quinta-feira, 30 de junho de 2011

TOQUE EM DOIS CORREDORES SOBRE A MESMA BASE

Corredor na 2ª e 3ª base, “fly ball” (bola rebatida para o ar) ao jardim direito (“rightfield”). O corredor da 3ª base pisou o “home plate” e o da 2ª base chegou à 3ª base. O corredor que cruzou o “home plate”, achando que saíra da base antes de o jardineiro direito (“rightfielder”) apanhar a bola, retornou à 3ª base. O defensor da 3ª base, de posse da bola, tocou os dois corredores. Como deve ser decidida esta jogada?

Se o corredor da 3ª base tiver deixado a base antecipadamente, o árbitro declarará eliminado o corredor da 2ª base.  Se, porém, ele tiver corrido depois de um “retouch” correto, nenhum dos dois será eliminado; será contado um ponto e o corredor da 2ª base permanecerá na 3ª base.
[Beisebol: Regra 7.03 (a), Comentário – Regra 5.06]

(Softbol: Regra 8 – Seção 4d, Regra 8 - EFEITO – Seção 4d, Regra 8 – Seção 10l)

terça-feira, 28 de junho de 2011

JOGADA DE APELAÇÃO

O batedor acertou uma rebatida de duas bases (“two-base hit”) e empurrou o corredor da 1ª base à 3ª base. No momento em que se preparava para o arremesso seguinte,  o arremessador cometeu um “balk”; os corredores avançaram uma base.  Quando o arremessador se posicionou novamente sobre o “pitcher’s plate”, o defensor da 1ª base pediu a bola e apelou ao árbitro, alegando que o batedor-corredor havia omitido a 1ª base. O árbitro deve aceitar a apelação?

Não. De acordo com a Regra 7.10, qualquer apelação tem de ser feita antes do arremesso seguinte, ou de qualquer jogada ou tentativa de jogada. Um “balk” é considerado uma jogada.

(Comentário – Regra 7.10)

Fonte: EL BEISBOL – Arbitros en el Terreno, de Humberto Vázquez

segunda-feira, 27 de junho de 2011

A BOLA ARREMESSADA ROÇOU A MANGA DA CAMISA DO BATEDOR

Um arremesso “IN KOONA”* roçou a manga da camisa do batedor posicionado legalmente no “batter’s box”. O árbitro “matou” a bola e concedeu-lhe a 1ª base. O técnico da equipe na defensiva não concordou com a decisão porque a bola arremessada não teve contato com o corpo do batedor. Quem está certo?

O árbitro de “home” decidiu corretamente. A roupa do jogador é considerada parte do seu corpo.

 [Beisebol – Regras: 2.00 “PERSON”, 5.09 (a), 6.08 (b)]

(Softbol – Regra 8 – Seção 1f, Regra 8 – EFEITO – Seção 1f)

* “IN KOONA” vem do inglês “IN CORNER” (in k’órna), que significa canto interno. Arremesso “IN KOONA” é aquele direcionado ao canto (lado) interno da zona de “strike” do batedor.

sexta-feira, 24 de junho de 2011

BATEDOR FORA DE ORDEM

O sexto batedor bateu no turno do segundo batedor e acertou um “fly” em direção à 3ª base. Logo após o defensor da 3ª base apanhar a bola, o técnico da equipe na ofensiva informou o árbitro de “home” sobre o erro na ordem de batedores.  O árbitro confirmou o erro, declarou eliminado o segundo batedor e chamou o terceiro batedor ao “batter’s box”.  O árbitro decidiu corretamente?

Não. Depois que o batedor fora de ordem completa a sua vez de bater, a apelação pode ser feita somente pela equipe na defensiva. A decisão do árbitro de “home” violou uma regra de jogo.
[Beisebol - Regra 6.07 (b)]

(Softbol - Regra 7 – Seção 2 - EFEITO – Seção 2c-d/2)

quinta-feira, 23 de junho de 2011

O ARREMESSADOR NÃO DEVERIA SER PENALIZADO

Num dos jogos do torneio de beisebol da categoria Infantil --TAÇA FEDERAÇÃO PAULISTA DE BEISEBOL E SOFTBOL—realizado nos dias 18 e 19/06/2011, ocorreu o seguinte lance: Havia corredor em base. O arremessador na posição “Set” iniciou os movimentos de arremesso, porém, notando que o árbitro de “home” não estava devidamente preparado, não completou a jogada. Foi declarado um “balk”, e o corredor foi autorizado a avançar uma base. O técnico da equipe na defensiva não concordou com a decisão dada pelo árbitro e reclamou.

Reclamou com razão. O arremessador não deveria ser penalizado; como não completou o arremesso por um motivo justificado, o árbitro deveria ter declarado “TIME” (ou “NO PLAY”) e paralisado o jogo.

[Regra 9.01 (c)]

quarta-feira, 22 de junho de 2011

PARA SAIR DA POSIÇÃO "SET" OU "WINDUP" ...

A regra determina que, para sair do “pitcher’s plate”, o arremessador deve dar um passo para trás da placa com o pé de apoio. Muitos arremessadores, principalmente de categorias menores, estão procedendo de maneira incorreta para sair da Posição “Set”: em vez de tirar o pé de apoio para trás da borda posterior do “pitcher’s plate”, estão dando um passo para trás com o pé de apoio e colocando-o ao lado da placa. Esse movimento caracteriza um “balk”.

 [Regra 8.01 (a) (b) - vide NOTAS 4 e 5]

terça-feira, 21 de junho de 2011

JOGADA PARA TENTAR SURPREENDER O CORREDOR DA 2ª BASE

Ocorreu num jogo de beisebol da categoria Infantil. O defensor da 2ª base recebeu a bola que lhe foi lançada pelo arremessador e tocou o corredor, porém quando ele já estava sobre a base; e em seguida --supostamente-- empurrou-o para fora da “almofada”. Quando o corredor, que se desequilibrou devido ao “empurrão”, se afastou alguns passos para trás da base, o defensor, que ainda estava de posse da bola, tocou-o novamente. O árbitro da 2ª base declarou-o eliminado. O técnico da equipe na ofensiva reclamou, mas a decisão foi mantida.

Se realmente o corredor foi empurrado, o árbitro deveria tê-lo autorizado a permanecer na base. Além disso, deveria ter advertido o defensor sobre a penalidade que poderia sofrer em caso de reincidência. No lance citado acima, o árbitro deve ter julgado que o corredor não foi empurrado, e que ele se desequilibrou no momento em que foi tocado (nesse caso deve prevalecer a apreciação do árbitro).

[Regra 9.01 (c)]

No softbol, quando um defensor que está de posse da bola empurra um corredor para fora da base, numa tentativa de eliminá-lo por toque, fica caracterizada uma Obstrução.
 (Regra 1 – Seção 66, Regra 8 – Seção 7b-4, Regra 8 – EFEITO – Seção 7b)

segunda-feira, 20 de junho de 2011

NÚMERO DA CAMISA DO UNIFORME

Um jogador que deveria estar usando a camisa nº 10, de acordo com o “lineup card” (formulário de escalação da equipe) entregue ao árbitro de “home” na reunião pré-jogo, entrou no “batter’s box” vestindo a camisa nº 11. Há alguma penalidade?

Não. Não há regra estabelecendo penalidade para esse tipo de ocorrência. Tal situação pode ser regularizada, ou corrigindo o número no “lineup card” ou trocando a camisa (vestir a camisa correta). Isso tanto no beisebol como no softbol.

sexta-feira, 17 de junho de 2011

BLOQUEANDO O "HOME PLATE"

Tim Raines do Expos estava na 2ª base quando Hubie Brooks acertou um “liner” (bola rebatida que vai em em linha reta, com força, sem tocar o solo) de uma base ao jardim central. Ao deslizar para tentar anotar ponto, Raines chocou-se com o receptor do Reds a aproximadamente um metro do “home plate”, quando a bola lançada pelo jardineiro central ainda estava em voo –a bola passou pelo receptor e foi parar no “backstop” (barreira situada atrás do “home plate”).
O arremessador Tom Browning, que estava atrás do receptor, apanhou a bola e lançou-a ao defensor da 1ª base, Barry Larkin, que estava cobrindo o “home plate”. Larkin tocou Raines antes que ele conseguisse alcançar a base. Enquanto isso, Brooks avançou à 2ª base. A jogada foi legal?

Não. O receptor cometeu Obstrução ao bloquear o “home plate” sem estar de posse da bola. Raines anota ponto e a ação subsequente deve ser anulada, já que a bola fica fora de jogo (morta). Brooks retorna à 1ª base.
[Regra 7.06 (a)]

Fonte: BIG LEAGUE Baseball PUZZLERS, de Dom Forker

quinta-feira, 16 de junho de 2011

"RETOUCH"

Um “out”, corredor na 3ª base, rebatida “fly” na direção do espaço entre o jardineiro esquerdo (“leftfielder”) e o jardineiro central ( “centerfielder”). O jardineiro esquerdo  “mergulhou” para fazer a defesa, mas só conseguiu agarrar firmemente a bola na segunda tentativa, quando ela já estava quase tocando o solo após ter batido na sua luva. O corredor, que havia retornado à sua base, arrancou para “home” no momento em que a luva do jardineiro esquerdo teve o primeiro contato com a bola. (O corredor cruzou o “home plate”.) A equipe na defensiva apelou na 3ª base alegando saída antecipada da base, porque o corredor deixou a “almofada” antes de a bola ser agarrada. O árbitro deve aceitar a apelação?

Não. Os corredores podem deixar suas bases no instante em que o primeiro defensor  toca a bola.

 [Beisebol: Comentário - Regra 2.00 (“CATCH”), Regra 2.00 “RETOUCH” – Vide NOTA]

 (Softbol: Regra 1 – Seção 95, Regra 8 – Seção 10l)

quarta-feira, 15 de junho de 2011

ARREMESSADOR

O arremessador fez um mau lançamento à 1ª base ao tentar surpreender o corredor fora da base. E isso após ter cometido um “balk”. Enquanto a bola rolava em território "foul", o corredor avançou à 3ª base. Nesse momento, a equipe na defensiva reclamou, alegando que o corredor deveria voltar à 2ª base, já que o árbitro da 1ª base havia apontado a falta do arremessador. Reclamou com razão?

Não. Apesar da declaração de "balk", o avanço do corredor da 1ª base à 3ª base é válido. Isso porque, quando o arremessador comete "balk" e faz um lançamento descontrolado (“wild throw”) a uma base, ou um arremesso descontrolado (“wild pitch”), o corredor  pode avançar além da base que lhe é concedida, a seu próprio risco. A falta cometida pelo arremessador não é levada em consideração.

 [Regra  8.05 – REGRA APROVADA]

terça-feira, 14 de junho de 2011

BATEDOR DESIGNADO ("DH")

O arremessador do jogo foi removido do montículo (“mound”) para assumir uma posição na defensiva. Essa alteração encerra a função do Batedor Designado para o resto do jogo. Como fica a ordem de batedores?

O arremessador deslocado para outra posição na defensiva pode bater no lugar do Batedor Designado, e o novo arremessador, no lugar do defensor removido do jogo. Se, porém, houver mais de uma substituição na defensiva, o arremessador poderá bater no lugar de qualquer um dos jogadores da defensiva substituídos (o técnico deve designar ao árbitro de “home”).

 (Regra 6.10, Manual do Árbitro da N.A.P.B L. – National Association of Professional Baseball Leagues – Seção 2 – item 2.4)

segunda-feira, 13 de junho de 2011

CONCESSÃO DE BASES

Corredor na 1ª e 2ª base, rebatida “ground” para o campo interno. O interbases apanhou a bola e tentou tocar o corredor que vinha da 2ª base, mas não obteve êxito. Em seguida, fez um mau lançamento à 1ª base –a bola foi parar nas arquibancadas.

Beisebol
Os corredores, incluindo o batedor-corredor, devem ser autorizados a avançar duas bases. A ação do interbases sobre o corredor da 2ª base foi uma tentativa de jogada; consequentemente, o lançamento à 1ª base não foi a primeira jogada de um defensor do campo interno (embora tenha sido o primeiro lançamento). Assim, para fazer uma correta concessão de bases, o árbitro deve basear-se na posição dos corredores no momento em que foi efetuado o lançamento.

 [Regra 7.05 (g)]

 Softbol
A todos os corredores, incluindo o batedor-corredor, devem ser concedidas duas bases, e a concessão será baseada na posição que eles ocupavam quando a bola deixou a mão do defensor.

(Regra 8 – Seção 7f, Regra 8 – EFEITO – Seção 7f)

sábado, 11 de junho de 2011

"DON MAI!", "DON MAI!"

Em jogos da categoria Veteranos é possível ouvir jogadores utilizando termos que os beisebolistas mais jovens talvez nem conheçam. Num desses jogos, um defensor cometeu um erro infantil quando a partida estava empatada e permitiu que a equipe adversária passasse à frente no placar. Percebendo que ele ficou visivelmente chateado, um companheiro procurou consolá-lo; disse-lhe: “DON MAI!”, “DON MAI!”.

 DON MAI vem do inglês “DON’T MIND” (dount maind), que quer dizer: não faça caso, não ligue, não esquente etc.

REGRAS DE ANOTAÇÃO

Corredor na 1ª e 2ª base. Enquanto o arremessador estava executando o arremesso, os dois corredores arrancaram para tentar um roubo duplo de base (“double steal”). O receptor lançou a bola ao defensor da 2ª base, e este eliminou o corredor da 1ª base tocando-o antes de ele alcançar a 2ª base.  O corredor da 2ª base chegou à 3ª base tranquilamente (“safe”). Deve ser atribuída uma base roubada ao corredor que alcançou a 3ª base? 

Não. Quando, numa tentativa de “double steal”, um dos corredores é eliminado  antes de alcançar e ocupar a base que pretendia roubar, a nenhum outro corredor deve ser atribuída uma base roubada.

[Regra 10.08 (d)]

sexta-feira, 10 de junho de 2011

FOI ANOTADO PONTO?

Um eliminado, "manrui"*. O batedor acertou um “fly” curto ao “centerfield” (jardim central) e foi eliminado (segundo “out”).  O corredor da 3ª base fez “tag up” (saiu da base legalmente) e pisou  o  “home plate”. O corredor da 2ª base, que havia deixado a base antes de a bola ser apanhada e estava a alguns passos da 3ª base, tentou retornar, mas foi eliminado (terceiro “out”) –o  “centerfielder” (jardineiro central), vendo que nem o segunda base nem o interbases estavam cobrindo a 2ª base, resolveu, ele próprio, fazer a jogada (após apanhar a bola, disparou em direção à 2ª base e conseguiu tocá-la antes que o corredor a alcançasse). O corredor da 3ª base havia cruzado o “home plate” antes de o corredor ser eliminado na 2ª base. Foi anotado ponto?

Sim. A terceira eliminação não foi em Jogada Forçada.
[Beisebol – Regra 4.09 (a)]
(Softbol – Regra 5 – Seção 7a)
* "Manrui" (o R não tem o som aspirado) é um termo japonês; significa bases cheias.

quinta-feira, 9 de junho de 2011

BOLA REBATIDA FICA PRESA NA PLANTA QUE COBRE O MURO OU TOCA AS FOLHAS DESSA PLANTA

O estádio Wrigley Field pode causar aos árbitros uma série de problemas. O muro do campo externo (“outfield”) está coberto com plantas trepadeiras, e algumas vezes interfere em jogadas durante a partida. Vejamos a seguir as duas possibilidades: (1) suponhamos que a bola rebatida fique presa na planta trepadeira; (2) suponhamos que a bola rebatida toque levemente as folhas da planta trepadeira antes de um defensor do campo externo (“outfielder”) apanhá-la no ar.  Qual é a decisão?

Na primeira situação, devem ser concedidas duas bases ao batedor (“ground-rule double”); na segunda situação, deve-se decidir que o defensor do campo externo efetuou uma pegada legal.
ooo 0 ooo
Warren Cromartie do Expos de Montreal correu a toda velocidade na direção do muro, deu um salto e desviou a bola para o ar tocando-a com sua luva. Em seguida, agarrou-a na altura da cintura antes de ela tocar o solo. Herman Franks, o técnico de Cub, disse que a bola, na sua trajetória para baixo, tocou algumas folhas, razão porque a pegada não deveria ser considerada legal. O árbitro Andy Olsen discordou e acrescentou que, como não houve desvio grande da bola em decorrência do contato com as folhas, sua decisão é que houve pegada legal. E disse: “Foi uma boa pegada!”.

Se a bola tivesse desviado muito, a decisão teria sido diferente; seria uma rebatida de duas bases (“ground-rule double”) e não um “catch”.

[Regras: 2.00 “CATCH”,  6.09 (f) e 7.05 (f)]

Fonte: BIG LEAGUE Baseball PUZZLERS, de Dom Forker
ooo 0 ooo
 
Temos utilizado campos em que há galhos de árvores invadindo áreas de jogo. Para solucionar eventuais problemas que podem surgir com bolas rebatidas que ficam  presas em tais galhos, ou têm contato com eles, o árbitro principal deve elaborar e fazer cumprir um regulamento especial de campo que ele julgue necessário. (O critério que o árbitro Andy Olsen usou na sua decisão sobre a bola “fly” que teve contato com as folhas poderia ser adotado nesse regulamento.) Vide Regra 3.13.

quarta-feira, 8 de junho de 2011

"HALF SWING"

Nenhum “out”, corredor na 1ª base, contagem de bolas: 3 - 2 (três “balls”- dois  “strikes”). O batedor iniciou o “swing” (ato de girar o taco), mas interrompeu-o. O árbitro de “home” declarou “BALL” e concedeu a 1ª base ao batedor, porém, atendendo ao pedido do receptor, consultou o árbitro da 1ª base sobre o “half swing” (meio-“swing”). E  sua decisão “BALL” foi mudada para “STRIKE”. O receptor, então, jogou a bola ao interbases (“shortstop”), que, vendo o corredor da 1ª base se dirigindo tranquilamente à 2ª base, tocou-o antes de ele chegar lá.  O corredor é “out”?

Sim. Os corredores devem estar atentos para a possibilidade de um árbitro de base mudar a decisão “BALL” para “STRIKE” ao ser consultado pelo árbitro de “home” sobre um “half swing”; e quando ocorre essa mudança de decisão, eles correm o risco de serem eliminados pelo lançamento do receptor, pois a bola permanece em jogo.

 [Comentário - Regra 9.02 (c)]

terça-feira, 7 de junho de 2011

CONDUTA ANTIDESPORTIVA DO "BENCH"

Num jogo de beisebol da categoria Infantil, ocupantes de um “bench” estavam se comportando de maneira antidesportiva a fim de confundir e desestabilizar o arremessador da equipe contrária. (Todas as vezes que o arremessador iniciava os movimentos de arremesso, gritavam e proferiam palavras provocativas para importuná-lo.) Como coibir isso?

O árbitro deve, inicialmente, dirigir-se ao técnico e avisar-lhe que tal comportamento deve cessar. Se, apesar da advertência, o técnico não tomar nenhuma providência, ou não conseguir controlar seus jogadores, o árbitro poderá removê-lo do jogo.

 [Regras: 4.06 (a), 9.01 (c)]

segunda-feira, 6 de junho de 2011

FALTOU O SEGUNDO TOQUE

Corredor na 2ª base. Rebatida “ground” em direção ao defensor da 2ª base. Foi tentada uma jogada para eliminar o corredor da 2ª base, que estava avançando à 3ª base. O defensor da 3ª base recebeu a bola e deu um toque no corredor, mas quando este já havia pisado a base.  Ocorre que o corredor, no momento em que foi tocado, perdeu o equilíbrio e foi ao solo; e o árbitro declarou-o eliminado porque, quando caiu, ele soltou os pés da base. Foi uma decisão correta?

Não. Para eliminar o corredor o defensor da 3ª base teria que tê-lo tocado novamente, fora da base.

 [Beisebol - Regra 7.08 (c)]

 (Softbol – Regra 8 – Seção 9b)

quarta-feira, 1 de junho de 2011

UM ARREMESSO LEGAL ATINGE UM CORREDOR QUE ESTÁ TENTANDO ANOTAR PONTO

Contagem de bolas sobre o batedor: dois “strikes”. O corredor da 3ª base tentou um “home steal” (roubo de “home”) num arremesso legal e, no momento em que deslizou na direção do “home base”, foi atingido pela bola arremessada, na zona de “strike” do batedor (depois de ser atingido pela bola, ele tocou a base). Como deve ser decidido este lance?

O árbitro deve declarar o terceiro “strike” e eliminar o batedor. Se a jogada apresentada acima ocorrer quando há duas eliminações, nenhum ponto será anotado; se ocorrer quando há menos de duas eliminações, será contado um ponto –neste caso, se houver corredor(es) em base, ele(s) será(ão) autorizado(s) a avançar uma base. A bola torna-se morta.
[Regras 5.09 (h) e 6.05 (n)]
Fonte: EL BEISBOL Arbitros en el Terreno, de Humberto Vázquez

ÁRBITROS PARA CAMPEONATOS INTERNACIONAIS

Para a categoria Pré-Infantil Pan-Americano ( Nicaraguá) de 08 a 18 de Agosto de 2011 Marcilio Rosanelli, indicação do Yamaguchi e Nagano de Curitiba.

Para a categoria Infantil Pan-Americano ( Guatemala) de 21 a 31 de Outubro de 2011 - Paulo Kojima (só falta confirmar)

Para a categoria Pré-Junior Pan-Americano ( Venezuela ) de 11 a 22 de Agosto de 2011 - Naoyoshi Goto de P.Prudente

Para a categoria Infantil (mundial) - China Taipei - Paulo Yamada

Para a categoria Junior (mundial) - México - Chunyti Moritaca

Para a categoria Juvenil Pan-Americano - Colombia - indicados - Everaldo Medeiros e Eiki Uehara

Para a categoria Adulto Sul-Americano - Argentina - indicados - Francisco Gentil e João Andreossi