sexta-feira, 29 de julho de 2011

PEGADA LEGAL?

“Line drive” (bola rebatida que vai em linha reta, com força, sem tocar o solo) na direção do arremessador. Este deu um salto e apanhou a bola no ar, mas, devido à força da bola rebatida, a luva foi arrancada de sua mão e caiu ao solo (a bola permaneceu dentro da luva). O batedor é “out”?

Não, porque o arremessador não efetuou uma pegada legal. Para a pegada ser válida, o defensor deve manter a bola firmemente segura em sua mão ou luva, por algum tempo, e provar que teve controle absoluto dela.

(Beisebol: Regra 2.00 “CATCH”)

 (Softbol: Regra 1 – Seção 15)

quinta-feira, 28 de julho de 2011

CONDUTA DOS JOGADORES DURANTE O ANDAMENTO DE UM JOGO

Durante o andamento de um jogo, todos os jogadores da equipe na ofensiva devem permanecer no “bench”, exceto quando eles têm alguma função a desempenhar como “coaches”, corredores, batedor ou batedor seguinte. Jogadores da equipe na ofensiva não terão permissão para se confraternizar com jogadores no “bullpen” (local onde os arremessadores e jogadores que vão entrar no jogo fazem aquecimento), tanto de sua própria equipe como da equipe visitante; devem permanecer no seu próprio “bench”, mesmo que, na sua opinião, provavelmente não chegue a sua vez de bater, no “inning”. Batedor-corredor eliminado antes de alcançar a 1ª base, ou corredor eliminado em qualquer base, tem de retornar ao “bench”, e não pode sair até o término do “inning”.

Com exceção de jogadores uniformizados, reservas uniformizados, “coaches” uniformizados, técnicos, treinadores e recolhedores de “bats”/catadores de bolas, ninguém deve ocupar um “bench” durante um jogo. 
Somente arremessadores, receptores, e jogadores atuando como receptores devem ter permissão para ficar no “bullpen” durante um jogo.

Um jogador substituto que vai entrar no jogo, ou um Batedor Designado que vai entrar no jogo como um defensor, terão permissão para fazer aquecimento no “bullpen”.

Jogadores removidos do jogo (exceto por um árbitro) podem aquecer arremessadores e podem atuar como “base coaches”.

Fonte: Manual do Árbitro da N.A.P.B.L. – National Association of Professional Baseball Leagues

quarta-feira, 27 de julho de 2011

BOLA ARREMESSADA SE ALOJA NA MÁSCARA DO ÁRBITRO

Dois “outs”, bases cheias, contagem de bolas: 3 – 2 (3 “balls” – 2 “strikes”). No momento em que o arremessador inicia os movimentos do próximo arremesso, os corredores arrancam em direção às bases seguintes.  O batedor gira o “bat”, mas não consegue sequer tocar a bola. Seria a terceira eliminação do “inning”. Ocorre que o receptor deixa a bola passar para trás, e ela se aloja na máscara do árbitro. Antes de a bola ser retirada da máscara, três corredores cruzam o “home plate”. Como deve ser decidido este lance?

Beisebol
A bola torna-se morta quando se aloja na máscara do árbitro. Ao batedor é concedida a 1ª base e os demais corredores avançam uma base. Deve ser contado um ponto.
[Regras: 5.09 (g), 6.09 (b) (2), 7.05 (i)]

Softbol

A bola torna-se morta.  Os corredores são autorizados a avançar às bases que, na opinião do árbitro, teriam alcançado se a bola não ficasse alojada na máscara do árbitro. Ao batedor é concedida a 1ª base.

(Regra 8 – Seção 7l-1, Regra 8 – EFEITO – Seção 7l)

terça-feira, 26 de julho de 2011

COLISÃO ENTRE CORREDOR E DEFENSOR

Com duas eliminações, a equipe “A” tem corredor na 2ª e na 3ª bases. O batedor rebateu forte. A bola rebatida tocou o solo, deu um pulo grande e foi na direção do espaço entre o defensor da 3ª base e o interbases da equipe “B”. O defensor da 3ª base entrou na frente do interbases e tentou efetuar a defesa. No momento exato em que sua luva teve contato com a bola, o corredor que vinha da 2ª base colidiu com o interbases, que se encontrava no caminho da base. O defensor da 3ª base derrubou a bola, e todos os corredores alcançaram as bases com segurança (“safe”). Houve Interferência?

Não. Todos os corredores são “safe”. O “inning” continua e é contado um ponto. O corredor não deve ser eliminado só pelo fato de ter colidido com um defensor, e sim quando tem contato com o defensor que teria a oportunidade de apanhar a bola. Neste caso, o defensor da 3ª base já havia tocado a bola quando ocorreu o incidente.
[Regra 7.09 (j)]

Fonte: BIG LEAGUE Baseball PUZZLERS, de Dom Forker

segunda-feira, 25 de julho de 2011

"BAT" COM O CABO COBERTO COM UM MATERIAL OU SUBSTÂNCIA

Aconteceu num jogo de beisebol: Corredor na 2ª base. O batedor acertou uma rebatida de duas bases (“two-base hit”) e empurrou o corredor para “home”. O receptor apanhou o “bat” e mostrou ao árbitro que a substância aplicada no cabo para melhorar a empunhadura excedia o limite de 18 polegadas (45,70cm) determinado em regra. O árbitro concordou com o receptor. O batedor deve ser eliminado? A jogada deve ser anulada?

Não. Um “bat” com excesso de material ou  substância no cabo não é considerado um “bat” alterado ou adulterado. O “bat” deve ser retirado do jogo, mas a jogada é válida.

[Regra 1.10 (c) - vide NOTA]

sexta-feira, 22 de julho de 2011

CHUTE NA BOLA

Von Hayes do Philadelphia Phillies fez “bunt” e mandou a bola para o lado da 1ª base. O arremessador do Atlanta Braves moveu-se rapidamente para efetuar a defesa, mas não conseguiu –a bola bateu na sua luva e rolou na direção da linha da 1ª base.  Hayes chegou à 1ª base. Ocorre que, antes de alcançar a base, ele chutou acidentalmente a bola.  Ele pode permanecer lá?

Sim, porque o contato com a bola desviada foi acidental. Se ele tivesse chutado a bola, deliberada e intencionalmente, seria declarado eliminado por Interferência.  
[Regra 7.09 (k), vide Regras 5.09 (f) e 7.08 (f)]

Fonte: BIG LEAGUE Baseball PUZZLERS, de Dom Forker

quinta-feira, 21 de julho de 2011

EXPULSÃO DE BATEDOR ATINGIDO POR UM ARREMESSO

Aconteceu num jogo do Campeonato Brasileiro de Beisebol 2011 – Categoria Adultos: O clima estava tenso entre as equipes. Num determinado “inning”, quando havia dois eliminados, o arremessador da equipe “A” efetuou um arremesso descontrolado e “acertou” um batedor da equipe “B” (“hit by pitch”); e este, achando que o ato fora intencional, atirou seu capacete contra o arremessador. Aí teve início um tumulto (empurra-empurra generalizado) envolvendo vários jogadores de ambas as equipes. Controlada a confusão, o árbitro de “home” expulsou o arremessador e o batedor. Um substituto do batedor expulso foi ocupar a 1ª base.

Correto. A opinião de que o árbitro de “home” deveria ter eliminado o batedor e encerrado a metade de “inning” (“change”) é equivocada.  

[Regras 3.03, 6.08 (b) – vide NOTA 3)]

quarta-feira, 20 de julho de 2011

REGRA DE “INFIELD FLY”

O termo “Infield Fly” não aparecia no Livro de Regras até 1895, ou seja, até meio século completo após Alexander Cartwright ter inventado as regras de beisebol. Antes de 1895, em situações com as bases ocupadas, os defensores do campo interno (“infielders”), incluindo o arremessador e o receptor, podiam derrubar livremente um “fly” (bola rebatida para o ar) ou “line drive” (bola rebatida que vai em linha reta, com força, sem tocar o solo) rebatido para o  campo interno (“infield”), na tentativa arriscada de poder, depois, eliminar --em jogadas forçadas-- os corredores que ficassem parados sobre suas bases supondo que tal “fly” ou “line drive” poderia ser agarrado. Uma das razões de a Regra de “Infield Fly” não ter sido adotada durante tanto tempo é que, até mais ou menos 1890, os defensores não usavam luva (“glove”) --a luva tornou-se um equipamento de defesa e de segurança somente por volta de 1890--, e assim havia pouca certeza de que um “pop fly” (bola rebatida que sobe bastante, mas não vai muito longe) seria agarrado. Seria um absurdo um árbitro eliminar, automaticamente, o batedor e depois observar, constrangido, que a bola havia caído ao solo.
 
Um exemplo típico de como um defensor esperto poderia levar vantagem se não houvesse a Regra de “Infield Fly” foi mostrado num jogo da Associação Americana, em Cincinnati, em 22 de junho de 1882, entre o Cincinnati Red Stockings e Pittsburgh Alleghenys. Na segunda metade do 14º “inning”, com Cincinnati em vantagem no placar (5-2), nenhum “out”, o Pittsburgh tinha Mike Mansell na 2ª base e Ed Swartwood na 1ª base quando Johnny Peters levantou um “pop fly” facilmente defensável na direção do interbases (“shortstop”) do Cincinnati, Chick Fulmer. Após posicionar-se para efetuar a defesa, Fulmer deixou a bola cair e, apanhando-a rapidamente do solo, eliminou ambos, Mansell e Swartwood. Alertado pelo defensor da 1ª base, Fulmer viu que Peters, desgostoso, não havia se dado ao trabalho de correr à 1ª base, e então fez o lançamento àquela base. Peters foi eliminado e o jogo terminou com uma jogada tripla (“triple play”).

Fonte: “THE RULES OF BASEBALL”, de David Nemec

segunda-feira, 18 de julho de 2011

JOGADA DE APELAÇÃO

O batedor acertou uma rebatida tripla (“three-base hit”) na direção do “centerfield” (jardim central) e empurrou o corredor da 1ª base para “home”. O batedor avançou legalmente, mas o corredor da 1ª base passou pela 2ª base sem tocá-la. Alertado por companheiros, o defensor da 2ª base, que havia recebido a bola devolvida pelo  “centerfielder” (jardineiro central), pisou a “almofada” e apelou ao árbitro, porém sem indicar o corredor sobre o qual estava fazendo a apelação. O árbitro se recusou a dar uma decisão. Seu procedimento foi correto?

Sim. O árbitro não tem a obrigação de se manifestar sobre a jogada até que o defensor indique claramente o jogador sobre o qual está apelando.  Por exemplo: se três corredores (A, B, C) passarem por uma base, e um deles (B) deixar de tocar a “almofada”, o defensor deverá indicar claramente que o alvo da apelação é o corredor B. Se, porém, a apelação for feita sobre o corredor A, por equívoco, e o árbitro não aceitar essa apelação, o defensor poderá continuar apelando sobre todos os corredores que passaram pela base.
[Regra 7.10 (b), Comentário – Regra 7.10 – NOTA 3]

Fonte: EL BEISBOL – Arbitros en el Terreno, de Humberto Vázquez

quinta-feira, 14 de julho de 2011

"INFIELD FLY" OU "FOUL BALL"?

Um “out”, corredor na 1ª e 2ª base.  O batedor acertou um “fly” em direção à linha de “foul” entre o “home plate” e a 1ª base. O arremessador tinha condição de apanhá-lo com facilidade, mas como não se movimentou devidamente não conseguiu efetuar a defesa. A bola caiu na área “fair” e, sem ter contato com um defensor, rolou para o território “foul”. O árbitro de “home” declarou “INFIELD FLY” e eliminou o batedor. Decisão correta?

Não. Se num “Infield Fly” declarado a bola cai ao chão, sem ter contato com um defensor, e rola ou salta para o território “foul” antes de passar a 1ª ou 3ª base, é um “foul ball”.

 (Beisebol: Regra 2.00 “INFIELD FLY”)

 (Softbol: Regra 1 – Seção 56 – NOTA 3)

quarta-feira, 13 de julho de 2011

FOI ANOTADO PONTO?

Corredor na 3ª base. O batedor falhou ao tentar rebater o arremesso (seu “bat” não teve contato com a bola). Quando girou o “bat”, a bola bateu no seu corpo e rolou na direção do ‘bakkunetto’ *. O corredor pisou o “home plate”. Foi anotado ponto?

Não. Quando uma bola arremessada atinge o batedor ou o seu uniforme, a bola torna-se morta e os corredores têm de retornar às bases onde estavam no momento do arremesso.

[Beisebol: Regra 5.09 (a), vide RETORNO DE CORREDORES QUANDO A BOLA SE TORNA MORTA (A) (c)] 

 (Softbol: Regra 8 – Seção 8e, Regra 9 – Seção 1d)

* ‘Bakkunetto’ vem do termo inglês “back net” –tela situada atrás (do “home plate”). ‘Bakkunetto’ = “Backstop”.

terça-feira, 12 de julho de 2011

BOLA “FAIR” ATINGE UM CORREDOR EM TERRITÓRIO “FOUL”

Nenhum eliminado, corredor na 3ª base. Uma bola rebatida não tocada desviou ao bater na “almofada” da 3ª base e atingiu o corredor que se encontrava parado em território “foul”. Ele é “out”? É bola morta ou bola em jogo?

Beisebol
Como a bola rebatida atingiu o corredor, em território “foul”, ele não é “out”.  É bola em jogo.
[Regra 2.00 “FAIR BALL”, Regra 7.08 (f) – NOTA 3]

Softbol

O corredor não é “out” se, na opinião do árbitro, nenhum defensor teria conseguido fazer uma jogada para concretizar uma eliminação. É bola morta.
(Regra 8 – Seção 10e, Regra 9 – Seção 1g)

segunda-feira, 11 de julho de 2011

BATEDOR-CORREDOR FORA DA FAIXA DE TRÊS PÉS

Corredor na 2ª base. “Ground Ball” (bola rebatida que vai rolando ou pulando sobre o solo) em direção à 3ª base. O defensor dessa base apanhou a bola e lançou-a à 1ª base –o batedor-corredor foi declarado “out”. Enquanto isso, o corredor da 2ª base passou pela 3ª base e arrancou para “home”. Vendo isso, o defensor da 1ª base tentou eliminá-lo, porém o lançamento feito ao receptor atingiu o batedor-corredor, que estava correndo fora da faixa de três pés (“three-foot lane”). O corredor que avançou para “home” deve ser eliminado de acordo com a Regra 7.09 (e)?

Não. O fato de o batedor-corredor ter sido atingido pela bola lançada pelo defensor da 1ª base enquanto corria fora da faixa de três pés não caracteriza uma Interferência. A bola permanece em jogo. O batedor-corredor que corre fora da faixa de três pés deve ser penalizado somente quando estorva o defensor que está recebendo a bola lançada à 1ª base, ou interfere numa bola lançada e impede que um defensor execute uma jogada na 1ª base. O batedor-corredor pode correr fora da faixa de três pés para evitar um defensor que está tentando apanhar uma bola rebatida.  

[Beisebol: Regra 6.05 (k), Comentário – 7.09 (e)]

 (Softbol: Regra 8 – Seção 2g – vide NOTA)

sábado, 9 de julho de 2011

‘BAKKU’

Para mandar um corredor retornar a uma base, ou para orientar um defensor em rebatida “fly” que pode ultrapassá-lo, alguns “coaches” costumam gritar “‘BAKKU’!”.  ‘BAKKU’ vem do inglês “BACK”, que quer dizer atrás, para trás, voltar etc. Assim, num “pick-off play” (jogada para “pegar” o corredor fora da base), numa tentativa de roubo de base etc., ele está mandando o corredor voltar à base (“VOLTE!”),  e em rebatida “fly”, ele está mandando o defensor correr para trás (“ATRÁS!”, “PARA TRÁS!” ).

sexta-feira, 8 de julho de 2011

BOLA ARREMESSADA CHUTADA PARA DENTRO DO “DUGOUT”

Corredor na 2ª base, contagem de bolas sobre o batedor: 3 – 2 (três “balls” – dois “strikes”). O arremesso seguinte é declarado “ball”. A bola desvia após bater no “mitt” e rola para o lado direito do receptor. O corredor avança à 3ª base enquanto o batedor parte para a 1ª base. Na pressa de apanhar a bola, o receptor chuta-a, acidentalmente, para dentro do “dugout”. Onde devem ser colocados os corredores?

Quando uma bola arremessada que está no campo de jogo é chutada ou desviada para dentro de um “dugout”, arquibancadas ou outra área onde a bola fica morta, todos os corredores têm o direito de avançar duas bases a partir da base que estavam ocupando no momento do arremesso. O corredor anota ponto e o batedor vai para a 2ª base.

[Regra 7.05 (h) – REGRA APROVADA]

terça-feira, 5 de julho de 2011

CORREDOR RECEBE AJUDA FÍSICA DO "COACH"

Nenhum “out”, corredor na 1ª e 2ª base, rebatida indefensável (“hit”) na direção do jardineiro central (‘centa’*). Quando o corredor da 2ª base, passando pela 3ª base, deu alguns passos em direção ao “home”, o “base coach” (orientador de batedores e corredores) saiu de sua área (“coach’s box”) e segurou-o. Nesse momento, o defensor da 3ª base (‘saado’*) apanhou a bola que lhe foi lançada pelo jardineiro central e tocou o corredor da 1ª base, que já se encontrava perto da 3ª base. Que decisão você daria?  

O corredor da 2ª base deve ser eliminado por ter recebido ajuda física do “coach”. A bola torna-se morta e o corredor da 1ª base deve retornar à 2ª base.

 [Regra 7.09 (h), Regra 7.09 - PENALIDADE POR INTERFERÊNCIA]

No softbol, a bola permanece em jogo (quando, porém, o corredor é ajudado enquanto a bola está morta --depois de um “home run” ou concessão de base ou bases--, a bola permanece morta).

 (Regra 8 – Seção 9e, Regra 8 – EFEITO – Seção 9a-e, Regra 8 – EXCEÇÃO para EFEITO – Seção 9e)

*‘Centa’ vem de “center” do termo “centerfielder”.

*‘Saado’ vem de “third” do termo “third baseman”.

segunda-feira, 4 de julho de 2011

BATEDOR DESIGNADO ("DH")

O “DH” foi ocupar a posição de arremessador e o arremessador substituído foi defender a posição 4 (2ª base).  Tais alterações encerram a função do Batedor Designado para o resto do jogo.

Uma vez que o Batedor Designado está “preso” na ordem de batedores (sua posição na ordem de batedores é “fixa”), ele deve continuar batendo na mesma posição. O arremessador deslocado para outra posição, então, deve bater no lugar do defensor que deixou o jogo.  

 (Regra 6.10)

sábado, 2 de julho de 2011

'TOORUI'

Em jogos de beisebol de categorias menores, quando um corredor tem êxito num roubo de base, seus companheiros do “bench” costumam gritar: “UI, UI, UI, tirou ‘TOORUI’*, o ‘KYATTI’* é ruim!”.

Para aqueles que não entendem o que eles estão dizendo, lá vai a explicação:

*‘TOORUI’ é um termo japonês; significa roubo de base. Tirou ‘TOORUI’ = roubou base.

*‘KYATTI’ vem do inglês “catcher” = receptor.

sexta-feira, 1 de julho de 2011

"TRIPLE PLAY"

Nenhum eliminado, bases cheias. O batedor acertou um “line drive” (bola rebatida que vai em linha reta, com força, sem tocar o solo) em direção à 3ª base. A bola quicou a um metro do defensor    da 3ª base. Este apanhou-a sem muita dificuldade, tocou o corredor da 3ª base  e  pisou  a  “almofada” da 3ª base. Continuando a jogada, fez o lançamento à 2ª base e eliminou o corredor da 1ª base em jogada forçada. Deve-se considerar uma jogada tripla?

Sim. Primeira eliminação: ocorreu quando o corredor da 3ª base, que tinha a obrigação de avançar, foi tocado; segunda eliminação: ocorreu quando o defensor da 3ª base pisou a “almofada” e eliminou o corredor da 2ª base em jogada forçada; terceira eliminação: ocorreu quando o corredor da 1ª base foi eliminado em jogada forçada na 2ª base.    
[Beisebol – Regras: 2.00 “TRIPLE PLAY”, 7.08 (e)]

(Softbol – Regras: 1 – Seção 100, 8 – Seção 9c)