quinta-feira, 29 de setembro de 2011

CONCESSÃO DE BASES


Corredor na 1ª base, rebatida “ground” para o campo interno. O interbases apanhou a bola e ameaçou lançá-la ao defensor da 2ª base, mas não completou a jogada; em seguida, fez um lançamento descontrolado à 1ª base e mandou a bola para uma área de bola morta. 

Beisebol

Os corredores, incluindo o batedor-corredor, devem ser autorizados a avançar duas bases. A ameaça de lançamento ao defensor da 2ª base não é considerada uma jogada ou tentativa de jogada. Assim, a concessão de bases deve ser feita com base na posição dos corredores no momento do arremesso.

[Regra 7.05 (g)]

Softbol

A todos os corredores, incluindo o batedor-corredor, devem ser concedidas duas bases, e a concessão será baseada na posição que eles ocupavam quando a bola deixou a mão do defensor.
 

(Regra 8 – Seção 7f, Regra 8 – EFEITO – Seção 7f)

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

BATEDOR-CORREDOR ULTRAPASSA A 1ª BASE CORRENDO E É TOCADO

O batedor-corredor chegou a salvo (“safe”) à 1ª base e ultrapassou-a correndo. No retorno, foi tocado, em território “fair”, pelo defensor da 1ª base. Ele deve ser eliminado?   

Beisebol

Se não retornar imediatamente à 1ª base, ou ameaçar correr para a 2ª base, poderá ser eliminado por toque (em território “fair” ou “foul”). 

[Regras 7.08 (c) - EXCEÇÃO, 7.08 (j)]

 Softbol

Se tentar ir para a 2ª base, após ultrapassar a 1ª base correndo, poderá ser eliminado por toque (em território “fair” ou “foul”).

(Regra 8 – Seção 6b)

terça-feira, 27 de setembro de 2011

MEMBRO DA EQUIPE NA DEFENSIVA QUE ESTAVA FORA DO "DUGOUT" PEGOU UMA BOLA LANÇADA DESCONTROLADAMENTE

Corredor na 2ª base, rebatida “ground” (bola rebatida que vai rolando ou pulando sobre o solo) na direção do interbases. Este efetuou a defesa e fez um lançamento descontrolado à 1ª base –a bola foi rolando em direção à cerca. Um membro da equipe na defensiva, que se encontrava fora do “dugout”, pegou a bola e entregou-a ao ‘fasto’ * (defensor da 1ª base). Enquanto isso, o corredor da 2ª base, passando pela 3ª base, estava a caminho do "home”; o batedor-corredor permaneceu na 1ª base. O árbitro de “home”, após fazer o gesto de bola morta, fez o corredor retornar à 3ª base. O “coach” da 3ª base queria que o corredor fosse mandado para “home”. Como resolver este caso?

 Num lance como o citado, a concessão de bases fica a critério do árbitro. Como ele achou que o corredor não teria condição de anotar ponto, mesmo que não tivesse ocorrido a intervenção daquele membro da equipe na defensiva, optou por mantê-lo na terceira base.

 [Regra 9.01 (c)]

* ‘Fasto’ vem de “first” do termo inglês “first baseman”.

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

‘KATI-KATI’

O instrumento que o árbitro de “home” e alguns árbitros de base usam para contar as bolas arremessadas a cada batedor e as eliminações ocorridas num “inning” --há tipos que marcam também os “innings” jogados-- é conhecido, entre nós, por ‘kati-kati’ (uns   escrevem ‘cat-cat’, outros, ‘catch-catch’), “apelido” que lhe foi dado devido ao som que emite quando acionado.

O nome desse instrumento é “counter” (contador)/“indicator” (indicador).  

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

DUAS BOLAS EM JOGO

Num jogo em 1959, o arremessador do Cubs fez um arremesso descontrolado (“wild pitch”) e deixou um batedor do Cardinals andar (“walk”) –a bola foi parar no “backstop” (barreira situada atrás do “home plate”). Mas o receptor do Cubs não foi buscar a bola, alegando ao árbitro de “home” que ela havia tocado o “bat” (seria, portanto, “foul ball”).  O batedor autorizado a ir à 1ª base, percebendo isso, arrancou para a 2ª base.

Nesse meio-tempo, o defensor da 3ª base apanhou a bola e lançou-a ao interbases (“shortstop”), que estava cobrindo a 2ª base. Ocorre que o árbitro de “home”, irrefletidamente, havia dado uma nova bola ao arremessador, e este, ao tentar uma jogada sobre o corredor que avançava à 2ª base, fez um lançamento descontrolado (“wild throw”) –a bola foi em direção ao jardim central  (“centerfield”). O corredor, vendo a bola rolar livremente, decidiu ir para a 3ª base, mas foi tocado pelo interbases, que estava com a bola que recebera do defensor da 3ª base. 
Que complicação! Como deve ser resolvido este problema?
O árbitro da 2ª base eliminou o corredor, já que ele foi tocado com a bola original. O técnico do Cardinals, furioso, protestou o jogo, imediatamente, mas posteriormente retirou o protesto porque sua equipe acabou vencendo a partida pela contagem de 4 – 1. 
Fonte: BIG LEAGUE Baseball PUZZLERS, de Dom Forker

terça-feira, 20 de setembro de 2011

“DOUBLE PLAY”?

Um eliminado, bases cheias. Houve uma rebatida “fly” ao campo interno (“infield”).  Os árbitros aplicaram a regra de “INFIELD FLY”. A bola caiu nas proximidades do círculo do arremessador, rolou em direção à linha de “foul” do lado da 1ª base e atingiu, em território “fair”, o batedor-corredor que estava indo para a 1ª base. Logo em seguida, o receptor apanhou a bola e lançou-a à 3ª base.  O corredor da 3ª base, que estava fora da “almofada”, foi tocado pelo defensor da 3ª base. Foi um “double play” (jogada dupla)?

Não. Como a bola ficou fora de jogo (morta) no momento em que atingiu o batedor-corredor, a jogada na 3ª base não é válida. O jogo deve recomeçar com as bases cheias e dois eliminados. 

[Beisebol – Regras: 2.00 “INFIELD FLY”, 5.09 (f), 6.05 (e)]

(Softbol – Regras: 1 – Seção 56, 8 – Seção 2e, 9 – Seção 1g-1)

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

“FOUL BALL” OU “FOUL TIP”?

Aconteceu num jogo de beisebol da categoria Infantil. O batedor fez “swing” para rebater um arremesso que, após tocar o solo antes do “home plate”, estava passando na zona de “strike”.  A bola triscou o “bat” e foi diretamente às mãos do receptor, e este agarrou-a firmemente. É “foul ball” ou “foul tip”?

É “foul tip”.

Regra 2.00 “FOUL TIP”. É uma bola rebatida que vai brusca e diretamente do “bat” às mãos do receptor e é agarrada legalmente. Se a bola vai do “bat” ao corpo, máscara ou protetor do receptor e, no rebote, é agarrada antes que toque o solo, a pegada não é legal, a menos que ela tenha tocado primeiro a sua mão ou o  “mitt”. Se a bola não for agarrada legalmente, será um “foul ball”, e não um “foul tip”. Um “foul tip” é um “strike”. A bola permanece em jogo.

[Vide Comentário – Regra 6.05 (b)]

domingo, 18 de setembro de 2011

BATEDOR-CORREDOR CHOCA-SE COM O ARREMESSADOR

Rebatida “fly” em direção à linha de “foul” entre o “home plate” e a 1ª base. Quando o arremessador se preparava para efetuar a defesa, o batedor-corredor chocou-se com ele, e a bola foi ao chão.  O batedor-corredor foi declarado eliminado. O “coach” da 1ª base não concordou com a decisão do árbitro. (Alegou que o batedor-corredor não deveria ser eliminado, já que o lance fora casual e o jogador estava correndo dentro da faixa de três pés.) A decisão dada deve ser mantida?

Deve ser mantida. A reclamação é improcedente. O batedor-corredor tem a obrigação de desviar do defensor que está tentando apanhar uma bola rebatida, mesmo que esteja correndo dentro da faixa de três pés.

 [Beisebol: Regra 7.08 (b), Comentário – Regra 7.08 (b), Regra 7.09 (j)]

 (Softbol: Regra 8 – Seção 2g-2 – vide NOTA)

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

FOI UM LANCE NORMAL?

Ocorreu num jogo de beisebol da categoria Adultos. Corredor na 1ª base, “ground ball” (bola rebatida que vai rolando ou pulando sobre o solo) na direção do interbases (“shortstop”). Este apanhou a bola e lançou-a à 2ª base. O corredor da 1ª base foi eliminado na jogada forçada 6-4, mas continuou avançando. O defensor da 2ª base, que recebeu a bola lançada pelo interbases, não conseguiu dar prosseguimento à jogada porque chocou-se com o corredor da 1ª base, já eliminado. Na opinião do árbitro da 2ª base, o lance foi normal. Você concorda com ele?

Sim, o lance foi normal. O fato de o corredor continuar avançando depois de ter sido eliminado não caracteriza uma Interferência da Ofensiva.  O defensor da 2ª base poderia ter lançado à 1ª base, esquivando-se do corredor. Aliás, no lance em questão, a impressão que se teve foi que o defensor chocou-se propositadamente com o corredor a fim de simular uma Interferência.
[Comentário - Regra 7.09 (e)]

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

‘SUBERIKOMI’

‘SUBERIKOMI’ é um termo japonês; é o ato de lançar-se ao solo para chegar deslizando a uma base [SUBERI = ato de deslizar, escorregar; KOMI = ato de lançar-se (ao solo)]. Muitos dizem simplesmente SUBERI. Quando um jogador diz: “Fiz um SUBERI!”, está se referindo a um lance em que ele deslizou para tentar alcançar uma base. Para mandar o corredor entrar deslizando a uma base, há “coaches” que gritam: “SUBERÊ!” (“deslize!”, “escorregue!”); há também aqueles que gritam:”SUBERI!”. 

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

"FAIR" OU "FOUL"?

Uma bola rebatida teve contato com a “almofada” da 1ª base e foi em direção ao jardim direito (“rightfield”). O árbitro de “home” declarou um “FOUL BALL”, alegando o fato de a bola ter tocado a parte da “almofada” que havia sido deslocada para o território “foul”. A equipe na ofensiva reclamou.

Reclamou com razão. Uma bola rebatida que toca a “almofada” da 1ª, 2ª ou 3ª base é “FAIR BALL”,  já que as bases são sempre consideradas dentro do território “fair”.

(Beisebol: Regras 1.06, 2.00 “FAIR BALL”)

 (Softbol: Regra 1 – Seção 29c)

 No softbol, uma bola rebatida que atinge a porção “fair” da base dupla é declarada “FAIR BALL”, e aquela que atinge somente a porção “foul” é declarada “FOUL BALL”.
 
[Regra 2 – Seção 4h-1 – NOTA (a)]

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

O ÁRBITRO DE "HOME" ATRAPALHA O RECEPTOR

O árbitro de “home” esbarrou no receptor que estava tentando apanhar um “foul fly” (“fly” rebatido para o território “foul”). Alegando que o defensor teria agarrado facilmente a bola se não o tivesse atrapalhado, eliminou o batedor.  A decisão foi acertada?

Não. Isso não caracteriza uma Interferência do Árbitro. O árbitro deveria ter declarado um “foul ball”.

[Beisebol: Regra 2.00 “INTERFERENCE” (c)]

 (Softbol: Regra 1 – Seção 60b-c)

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

CONCESSÃO DE BASES

Corredor na 1ª base, rebatida “ground” para o campo interno. O defensor da 2ª base apanhou a bola e lançou-a rapidamente ao interbases para tentar eliminar o corredor que avançava da 1ª base, mas não obteve êxito. Continuando a jogada, o interbases fez um lançamento descontrolado à 1ª base –a bola foi parar  dentro de um “dugout”.

Beisebol
O lançamento feito pelo defensor da 2ª base ao interbases foi uma tentativa de jogada. Portanto, o lançamento à 1ª base não foi a 1ª jogada de um defensor do campo interno. Assim, a cada corredor devem ser concedidas duas bases a partir da base que estava ocupando no momento do lançamento. O corredor que estava na 1ª base anota ponto e o batedor-corredor deve ser mandado à 2ª base.

[Regra 7.05 (g)]

Softbol
A todos os corredores, incluindo o batedor-corredor, devem ser concedidas duas bases, e a concessão será baseada na posição que eles ocupavam quando a bola deixou a mão do defensor.

(Regra 8 – Seção 7f, Regra 8 – EFEITO – Seção 7f)

terça-feira, 6 de setembro de 2011

ARREMESSADOR SAI DE SUA POSIÇÃO

Em jogos de beisebol das categorias menores, há arremessadores que, frequentemente, saem do “pitcher’s plate”, viram para seus companheiros e gritam: “ANIMA-OOOE!”. E isso quando não há corredor(es) em base, e mais, quando o batedor já está preparado esperando o arremesso.  Os árbitros devem aconselhá-los a evitar esse tipo de procedimento, que, além de desnecessário (não objetiva uma jogada), desvia a atenção do batedor (talvez essa seja a intenção) e retarda o jogo; devem, também, recomendar aos técnicos que orientem seus arremessadores nesse sentido. [Dar o “grito de guerra” para animar seus companheiros, tudo bem –mas devem fazê-lo antes de se posicionarem sobre o “pitcher’s plate”; sair do “pitcher’s plate” quando há corredor(es) em base, a fim de executar uma jogada, mesmo após ter assumido a Posição “Set” (“Set Position”), ok –vide Regra 8.01 (b) – NOTA 4.]

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

O ARREMESSADOR DESEQUILIBROU-SE NO MOMENTO DO ARREMESSO

O arremessador desequilibrou-se quando iniciou os movimentos de arremesso. Por essa razão,

a) não efetuou o arremesso (não soltou a bola);

b) soltou a bola, mas esta parou entre o “pitcher’s plate” e o “home plate”;

c) soltou a bola, e esta cruzou a linha de “foul”;

d) soltou a bola, e esta passou, em voo, através da zona de “strike”.

Que decisão deve dar o árbitro em cada uma das situações acima?

Sem corredor(es) em base:

a) Já que o arremessador não soltou a bola, nada deve declarar –mesmo que a tivesse soltado, seria um “ball” somente se ela ultrapassasse a linha de “foul” [Comentário – Regra 8.01 (d)].

b) Nada deve declarar [Comentário – Regra 8.01 (d)].

c) Como a bola cruzou a linha de “foul”, deve declarar um “ball” [Comentário – Regra 8.01 (d)].

d) Deve declarar um “strike” [Regra 2.00 “STRIKE” (b)].

Com corredor(es) em base:

a) Deve declarar um “balk” [Regra 8.05 (a)].

b) Deve declarar um “balk” [Comentário – Regra 8.01 (d)].

c) Como a bola cruzou a linha de “foul”, deve declarar um “ball” [Comentário – Regra 8.01 (d)].

d) Deve declarar um “strike” [Regra 2.00 “STRIKE” (b)].

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

CONTATO COM O CORREDOR SEM ESTAR DE POSSE DA BOLA

Braves e Phillies não haviam feito pontos até o sétimo “inning”. Com uma eliminação, Braves tinha Dale Murphy na 3ª base. Numa bola rebatida para trás do montículo (“mound”), Murphy foi surpreendido fora da base, e teve início um “run-down play” (jogada de perseguição). Enquanto o defensor da 3ª base e o receptor do Phillies trocavam lançamentos, o arremessador ficou posicionado entre o corredor e a bola. Murphy, para tentar evitar ser eliminado por toque, atropelou o arremessador. Como decidir este lance?

O arremessador cometeu Obstrução. O corredor deve ser autorizado a avançar para “home” e anotar um ponto.
[Regra 7.06 (a)]

Uma jogada como a apresentada acima acontece de quando em quando num campo de beisebol. Por exemplo, a equipe visitante Indians e o Senators estavam mantendo o 0 x 0 no oitavo “inning” de um jogo realizado em 1949. Eddie Robinson era o corredor da 3ª base. Early Wynn era o arremessador. No momento em que houve o contato do corredor com o arremessador, o árbitro disse a Robinson: “Você pode anotar ponto”.

Uma das coisas intrigantes sobre essa jogada é que o técnico do Indians, Lou Boudreau, não estava ciente de que havia ocorrido uma Obstrução, e por isso questionou energicamente a decisão do árbitro. No dia seguinte ele pediu desculpas aos árbitros e confessou-lhes que eles tinham tomado uma decisão correta.
Fonte: BIG LEAGUE Baseball PUZZLERS, de Dom Forker

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

BATEDOR APANHA UMA BOLA ARREMESSADA

Ocorreu num jogo de beisebol:  Corredor na 2ª base. O arremessador atirou a bola ao chão porque, na hora de soltá-la para completar o arremesso, desequilibrou-se. A bola pulou uma vez e entrou na zona de “strike”.  O batedor ficou confuso em vista do inesperado e pegou a bola. Como deve proceder o árbitro diante dessa situação?  

(a) O árbitro deve declarar um “ball”. (Para ser um “strike”, a bola arremessada tem de passar, em voo, através de alguma parte da zona de “strike”.)

(b) O árbitro deve declarar “TIME” e dar uma decisão após verificar o que teria acontecido se o batedor não apanhasse a bola.

[Regras:  2.00 “BALL”, 2.00 “STRIKE” (b), 9.01 (c)]