terça-feira, 31 de janeiro de 2012

CORREDOR OBSTRUÍDO NUM “RUN-DOWN PLAY”*

Percebendo que o corredor da 2ª base estava se afastando abusivamente da 'almofada', o arremessador tirou o pé de apoio do “pitcher’s plate” legalmente e lançou ao defensor da 2ª base para tentar eliminá-lo. O corredor, apanhado de surpresa, ficou parado onde se encontrava; e então teve início um “Run-Down Play” (Jogada de Perseguição). Quando o corredor, cansado do vaivém entre as bases, tentou retornar à 2ª base, foi obstruído pelo defensor da 2ª base.

O corredor deve ser autorizado a ir à 3ª base --uma base além da última base tocada legalmente antes da Obstrução--, sem levar em conta se ele estava avançando ou retornando quando foi obstruído.

[Regra 7.06 (a)]

No softbol, o corredor será autorizado a ir à base seguinte, se for obstruído quando está avançando, ou a voltar à base que estava ocupando antes da Obstrução, se for obstruído enquanto está retornando.

(Regra 8 – Seção7b, Regra 8 – EFEITO – Seção 7b)

*Run-Down Play” é uma jogada em que a defensiva tenta eliminar um corredor entre bases.

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

INTERFERÊNCIA COMETIDA POR UM CORREDOR DECLARADO ELIMINADO

Lance ocorrido num jogo de beisebol da Categoria Adultos: Um eliminado, corredor na 1ª base, rebatida “ground” para o campo interno. O defensor da 3ª base apanhou a bola e, lançando-a rapidamente à 2ª base, concretizou a segunda eliminação.  Quando o defensor da 2ª base se preparava para lançar à 1ª base, o corredor eliminado, agitando os braços erguidos, atrapalhou a jogada. O árbitro da 2ª base apontou a infração (Interferência da Ofensiva) e eliminou o batedor-corredor.

Decisão correta. Ele aplicou a Regra 7.09 (e).

De acordo com esta regra, o corredor que seria o alvo da jogada --neste caso o alvo era o batedor-corredor-- será declarado eliminado devido à Interferência cometida por seu companheiro de equipe.

Se essa jogada tivesse acontecido num jogo de softbol, seria aplicada a Regra 8 – Seção 9o.  

De acordo com esta regra, o corredor que estiver mais perto do “home plate”, no momento da Interferência, será declarado eliminado.

domingo, 29 de janeiro de 2012

PROCEDIMENTO PARA DECLARAR UMA INTERFERÊNCIA DA DEFENSIVA

Interferência da Defensiva é um ato mediante o qual o receptor ou qualquer defensor estorva um batedor ou impede que ele rebata um arremesso.

Quando ocorre uma Interferência da Defensiva, o árbitro de home deve (1) ficar de pé e declarar “INTERFERÊNCIA!”, apontando para o jogador infrator; (2) “matar” a bola --fazer o mesmo gesto de Time (ambas as mãos acima da cabeça); e (3) mandar o batedor à 1ª base.  (Se o bat tiver contato com o mitt, deve bater levemente a mão esquerda com a mão direita.)  

Se ocorrer uma jogada a despeito da Interferência, o árbitro de home deve (1) sinalizar a infração e aguardar a conclusão do lance --a bola continua em jogo; (2)  concluído o lance, deve tomar uma das duas decisões: aceitar a opção da equipe na ofensiva (pelo resultado da jogada ou pelo direito de mandar o batedor à 1ª base) ou ordenar o prosseguimento normal da partida, sem levar em consideração a falta cometida pela defensiva (se o batedor chegar à 1ª base por meio de uma rebatida indefensável, um erro, quatro “balls”, por ter sido atingido pelo arremesso, ou de outra forma, e todos os corredores avançarem pelo menos uma base).

ASB-CBBS - CREDENCIAMENTO E HABILITAÇÃO DE ÁRBITROS DE SOFTBOL

Credenciamento e habilitação de arbitragem para jogos oficiais de softbol - 2012/ ASB-CBBS
Publicado em 29 de Janeiro de 2012, às 01h17
Por: divulgação
Credenciamento e habilitação de arbitragem para jogos oficiais de softbol - 2012/ ASB-CBBS Árbitros Softbol do Brasil
Do: Departamento de Arbitragem do Softbol do Brasil ASB-CBBS
Para: Todos os Clubes e Árbitros de Softbol atuantes
Ref.: CREDENCIAMENTO E HABILITAÇÃO para os Jogos Oficiais do Softbol em 2012 - Coopercotia Atlético Clube
(Obrigatório aos árbitros do Softbol)
Conforme rege o CT 04 / Soft 3.2 do Regimento Básico de Competição:
O Departamento de Arbitragem do Softbol ASB, com a supervisão da CBBS –Confederação Brasileira de Beisebol e Softbol, vem a comunicar ao Departamento, Diretores e Árbitros dos Clubes de Softbol que faremos o credenciamento dos árbitros para o ano 2012
Local: Coopercotia Atlético Clube - S.Paulo.
Data: 11 fevereiro de 2012 (sábado).>>>será feito em um dia.
Horário: 08:00 h > 18:00h (sem excessão) , após será realizado um churrasco/confraternização no local.
Obs :Uniformizados ,c/ livro de regra e sem material de campo.
Mais informações :
Fernando Matsumori - 11-9919-3330- fmatsumori@terra.com.br
Mario Yoshida - 11-8583 4257 - granil2002@yahoo.com.br
Carlos Oba - 11-9978 8267 – obacarlos28@gmail.com
Nelson Yajima - 11-9985 3060 - asbsoftbol@uol.com.br
Armando Kunitake- 11-96841361 – a.kiyoshi@ig.com.br

sábado, 28 de janeiro de 2012

ALTERAÇÃO DO CURSO DE ANOTAÇÃO - BEISEBOL/SOFTBOL - EM SÃO PAULO

Alteração do Curso de Anotação em São Paulo

Venho por esse informar o cancelamento do curso que seria no Coopercotia no final de semana do Carnaval, pois um número razoável de pessoas que entraram em contato conosco informaram que se não fosse no Carnaval eles iriam fazer, com isso peço inúmeras desculpas as pessoas que se empenharam em conseguir local para os cursos nessas datas...
Então os cursos da capital serão no Gecebs dividido em 2 finais de semanas:
17 e 18 de Março - Curso IBAF
24 e 25 de Março - Curso Codificado.
Os valores são os mesmos.
R$25,00 material impresso
R$20,00 material digitalizado.
Confirmar presença para qualquer um dos cursos até o dia 02 de Março no e-mail anotacaobs@gmail.com, informando nome completo, telefone, clube/universidade e qual material deseja.
Peço a gentileza que repassem essas informações e seja divulgada nos sites.
Obrigado!
Abraços,
Rafael Guem Murakami

MUDANÇA DE POSIÇÕES NA DEFENSIVA

Ernie Banks, que jogou mais de 1.000 partidas em duas posições –interbases e 1ª base– durante sua carreira na Major League, um dia torceu o joelho enquanto corria as bases. Seu técnico, Leo Durocher, não queria remover seu melhor batedor do jogo; resolveu, então, fazer uma alteração nas posições –Banks, que estava atuando como interbases, foi deslocado para a 1ª base, e o defensor da 1ª base foi ocupar a posição de interbases. O técnico, porém, esqueceu de comunicar a mudança ao árbitro de “home”. Há algum problema?

Não. Os defensores que estão atuando no jogo podem mudar de posições sem informar a alteração ao árbitro. Não há penalidade.

[Regras 3.08 (a) (3) e 3.08 (b)]

 Fonte: BIG LEAGUE Baseball PUZZLERS, de Dom Forker.

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

CONCESSÃO DE BASES

Com corredor(es) em base, uma bola arremessada descontroladamente (“wild pitch”) desviou após bater na caneleira do receptor e foi rolando em direção ao “dugout” do lado da  1ª base. O receptor “mergulhou” no chão e tentou bloqueá-la, mas não conseguiu –a bola teve contato com seu ‘kyattimitto’* e foi parar no meio de jogadores que estavam sentados nos bancos.  E agora? Como decidir este caso?

Se o árbitro achar que a bola teria entrado no “dugout”, de qualquer forma, ou seja, mesmo que o receptor não a tivesse tocado quando tentou bloqueá-la, será concedida uma base a todos os corredores a partir da posição que eles ocupavam no momento do arremesso. A bola torna-se morta.

 [Regra 7.05 (h), Manual do Árbitro da N.A.P.B.L. – National Association of Professional Baseball Leagues – Seção 3 – item 3.8]

 *‘Kyattimitto’ vem do inglês “catcher’s mitt” = luva do receptor.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

AAABSB - CURSO DE FORMAÇÃO DE ÁRBITROS DE BEISEBOL - 2012

MUDANÇA DE LOCAL

Será na sede do GECEBS, em Arujá.

Segue abaixo mapa para localização do clube.

Para qualquer informação, favor entrar em contato com ALBERTO IWANO
Telefone: (11) 8145-3599


BATEDOR FORA DE ORDEM

Quando a contagem de bolas sobre o batedor incorreto “A” estava em 3 – 1 (três “balls” – um “strike”), o técnico da equipe na ofensiva informou o árbitro de “home” sobre o erro na ordem de batedores e chamou o batedor correto “B” ao “batter’s box”. O árbitro deve permitir essa troca?

Sim. A contagem de bolas será transferida para o batedor correto.

[Beisebol: Regra 6.07 (a) (1)]

 (Softbol: Regra 7 – EFEITO – Seção 2c-d/1)

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

BATEDOR-CORREDOR ELIMINADO POR INTERFERÊNCIA

Um “out”, corredor na 1ª e 3ª base, rebatida “ground” fraca na frente do receptor. O batedor-corredor, que estava correndo fora da faixa de três pés*, foi atingido nas costas pela bola lançada pelo receptor. Quando o árbitro apontou a Interferência da Ofensiva, o corredor da 3ª base já havia pisado o “home plate”, porém o da 1ª base não havia chegado à 2ª base. Que decisão deve ser dada a este lance?

Beisebol

O batedor-corredor é eliminado por Interferência da Ofensiva; e como ele não havia tocado a 1ª base, os corredores têm de retornar às bases que estavam ocupando legalmente no momento do arremesso. A bola torna-se morta.

[Regra 6.05 (k), Comentário – Regra 2.00 “INTERFERENCE” (a), RETORNO DE CORREDORES QUANDO A BOLA SE TORNA MORTA (A) (f)]

Softbol

O batedor-corredor é eliminado por Interferência. Os corredores têm de retornar às bases que estavam ocupando legalmente no momento do arremesso. A bola torna-se morta.

 (Regra 8 – Seção 2g,  Regra 8 – Seção 8c, Regra 8 – EFEITO – Seção 8a-g)

*Faixa de três pés é aquela área demarcada a partir do ponto onde inicia a segunda metade da distância entre o “home plate” e a 1ª base, dentro da qual o batedor-corredor tem de correr enquanto avança à 1ª base.

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

BATEDOR REBATE UM ARREMESSO USANDO “BAT” MODIFICADO

Nenhum eliminado, corredor na 1ª e na 2ª bases. A bola rebatida foi rolando em direção à 3ª base. O defensor da 3ª base efetuou a defesa e tentou um “double play” (jogada dupla) --pisou a “almofada” e lançou rapidamente à 1ª base--, mas não conseguiu; o batedor-corredor foi declarado “safe”. No momento da rebatida o “bat” se partiu em dois, e o árbitro descobriu que ele havia sido alterado. O batedor foi declarado eliminado por ação ilegal e expulso do jogo; o corredor da 1ª base retornou; a eliminação na 3ª base foi mantida; e o jogo teve prosseguimento com dois eliminados e corredor na 1ª base.

Decisão correta. Foi aplicada a Regra 6.06 (d), que diz: Um batedor é eliminado por ação ilegal quando usa ou tenta usar um “bat” que, na opinião do árbitro, tenha sido alterado ou modificado ilegalmente com o propósito de melhorar o fator distância ou causar uma reação anormal na bola. Não será permitido nenhum avanço nas bases, e qualquer eliminação feita durante uma jogada será mantida. Além de ser declarado eliminado, o jogador deve ser expulso do jogo e pode estar sujeito a penalidades adicionais determinadas pelo Presidente da Liga.

Comentário – Regra 6.06 (d): Um batedor será julgado como se tivesse usado ou tentado usar um “bat” ilegal se ele leva tal “bat” para dentro do “batter’s box”.

No softbol, o batedor é eliminado quando: (1) entra no “batter’s box” com um “bat” alterado*, ou é descoberto usando um “bat” alterado --neste caso, o jogador, além de ser declarado eliminado, deve ser também expulso do jogo; (2) entra no “batter’s box” com um “bat” ilegal*, ou é descoberto usando um “bat” ilegal.  

(Regra 7 – Seção 6b-c)

*“Bat” alterado é um “bat” legal cuja estrutura física está modificada.

(Regra 1 – Seção 1)

*“Bat” ilegal é aquele que não atende às especificações da Regra 3 – Seção 1 (“BAT” OFICIAL).

(Regra 1 – Seção 42)

 Tanto no beisebol como no softbol o “bat” irregular deve ser retirado do jogo.

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

CORREDOR DESLOCA UMA BASE DE SUA POSIÇÃO

Quando o arremessador iniciou os movimentos de arremesso, o corredor da 1ª base arrancou em direção à 2ª base; e ao chegar deslizando àquela base, um pé teve contato forte com ela. Com o impacto, a “almofada” soltou-se de sua posição. No momento em que o corredor tentava alcançar a “almofada” deslocada, foi tocado pelo defensor da 2ª base, que estava de posse da bola que recebera do receptor.  O corredor é “out”?

Não. Como ele já havia conseguido chegar à base, com segurança (“safe”), nenhuma jogada poderia ser feita sobre ele, nessa base.

[Beisebol: Regra 7.08 (c) – REGRA APROVADA 1]

 (Softbol: Regra 8 – Seção 10n – vide NOTA)

domingo, 22 de janeiro de 2012

ÁRBITRO DE “HOME” TEVE QUE PEDIR DESCULPA AO ARREMESSADOR

O arremessador do Seattle, que estava atuando contra Boston, tinha uma má fama: a de ter o hábito de desfigurar a bola. No segundo “inning” de um jogo entre as duas equipes, o árbitro de “home” desconfiou que ele  estava arremessando bola com saliva.

Em vez de confirmar sua suspeita, o árbitro invalidou um terceiro “strike”, arbitrariamente, alegando que o arremesso havia sido considerado ilegal; e deu outra chance ao batedor.
O árbitro pode fazer isso?

Não, ele não pode, pelo menos de acordo com Warren Giles, ex-presidente da Liga Nacional. Giles repreendeu o árbitro de “home”, Chris Palekoudas, que invalidou um terceiro “strike” de Phil Regan, arremessador do Cubs, e permitiu que Pete Rose do Reds continuasse no “batter’s box”. 
Giles disse a Pelekoudas que não é correto acusar alguém sem prova concreta.

Pelekoudas, sem jeito, pediu desculpa a Regan.
Fonte: BIG LEAGUE Baseball PUZZLERS, de Dom Forker

sábado, 21 de janeiro de 2012

RELATÓRIO DO ÁRBITRO SOBRE INCIDENTE OCORRIDO DURANTE UM JOGO

Ao redigir seu relatório sobre qualquer ocorrência que não seja normal (por exemplo, expulsão de jogador, técnico ou “coach” por motivo de briga, agressão de um árbitro etc.), lembre-se de que esse documento é oficial, e que outros vão examiná-lo. Conte exatamente o que aconteceu e a linguagem que foi de fato usada durante o incidente. Tenha certeza sobre o ocorrido e limite-se a relatar os fatos somente. Não expresse sua opinião.

Tenha bastante cuidado ao escrever seu relatório. Assegure-se de que a ortografia e a pontuação estão corretas. Revise sempre o que foi escrito, para ter certeza de que não contém erros e está claro para quem vai lê-lo.

Guarde sempre uma cópia do relatório para seu próprio arquivo.

Fonte: Manual do Árbitro da N.A.P.B.L. – National Association of Professional Baseball Leagues

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

“FAIR BALL” OU “FOUL BALL”?

Rebatida “fly” para as proximidades da linha de “foul” do jardim direito (“rightfield”).  O jardineiro direito (“rightfielder”) chegou a tocar a bola, mas não conseguiu apanhá-la. Quando ele teve contato com a bola, seus pés estavam completamente dentro do território “fair”, mas a luva estava em território “foul”. É “fair” ou “foul”?

É  “foul”. Uma bola “fly” deve ser julgada --se é “fair” ou “foul”-- de acordo com a posição da bola em relação à linha de “foul”, incluindo o poste de “foul”, e não pela posição do defensor --se ele estava em território “fair” ou “foul”-- no momento em que tocou a bola.

[Beisebol – Regras: 2.00 (“FAIR BALL”), 2.00 (“FOUL BALL”)]

 (Softbol – Regras: 1 – Seção 29 – NOTA 1, 1 – Seção 37 – NOTA 1)

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

“BAT” TEM CONTATO ACIDENTAL COM A BOLA ARREMESSADA

Contagem de bolas: dois “strikes”. O batedor decide surpreender a defesa com um “bunt” e se prepara para a jogada.  Diante do imprevisto, o arremessador atrapalha-se e efetua um “wild pitch” (arremesso descontrolado) na direção do batedor. Apesar de ter tentado, desesperadamente, evitar o arremesso, a bola atinge o seu “bat” e rola para o território “foul”. O batedor deve ser eliminado?

Não. Como o contato do “bat” com a  bola arremessada foi acidental (não houve tentativa de “bunt”), é um “foul ball”.

(Beisebol – Regras: 2.00 “BUNT”)

 (Softbol – Regras: 1 – Seção 14)

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

BOLA ARREMESSADA TOCA O SOLO ANTES DE CHEGAR AO “HOME PLATE”

1. Uma bola arremessada legalmente tocou o solo antes de chegar ao “home plate” e passou através da zona de “strike” do batedor. Como deve ser julgado esse arremesso?

É “BALL”, mas desde que o batedor não tenha tentado rebatê-la. A bola permanece viva.

(Regra 2.00 “BALL”)

2. Um arremesso efetuado legalmente tocou o solo antes de chegar ao “home plate”; o árbitro declarou-o “BALL”.  A bola pulou e estava passando na zona de “strike” do batedor. Este, então, não teve dúvida: fez um “swing” forte e acertou um “fly” grande para o campo externo –a bola passou sobre a cerca do “centerfield” (jardim central).  A rebatida é válida?  

Sim. É “HOME RUN”. A bola torna-se morta.

[Regras: 2.00 “BALL”, 7.05 (a)]

3. Um arremesso efetuado legalmente tocou o solo antes de chegar ao “home plate” e desviou em direção ao batedor; o árbitro declarou-o “BALL”. O batedor tentou se esquivar da bola, mas foi atingido no pé. Como deve ser decidido este lance?

O batedor deve ser autorizado a ir à 1ª base. A bola torna-se morta.

[Regras: 2.00 “BALL”, 6.08 (b)]

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

"FOUL TIP" OU "FOUL BALL"?

Contagem de bolas: 1 - 2 (um “ball” - dois “strikes”). O batedor fez “swing” para tentar rebater um arremesso ‘AUTO KOONA’*. A bola triscou o “bat” e, após tocar o “mitt”, foi de encontro ao peito do receptor, sendo finalmente agarrada antes de ir ao solo. Como deve ser decidido este lance? 

É um “FOUL TIP”*. O árbitro deve declarar um “strike”; e como é o terceiro “strike”, o batedor deve ser eliminado. Se a bola tivesse ido diretamente de encontro ao peito do receptor, sem tocar o “mitt” ou a mão, o batedor não seria eliminado; seria um “foul ball”.

 *‘AUTO KOONA’ vem do inglês “OUT CORNER” (aut k’órna), que significa canto externo. Arremesso ‘AUTO KOONA’ é aquele direcionado ao canto (lado) externo da zona de “strike” do batedor.

*“FOUL TIP” é uma bola rebatida que vai brusca e diretamente do “bat” às mãos do receptor e é agarrada legalmente. Se a bola vai do “bat” ao corpo, máscara ou protetor do receptor e, no rebote, é agarrada antes que toque o solo, a pegada não é legal, a menos que essa bola tenha tocado primeiro a sua mão ou o seu “mitt”. Se a bola não for agarrada legalmente, será um “foul ball”, e não um “foul tip”. Por cada “foul tip” é contado um “strike”. A bola permanece em jogo.

 [Regras: 2.00 “FOUL TIP”, 6.05 (b), Comentário – Regra 6.05 (b)]