE UM ÁRBITRO PROFERINDO PALAVRAS OBSCENAS CONTRA ELE

Segunda metade do último “inning”, placar empatado, corredor na 2ª base, dois eliminados. O ‘pintchi hitta’*, que entrou para bater no lugar do oitavo batedor, acertou uma rebatida indefensável à frente do jardineiro central. O corredor da 2ª base passou pela 3ª base legalmente e chegou deslizando ao “home plate”, mas foi declarado eliminado numa jogada apertada. O técnico da equipe na ofensiva, não concordando com a decisão, deixou o “bench” e foi furiosamente em direção ao árbitro de “home”; e com dedo em riste, proferiu palavras obscenas contra ele e ofendeu-o. Que medidas deve tomar o árbitro?

Deve expulsá-lo do jogo. O infrator deve sair do campo de jogo.  

 [Regra 4.06 (a) (2) - PENALIDADE]

*‘Pintchi hitta’ vem do inglês “pinch hitter”, termo usado para designar um batedor que entra no jogo numa situação de emergência. ‘Pintchi hitta’ = Batedor de emergência.

quinta-feira, 5 de abril de 2012

FOTOS DA CERIMÔNIA DE ENTREGA DE CERTIFICADOS DO XVI CURSO DE ARBITRAGEM EM BEISEBOL DA AAABSB

Para ver as fotos e baixar, clique aqui.

Alberto Iwano
Secretário de Beisebol AAA

MANUAL DE MECÂNICA PARA O SISTEMA DE QUATRO ÁRBITROS

Está sendo disponibilizado o MANUAL DE MECÂNICA PARA O SISTEMA DE QUATRO ÁRBITROS, criado pela Liga Mexicana de Beisebol.

Esta mecânica é usada nas categorias Pré-Jr. e acima. Não é indicada para as categorias Pré-Infantil e Infantil (nestas categorias o árbitro da 2ª base não interna).

Nas categorias Pré-Infantil e Infantil pode ser usada a mecânica "sem corredores em base".

Para visualizar o manual diretamente na Internet ou baixar para o seu computador, clique aqui.

Alberto Iwano
Secretário de Beisebol AAA

QUEM DEVE SER ELIMINADO? O CORREDOR, O BATEDOR-CORREDOR, OU AMBOS?

Corredor na 1ª e 2ª base, nenhum eliminado, jogada de “hit and run”*. O batedor acertou um “ground ball” forte para o campo interno. O interbases –que estava posicionado mais recuado do que o normal—avançou alguns passos, efetuou a defesa e lançou à 2ª base.  O corredor da 1ª base deslizou normalmente à 2ª base e foi   declarado “safe”; mas em seguida, levantando-se rapidamente, agarrou o braço do defensor da 2ª base e estorvou-o no momento em que ele se preparava para lançar à 1ª base. Quem deve ser eliminado? O corredor, o batedor-corredor, ou ambos?

O corredor da 1ª base deve ser eliminado por Interferência, aplicando a Regra 7.08 (b); a bola fica morta.  Ao batedor-corredor deve ser concedida a 1ª base e o corredor da 2ª base tem de retornar à sua base.

Fonte: Manual do Árbitro da N.A.P.B.L. – National Association of Professional Baseball Leagues

*“Hit and run” significa bater e correr. É aquela jogada em que o batedor tem de rebater a bola arremessada, com certeza, porque o corredor já está iniciando a corrida para a base seguinte.

quarta-feira, 4 de abril de 2012

REGRA EXPERIMENTAL

Em 1911, numa tentativa de acelerar jogos, a Liga Americana experimentou uma regra que não permitia arremessos preparatórios entre “innings”.

Durante um jogo entre Red Sox e Athletics, o arremessador Ed Karger (do Red Sox), sorrateiramente, efetuou alguns arremessos de aquecimento enquanto seus companheiros estavam se dirigindo a suas posições.
Stuffy McInnis (do Athletics), que estava no Círculo do Batedor Seguinte nesse momento, aproveitou-se da situação; entrou furtivamente no “batter’s box” e rebateu forte um dos arremessos de Karger –a bola foi parar na cerca do jardim esquerdo (“leftfield”). McInnis, então, deu a volta no campo e pisou o “home plate”.

Essa rebatida --“inside-the-park home run”*-- é válida?
De acordo com as regras da época, a jogada foi considerada válida, e Karger foi penalizado em razão da conduta “ilegal”.

Fonte: BIG LEAGUE Baseball PUZZLERS, de Dom Forker

*“Inside-the-park home run” = “running home run” = “home run” com a bola rebatida dentro do campo.

terça-feira, 3 de abril de 2012

TRÊS CORREDORES CRUZARAM O "HOME PLATE" MAS NENHUM PONTO FOI ANOTADO

Dois “outs”, bases cheias.  O batedor acertou uma rebatida tripla (“three-base hit”) e empurrou os três corredores para “home”. O corredor da 3ª base, porém, deixou de pisar o “home plate”. O receptor pediu a bola e apelou ao árbitro. Qual deve ser a decisão do árbitro?

O árbitro deve eliminar o corredor da 3ª base. E como nessa jogada de apelação foi completada a terceira eliminação, nenhum dos corredores seguintes pode anotar.

[Regras: 7.10 (b) - vide REGRA APROVADA, 7.12]
Vejamos o que diz a Regra 7.12: A menos que haja duas eliminações, a situação de um corredor subsequente não será afetada se um corredor precedente deixar de tocar ou retocar uma base. Se, devido a uma apelação, o corredor precedente for eliminado e completar a terceira eliminação, nenhum corredor subsequente poderá anotar. Se essa terceira eliminação for o resultado de uma Jogada Forçada, tanto os corredores precedentes como os subsequentes não anotarão ponto.

Fonte: EL BEISBOL – Arbitros en el Terreno, de Humberto Vázquez

segunda-feira, 2 de abril de 2012

JOGADA DE APELAÇÃO

Corredor na 2ª base, um eliminado. O batedor acertou um single*. O corredor da 2ª base passou pela 3ª base --sem pisá-la-- e chegou safe ao home plate. No momento em que o outfielder (defensor do campo externo) lançou para home, o batedor-corredor avançou e conseguiu alcançar a 2ª base com segurança. Foi declarado TIME. A bola voltou ao mound (montículo). O arremessador assumiu a Posição Set; e quando o árbitro ordenou “PLAY!”, saiu do pitcher’s plate legalmente, olhou o corredor da 2ª base e, em seguida, lançou à 3ª base para fazer a apelação. O lançamento, porém, foi mal executado –a bola passou pelo defensor da 3ª base e foi parar em área de bola morta. O corredor que estava na 2ª base foi, corretamente, autorizado a ir para home. A defensiva poderá ainda apelar na 3ª base sobre o corredor que estava originalmente na 2ª base quando uma nova bola for posta em jogo?

Não. As jogadas para tentar eliminar o corredor que estava originalmente na 2ª base, no “home”, e o batedor-corredor, na 2ª base, não cancelam o direito de a equipe na defensiva apelar, já que eram parte da ação contínua originada em seguida à bola rebatida.  Entretanto, uma vez que a equipe na defensiva “errou” (isto é, lançou a bola para área de bola morta) em sua tentativa de apelar na 3ª base, ela perdeu o direito de fazer nova apelação. O ato de lançar a bola para área de bola morta, nesta situação, é considerado uma tentativa de jogada.

(Regra 7.10)

Fonte: Manual do Árbitro da N.A.P.B.L. – National Association of Professional Baseball Leagues

*Single  é uma rebatida indefensável por meio da qual o batedor-corredor consegue chegar a salvo  à 1ª base.

domingo, 1 de abril de 2012

“BASE COACH”* FORA DO “COACH’S BOX”*

Rebatida indefensável ao jardim central. O corredor da 2ª base passou pela 3ª base e deu alguns passos em direção ao “home plate”.  Nesse momento, o defensor da 3ª base estava prestes a receber a bola lançada pelo jardineiro central. Vendo isso, o “coach” deixou o “coach’s box” e chegou bem próximo à linha de base para mandar o corredor retornar. O árbitro deve permitir isso?

Sim, desde que ele não atrapalhe a jogada da defensiva, de alguma maneira.

Vale lembrar que um “coach” deve ser considerado fora do “coach’s box” somente quando o técnico da equipe oponente reclama,  e nesse caso o árbitro deve aplicar rigorosamente a regra e exigir que os “coaches” de ambas as equipes permaneçam o tempo todo dentro do “coach’s box”.

Beisebol - Comentário – Regra 4.05)

 (Softbol – Regra 4 – Seção 1 – EXCEÇÃO)

*“Base Coach” é um membro da equipe, uniformizado, que fica no “coach’s box” da 1ª ou 3ª base para orientar o batedor e os corredores.

*“Coach’s Box” é a área dentro da qual o “coach” deve permanecer enquanto exerce sua função.